Vila de Pedraza – Província de Segóvia

Uma das imagens mais evocadoras de Espanha são os pueblos, abundantes por todo seu território. Muitos deles possuem um encanto especial, graças ao caráter medieval de seu traçado urbano e os monumentos que acolhe. Tal é o caso da Vila de Pedraza, situada a noroeste da Província de Segóvia (Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPedraza surgiu durante o período de repovoamento ocorrido logo depois da reconquista (processo cujo objetivo era a retomada dos territórios, então sob o poder muçulmano), sendo que seu centro histórico permanece intacto desde o ano 1600, razão pela qual é considerada uma das vilas medievais mais bem conservadas de todo o país. Sua época de maior esplendor corresponde aos séc. XV/XVI, como se pode observar em suas inúmeras casas decoradas com escudos nobiliários, que nos contam a importância de seus moradores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstas casas começaram a surgir depois da chegada da influente família dos Velasco, já que Pedraza tornou-se uma vila senhorial desde o séc. XIV, e assim permaneceu até o séc. XIX, quando foram abolidas as terras senhoriais. No extremo do povoado encontra-se o Castelo, erguido no séc. XIII, reedificado no XIV e reformado no XVI. Em sua maior parte rodeado por um precipício, nele estiveram presos dois dos filhos do rei francês Francisco I. Para que fossem liberados, o monarca tinha que cumprir com os acordos incluídos no Tratado de Madrid (1526), assinado pelo exército francês depois da Batalha de Pávia, na qual foram derrotados pelo exército espanhol (parte integrante da guerra travada entre os dois países pela soberania de alguns territórios italianos). Com a denominada Paz de las Damas, finalmente ambos filhos foram libertados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1926, o pintor Ignacio Zuloaga (1870/1945), considerado um dos artistas espanhóis mais importantes do final do séc. XIX e princípio do XX, adquiriu o castelo e nele instalou sua oficina de trabalho. Seus herdeiros organizaram um museu dedicado à sua obra, que pode ser conhecida em uma das torres do castelo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPedraza se desenvolveu graças ao numeroso rebanho de ovelhas que possuía, abastecendo os mercados de lã  de Brudges e Florença. Com a crise da pecuária no séc. XIX, iniciou sua decadência, acelerada pelo despovoamento do campo que marcou o início do séc. XX. As casas foram abandonadas e foram vendidas a um preço insignificante. A situação mudou quando os próprios habitantes começaram a readquirir os imóveis e restaurá-los com a ajuda privada, cujo criterioso processo de conservação rendeu inúmeros prêmios à cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO único acesso ao pueblo se dá pela Porta da Vila, cuja origem remonta ao séc. XI. No séc. XVI foi reconstruída por Iñigo Fernández de Velasco, sendo que seu escudo preside a entrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta integrava uma torre de vigilância. Depois, foi transformada em prisão no séc. XIII, e também reconstruída no séc. XVI. Em sua visita podemos observar as condições sub-humanas em que os presos da Idade Média eram mantidos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro de Pedraza vemos a Praça Maior, uma das mais belas do país. De formato irregular, foi criada pelos senhores da vila para que pudessem contemplar de seus balcões os festejos taurinos nela realizados desde 1550, e que ainda hoje se podem presenciar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa praça, eleva-se a torre românica da Igreja de San Juan, única parte sobrevivente de sua construção original, pois o templo foi reformado em época barroca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPedraza serviu também de cenário para vários filmes, e no mês de julho organiza-se uma de suas festas principais, o “Concerto das Velas”, que atrai a milhares de visitantes pela qualidade dos músicos e pelo grandioso espetáculo formado por 35 mil velas espalhadas pelo povoado. De noite, as luzes de públicas são apagadas, e o ambiente torna-se mágico. Na Gastronomia, destaca o delicioso Cordeiro Assado, mais um motivo para conhecer este lugar maravilhoso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Praça da Vila – Madrid

Um dos núcleos mais antigos de Madrid, a Praça da Vila localiza-se junto à Calle Mayor, e corresponde ao primitivo traçado medieval da cidade. Antigamente, era conhecida como Praça do Salvador, devido à igreja que se situava diante dela. No séc. XV, a praça adotou o nome atual, coincidindo com a outorgaçao do título de Nobre e Leal Vila que recebeu Madrid, das maos do rei Enrique IV de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAContornando a praça, se encontram 3 edifícios de grande valor histórico-artístico, erguidos em épocas distintas. O mais antigo é a Casa e Torre dos Lujanes, pertencente a uma rica família de comerciantes aragoneses. Construída no estilo gótico-mudéjar, seu conjunto é considerado a edificaçao civil mais antiga de Madrid (séc. XV)

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, esta casa sedia a Real Academia de Ciências Morais e Políticas, e sua bela fachada está formada por um arco de ferradura mudéjar e uma porta de madeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado desta casa, vemos a residência da família Lujanes, cujo escudo decora a fachada gótica principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEncostada na casa dos Lujanes, vemos a torre, que alimenta várias lendas em torno ao rei francês Francisco I, derrotado na Batalha de Pavía pelo rei espanhol Carlos V. Apesar de vencido, o monarca francês foi bem recebido em Madrid, mas se negava a fazer reverências ao rei espanhol, por uma questao de orgulho pessoal. Este, entao, mandou construir uma pequena porta que dificultaria a entrada de Francisco I, graças a sua elevada estatura, obrigando-lhe a inclinar-se ante a Carlos V. Diz a lenda que Carlos V entrou primeiro na torre, seguido do francês, mas a estratégia nao deu certo, pois Francisco I entrou de costas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Casa de Cisneros é, na verdade, um palácio construído em 1537, no estilo plateresco, para o sobrinho do famoso cardeal Cisneros, construtor da famosa Universidade de Alcalá de Henares, Benito Jiménez de Cisneros. A fachada que dá para a praça foi alçada no começo do séc. XX, quando a prefeitura adquiriu o imóvel, procedendo uma reforma em consonância com seu aspecto original. A obra foi realizada pelo arquiteto Luís Bellido González, que também construiu a passagem entre o palácio e a prédio da prefeitura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAntiga Casa Consistorial e prisao, a denominada Casa da Vila foi erguida no séc. XVII, no estilo barroco, por um dos arquitetos da Praça Maior, Juan Gómez de Mora. Sua construçao iniciou-se em 1645, e do período compreendido entre 1693 e 2007, foi a sede do Ayuntamiento (prefeitura) da cidade. Atualmente, está localizada no Palácio das Comunicaçoes (post publicado em 13/9/2012).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro da praça, vemos um monumento que homenageia ao famoso almirante da armada espanhola Don Álvaro de Bazán (1526/1588). A estátua foi esculpida em 1888, como motivo do terceiro centenário de sua morte. Dito personagem teve uma participaçao destacada na importante Batalha de Lepanto, em que uma coalizao crista, formada pelo Reino de Espanha, as Repúblicas de Veneza e Gênova, além dos Estados Pontifícios, derrotaram os turcos otomanos, detendo sua expansao no Mediterâneo (1571).

OLYMPUS DIGITAL CAMERANesta batalha, participou também o escritor Miguel de Cervantes, que resultou ferido, perdendo a mobilidade de sua mao esquerda, fato que lhe valeu o apelido de “Manco de Lepanto”.