Palácios de Cáceres – Parte 2

Neste segundo post sobre os Palácios de Cáceres, veremos outros exemplos de propriedades aristocráticas preservadas no Centro Histórico da cidade. O Palácio dos Condes de Adanero segue as pautas renascentistas existentes em muitos outros Palácios de Cáceres. Foi construído em 1596 e sua bela fachada apresenta os característicos almohadillados de influência italiana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA denominada Casa del Sol constitui um palacete gótico do século XV e reformado no século seguinte. Apresenta o escudo da família Solís, que decora a fachada, e que deu o nome à construção, além de um forte caráter militar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEdificada no século XV, a Casa de los Moraga foi muito reformada e suas dependências estão dispostas em torno a um pátio central. Atualmente é um centro de artesanato local, com venda de produtos fabricados na região. Na fachada, vemos os escudo do proprietário, Benito Moraga, e sua esposa, Marina de Carvajal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma foto antiga que mostra os artesãos locais…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Palácio de los Moctezuma é um símbolo da mestiçagem das culturas européia e americana. Construído nos séculos XIV e XV, foi reedificado no XVI pelo descendente da filha do imperador asteca Montezuma, Don Juan de Toledo y Moctezuma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns palácios conservaram apenas uma parte de sua estrutura, como a Torre de Espaderos, construída entre os séculos XIV e XV, e que fazia parte de um palácio desaparecido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Casa de los Espadero-Pizarro possui uma lenda curiosa e, ao mesmo tempo, trágica. Conhecida como a Casa del Mono (casa do macaco), a tradição diz que seu proprietário, um rico burguês, não tinha filhos. Depois de retornar de uma viagem, trouxe consigo um macaco, que chegou a ter dormitório próprio, brinquedos, etc. Em uma das longas ausências do proprietário, um belo cavalheiro pediu abrigo para passar a noite, e a esposa ofereceu sua casa para acolher o desconhecido. Quando o marido regressou, sua mulher o recebeu com a grata notícia de que estava grávida. Quando nasceu o bebê, o macaco, ciumento, em um descuido da família, jogou o bebê pela janela, causando sua morte. Histórias à parte, o palácio pertence ao final do século XV, e apresenta elementos ornamentais de estilo gótico, como as três gárgulas que observamos na fachada (representam uma mulher enferma, um idoso e um jovem). Outro detalhe é o escudo pertencente ao proprietário, sustentado por dois felinos. Atualmente o palácio é uma biblioteca…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Parador Nacional de Turismo de Cáceres encontra-se sediado em dois palácios antigos. Esta rede hoteleira caracteriza-se por aproveitar edifícios históricos e sempre recomendo conhecê-los, pelo bom gosto e conforto de suas dependências. Inclui o Palácio dos Paredes-Saavedra, que combina diversos estilos, como o gótico, renascentista e o mudéjar, sendo construído entre os séculos XV e XVI. A família dos Paredes chegou a Cáceres no século XIII e chegou a possuir três propriedades na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA outra construção que pertence ao Parador Nacional de Cáceres é o Palácio dos Marqueses de Torreorgaz, do século XIV e reformado nos séculos seguintes. Destaca por sua esbelta torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com o Palácio dos Ovando-Espadero, que também possui uma bela torre, além dos escudos nobiliários na fachada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Concatedral de Cáceres

O principal templo religioso de Cáceres, a Concatedral de Santa María La Mayor, situa-se logo depois de cruzarmos o Arco da Estrela, porta de entrada ao Centro Histórico da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstá situada na Plaza de Santa María, uma das mais belas da cidade, junto com vários palácios antigos conservados, que veremos no próximo post. Um dos símbolos de Cáceres, a Concatedral de Santa  María foi erguida provavelmente sobre uma anterior mesquita, algo habitual em muitas cidades da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi construída entre os séculos XV e XVI sobre uma anterior edificação do século XIII, combinando o estilo de transição do românico ao gótico com elementos renascentistas, como sua torre. Acima, vemos uma das duas portas góticas do templo. A seguir, vemos outra das características da arquitetura gótica, a presença das gárgulas

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, uma panorâmica da igreja tirada do alto da Igreja de San Francisco, que em breve será o tema de outra matéria sobre Cáceres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte externa foi colocada uma escultura de um dos santos mais venerados de Extremadura, San Pedro de Alcántara, realizada pelo escultor contemporâneo Enrique Pérez Comendador.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior está formado por três naves cobertas com bôvedas de crucería, algo habitual das igrejas góticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa nave central vemos um magnífico retábulo maior plateresco, talhado por Guillén Ferrant e Roque Balduque. Possui a cor própria da madeira sem que fosse policromada, pino de Flandes e cedro. Suas cenas retratam episódios da vida da Virgem Maria e de Jesus Cristo. No centro do retábulo vemos a Assunção da Virgem

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja possui uma grande quantidade de obras de arte, como a imagem gótica de um Cristo Negro, uma das mais veneradas da cidade, que sai em procissao durante a Semana Santa. A capela que o acolhe pertence aos séculos XIV e XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, um curioso púlpito gótico feito em ferro forjado no século XV, procedente de um convento desaparecido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo solo da igreja vemos os sepulcros de importantes famílias nobres da cidade….

OLYMPUS DIGITAL CAMERABelas capelas adornam o interior da igreja, como a Capela da Virgem de las Dolores, do século XVI. O retábulo é barroco, de 1743. No centro aparece a Virgen de las Dolores. Nas laterais, São Vicente de Paula e São Pedro Alcântara. Fora do retábulo, as imagens de Santo Antônio de Pádua e Santa Rita de Cássia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, a Pia Batismal construída em 1552, ao lado de dois sepulcros góticos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro objeto impressionante é a Custódia, realizada em 1643 pelo artista nascido na cidade Diego Rodríguez de Prado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos o belo órgão da igreja…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1957, a antiga Igreja Paroquial de Santa María La Mayor recebeu o título de Concatedral, passando a dividir a sede episcopal com outro templo, a Catedral de Coria. Abaixo, vemos a bula papal concedida pelo Papa Pio XII ao templo de Cáceres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro detalhe interessante é que está permitido subir à torre….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1931, a Concatedral de Cáceres recebeu a designação de Monumento Histórico-Artístico por sua importância religiosa e histórica, e conhecê-la é um passeio obrigatório numa visita à cidade.

 

Igreja de Santa Maria de Castro Urdiales

Durante a Idade Média, as atividades marítimas (pesca, caça de baleia, comércio marítimo) deram um grande impulso econômico à Castro Urdiales. Em 1163, o rei Alfonso VIII concedeu à cidade o título de vila através do Foro de Logroño (atual capital da Rioja), a primeira cidade da costa cantábrica em recebê-lo. A partir do século XIII iniciou-se a construção de uma grandiosa igreja, denominada pelos habitantes a Catedral de Castro Urdiales, a Igreja de Santa María de la Asunción.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta belíssima construção é considerada por muitos como o edifício gótico mais importante de toda a Cantábria. De fato, a igreja possui todos os elementos que constituem a arquitetura do gótico clássico, como os arbotantes, que transferem o peso dos muros da igreja para o exterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs inúmeras e curiosas gárgulas existentes, com animais fantásticos, cabeças humanas, etc…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santa Maria situa-se junto ao Castelo, em frente ao Mar Cantábrico

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada principal segue o estilo normando, e caracteriza-se por seu aspecto  de fortaleza, pois a igreja integrava o sistema defensivo da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior está formado por uma nave central de grande altura (quase 30m), algo típico das igrejas góticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos alguns dos vitrais que embelezam o interior…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XV, foram construídas várias capelas para os comerciantes que ficaram ricos através do comércio marítimo, depois da descoberta do continente americano, e também com França, Inglaterra e Flandes. Em uma delas, vemos uma escultura de Cristo, realizada pela escola de Gregório Fernández, o mais famoso escultor barroco da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo Altar Maior, o destaque é a imagem gótica (século XIII) da Virgem de Santa Maria “La Blanca”

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADevido à sua importância histórica, a Igreja de Santa Maria recebeu a distinção de Bem de Interesse Cultural (BIC).

A Lonja de Valencia: Patrimônio da Humanidade

A prosperidade econômica e a estabilidade monetária alcançada por Valencia no século XV a transformou numa das maiores potências econômicas do Mediterrâneo. Este período é considerado o século de ouro da cidade no plano demográfico, cultural e artístico. Com cerca de 75 mil habitantes em 1483, converteu-se na cidade mais importante da península, através do seu grande porto marítimo e o desenvolvimento das atividades mercantis. O edifício mais importante desta época é ainda hoje um dos referentes da cidade, a Lonja dos Mercadeiros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma lonja é um local de reunião de comerciantes, e a Lonja de Valencia é considerada uma das obras mais importantes da arquitetura gótica civil de toda a Europa. Simboliza a pujança e riqueza da cidade no século XV, um exemplo perfeito da Revolução Comercial que se propagou por todo o continente, além do crescimento social e o prestígio alcançado pela burguesia valenciana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConcebida como um verdadeiro templo dedicado ao comércio, foi construído em apenas 15 anos, entre 1483 e 1498, pelo mestre Pere Compte. A lonja situa-se na Praça do Mercado, centro vital da cidade desde a época árabe. Nela se realizaram corridas de touros, execuções públicas, etc. Sua função de mercado data do reinado de Jaime I, mas foi com Pedro IV de Aragón que adquiriu um caráter comercial permanente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara que pudesse ser realizada sua construção, foram adquiridas e posteriormente derrubadas 25 casas. O edifício se assemelha aos castelos medievais, por seu imponente aspecto de fortaleza. A estrutura está repleta de figuras simbólicas e personagens grotescos, e somente em relação às gárgulas, se contabilizam 28 delas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o Escudo do Reino de Aragón, franqueado por anjos, colocado numa das esquinas exteriores do edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Lonja de Valencia consta de 4 partes. Na torre situa-se o calabouço, onde eram confinados aqueles que roubavam os comerciantes e os proprietários de estabelecimentos menos honrados…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma de suas dependências mais espetaculares, a denominada Sala de Contrataçao deslumbra por sua beleza gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO espaço está formado por duas fileiras de colunas helicoidais de 16 m de altura, que lhe proporcionam um aspecto semelhante a um bosque de palmeiras. Por sua vez, o teto da sala está composto por espetaculares bôvedas de crucería.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOriginalmente, o edifício recebeu o nome de Lonja da Seda, pois nele se realizavam as transações relativas ao comércio da seda, cuja indústria era a mais potente da cidade. No século XIV, existiam muitos comerciantes que se dedicavam à sua fabricação, principalmente judeus, e mais tarde conversos, que se agruparam em 1465 numa confraria chamada “Virgem da Misericórdia“. Por este motivo encontramos uma capela a ela dedicada no interior da Lonja. O século XVIII representou o momento de maior esplendor do comércio da seda, com cerca de 25 mil pessoas que trabalhavam em sua indústria. A partir de 1790, a atividade entrou em decadência, mas a Lonja de Valencia mantêm o nome de Lonja da Seda até hoje, uma homenagem a esta indústria pioneira. A seguir, vemos o Pátio de los Naranjos (Pátio das Laranjas, em português).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma escada situada no pátio conduz a outra dependência do edifício, a Sala do Consulado do Mar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Consulado do Mar foi uma instituição criada em 1238, onde os juízes celebravam sessões relacionadas a assuntos marítimos e mercantis. Abaixo, vemos a belíssima sala, também decorada com um magistral teto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Lonja de Valencia foi declarada Monumento Nacional em 1931, e em 1996 recebeu o título de Patrimônio da Humanidade, concedido pela Unesco, por sua importância histórica, excelente estado de conservação e exemplo único do Gótico Civil Europeu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA