Os Pueblos mais Belos de Espanha: Parte 8

A Comunidade de Castilla y León é um verdadeiro museu a céu aberto. A região compreende o território formado pela bacia hidrográfica do Rio Duero, e a riqueza de seu patrimônio histórico é impressionante. Basta dizer que 60 % de todo o patrimônio histórico-artístico do país se encontra nesta comunidade. Está formada por 9 províncias: León, Burgos, Zamora, Valladolid, Segóvia, Palencia, Salamanca, Sória e Ávila. Castilla y León é considerada a zona do mundo com a maior quantidade de bens culturais distinguidos com a máxima proteção outorgada pela Unesco, os locais Patrimônios da Humanidade, num total de 8. Além do mais, possui abundantes pueblos maravilhosos, muitos dos quais figuram entre os mais belos da Espanha. No post de hoje, veremos alguns dos pueblos mais bonitos que podemos encontrar na Província de Segóvia. Iniciamos com Pedraza, uma vila medieval muito bem conservada (matérias publicadas em 22/11/2013 e 31/7/2014).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPedraza possui menos de 500 habitantes, mas nos dois primeiros sábados de julho o pueblo é invadido pelos turistas, que contemplam o espetáculo denominado “Noite das Velas“, quando depois do sol cair, milhares de velas sao acesas por todo o povoado, criando um ambiente realmente mágico…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Comunidade de Castilla y León possui também a maior concentração do mundo de arte românica, e muitos povoados estão presididos por igrejas construídas neste estilo, caso de Sepúlveda (matéria publicada em 18/5/2012).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASotosalbos (12/1/2017) possui pouco mais de 100 habitantes, mas no povoado podemos visitar uma incrível igreja românica…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém do mais, o pueblo está situado num entorno de grande beleza natural…

OLYMPUS DIGITAL CAMERATurégano (matérias publicadas em 13, 14 e 15/1/2017), possui também um castelo e uma igreja românica situada dentro do conjunto defensivo, além de uma belíssima Praça Maior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom pouco mais de mil habitantes, Ayllón (várias matérias publicadas entre 30/5 e 4/6/2017) conta com um excepcional patrimônio monumental, digno de ser visitado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPróximo a Ayllón existe uma rota denominada de “Pueblos Coloridos“, composta por povoados cujas construções foram realizadas com pedras coloridas, caso de Madriguera (26/5/2017), um dos mais famosos pueblos vermelhos da região…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMaderuelo (5/6/2017) é outro pueblo encantador, com uma localização de tirar o fôlego…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de San Juan – Ayllón

A Igreja de San Juan é o outro templo de origem românico da cidade de Ayllón. Construída no século XIII, possui uma história deveras curiosa e da mesma forma que a Igreja de San Miguel, está fechada para o culto. Os elementos românicos conservados constituem o ábside e a porta de acesso ao interior. Abaixo, vemos o ábside semicircular…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta de entrada à igreja conserva o arco de meio ponto característico do estilo românico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja, por uma série de razões, apresentava um estado lamentável, e escapou de desaparecer quando foi adquirida por um proprietário particular nos anos 60 do século XX, que construiu sua residência junto ao terreno do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO proprietário da igreja cobra uma entrada para conhecer os restos preservados. Para tanto, toquei a campainha situada na porta de acesso e esperei que uma simpática senhora me atendesse. Pela singularidade do local, vale a pena pagar o ingresso (me parece que custou 3 euros) e ver as capelas que sobreviveram à ação do tempo. A denominada Capela de los Daza possui uma estátua jacente, pertencente a uma família de Burgos, descendente de Fernán González (910/970), Conde de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe grande importância é a capela gótica cuja construção foi ordenada pelos Marqueses de Villena no século XVI (1526), para albergar os sepulcros de Don Pedro López Pacheco e sua esposa Dona Juana Enríquez, atualmente situados na Igreja de San Miguel, como vimos na matéria anterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo teto da capela, podemos contemplar a bôveda gótica com os escudos dos Marqueses de Villena, senhores da vila de Ayllón no passado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, as capelas da Igreja de San Juan se utilizam como um espaço para eventos culturais. Quando lá estive, havia sido inaugurada uma exposição em homenagem ao poeta e dramaturgo espanhol Federico García Lorca (1898/1936), em comemoração ao octagésimo aniversário de sua morte, quando foi fuzilado pelo bando nacionalista durante a Guerra Civil Espanhola. A exposição conta com desenhos realizados pelo próprio poeta e outros que relembram fatos de sua vida como, por exemplo, os anos em que esteve na Residência dos Estudantes de Madrid (ver post publicado em 26/8/2015).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO fuzilamento de Lorca, ocorrido próximo a Viznar, um povoado da Província de Granada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA No dia em que foi inaugurada, a exposição contou com a presença da sobrinha do poeta, D. Laura García Lorca, presidenta da Fundaçao García Lorca.

Românico na Prov. Segóvia: Parte 2

Depois de visitar o povoado de La Cuesta, fomos conhecer outro pueblo próximo que também possui uma igreja paroquial construída no estilo românico. Chama-se Caballar, e conta com menos de 100 habitantes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja deste povoado está dedicado à N.Sra de la Asunción, e foi levantada no século XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar das reformas que se realizaram ao longo do tempo, o templo conserva alguns interessantes elementos de sua construção original românica, como a torre campanário, por exemplo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos alguns detalhes  de seus muros laterais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma de suas portas de acesso ao templo conserva os arcos originais de meio ponto, típicos da arquitetura românica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA riqueza escultórica presente no românico pode ser observada nos capitéis existentes, tanto no exterior, quanto do interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA estrutura desta igreja guarda certa semelhança com a igreja do povoado de La Cuesta, que vimos na matéria anterior. Também acolhe um cemitério situado ao lado, como vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do templo é sóbrio, com poucos elementos decorativos. A seguir, vemos uma imagem geral…

P4020130.JPGNo interior desta igreja se guardam relíquias de grande importância religiosa, as cabeças dos Santos Mártires Santa Engrácia e San Valentín, que foram colocados dentro de uma urna. Possui alguns retábulos interessantes, como este barroco do século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante o período românico, o Batismo era considerado um dos principais sacramentos da igreja, o primeiro rito iniciático que possibilitava a entrada na comunidade religiosa católica. As Piais Batismais, onde eram realizados, tiveram um grande desenvolvimento no Românico. Ainda hoje podemos contemplar muitas delas nas pequenas igrejas rurais espalhadas pelo território espanhol, como a que vemos abaixo, situada na Igreja de Caballar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, iremos a outro povoado da Província de Segóvia, chamado Sotosalbos, onde vocês conhecerão um dos templos românicos mais belos da Comunidade de Castilla y León.

Românico na Província de Segóvia

O primeiro post de 2017 está dedicado às Igrejas Românicas que conheci o ano passado, junto com um grupo de amigos, num instrutivo passeio pela Província de Segóvia, uma das nove províncias que compõem a Comunidade de Castilla y León. Antes de iniciar o post, desejo a todos (as) leitores (as) um magnífico ano, repleto de realizações e muita saúde.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das grandes atraçoes desta bela regiao da Espanha é seu patrimônio românico, formado por inúmeras e singelas igrejas, todas elas situadas em pequenos povoados ao longo do território da província. Por este motivo, integram o chamado Românico Rural. Uma das localidades visitadas chama-se La Cuesta, um pueblo de apenas cerca de 40 habitantes, com amplas vistas da Serra de Guadarrama, que vemos na foto acima. Seu grande destaque é a Igreja de San Cristóbal, construída no final do século XII ou princípios do XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja situa-se no alto de uma colina, motivo pelo qual pode ser vista de uma grande distância.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo foi declarado Bem de Interesse Cultural em 1995. Apesar das reformas realizadas, a igreja conserva boa parte de sua fábrica românica, como o ábside, que vemos acima, e a torre campanário de planta quadrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a porta de entrada ao templo, formada por arquivoltas e desenhos compostos por motivos geométricos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja foi reformado no século XVI, e passou a contar com 3 naves, a central mais larga que as laterais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior foi realizado no século XVI, estando formado por 12 pinturas relacionadas ao Novo Testamento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstá presidido por uma imagem de San Cristóbal (Sao Cristóvao, em português) segurando o Menino Jesus. Em sua parte superior, vemos a representaçao de Santiago Matamouros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro retábuo, desta vez barroco, alberga uma bela escultura de Cristo Crucificado

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe muito interesse é a Pia Batismal de estilo românico, provavelmente do século XII…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANesta igreja vemos um fato comum na Idade Média, o cemitério situado ao lado do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANos próximos posts, continuaremos vendo outras interessantes igrejas românicas da Província de Segóvia… até lá !!!!!

Românico em Brihuega

Em Brihuega se conservam ainda hoje excelentes exemplares de Igrejas Românicas, entre as quais destacamos a de San Miguel, San Felipe e de Santa Maria. Todas elas foram construídas no séc. XIII, durante o período em que a vila se tornou possessao do Arcebispo de Toledo D. Rodrigo Ximénez de Rada. O conjunto arquitetônico românico de Brihuega é um produto do contexto histórico resultante do processo de reconquista e a posterior colonizaçao do território. Quando os cristaos conseguiram dominar a bacia do Rio Duero, as terras da Província de Guadalajara continuaram, entretanto, a sofrer períodos de inestabilidade, consequência de sua posiçao limítrofe com os Reinos Árabes. Com a pacificaçao da regiao, ocorreu um aumento demográfico que se traduz na construçao de inúmeras igrejas dentro do estilo próprio daquela época, o Românico. Todas as igrejas de Brihuega se classificam no período final do estilo, também chamado Românico Tardio, e sua fábrica está inspirada nos modelos da arquitetura cistercense. Este período é conhecido também como Românico de Transiçao, pois já se observam elementos que anunciam o Estilo Gótico. O primeiro templo que vamos conhecer é a Igreja de San Miguel.

DSC08225Nesta construçao aparecem elementos oriundos do Mudéjar Toledano, como podemos apreciar no ábside poligonal, feito de tijolo (ladrillo, em espanhol), e nos  contrafortes.

DSC08224A Igreja de San Miguel sofreu um incêndio entre os séc. XVI e XVII, e perdeu praticamente todas as obras de arte que possuía. Abaixo, vemos a fachada principal e a portada.

DSC08226Depois de finalizada a Guerra Civil Espanhola, a igreja ficou praticamente abandonada e, finalmente, seu teto e as naves derrubaram-se. Em 1979, foi restaurada pela Associaçao Amigos de Brihuega, e atualmente é utilizada para eventos culturais. Abaixo, vemos uma imagem da parte lateral da igreja, com uma porta mais simples que a da fachada.

DSC08228A Igreja de San Felipe é justamente considerada uma das mais belas de Brihuega.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua lindíssima fachada apresenta um conjunto de 3 rosetones admiráveis, e uma bela portada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACuriosamente, a torre de planta octogonal nao está unida ao templo, pois foi edificada aproveitando-se uma das torres da muralha da cidade, e posteriormente levantou-se o nível superior para os sinos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém na fachada, podemos apreciar curiosos e enigmáticos capitéis figurados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da Igreja de San Felipe está composto por 3 naves, algo habitual no Românico, separadas entre si por 5 arcos sustentados por colunas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o ábside semicircular, cuja aparente simplicidade construtiva revela sua própria beleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1904, uma vela produziu um incêndio que se propagou pelo teto de madeira. O criterioso processo de restauraçao realizado devolveu, felizmente, o aspecto original que a igreja tinha quando foi construída. A seguir, vemos uma Pia Batismal, que no Românico foi decorada com maravilhosos relevos, com inúmeros exemplos por todo o território espanhol. A que vemos, no entanto, apresenta uma decoraçao mais austera e simples.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santa Maria veremos num post à parte, quando conheceremos o encantador local onde se localiza, o Prado de Santa Maria. Até lá…