Monastério de Uclés – Prov. Cuenca

Antes de iniciar o primeiro post de 2020, gostaria de desejar um maravilhoso ano a todos vocês, repleto de harmonia, saúde e amor !!!! No final de 2019 realizei outras excursões organizadas por meus professores de história de Madrid e acompanhado por um grupo de 50 pessoas, sempre em busca de lugares de grande interesse histórico e artístico pela Espanha. O local escolhido numa delas incluiu uma cidade romana e um monastério que fazia tempo que tinha vontade de conhecer, situado na cidade de Uclés, que faz parte da Província de Cuenca, uma das províncias integrantes da Comunidade de Castilla La Mancha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs monastérios (mosteiros, em português) constituem instituições religiosas habitadas por monges em clausura. Também podem ser denominados Abadias (quando regidos por um abade) ou prioratos (dirigidos por um prior). O Monastério de Uclés, de grande importância histórica e religiosa no país, está situado no alto de um cerro, a cujos pés encontramos o povoado que dá nome ao monastério. Nesta pequena colina havia antigamente um castro celtíbero (pequeno povoado onde viviam tribos celtas que entraram em contato com os povos iberos, autóctonos do território espanhol). Séculos depois, os muçulmanos construíram no local uma fortificação, da qual se conservam apenas três torres e parte de sua muralha defensiva dupla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Monastério de Uclés faz parte de um grande complexo de construções realizadas em distintos períodos históricos, iniciando-se na época muçulmana e alcançando uma enorme importância como fortaleza propriedade da Ordem de Santiago, que o utilizou como sua sede principal, depois que a cidade de Uclés foi reconquistada pelo Rei Alfonso VIII, que acabou doando a antiga fortaleza a esta ordem religiosa da Espanha no ano de 1174.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Com o tempo, foram edificadas várias dependências nas quais viviam os membros da Ordem de Santiago, que se uniram à fortaleza inicial. Estas ampliações afetaram principalmente o sistema defensivo da fortificação, que em sua maior parte foi destruído. O Monastério de Uclés, tal como o conhecemos hoje, foi construído a partir de 1529, durante o reinado do Imperador Carlos I. Sua importância arquitetônica e artística se comprova pelos vários estilos da construção, relacionados ao prolongado tempo necessário até a finalização do conjunto monacal. Inicialmente, utilizou-se o estilo plateresco, que formou parte da primeira etapa do Renascimento na Espanha, caracterizado pela riqueza dos elementos decorativos. O projeto foi realizado por um arquiteto chamado Enrique Egas, de grande fama neste período.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o imenso pátio em forma de claustro do monastério, composto por 36 balcões distribuídos ao longo de seu perímetro. Foi construído no século XVII e apresenta dois níveis construtivos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XVI se construiu a igreja no estilo herreriano, caracterizado pela austeridade decorativa. Este estilo deve seu nome ao arquiteto Juan de Herrera, famoso por ter sido o responsável principal do projeto do Monastério de El Escorial, situado próximo a Madrid. Por esta razão, o Monastério de Uclés é considerado como “El Escorial de La Mancha“. A igreja finalizou-se em 1602.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da igreja foram sepultados vários membros relevantes da Ordem de Santiago, como Rodrigo Manrique e seu famoso filho, o poeta Jorge Manrique.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja possui apenas uma nave e um coro elevado. Em sua nave única se abrem capelas comunicadas entre si, onde podemos apreciar exposições sobre a Ordem de Santiago, além de várias obras artísticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior que presidia o Altar Maior era de estilo clássicos com tendências barrocas, mas foi danificado durante a Guerra Civil Espanhola do século XX, e posteriormente reconstruído. O quadro central do retábulo foi realizado pelo pintor real Francisco Rizzi no século XVII, sendo recentemente restaurado. Nele aparece o Apóstolo Santiago, santo padroeiro da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei a segunda parte da matéria sobre o Monastério de Uclés

 

 

Praça de San Sebastián – Antequera

Até o séc. XVI, Antequera viveu enclausurada dentro dos limites das muralhas que cercavam a parte alta da cidade. A partir de então, a explosão demográfica e sua consequente ampliação urbana fez com que surgissem novos espaços, originando a parte baixa de Antequera. Um dos mais importantes é a Praça de San Sebastián, um local que se destaca pela beleza das construções que a rodeiam.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA praça está presidida pela Real Colegiata de San Sebastián, cuja construção iniciou-se a partir de 1530, obra do arquiteto Pedro López. Vindo de Salamanca, o arquiteto Diego de Vergara realizou a fachada plateresca em 1548. Nela vemos as esculturas de São Sebastião, São Pedro e São Paulo. Na parte superior, as armas do Imperador Carlos I e, no centro, a figura de Hércules menino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA imponente torre da igreja foi levantada no período barroco. No final do séc. XVII se construiu a base e no século seguinte se realizaram os 3 corpos superiores, feitos de tijolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte mais alta da torre foi colocada uma figura bastante popular em Antequera, o “Angelote“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do séc. XVII, a titularidade de Colegiata, anteriormente pertencente a Santa María La Mayor, que vimos no último post, foi trazida para esta igreja, que foi ampliada. Esta mudança ocorreu pois queriam transformar a cidade em sede episcopal, e a Colegiata em Catedral, algo que não acabou sucedendo. No interior da igreja podemos ver lindas obras de arte, que abarcam o período que vai do séc. XV ao XIX. No presbitério, por exemplo, foi colocado um tabernáculo de madeira dourada realizado entre 1609 e 1616, construído inicialmente para a Colegiata de Santa María. Foi trazido desta igreja para decorar o presbitério de San Sebastián, depois da destruição do seu retábulo maior, devido a uma explosão ocorrida em 1690. No centro, vemos a imagem de Santa Maria da Assunção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANos pés da nave central situa-se o coro barroco….

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo alto do coro, vemos um belíssimo órgão. A caixa que o envolve data de 1734, mas o instrumento foi substituído em 1802.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte traseira do coro (trascoro), o destaque fica por conta de algumas das imagens mais veneradas pela população antequerana, realmente comovedoras. De finais do séc. XVIII, foram realizadas por Andrés de Carvajal. A seguir, vemos as imagens de Madalena Penitente e a de Cristo pegando as vestimentas, logo após sua flagelação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente à Colegiata de San Sebastián, uma fonte renascentista realizada em 1545 decora a praça. É considerada uma das mais belas fontes deste estilo de toda a Andalucía.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtrás da fonte, podemos ver o Arco dos Nazaríes, construído em 1671. No começo dos anos 60 do século passado, seu estado ruinoso ameaçava derrubá-lo, quando foi desmontado e novamente reconstruído pelo arquiteto Francisco Pons-Sorolla, neto do famoso pintor Joaquín Sorolla.OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, ao lado da igreja, um belo edifício inspirado no ecleticismo francês, a Casa Bouderé. Construída em 1910, destaca-se por sua pedra calcária vermelha, proveniente da Serra del Torcal, que circunda a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComo vocês puderam observar, na Praça de San Sebastián convivem vários estilos arquitetônicos que, ao invés de torná-la um espaço sem unidade, colaboram para sua riqueza artística, contribuindo para a monumentalidade dessa maravilhosa cidade da Província de Málaga.