Museus de Badajoz

Badajoz possui uma interessante oferta cultural que pode ser admirada nos diversos museus da cidade. No plano artístico, de visita obrigatória é o Museu Provincial de Belas Artes. Inaugurado em 1920, ocupa três edifícios, sendo que o mais antigo pertence a um palácio do século XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste museu é considerado uma das mais importantes pinacotecas de toda a Comunidade de Extremadura. Seu acervo conta com mais de 2 mil obras, com destaque para os artistas que nasceram na comunidade, como Francisco de Zurbarán (1598/1664) e Luis de Morales (1509/1586). Devido à sua importância, os fundos artísticos do Museu de Belas Artes foram declarados Monumento Histórico-Artístico em 1962.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAcima, vemos um quadro em que Zurbarán retrata a Virgem das Nuvens, realizado entre 1636 e 1638. Logo depois de tirar a foto, me disseram que as mesmas estavam proibidas…De qualquer modo, valeu a pena contemplar a coleção do museu, que abrange um período que inicia no século XVI e se prolonga até o século XX. Abaixo, vemos imagens de outro dos edifícios que compõem o museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro centro cultural de interesse é o Museu Ibero-americano de Arte Contemporânea.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO museu organiza exposições temporárias de diversos artistas da comunidade, portugueses e latino-americanos. Sua história é curiosa, pois o edifício sede foi construído nos anos 50 do século passado como prisão da cidade, até que foi abandonada nos anos 70 e reabilitado posteriormente como museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAÉ sempre louvável esta mudança de paradigma, isto é, quando um edifício se transforma num local de entretenimento e cultura, quando sua função inicial era bem distinta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO lugar inclui um agradável jardim, perfeito para um descanso…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma foto do interior do museu e de sua cúpula circular…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos com uma imagem do edifício abandonado, antes de se converter em museu…que diferença !!!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Museu Lázaro Galdiano – Pintura Espanhola

Um dos melhores motivos para se visitar o Museu Lázaro Galdiano é sua excelente pinacoteca. Formada tanto por artistas estrangeiros quanto espanhóis, nele estão representados alguns dos melhores pintores que a Espanha produziu. O acervo abarca desde a pintura gótica até o séc. XIX. Em sua atividade colecionista, Lázaro Galdiano tinha especial apreço pelas obras góticas e renascentistas. Com grande oportunismo, conseguiu adquirir quadros de grande qualidade por um bom preço. Os pintores góticos, denominados os Primitivos Espanhóis, na época eram pouco valorizados em seu próprio país. Lázaro Galdiano, ao comprar estes quadros, procurou que o público espanhol pudesse conhecer seu passado artístico e os artistas relacionados aos séc. XV e XVI, possibilitando uma nova visão de sua história cultural. Abaixo, vemos um quadro de Blasco de Grañén, pintado em 1439 com a representação da Virgem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1500, o chamado Mestre de Manzanillo realizou esta obra, em que aparecem os Reis Católicos junto com Santa Elena e Santa Bárbara.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO século XVI representou uma fase de transição para a Pintura Espanhola, quando os novos modelos e influências renascentistas, tanto de Itália, quanto de Flandes, propiciaram uma mudança estética em sua arte. O Renascimento Italiano ofereceu uma reflexão científica da imagem representada, enquanto a Arte Flamenca enfatizava uma visão mais naturalista, com predomínio dos valores expressivos e emocionais. Um dos primeiros representantes do Renascimento em Castilla é conhecido como o Mestre de Astorga. No museu podemos admirar duas de suas obras, em que representa o desembarque do corpo do Apóstolo Santiago e seu transporte a Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA riqueza e expansão marítima nos séculos XVI e XVII possibilitaram o florescimento das artes, dando início ao apogeu da cultura espanhola, momento em que surgiram os grande nomes de sua literatura e de sua produção pictórica, com nomes mundialmente famosos. O denominado Siglo de Oro (Século de Ouro) está muito bem representado no museu, com obras fundamentais para sua apreciação. El Greco, por exemplo, realizou este quadro de São Francisco de Assis (1577/1580), um dos muitos que pintou, com um perfeito desenho do rosto, belos efeitos de luz, refinado colorido e uma bela expressão do olhar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Seu filho Jorge Manuel realizou o quadro que vemos abaixo, em sua parte superior, entre 1609 e 1612.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o advento do barroco no séc. XVII, a Pintura Espanhola rompe com o idealismo do período anterior, mostrando um acentuado realismo. Um dos pintores que melhor definem o Barroco Espanhol foi Bartolomé Esteban Murillo (Sevilha:1617/1652). Em suas obras, predomina a temática religiosa, mas também cultivou a pintura de gênero. Seu nome está associado aos quadros de Virgens que realizou, puras e delicadas. Sempre foi um artista mais conhecido e apreciado fora da Espanha. Dele é a representação de Santa Rosa de Lima, pintado em 1670.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFrancisco de Zurbarán (Fuente de Cantos-1598/Madrid-1664) é outro dos maiores expoentes da Pintura Barroca Espanhola. É considerado o máximo representante do denominado naturalismo tenebrista na Espanha, com grande influência do pintor italiano Caravaggio. Contemporâneo e grande amigo de Velázquez, destacou-se na pintura religiosa, com obras de um intenso misticismo, característico do período da Contrarreforma. A seguir, vemos dois quadros de Zurbarán expostos no museu, um que representa a Imaculada Conceição e outro com a imagem da Virgem da Merced.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro dos grandes pintores do Século de Ouro foi José de Ribera (Xátiva-1591/Nápoles-1652). Desenvolveu sua carreira na Itália, precisamente em Nápoles, onde era conhecido como “Lo Spagnoletto“, devido a sua baixa estatura. Realizou este quadro de São Bartolomeu, exposto no Museu Lázaro Galdiano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPertencente ao Barroco Pleno, Cláudio Coelho (1642/1693) nasceu e morreu em Madrid, lugar onde realizou inúmeros altares para as igrejas e conventos da cidade e região. No governo do monarca Carlos II, foi nomeado pintor real. Abaixo, vemos um quadro da Imaculada Conceição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos alguns belos retratos da Pintura Espanhola e um dos pintores mais apreciados por Lázaro Galdiano, Francisco de Goya.