Igrejas Históricas de Córdoba – Parte 3

No post de hoje, veremos outras das Igrejas Históricas de Córdoba, que podem ser conhecidas num agradável passeio por seu centro histórico. A Igreja da Trindade (Iglesia de la Trinidad, em espanhol) está localizada na Plaza de la Trinidad, onde antigamente se erguia um convento fundado por Fernando III no século XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja que vemos atualmente data do século XVIII, inserindo-se dentro do estilo barroco. Abaixo, vemos uma foto do interior da igreja e o Retábulo Maior, construído no mesmo estilo em 1724. Está presidido pela chamada Virgem do Coro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, o belo órgão da igreja….

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém barroca é a Igreja de San Cayetano, edificada entre 1638 e 1656. Sua colorida fachada amarela, presidida por uma imagem do santo titular, é muito bonita…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO patrimônio religioso de Córdoba inclui alguns conventos cujas igrejas ainda podem ser admiradas, caso da Igreja de N.Sra de Gracia, pertencente a Ordem Trinitária.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO convento foi construído no começo do século XVII, sendo que a igreja começou a ser levantada em 1648. Abaixo, vemos uma foto do interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo foi saqueado pelo exército francês durante a ocupação napoleônica em 1808. O Retábulo Maior do século XVIII foi trazido de outro convento, em 1869.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA Muitos conventos oferecem dôces típicos preparados pelas freiras, algo que ocorre em muitas instituições religiosas espalhadas pelo país, como o Convento de Santa Ana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste convento foi fundado pela Ordem Carmelita no século XVII. Na fachada principal vemos as  esculturas de Santa Ana, a Virgem Maria e o Menino Jesus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo as matérias dedicadas às Igrejas Históricas de Córdoba com uma pequena ermita, situada junto ao Rio Guadalquivir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedro de Ribera – Parte 2

A cidade de Madrid nao seria a mesma sem a colaboraçao do arquiteto Pedro de Ribera, que no período barroco realizou desde igrejas a palácios, edifícios públicos e fontes, transformando a capital espanhola numa referente deste estilo artístico a nível europeu. Neste último post em sua homenagem, veremos outras obras executadas pelo grande arquiteto. Algumas delas pertenceram à classe aristocrática, que encarregaram a Ribera a edificaçao de suas residências, como o Palácio de Miraflores, construído entre 1730 e 1735.

DSC08681Uma de suas obras mais conhecidas é o Palácio do Marquês de Perales, atual sede da Filmoteca Nacional. A construçao ocupa boa parte do quarteirao onde está situada, e sua portada é uma das mais belas que realizou, com detalhes que revelam sua capacidade criadora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra jóia do barroco madrilenho realizada por Ribera é o Real Hospício de Ave Maria e San Fernando, edificado entre !721 e 1726.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANesta obra fica patente a influência de José Benito de Churriguera na cosntruçao de sua decorada fachada, organizada em dois níveis como se fosse um grande retábulo feito de pedra. O hospício deixou de exercer sua funçao como tal em 1922 e alguns anos antes foi declarado Monumento Histórico-Artístico. Graças a intervençao da Real Academia de Belas Artes de San Fernando, escapou da destruiçao e hoje é a sede do imperdível Museu de História de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANos jardins do museu encontramos outra realizaçao do arquiteto, a magistral Fonte da Fama. Sua construçao foi ordenada pelo rei Felipe V para embelezar a cidade, bem como proporcionar água à populaçao. O projeto foi financiado pelo povo madrilenho, e no dia de sua inauguraçao, foi colocado um cartaz que dizia: “Deus quis, o rei mandou e o povo pagou”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo bairro onde nasceu e viveu, Lavapiés, Pedro de Ribera colaborou na construçao da Igreja de San Cayetano e San Millán, uma das “belas desconhecidas de Madrid”, principalmente em sua fachada. A igreja formava parte do Convento dos Teatinos, desaparecido depois da Desamortizaçao de Mendizábal em 1836.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAIncendiada durante a Guerra Civil do séc. XX, o templo foi salvo graças a eficiente obra de restauraçao promovida pelo arquiteto Chueca Goitia. Em 1962 foi reaberta ao culto e declarada Monumento Histórico-Artístico. A igreja possui uma planta de cruz grega e seu interior é belíssimo. Suas grandes pilastras impressionam a todos que a visitam.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPedro de Ribera faleceu em 1742 e foi sepultado na igreja que ajudou a construir. Abaixo, vemos uma placa comemorativa que vemos no interior do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA importância deste arquiteto fundamental foi reconhecida posteriormente, em pleno séc.XX, num dos edifícios mais emblemáticos da cidade, situado em plena Gran Vía. Trata-se da sede da Telefônica, uma das principais multinacionais espanholas. O autor do projeto construtivo rendeu uma homenagem ao grande arquiteto barroco, combinando a influência norte-americana de sua arquitetura com uma fachada que enaltece sua verticalidade, relembrando as notáveis fachadas de Pedro de Ribera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA