Igreja de Santiago – Madrid

No post de hoje conheceremos a história da Igreja de Santiago de Madrid. Na realidade, trata-se da continuação do post anterior, não só pela localização da igreja, situada na Plaza de Santiago, que se encontra ao lado da Plaza de Ramales, mas também devido a mesma circunstância histórica, pois como sucedeu com a Igreja de San Juan Bautista, o antigo templo dedicado ao Apóstolo Santiago também foi derrubado durante o reinado de José Bonaparte em 1810.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santiago era uma das mais antigas da cidade, pois se encontra documentada no Foro de Madrid, outorgado pelo rei Alfonso VIII em 1202. José Bonaparte mandou derrubar boa parte das edificações situadas na fachada oriental do Palácio Real para a construção da Plaza del Oriente, condenando ambos templos, situados próximos um do outro. No entanto, a diferença da Igreja de San Juan Bautista, o rei francês ordenou a construção de uma nova igreja dedicada ao Padroeiro da Espanha. Para tanto, encarregou ao arquiteto Juan Antonio Cuervo um projeto arquitetônico, cujo resultado podemos apreciar hoje em dia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA construção da Igreja de Santiago foi inspirada no classicismo do arquiteto Juan de Villanueva, autor do projeto do Museu do Prado, entre outros edifícios emblemáticos da capital. Apresenta uma fachada sóbria, composta por pilares feitos de granito e o resto de sua estrutura em tijolo. No centro da fachada vemos um relevo em que aparece o Apóstolo Santiago auxiliando o exército cristão do rei asturiano Ramiro I na Batalha de Clavijo, travada contra os muçulmanos no ano de 844 ( ocorrida no atual território da Comunidade da Rioja). Dentro da iconografia do apóstolo, esta intervenção milagrosa nas batalhas da reconquista, quando Santiago aparecia montado num cavalo branco para derrotar o exército inimigo, é conhecida como Santiago Matamouros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo possui uma planta de cruz grega. O altar maior está presidido por um quadro que também representa a Santiago Matamouros. Realizado por Francisco Ricci, esta obra fazia parte da antiga igreja desaparecida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre as colunas do retábulo foram colocadas esculturas dos denominados 4 Padres da Igreja Católica: Santo Agostinho (356/430), São Jerônimo (347/420), São Gregório Magno (540/604) e São Ambrósio (340/397).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Plaza de Santiago é o início do chamado Caminho de Santiago Madrilenho, que parte em sentido norte até a cidade de Sahagún (Castilla y León), quando então se une com o tradicional Caminho Francês. Na placa indicativa da praça, aparece o emblema desta histórica rota de peregrinação, bem como a indicação ao Convento de Uclés, situado na Província de Cuenca. Historicamente, este convento foi fundamental para a Ordem de Santiago, pois nele instalou sua sede central, e onde atualmente se guarda o importante arquivo desta ordem militar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa fachada do templo observamos elementos associados ao apóstolo, como a Cruz de Santiago e a Concha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo curiosidade, o arquiteto Juan Antonio Cuervo e seu sobrinho Tiburcio Pérrez Cuervo foram retratados pelo genial pintor Francisco de Goya, cujos quadros podem ser vistos no Museu de Arte de Cleveland e no Metropolitan de Nova York.

Colegiata de San Isidro – Parte 2

Apesar das dificuldades atravessadas ao longo de seus quase 4 séculos, o interior da Colegiata de San Isidro guarda vários elementos de interesse. Abaixo, vemos uma imagem geral, com a nave central e o Retábulo Maior no fundo, obra de Ventura Rodríguez que, apesar de destruído na Guerra Civil, foi restaurado com uma réplica fiel do original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro do retábulo, vemos as arcas depositárias dos restos de San Isidro e de sua esposa, Santa Maria de la Cabeza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASobre o crucero (ponto central de intersecçao entre a nave central e a nave transversal), levanta-se uma cúpula desenhada por Francisco Bautista. Trata-se do primeiro exemplo da chamada Cúpula Encamonada, um tipo falso de cúpula traçada sobre uma estrutura de madeira e recoberta de gesso. Devido ao pouco peso, facilita seu apoio sobre muros de pouca grossura. A fórmula representou um grande êxito arquitetônico, estendendo-se a outros templos madrilenhos do séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos uma foto exterior da cúpula.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Colegiata de San Isidro está decorada por várias e belas capelas. Comheceremos algumas delas, como a de N.Sra do Bom Conselho, a maior da igreja. No centro da capela, vemos um retábulo barroco do séc. XVIII, com as imagens laterais de Sao Joaquim e Santa Ana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela das Duas Trindades possui um retábulo do séc. XVII, realizado por Sebastián Herrera Barnuevo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém barroca e do séc. XVIII é a Capela de Sao Cosme e Sao Damiao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA colegiata é a sede de duas hermandades, a de Jesus do Grande Poder e da Virgem da Macarena, e ambas possuem suas próprias capelas. Abaixo, vemos a da Virgem de Macarena, com uma belíssima imagem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela de Jesus do Grande Poder é considerada uma das mais belas capelas barrocas de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro, uma talha impressionante de um Cristo muito verado pelos habitantes da cidade, obra de José Antonio R. Andés.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas partes laterais da capela, vemos duas pinturas de Francisco Ricci realizadas no séc. XVII, uma delas representando o Calvário.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConcluimos o post sobre a Colegiata de San Isidro com uma maravilhosa escultura da Virgem, da escola madrilenha e executada no séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de San Ginés – Madrid

Na Calle del Arenal encontra-se um dos templos mais antigos de Madrid, a Igreja de San Ginés. Nao se sabe exatamente qual sua origem, mas já existia no séc. XII, sendo frequentemente visitada pelo santo padroeiro de Madrid, San Isidro. As primeiras referências datam de 1358, através de uma bula papal de Inocêncio VI, na qual concedia indulgências aos fiéis que realizassem doaçoes para a igreja. Na fachada lateral neoclássica do templo, vemos um relevo com o escudo do Papa Inocêncio VI.

DSC09326O titular da paróquia, San Ginés de Arlés, foi um santo francês nascido em data desconhecida e decapitado no início do séc. IV, sendo considerado o padroeiro dos notários, escrivaos e secretários. A igreja que vemos atualmente pouco se parece com o templo original, devido às muitas reformas realizadas e a sua dilatada história. Em 1641, por ex., foi parcialmente derrubada e reconstruída 4 anos depois. Sofreu três incêndios, em 1724, 1756 e 1824. Entre 1870 e 1872, a prefeitura ordenou a remodelaçao da fachada que dá para a Calle del Arenal, mudando por completo o estilo anterior, quando se constrói o átrio que vemos atualmente.

DSC09328Abaixo, vemos a Calle del Arenal, desde o átrio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a Guerra Civil Espanhola, a Igreja de San Ginés permaneceu fechada ao público, quando converteu-se num quartel militar republicano, sofrendo o impacto de vários disparos. Entre 1956 e 1964 foi realizada a última intervençao no templo, e a fachada exterior foi totalmente transformada, adquirindo o aspecto que tinha no séc. XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante as reformas, foi mantida a torre, feita de tijolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO antigo cemitério de San Ginés situava-se no patio de entrada do átrio. Debaixo dele, existe um poço com 9m de profundidade, que funcionava como crematório na época da Inquisiçao, e também onde eram enterrados os enforcados na Praça Maior. O interior está repleto de obras de arte, inclusive com um quadro de El Greco, situado na Capela do Santíssimo Sacramento, de grande veneraçao e que serviu de paróquia durante as reformas realizadas depois do incêndio de 1824. A atual decoraçao interior foi realizada pelo arquiteto Juan de Villanueva, encarregado pela Real Academia de San Fernando depois do referido incêndio. Abaixo, vemos algumas imagens das capelas do interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADSC09330Acima, vemos a chamada Virgen de la Cabeza, uma talha do séc. XX, pois a original do séc. XII foi destruída no incêndio de 1824. Abaixo, vemos uma belíssima escultura de Cristo caído com a cruz, obra de Nicolo Fumo, que a realizou em 1698.

DSC09333Também queimado no incêndio de 1824 foi o Retábulo Maior, que representava o Martírio de San Ginés, realizado por Francisco Ricci. Foi refeito pelo artista José de San Martin. No entanto, existem estudiosos que afirmam que o retábulo é o original de Ricci, que pôde ser salvo das chamas. Duvidas à parte, o Retábulo é muito bonito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Igreja de San Ginés casou-se o famoso escritor Lope de Vega e foi batizado  Francisco de Quevedo, dois “gigantes” da Literatura Espanhola, como informa uma placa situada no átrio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA