Castelos Reais da Espanha – Parte 3

Neste último post sobre os Castelos Reais da Espanha, veremos duas fortalezas de grande importância histórica e arquitetônica, ambas denominadas Alcázares Reais.  Integram o excepcional patrimônio histórico-artístico das cidades onde de encontram, Toledo e Segóvia, declaradas Patrimônio da Humanidade pela importância e conservação de seu centro histórico. O Alcázar de Toledo (Comunidade de Castilla La Mancha) está situado na parte mais elevada da cidade castelhana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVestígios arqueológicos encontrados confirmam que o local esteve fortificado desde a época romana, quando a cidade foi fundada com o nome de Toletum, palavra que significa colina elevada, uma referência à própria geografia de Toledo. No período muçulmano, uma outra fortaleza se levantou no mesmo local, que foi ampliada pelos reis cristãos após a cidade ter sido reconquistada pelo Rei Alfonso VI no final do século XI.

20160425_165434O atual Alcázar de Toledo foi construído no século XVI durante o reinado de Carlos I como residência real, quando o monarca trouxe a capital do reino a Toledo. O projeto construtivo se deve aos arquitetos Alonso de Covarrubias e Juan de Herrera, ambos referências do Renascimento Espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fortaleza foi utilizada como prisão real, quartel militar e sede de uma Academia de Infantaria. Sofreu, ao longo dos séculos, vários incêndios, como os ocorridos durante a Guerra de Sucessão Espanhola (1710), na Guerra da Independência contra os franceses, no início do século XIX, e outro em 1887.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a Guerra Civil do século XX (1936/1939), o Alcázar de Toledo foi praticamente destruído pelas tropas republicanas. A resistência dos nacionalistas, que se encontravam no interior do edifício, foi usada como propaganda política pelos integrantes do grupo comandado pelo General Franco. O Alcázar foi reconstruído a partir dos anos 40. Atualmente é a sede da Biblioteca de Castilla La Mancha e também do Museu do Exército. Vemos abaixo o grande pátio interior do Alcázar de Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Alcázar de Segóvia (Comunidade de Castilla y León) é, indiscutivelmente, uma das mais belas fortalezas da Espanha. Ergue-se soberano no alto de um grande rochedo, e sua vista é espetacular de qualquer ângulo, como o que vemos abaixo, junto com a românica Igreja de Vera Cruz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Alcázar de Segóvia é um típico castelo de contos de fada, daqueles que imaginamos quando lemos um livro sobre as histórias de reis e princesas da Idade Média

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs primeiros documentos que comprovam sua existência datam do século XII, embora se acredita que haviam edifícios de períodos anteriores. Durante a Idade Média converteu-se na residência favorita de muitos monarcas castelhanos, e foi remodelado várias vezes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADele partiu Isabel la Católica para ser coroada Rainha de Castilla (1474) na Igreja de San Miguel, situada no Centro Histórico de Segóvia, como vemos na pintura abaixo, que podemos contemplar no interior do Alcázar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a Torre del Homenaje do castelo, construída durante a época do Rei Juan II no século XV e as coberturas de pizarra (ardósia) que foram colocadas durante o reinado de Felipe II no século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante o reinado de Carlos III, o Alcázar de Segóvia tornou-se a sede do Real Colégio de Artilharia, em 1762. Cem anos depois, um terrível incêndio destruiu o interior da fortaleza, que pôde ser reconstruída da mesma forma graças às gravuras existentes. A visita ao interior do Alcázar nos permite admirar suas várias dependências, com destaque para suas inúmeras e magníficas coberturas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Alcázar de Segóvia possui também uma excelente coleção de armas e armaduras…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa próxima matéria sobre os Castelos e Fortalezas da Espanha, veremos alguns exemplos de edifícios construídos que pertenceram ao clero.

Anúncios

Castelos Senhoriais da Espanha – Parte 2

Nesta segunda parte sobre os Castelos Senhoriais da Espanha , veremos outros exemplos de fortalezas construídas pela nobreza como residência particular e espalhados por todo o território do país. Na Comunidade de Castilla La Mancha se conservam muitos destes castelos nobres. O Castelo de Orgaz, município pertencente à Província de Toledo, foi construído por Alvar Pérez de Guzmán, Senhor de Orgaz, no século XIV. Sua planta retangular está presidida por sua Torre de Homenaje, com 20m de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa Província de Cuenca localiza-se o Castelo de Belmonte, pertencente a esta bela cidade castelhana. Foi construído na segunda metade do século XV como um palácio fortificado por ordem do I Marquês de Villena, Don Juan Pacheco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar de sua construção ter sido afetada em disputas como a Guerra Civil Espanhola, quando foi utilizado como quartel da guarda civil e como prisão, o Castelo de Belmonte encontra-se bem conservado. Seu interior é muito bonito, pois foi restaurado por um de seus personagens mais ilustres e descendente do marquesado de Villena, D. Eugenia de Montijo (1826/1920), que chegou a ser Imperatriz da França depois do matrimônio com Napoleão III. Abaixo, vemos o seu quarto…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos dos tetos das várias dependências que compõem o castelo foram decorados com estupendos artesanatos mudéjares, como vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o pátio interior do castelo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Belmonte foi o cenário para várias produções cinematográficas, como o filme “El Cid” (1961), protagonizado por Charlton Heston e Sofía Loren. Na Comunidade de Castilla y León, Província de Ávila, vemos o Castelo de Valdecorneja, localizado no povoado de El Barco de Ávila.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste castelo, edificado no século XII e reconstruído no XV, foi a propriedade dos Senhores de Valdecorneja, que também possuíam os títulos de Condes e Duques de Alba de Tormes. Sua planta quadrada com 4 torres circulares nas esquinas e Torre de Homenaje também quadrada, se repete em outros palácios fortificados da Espanha. No século XIX tornou-se o cemitério do município, e atualmente pertence à Casa de Alba, que realiza eventos culturais em seu interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Província de Soria, o Castelo de Berlanga del Duero destaca-se no alto de uma colina próxima à cidade. Foi construído no século XV sobre uma anterior fortaleza muçulmana do século XII pela família dos Tovar, proprietários do Senhorio de Berlanga. Inicialmente residência nobre, no século XVI foi transformado numa fortaleza defensiva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Berlanga del Duero sofreu graves prejuízos ao longo do tempo, como durante a Guerra da Independência no início do século XIX, quando foi incendiado. Atualmente encontra-se restaurado, conservando uma muralha do século XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa Comunidade de Madrid, vemos dois outros castelos nobres. O chamado Castelo da Alameda situa-se atualmente na cidade de Madrid, no Distrito de Barajas, uma região que outrora constituiu um município autônomo que acabou sendo incorporado à capital espanhola. De pequeno tamanho, encontra-se num estado de semi-ruína. Foi construído no século XV por Diego Hurtado de Mendoza, I Duque del Infantado, para simbolizar seus domínios sobre a zona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste castelo sofreu muitos danos ao longo dos séculos. Em 1697 foi incendiado e no século XIX seus restos foram espoliados. Durante a Guerra Civil Espanhola do século XX também se viu prejudicado, com a instalação de um ninho de metralhadoras que integrava o sistema defensivo dos republicanos, ao lado da fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo belíssimo povoado de Chinchón, cenário de vários filmes, encontramos o Castelo de Chinchón, considerado um dos últimos Castelos Senhoriais da Espanha. Originalmente  construído no final do século XV, acabou sendo devastado em 1521 e substituído pelo atual, levantado no final do século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConcebido como residência privada dos Senhores de Chinchón, no século XX chegou a ser utilizado como fábrica de licores. Se conserva apenas sua estrutura inferior, pois a parte superior foi destruída pelos séculos de guerras e incêndios que ocorreram.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Patrimônio Religioso de Salamanca

Além de sua histórica Universidade e da grande quantidade de palácios nobres que possui, Salamanca conta com um rico patrimônio religioso. Basta dizer que é uma das poucas cidades da Espanha com duas catedrais (posts publicados em 23 e 24/4/2012), diversos conventos, como o de San Esteban (matéria do dia 3/5/2012) e templos, como a Igreja de la Clerecía (tema da matéria publicada em 22/2/2015), entre muitas outras. Neste post e no seguinte, veremos outras fundações religiosas de importância na cidade, com uma grande variedade de estilos artísticos. Por exemplo, da arquitetura românica destaca a curiosa Igreja de San Marcos, de inusual planta circular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExiste uma certa controvérsia a respeito de sua construção, mas parece que foi edificada no final do século XI ou no começo do XII. Única dentro do Românico Espanhol por seu singular formato, seu interior, no entanto, não possui uma planta centralizada típica das construções circulares, estando dividida por 3 naves com seus respectivos ábsides, que não podemos observar desde o exterior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATambém originária de época românica, a Igreja de San Millán foi reedificada a partir de 1765, cujo projeto foi elaborado por Jerónimo García de Quiñones, um importante arquiteto de Salamanca, filho de Andrés García de Quiñones, igualmente arquiteto, responsável de diversas intervenções no centro histórico da cidade. Atualmente é a sede do Centro de Interpretação do Patrimônio Histórico de Salamanca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas igrejas não sobreviveram à passagem dos séculos, e permaneceram em ruínas, caso da Igreja de San Polo, cujo nome representa um arcaísmo de San Pablo. Construída  a partir do século XII no estilo românico-mudéjar e reformada no século XVI, ficou abandonada no século XIX devido ao seu péssimo estado. Em 1984 foram realizadas escavações arqueológicas no local, um pouco antes de se construir um polêmico hotel, sendo que as ruínas foram incorporadas ao novo estabelecimento comercial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro caso similar, em que um templo foi abandonado pelos prejuízos causados pelos acontecimentos históricos, é o atual Auditório de San Blás. Situado próximo ao Colégio do Arcebispo Fonseca, tema de uma matéria recentemente publicada e que vemos no fundo da foto abaixo, sua origem se remonta ao século XIII, quando se construiu a Igreja de San Blás, com a finalidade de prestar serviço religioso a uma zona isolada da cidade na época. No século XVIII teve que ser reconstruída por seu estado lamentável, mas voltou a ser castigada durante a Guerra da Independência Espanhola no início do século XIX. O templo ficou abandonado, e na década de 80 do século XX a antiga igreja foi cedida à Prefeitura de Salamanca, que a habilitou como Auditório Municipal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo passado, a importância de uma cidade se refletia na quantidade de ordens religiosas que nela se estabeleciam, ordenando a construção de conventos e suas respectivas igrejas. Em Salamanca, a Ordem dos Carmelitas adquiriu um grande protagonismo. Abaixo, vemos o antigo Convento de San Andrés, uma antiga fundação carmelita cuja igreja é o única parte sobrevivente do mesmo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA primeira construção data do século XV, mas foi destruída por uma enchente em 1626. O atual templo foi edificado em 1756, projetado por Manuel de Lara Churriguera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo desaparecido convento viveu durante quatro anos San Juan de la Cruz (1542/1591), que junto com Santa Teresa de Ávila, foram os responsáveis pela reforma carmelita, que deu origem a Ordem das Carmelitas Descalças. Ambos são considerados  referências da poesia mística cristã e San Juan de la Cruz foi proclamado o Padroeiro dos Poetas de Língua Espanhola. Uma placa comemorativa na fachada da igreja enaltece a presença do santo dentro do antigo convento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo à igreja foi colocado um monumento em homenagem a San Juan de la Cruz, inaugurado em 1993 e realizado pelo escultor Fernando Mayoral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja do antigo Convento de San Andrés passou a ser conhecida como a Iglesia del Carmen de Abajo (por estar situada numa zona próxima ao Rio Tormes), para diferenciá-la de outra construção carmelita, a Iglesia del Carmen de Arriba, que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste templo barroco foi realizado no final do século XVII, sendo a única construção que se conservou do Convento e Colégio de San Elías, pertencente à Ordem Carmelita. Na fachada vemos uma imagem de San Elías.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Colégio do Arcebispo Fonseca

Finalizando a matéria sobre a Universidade de Salamanca, no post de hoje veremos outro de seus edifícios históricos, o Colégio do Arcebispo Fonseca, também conhecido como o Colégio Maior de Santiago Zebedeo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste colégio foi um dos quatro colégios maiores pertencentes à Universidade de Salamanca, destinado em sua origem a jovens talentosos com poucos recursos econômicos. Foi fundado pelo Arcebispo de Santiago de Compostela Alonso de Fonseca em 1519, para os estudantes galegos que se matriculavam na instituição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm seus projeto construtivo participaram arquitetos fundamentais do Renascimento Espanhol, como Diego de Siloé e Rodrigo Gil de Hontañón. De estilo plateresco, o edifício foi construído segundo os princípios dos conjuntos conventuais, cuja estrutura se organiza em torno a um claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a reforma universitária realizada pelo Rei Carlos III em 1780, o colégio foi fechado e um pouco depois, com a abolição dos Colégios Maiores, transformou-se num hospital em 1801. Abaixo, um detalhe decorativo do claustro, e uma das portas que se destaca por seu belo trabalho escultórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEste pátio é considerado um dos mais belos da Espanha do estilo renascentista. Abaixo, vemos a escada de acesso ao nível superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o restabelecimento de suas funções originais durante o reinado de Fernando VII, o edifício reabriu em 1817 mas voltou a fechar de forma definitiva em 1837. Acabou sendo ocupado pela comunidade de irlandeses que se estabeleceu em Salamanca, devido à perseguição inglesa aos católicos da Irlanda. Durante a Guerra da Independência, os franceses destruíram o antigo Colégio dos Irlandeses, e o antigo Colégio do Arcebispo Fonseca foi cedido a eles. Além do claustro, é possível visitar a antiga capela do colégio, uma verdadeira maravilha, com uma excepcional bôveda  de planta quadrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior da Capela foi realizado pelo escultor, pintor e arquiteto Alonso  de Berruguete (1490/1560), considerado um dos artistas mais importantes do Renascimento Espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASe conserva também a antiga hospedaria construída no período barroco

OLYMPUS DIGITAL CAMERADeclarado Bem de Interesse Cultural em 1931, o antigo Colégio do Arcebispo Fonseca é utilizado hoje em dia como local de eventos culturais, bem como hospedagem para estudantes que realizam cursos de mestrado e doutorado na Universidade de Salamanca.

A Evolução das Touradas

Como vimos na matéria anterior, a prática das touradas se remonta a muito tempo atrás. Antigamente, viajavam pelos povoados da Espanha os “matadores” ou “toreadores” que realizavam um espetáculo à pé de forma mais ou menos rudimentar, divertindo o público e cobrando pelo serviço. Em 1542, se realizaram em Barcelona festividades em homenagem ao Rei Felipe II que incluiu jogos com touros. Abaixo, vemos um retrato do monarca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVII, o famoso escritor Miguel de Cervantes relata a existência de locais destinados à criação de touros bravos para as touradas no seu “Don Quixote de La Mancha”. Foi somente na segunda metade do século XVIII quando se produziram na Espanha uma série de novidades relacionadas à prática  das touradas, que originaram as corridas de touros no sentido moderno que hoje conhecemos. A primeira delas foi que o toureiro a pé substituiu o toureiro a cavalo. Os protagonistas dos espetáculos constituem gente humilde que passaram a profissionalizar-se e a cobrar dinheiro por sua atuação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANesta época surgem as primeiras ganaderías bravas (fazendas destinadas especialmente à criaçao de touros de lídia, ou seja, para as corridas) e se começa a selecionar touros para as touradas. Também são construídas as primeiras Plazas de Toros como um local permanente destinados às touradas. Abaixo, vemos a Plaza de Las Ventas, em Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, se escrevem as primeiras “Tauromaquias”, obras que fixaram as técnicas e normas que passaram a definir a “Arte de Torear”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExistiam duas correntes regionais cuja combinação deu origem ao Toreo Moderno, a escola vasco-navarra e a andaluza. A primeira se caracterizava pelos saltos realizados pelos toureiros, sem grande sofisticaçao. Desta variedade de tourear deixou uma impressionante documentação gráfica o genial pintor Francisco de Goya, que era um apaixonado pelas touradas, presenciando muitos espetáculos.

20150816_112339Já a escola andaluza utilizava capas para enganar o touro. Durante décadas, ambos estilos disputaram a supremacia do público, saindo vitorioso o modelo andaluz.

20150816_112313Se considera o toureiro Francisco Romero o “Pai do Toreo Moderno” e Ronda, sua cidade natal (Província de Málaga, Andalucía), o berço da “Arte de Torear”. Fundador de uma célebre dinastia de toureiros, Francisco Romero dividiu as corridas de touros em tres partes chamadas tercios (tercio de varas, de banderillas e de morte), que permanece vigente até os dias atuais. Seu neto Pedro Romero é conhecido até hoje como um dos principais toureiros da história. Abaixo, vemos uma estátua em Ronda que homenageia a Pedro Romero

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs toureiros Pepe-Hillo e Costillares foram outros grandes nomes deste período inicial que triunfou na Espanha, finalizando com a Guerra da Independência Espanhola no início do século XIX. Terminada a guerra e com o desaparecimento destas figuras lendárias, as festas taurinas entram num período de decadência. Ganha um novo impulso com a chegada de outros toureiros de renome a partir de 1830, como “Paquiro”, conhecido como o “Napoleão dos Toureiros” e Rafael Guerra “Guerrita”, que dominaram o panorama taurino no final do século. Abaixo, vemos a histórica Plaza de Toros de Ronda

OLYMPUS DIGITAL CAMERA No final do século XIX, se proibiram na Argentina as corridas de touros (até então um país com grande tradição taurina) sem que voltassem a ser praticadas até os dias atuais. No Chile, as touradas foram abolidas décadas antes, em 1823, junto com as brigas de galos e a abolição dos escravos. Durante o começo do século XX, toureiros mexicanos se destacaram, como Rafael González “Machaquito” e Ricardo Torres “Bombita”.

20170528_191642A denominada época dourada das touradas estendeu-se de 1910 a 1920, com nomes como Juan Belmonte, um dos toureiros mais populares da história, e José Gómez “Joselito”, com quem travou uma das maiores rivalidades conhecidas entre toureiros profissionais. Graças a eles, a popularidade das touradas alcançou cotas nunca antes vistas, e que não foi superada  jamais na sociedade espanhola. Somente em 1919, Juan Belmonte participou de 119 touradas, uma cifra recorde até então. Ambos toureiros se consideram os diestros (termo sinônimo a toureiro) mais importantes do Toreo Moderno. Belmonte como o criador da estética e Joselito como um toureiro total, dominador de todas as técnicas e aspectos da tauromaquia, desde o impulso que deu à construção de novas Plazas de Toros a detalhes relativos à seleçao de touros bravos, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da Guerra Civil Espanhola (1936/1939), se produz outro ressurgimento do mundo taurino, especialmente graças a Manolete, que para muitos foi o toureiro mais vertical da história. Sua morte em 1947 na Plaza de Toros de Linares comoveu a nação. Abaixo, vemos uma placa comemorativa ao grande toureiro na Plaza de Toros de Las Ventas de Madrid.

IMG_3459O universo taurino sobreviveu apaixonadamente com outra rivalidade histórica, protagonizada pelos toureiros Dominguín e Antonio Ordóñez. As décadas de 70 e 80 do século passado foram o período de maior expansão comercial das touradas, e muitas foram organizadas mundo afora, inclusive nos EUA, com a participaçao de “El Cordobés” e um matador americano, John Fulton. As novas figuras do mundo taurino apresentam uma grande diversidade de estilos, como o colombiano César Rincón e o espanhol José Tomás, que em 2008 bateu o recorde que durava 36 anos na Plaza de Toros de Madrid, ao cortar 4 orelhas de dois touros, uma façanha considerada épica. Finalizo a matéria com uma foto minha na Plaza de las Ventas de Madrid, dando uma de toureiro…

IMG_3465

Universidade de Santiago de Compostela – Parte 2

Nesta última matéria sobre a Universidade de Santiago de Compostela, veremos outros edifícios relevantes da instituição, que integram as visitas guiadas que se realizam diariamente. O Colégio de San Jerónimo (San Xerome, no idioma galego) está unido ao Colégio de Fonseca, que vimos no post anterior. Também foi fundado pelo Arcebispo Alonso III de Fonseca para estudantes sem recursos, e sua fachada principal dá para a Plaza del Obradoiro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInicialmente o colégio esteve situado num hospital situado próximo à catedral e desde 1652 encontra-se na atual localizaçao. O pórtico de entrada que vemos acima pertenceu a este antigo hospital, cuja riqueza decorativa inclui, no tímpano, a Virgem Maria como a Imaculada. Nas laterais, aparecem Santa Margarita e Santa Catalina. Nas colunas da parte inferior, diversos santos, entre os quais o Apóstolo Santiago, identificado pela concha, completam este belo conjunto escultórico do século XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Colégio de San Jerónimo foi criado como um Colégio Maior, mas em 1840 perdeu esta condição. Atualmente sedia a Reitoria da Universidade de Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a sala onde se reunem os membros da reitoria, local onde se discutem os assuntos pertinentes ao governo da instituição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a visita que realizei, tivemos a sorte de encontrar com o Reitor da Universidade num dos corredores do edifício, um senhor simpático que estava a ponto de deixar o cargo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante o período conhecido como a Ilustração, na segunda metade do século XVIII, o Rei Carlos III concede o título de Real à Universidade, incorporando o escudo da coroa que, junto com as armas de Castilla, León e Galícia, além dos escudos dos fundadores, conformam o brasão da Universidade de Santiago de Compostela. Nesta época, a instituição distancia-se do poder eclesiástico e passa a constituir um centro secular. Os jesuítas foram expulsos do país durante o reinado do citado monarca, sendo que os antigos terrenos e edifícios pertencentes à Ordem foram cedidos à universidade. Abaixo, vemos a Igreja da Companhia de Jesus, também denominada Igreja da Universidade, cuja fachada caracteriza-se por seu classicismo (final do século XVIII).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAdossado à igreja, encontramos o antigo Colégio dos Jesuítas, edifício que também foi doado à Universidade após o decreto de expulsão da ordem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante um tempo, o edifício acolheu a reitoria e diversas faculdades, das quais permanecem atualmente os cursos de História e Geografia. O interior organiza-se em torno a um grande pátio com uma fonte no centro…

OLYMPUS DIGITAL CAMERATivemos o privilégio de conhecer o Paraninfo, situado numa das salas do edifício, e inaugurado no curso de 1906/1907 como local de importantes atos acadêmicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO maravilhoso espaço está ornamentado por pinturas no teto que representam figuras femininas e deusas da mitologia clássica como alegorias das artes, ciências e do conhecimento em geral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERARetratos de personalidades relevantes da história da universidade  complementam a decoração da sala, como o do Arcebispo Alonso III de Fonseca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo início do século XIX, os estudantes universitários comprovaram seu intenso patriotismo, formando o Batalhão Literário, que combateu contra as tropas francesas  durante a Guerra da Independência. A seguir, outro edifício pertencente ao campus universitário…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XX houve um grande crescimento na quantidade de alunos matriculados e na oferta de títulos superiores concedidos, surgindo novas faculdades. Iniciam-se as relações com outras universidades estrangeiras, assim como o acesso às mulheres ao ensino superior da universidade, durante o curso de 1913/1914. Durante minha visita, meu orgulho patriótico irrompeu quando o guia mencionou a escritora brasileira Nélida Piñon como a única mulher que recebeu o título de Honoris Causa pela Universidade de Santiago de Compostela. Nascida no Rio de Janeiro em 1934, seus pais e avós foram emigrantes galegos e seu nome é um anagrama de seu avô, que se chamava Daniel. Membro da Academia Brasileira de Letras, tornou-se presidenta da associação, caso único em sua história. Recebeu inúmeros prêmios literários e um retrato da escritora carioca decora uma das salas da Universidade de Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, a Universidade de Santiago de Compostela está incluída entre as 10 melhores de toda a Espanha, estando composta por cerca de 30 centros educativos, 80 departamentos e mais de 60 títulos superiores oferecidos.

Olmedo – Província de Valladolid

Na Semana Santa deste ano aproveitei para conhecer a bela cidade de Olmedo, situada ao sul da Província de Valladolid, uma das províncias que integram a Comunidade de Castilla y León. Apesar de seu reduzido tamanho, pois conta apenas com cerca de 3.500 habitantes, Olmedo possui um importante patrimônio histórico, principalmente religioso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu nome se deve à abundância de olmos, uma árvore de porte elevado e robusto, que pode chegar a 40 metros de altura, e que faz parte de seu escudo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns historiadores dizem que foi fundada pelos Vacceos, um povo pré-romano (celtíberos). Na realidade, nada se sabe de sua existência até o ano 1085, quando aparece como um dos povoados reconquistados pelo monarca Alfonso VI aos árabes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOlmedo foi palco de acontecimentos históricos relevantes, como a Batalha de Olmedo, travada em 1445 entre as Coroas de Castilla e Aragón. No século XVIII, o Rei Felipe V concede privilégios à vila e no começo do século XIX é visitada por José Bonaparte, irmão do imperador francês que assumiu o trono espanhol durante a Guerra da Independência Espanhola (1808/1814).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs principais festividades da cidade possuem um caráter religioso, como a celebrada no dia 29 de setembro, data em que se comemora as festas em honra ao Arcanjo São Miguel, padroeiro da cidade. Durante a Semana Santa se realizam várias procissões pelo centro de Olmedo, e tive a oportunidade de presenciar uma delas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs pessoas esperam ansiosas a saída das imagens veneradas colocadas no interior das igrejas para o início da procissão, que percorre as ruas do centro histórico de Olmedo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPoder acompanhar a procissão foi um verdadeiro privilégio, ao mesmo tempo em que pude constatar a fé de seus habitantes neste país eminentemente católico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO centro da cidade está constituído pela Plaza Mayor, como acontece normalmente nos povoados e cidades do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANela se realizava como um privilégio real, o mercado semanal, estando presidida pela Casa Consistorial de Olmedo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa porta principal do edifício vemos uma inscrição feita na pedra com a data de sua construção (1692), apesar das reformas realizadas posteriormente. Em sua parte inferior, o edifício está composto por uma interessante galeria de arcos, que sustentam o edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do próximo post, publicarei matérias onde vocês poderão conhecer um pouco mais sobre esta típica vila castelhana, e seus principais monumentos históricos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA