Badajoz – Comunidade de Extremadura

Recentemente estive visitando a cidade de Badajoz, capital de uma das duas províncias que compõem a Comunidade de Extremadura ( a outra é Cáceres). A partir de hoje, inicio uma série de matérias sobre esta interessante cidade, situada na região sudoeste da Espanha. Com aproximadamente 150 mil habitantes, Badajoz é a cidade mais populosa da comunidade, e a mais importante do ponto de vista econômico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade está a escassos quilômetros da fronteira com Portugal, fato que condicionou sua história de maneira determinante. O município de Badajoz é considerado o terceiro de todo o país em superfície, depois das cidades de Cáceres e Lorca. Está atravessada pelo Rio Guadiana, um dos principais cursos fluviais do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeus habitantes são muito simpáticos, estando sempre abertos a bater um papo. Devido à proximidade com Portugal, aqui as pessoas entendem muito mais o idioma português que em outras zonas do país, e muitos arriscam falar na nossa língua.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANos dias em que lá estive, uma espécie de toldo cobria as principais ruas do centro histórico, proporcionando uma agradável sombra nos dias calorosos do verão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERABadajoz possui uma grande quantidade de locais declarados de interesse histórico-artístico, como a Alcazaba, uma das mais importantes de Espanha, e a Catedral, considerada a mais “portuguesa” do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma grande quantidade de ruas do centro homenageiam a personagens célebres que nasceram na Extremadura, como é o caso do pintor Francisco de Zurbarán (Fuente de Cantos, Província de Badajoz-1598/Madrid-1664), um dos grandes nomes do Século de Ouro da cultura espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOu então o conquistador do México, Hernán Cortés (Medellín, Província de Badajoz-1485/Castileja de la Cuesta, Província de Sevilha-1547).

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe fato, os estremeños tiveram um papel proeminente na conquista do continente americano. Somente em Badajoz, se calcula que cerca de 400 habitantes participaram no processo. Abaixo, vemos uma estátua que homenageia a outro nome fundamental, Francisco Pizarro (Trujillo, Província de Cáceres-1478/Lima, Peru-1541), conquistador do Peru.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa cidade nasceu Manuel Godoy (1767/1851), válido do rei Carlos IV (uma espécie de primeiro ministro), e um dos principais nomes políticos da Espanha de final do século XVIII e princípio do XIX. Abaixo, vemos a casa onde veio ao mundo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante três dias, estive passeando pela cidade, descobrindo seus lugares mais interessantes, que pouco a pouco irei mostrando para os (as) leitores (as) do blog…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFatos históricos marcantes ocorreram em Badajoz, uma cidade que se destacou por seu valor estratégico, estando em muitas ocasiões marcada por conflitos bélicos, como vocês poderão ver nas próximas matérias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Museu Lázaro Galdiano – Pintura Espanhola

Um dos melhores motivos para se visitar o Museu Lázaro Galdiano é sua excelente pinacoteca. Formada tanto por artistas estrangeiros quanto espanhóis, nele estão representados alguns dos melhores pintores que a Espanha produziu. O acervo abarca desde a pintura gótica até o séc. XIX. Em sua atividade colecionista, Lázaro Galdiano tinha especial apreço pelas obras góticas e renascentistas. Com grande oportunismo, conseguiu adquirir quadros de grande qualidade por um bom preço. Os pintores góticos, denominados os Primitivos Espanhóis, na época eram pouco valorizados em seu próprio país. Lázaro Galdiano, ao comprar estes quadros, procurou que o público espanhol pudesse conhecer seu passado artístico e os artistas relacionados aos séc. XV e XVI, possibilitando uma nova visão de sua história cultural. Abaixo, vemos um quadro de Blasco de Grañén, pintado em 1439 com a representação da Virgem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1500, o chamado Mestre de Manzanillo realizou esta obra, em que aparecem os Reis Católicos junto com Santa Elena e Santa Bárbara.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO século XVI representou uma fase de transição para a Pintura Espanhola, quando os novos modelos e influências renascentistas, tanto de Itália, quanto de Flandes, propiciaram uma mudança estética em sua arte. O Renascimento Italiano ofereceu uma reflexão científica da imagem representada, enquanto a Arte Flamenca enfatizava uma visão mais naturalista, com predomínio dos valores expressivos e emocionais. Um dos primeiros representantes do Renascimento em Castilla é conhecido como o Mestre de Astorga. No museu podemos admirar duas de suas obras, em que representa o desembarque do corpo do Apóstolo Santiago e seu transporte a Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA riqueza e expansão marítima nos séculos XVI e XVII possibilitaram o florescimento das artes, dando início ao apogeu da cultura espanhola, momento em que surgiram os grande nomes de sua literatura e de sua produção pictórica, com nomes mundialmente famosos. O denominado Siglo de Oro (Século de Ouro) está muito bem representado no museu, com obras fundamentais para sua apreciação. El Greco, por exemplo, realizou este quadro de São Francisco de Assis (1577/1580), um dos muitos que pintou, com um perfeito desenho do rosto, belos efeitos de luz, refinado colorido e uma bela expressão do olhar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Seu filho Jorge Manuel realizou o quadro que vemos abaixo, em sua parte superior, entre 1609 e 1612.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o advento do barroco no séc. XVII, a Pintura Espanhola rompe com o idealismo do período anterior, mostrando um acentuado realismo. Um dos pintores que melhor definem o Barroco Espanhol foi Bartolomé Esteban Murillo (Sevilha:1617/1652). Em suas obras, predomina a temática religiosa, mas também cultivou a pintura de gênero. Seu nome está associado aos quadros de Virgens que realizou, puras e delicadas. Sempre foi um artista mais conhecido e apreciado fora da Espanha. Dele é a representação de Santa Rosa de Lima, pintado em 1670.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFrancisco de Zurbarán (Fuente de Cantos-1598/Madrid-1664) é outro dos maiores expoentes da Pintura Barroca Espanhola. É considerado o máximo representante do denominado naturalismo tenebrista na Espanha, com grande influência do pintor italiano Caravaggio. Contemporâneo e grande amigo de Velázquez, destacou-se na pintura religiosa, com obras de um intenso misticismo, característico do período da Contrarreforma. A seguir, vemos dois quadros de Zurbarán expostos no museu, um que representa a Imaculada Conceição e outro com a imagem da Virgem da Merced.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro dos grandes pintores do Século de Ouro foi José de Ribera (Xátiva-1591/Nápoles-1652). Desenvolveu sua carreira na Itália, precisamente em Nápoles, onde era conhecido como “Lo Spagnoletto“, devido a sua baixa estatura. Realizou este quadro de São Bartolomeu, exposto no Museu Lázaro Galdiano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPertencente ao Barroco Pleno, Cláudio Coelho (1642/1693) nasceu e morreu em Madrid, lugar onde realizou inúmeros altares para as igrejas e conventos da cidade e região. No governo do monarca Carlos II, foi nomeado pintor real. Abaixo, vemos um quadro da Imaculada Conceição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos alguns belos retratos da Pintura Espanhola e um dos pintores mais apreciados por Lázaro Galdiano, Francisco de Goya.

Real Monastério de Guadalupe – Parte 3

No post de hoje, conheceremos a igreja do Real Monastério de Santa Maria de Guadalupe. A ela entramos pela fachada principal do monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi levantada no séc. XV no estilo gótico sobre um templo anterior mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior Barroco foi inaugurado em 1618 pelo rei Felipe III. O projeto foi realizado por Juan Gómez de Mora (responsável, entre outras obras, pela Praça Maior de Madrid), e executado pelo escultor Giraldo de Merlo, que foi auxiliado pelo filho de El Greco, Jorge Manuel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Altar Maior está protegido por um belíssimo portao de ferro, por si só uma obra de arte. Foi realizado no séc. XVI pelos frades Francisco de Salamanca e Juan de Ávila.OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPodemos observar vários sepulcros, como o de D.Afonso de Velasco e sua esposa D.Isabel de Cuadros, ambos em posiçao orante. Encontram-se na Capela de Santa Ana, e foram talhados  no final do séc. XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo denominado Coro Alto, contemplamos um órgao alemao fabricado em 1924 sobre uma caixa barroca do séc. XVIII.OLYMPUS DIGITAL CAMERAA nave central encontra-se cuberta por uma espécie de rede para a proteçao dos fiéis. Ignoro, no entanto, o real motivo desta medida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a cúpula da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, publico fotos de outros espaços do interior da igreja, adornada com obras relativas ao processo de evangelizaçao dos indígenas no continente americano. Desde o monastério, os Reis Católicos realizaram as ordenanças que tornaram possível a viagem de Cristóvao Colombo à América.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém da igreja, o Real Monastério de Guadalupe reserva muitas surpresas para o visitante, como os excepcionais museus onde admiramos pinturas de El Greco, Goya e Francisco Zurbarán. Este último foi encarregado da decoraçao da sacristia, e os quadros nela expostos estao entre os melhores que realizou. Já o Museu de Livros Iluminados conta com uma das melhores coleçoes do mundo no gênero. Estas obras sao enormes, sendo que muitos delas pesam mais de 60kg e, para sua locomoçao, sao utilizados um aparato com rodas. Destacam também os livros de cantos dos séc. XIV ao XVIII, realizados no próprio scriptorium do monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu dos Bordados possui mais de 200 peças fabricadas pelo próprio monastério. Localiza-se no antigo refeitório, e foi inaugurado em 1928 pelo rei Alfonso XIII. Uma pena que as fotos nestes museus estao totalmente proibidas.

Museu da Real Academia de San Fernando – Pintura Religiosa

O denominado Século de Ouro da Cultura Espanhola desenvolveu-se principalmente durante a época do barroco, estilo predominante da Contrareforma (séc. XVII). O Museu da Real Academia de Belas Artes de San Fernando de Madrid possui uma excelente coleçao de seus principais nomes, cuja temática religiosa foi um dos pilares de sua criaçao artística. Hoje conheceremos alguns deles, através de algumas obras expostas no museu. Iniciamos, porém, com um dos artistas mais importantes do Renascimento Espanhol, Juan de Juanes (1510/1579). Em sua obra, notamos a influência da pintura italiana, dedicando-se sobretudo à iconografia religiosa. Abaixo, vemos o quadro que realizou da Sagrada Família.

DSC08563Também ao séc. XVI pertence o pintor Luis de Morales (Badajoz- 1515/1586). Em sua obra, sao abundantes as cenas da Paixao de Cristo. Foi apelidado de “El Divino” pela intensidade e força expressiva de sua temática religiosa, fruto de sua profunda fé. Abaixo, vemos a “Piedade”, pintada em 1570.

DSC08560O tema da Piedade se renova na obra de Morales devido à sua intensidade. Em vida, alcançou grande fama, e seu principal protetor foi o Bispo de Badajoz, Juan de Ribera. No mesmo ano (1570), realizou o quadro intitulado “Cristo ante Pilatos”. Este episódio também se denomina Ecce Homo (Eis aqui o Homem), palavras ditas por Pilatos, segundo a Paixao de Sao Joao. O fundo negro da cena elimina toda a referência espacial e o olhar do espectador se concentra sobre as três figuras de meio corpo da cena. Cristo aparece no meio de dois personagens de cruel sarcasmo. O da esquerda possui traços caricaturescos, enquanto o outro, pela vestimenta, representa a Pilatos.

DSC08562Um dos pintores mais representativos da Contrareforma, Francisco de Zurbarán (1598/1664) destacou-se na pintura religiosa, na qual sua arte revela uma grande força visual e um profundo misticismo. Amigo de Velázquez, tornou-se famoso graças aos quadros encarregados para conventos e monastérios. É conhecido como o “Pintor dos Monjes”, tema em que foi um mestre indiscutível. Um exemplo é o quadro “Frade Francisco Zumel”, um monje nascido em Palencia, e um dos membros mais conhecidos da Ordem da Merced.

DSC08554Em 1639, Zurbarán realiza a obra “Agnus Dei”. O cordeiro, que aparece com as patas presas, se converte no símbolo da inocência e do próprio Cristo, cujo sacrifício significou o triunfo sobre a vida e a morte.

DSC08556O tema da Crucificaçao foi retratado por muitos artistas do barroco, entre os quais Alonso Cano (Granada-1601/1667). A seguir, vemos “Cristo na Cruz”, proscedente do Convento de San Martín de Madrid, inegável obra prima pela perfeiçao do desenho e o sentimento de solidao e morte que consegue expressar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlonso Cano foi um excepcional artista, destacando-se tanto na pintura, quanto na escultura e arquitetura. Realizou diversas obras para os conventos e igrejas de Madrid. Abaixo, contemplamos o quadro “Cristo recolhendo suas roupas”, um tema que aparece na Itália no séc. XVI. O pintor retrata o momento que segue à flagelaçao de Cristo, narrado no Evangelho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJosé de Ribera (Xátiva, Prov. Valencia-1591/Nápoles-1652)  desenvolveu sua carreira artística em Nápoles, fato que contribuiu para que fosse conhecido como “El spagnoletto”. Foi um dos principais artistas que colaboraram na formaçao da Escola Napolitana de Pintura. Dele é a obra “Apariçao do Menino Jesus a Sao Antonio”, realizada em 1636. Sao Antonio de Pádua foi canonizado um ano depois de sua morte em 1232, sendo o santo mais popular da Contrareforma, superado apenas por Sao Francisco. Abaixo, vemos uma das melhores representaçoes do santo durante o período barroco, realizada por Ribera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras de José de Ribera logo foram enviadas a Espanha, influindo de maneira decisiva na técnica e nos modelos pintados por Velázquez e Murillo. Um dos artistas espanhóis mais apreciados no exterior, Bartolomé Esteban Murillo (Sevilha-1618/1682) formou-se na chamada Pintura Naturalista. Com o tempo, evolucionou a formas próprias do barroco, antecipando o Rococó.  Além da Pintura Religiosa, cultivou continuamente a Pintura de Gênero. Em 1646, Murillo pintou o quadro “Sao Diego de Alcalá e os pobres”. O santo nasceu perto de Sevilha e faleceu em Alcalá de Henares. Seu corpo permaneceu incorrupto, suscitando a veneraçao popular. Murillo representa na obra tipos populares que reaparecerao em muitos outro quadros que realizou.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo séc. XVIII, destacamos dois pintores. O primeiro deles, Zacarias González Velázquez, já mencionamos no post anterior sobre retratos. Acadêmico de San Fernando e Pintor de Câmara, alcançou o posto de Diretor de Pintura e Diretor Geral da Real Academia. Quando solicitou ser nomeado para a instituiçao, apresentou a obra “Cristo Crucificado” em 1790. O aspecto neoclássico da obra é resultado da influência do mesmo tema realizado por Antonio Raphael Mengs, mestre do estilo.

DSC08537Finalizamos o post com o pintor Mariano Salvador Maella (Valencia-1739/Madrid-1819). Este importante artista foi acusado de “Afrancesado”, por ter servido ao rei José I, irmao de Napoleao. Por este motivo, quando Fernando VII retorna ao país e assume o trono, foi apartado de suas funçoes e substituído por Vicente López. Maella é considerado o pintor das Imaculadas por excelência do último terço do séc. XVIII, como podemos comprovar a seguir.

DSC08533

Basílica de San Francisco – Segunda Parte

Como comentamos no post anterior, a Basílica de San Francisco possui, além da Capela Maior, 6 outras secundárias, que contornam a planta circular da igreja. Vimos três delas, e agora conheceremos as outras que faltam.

A Capela da Paixão está composta por um quadro em que se representa o Calvário, obra de Germán Hernández Amores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela de N.Sra De La Merced está decorada com um quadro da Virgem, feito pelo artista Carlos Luis de Ribera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, vemos a Capela de Santo Antônio de Pádua, com um quadro da Imaculada Conceição, de Mariano Salvador Maella e uma formosa escultura do santo, realizada no séc. XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACabe ressaltar que em cada uma das capelas, existem 3 grandes quadros, e apenas comentamos os centrais, de maior importância. A decoraçao de todas as capelas e suas respectivas obras foram realizadas  no final do séc. XIX, com exceçao dos quadros de Goya, situado na Capela de San Bernardino, e o quadro da Imaculada Conceiçao, de Mariano Salvador Maella, que vimos acima, ambos pintados em 1784.

O contorno da igreja está adornado por 12 grandes estátuas dos Apóstolos, esculpidas em mármore branco de Carrara, e medem mais de 2.5m cada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO elemento mais impressionante de todo o conjunto é a cúpula que, com 33m de diâmetro e a uma altura máxima de 42m do solo, é considerada a quarta maior cúpula de todo o mundo cristão, sendo superada apenas pelo Panteão de Roma (43m), a Basílica de São Pedro (41.5m) e a Catedral de Santa Maria de Fiori, em Florença (42m).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAToda a cúpula está decorada com um conjunto de pinturas, cuja temática central se refere a glorificaçao de Maria como rainha dos Anjos, e está dividida em 8 partes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Sua decoração se completa com uma série de vitrais policromados, situados nos vãos que rodeiam a parte inferior. Os vitrais foram construídos na cidade de Munique, em 1882.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O templo acolhe também uma excelente coleção de quadros pertencentes, principalmente, ao Barroco Espanhol. Na Sala Capitular, foram reunidos os mais importantes, como os quadros de Francisco de Zurbarán (San Buenaventura recebendo a visita de São Tomás de Aquino) e o de Alonso Cano (San Antônio de Pádua).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a decoraçao do teto da sala capitular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Sacristia também é depositária de belos quadros e pinturas murais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Recomendo muito a visita guiada realizada na Basílica que, além das excelentes informações que nos possibilita conhecer melhor o templo, nos permite o acesso a outras dependências do recinto que, de outra forma, seria impossível visitar.

A Basílica de San Francisco foi declarada Monumento Nacional em 1980, e mais que recomendada, sua visita é obrigatória.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA