Castelos Senhoriais da Espanha

A grande maioria dos Castelos conservados em Espanha pertenciam aos nobres, que em séculos passados construíram suas residências fortificadas como símbolo de seu poder. Muitos deles foram construídos no século XV, e neste post veremos alguns deles. Na Comunidade de Madrid destaca o Castelo de Manzanares El Real, cuja construção foi ordenada pelo I Duque do Infantado, Diego Hurtado de Mendoza, no final do século XV. O projeto foi realizado pelo importante arquiteto Juan Guas, e atualmente o castelo encontra-se excelentemente conservado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa cidade de San Martín de Valdeiglesias está localizado o Castelo de Coracera, construído no século XV. Também encontra-se num ótimo estado de conservação graças às obras de restauração realizadas. Esta fortaleza foi construída como um pavilhão de caça para Don Álvaro de Luna (1390/1453), um nobre castelhano que chegou a ser Condestable de Castilla, Mestre da Ordem de Santiago e válido (cargo similar ao atual primeiro ministro) do Rei Juan II de Castilla. Inicialmente propriedade senhorial, posteriormente passou a ser uma possessão real, algo relativamente comum que sucedeu com muitos outros castelos originalmente pertencentes à nobreza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o Pátio de Armas do Castelo de Coracera

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Comunidade de Castilla y León podemos visitar vários castelos senhoriais. A cidade de Arenas de San Pedro, que encontra-se na Província de Ávila, conserva um belo castelo situado em pleno centro urbano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi construído no estilo gótico pelo Condestable de Castilla Ruy López Dávalos para confirmar os domínios que tinha sobre este território, e forma parte do escudo da cidade. Depois passou a ser propriedade do II Conde de Benavente, Rodrigo Alonso Pimentel. Com o casamento de sua filha Juana Pimentel com Álvaro de Luna, o castelo foi entregue como dote matrimonial. Com a morte de Álvaro de Luna, executado na Praça Maior de Valladolid em 1453, a fortaleza ficou conhecida como “Castelo da Triste Condessa“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Arenas de San Pedro possui uma planta quadrada composta por 4 grandes torres circulares nas esquinas e uma Torre de Homenaje com 26 m de altura. Abaixo, vemos fotos do interior…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa Província de Burgos, a cidade de Medina de Pomar conserva o imponente Castelo dos Condestables de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua construção no século XIV foi ordenada por Pedro Fernández de Velasco, camareiro maior do Rei Enrique II e posteriormente nomeado Condestable de Castilla, título que outorgava uma grande importância, pois representava a maior autoridade na ausência do rei, além de chefe do exército.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi utilizado tanto como estrutura defensiva quanto como palácio fortificado, estando composto por duas grandes torres quadradas unidas por um corpo central. Atualmente é a sede do Museu Histórico das Merindades, uma belíssima região da Província de Burgos, do qual Medina de Pomar faz parte como seu município mais populoso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir vemos as obras de adaptação do castelo como sede do museu…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Olmedo – Vila Mudéjar

Olmedo é conhecida principalmente por seu valioso patrimônio religioso, constituído por igrejas, conventos e ermitas históricas. Boa parte dos edifícios foram construídos no estilo mudéjar, um estilo artístico exclusivo da Espanha. A cidade contou com uma numerosa população muçulmana, que permaneceu na cidade após a reconquista de Alfonso VI no século XI, quando passaram a serem denominados mudéjares, contribuindo para o desenvolvimento do estilo.  Um bom exemplo é a Igreja de San Andrés, construída no século XIII no estilo românico, mas com características mudéjares, razão pela qual é classificada como românica-mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta igreja, outrora em ruínas, foi alvo de um adequado processo de restauração, sendo utilizada atualmente como um auditório ao ar livre. Como destaque principal, citamos o ábside e a torre, ambos mudéjares, construídos em tijolo, o principal material utilizado nesta corrente arquitetônica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO ábside, cuja imagem vemos acima, está composto por arcos cegos semicirculares (ou de meio ponto) dispostos em três níveis, sendo os superiores de maior tamanho. Ao estar em ruínas consolidadas, é possível observar a estrutura interna do ábside.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntes de ser restaurada, a igreja passou por um longo período de abandono, sendo utilizada inclusive como armazém de madeiras. O templo possui nave única, como podemos ver na foto acima. Nos séculos XVI e XVIII a igreja foi reformada em sua fachada principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1931, a Igreja de San Andrés foi declarada Monumento Histórico-Artístico, título que colaborou para que fosse restaurada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro exemplo do estilo mudéjar é a Igreja de San Juan. Da mesma forma que a Igreja de San Andrés, este templo também se encontra fechado ao culto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOriginalmente construída no século XII, seu aspecto atual corresponde às reformas realizadas no século XVI, possivelmente devido ao mau estado da construção primitiva. Neste período se construiu o ábside poligonal, sobre cuja estrutura se levantou um corpo para as campanas. Uma pena que o templo estava fechado, e não pude admirar seu interior, que alberga uma capela funerária atribuída a Juan Guas, um importante arquiteto que trabalhou para os Reis Católicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAfastada do centro da cidade, e localizada no cemitério de Olmedo, encontramos a bela Ermita de Santa María de la Vega.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída no estilo românico-mudéjar no século XII, desta época se conserva alguns elementos, como vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta principal do templo também se conservou…

OLYMPUS DIGITAL CAMERARealizada em pedra e formada por arquivoltas de meio ponto ou semicirculares, está sustentada por colunas rematadas por capitéis lisos. No século XVI, este pequeno e belo templo foi reformado, adquirindo um aspecto renascentista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO alto da fachada foi o local escolhido pelas cegonhas como sua morada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAGrande parte das residências da cidade foram construídas com tijolo, seguindo a tradiconal corrente mudéjar de Olmedo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A Catedral de Ávila

A Catedral de San Salvador de Ávila é considerada um dos primeiros templos góticos da Espanha. Seu aspecto de fortaleza impressiona, quando a contemplamos por primeira vez.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua história se remonta às origens da sede episcopal de Ávila, durante o período romano, e com a chegada do primeiro Bispo da cidade, San Segundo, no ano 63 dC. Durante a época visigoda, Ávila permaneceu como sede episcopal, mas com a conquista muçulmana foi abandonada. Com a reconquista de Alfonso VI e o repovoamento promovido por seu genro Raimundo de Borgonha, a cidade foi fortificada, construindo-se um primeiro templo dedicado a San Salvador. Este templo de estilo românico não chegou a ser finalizado, pois foi substituído pela atual igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA teoria exposta acima é a mais aceita no que diz respeito à construção do templo. Foi projetada por Girald Frunchel, reconhecido arquiteto francês já em sua época, que trouxe as primitivas formas do gótico da França. A primeira parte edificada corresponde, na realidade, ao estilo de transição do românico ao gótico, a partir do ano 1170. Desta época inicial corresponde o ábside da catedral, que integra as Muralhas de Ávila, um fato curioso e único entre as Catedrais da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras da catedral duraram cerca de 300 anos. Com a morte de Frunchel, o projeto original foi modificado, realizando-se um templo com 3 naves no estilo gótico pleno, a partir do século XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém das naves, no século XIII se realizou o primeiro corpo das torres, das quais se construiu apenas uma. No século XIV se construiu o claustro, e as últimas intervenções na Catedral de Ávila foram efetuadas no século XV até mediados do XVI, quando finalizaram-se as obras.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a porta de entrada ao templo, composta por um arco circular decorado com medalhões e motivos florais. Nas laterais, vemos a presença de dois selvagens, que protegem a entrada do recinto sagrado, conhecidos como Gog e Magog.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte lateral da igreja encontramos a Porta dos Apóstolos, que inicialmente esteve situada entre as torres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte lateral da porta vemos os apóstolos. A cena principal representa o Juízo Final, com Cristo como rei dentro de uma mandorla, rodeado por anjos. Realizada aproximadamente em 1300, no ano 1470 foi removida pelo arquiteto Juan Guas à sua localização atual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da catedral destacam inúmeras obras de arte, como o Trascoro, por exemplo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADecorado de forma magistral por Lucas Giraldo e Juan Rodríguez, seus relevos foram realizados com um grande naturalismo. Representam episódios da infância de Cristo, entre os quais a Epifania, onde o Rei Baltazar aparece de negro. Este conjunto escultórico renascentista pertence à última fase construtiva da catedral, sendo iniciado a partir de 1527.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Catedral de Ávila se conservam belíssimos vitrais dos séculos XV e XVI, como vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns deles foram destruídos durante o Terremoto de Lisboa de 1755. No século XX, foram restaurados, com tonalidades claras e formas geométricas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos a segunda parte dedicada à Catedral de San Salvador de Ávila

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Monastério de San Antonio El Real – Segovia

Outro lugar que tive a oportunidade de visitar em minhas viagens a Segovia foi o Monastério de San Antonio El Real, um local realmente surpreendente.Como já foi dito em outra ocasião, o séc. XV representou uma época de prosperidade para Segovia, cujo esplendor podemos observar neste monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta instituição religiosa foi fundada em 1455 pelo rei Enrique IV, que manteve uma estreita ligação com a cidade de Segovia desde que nela passou a viver, sendo um de seus lugares favoritos, junto com Madrid. Em 1440, Juan II cedeu o senhorio de Segovia a seu filho Enrique IV, que contribuiu com várias obras para a cidade. O monastério foi construído numa zona de recreio que o rei possuía fora do recinto amuralhado da cidade, chamado El Campillo. O local foi cedido à Ordem dos Franciscanos para a construção de um convento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO documento fundacional de 1455 parece indicar a existência de uma construção prévia ao monastério, provavelmente a conhecida Casa do Príncipe, mandada construir por Juan II para seu filho. Com a construção do monastério, esta edificação passou a funcionar como enfermaria. Abaixo, vemos a porta principal do convento, atribuída aos arquitetos Juan Guas e Enrique Egas, onde podemos apreciar dois escudos de armas de Enrique IV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1488, Isabel la Católica, irmã de Enrique IV, cedeu o conjunto à Ordem das Clarissas, que realizou várias reformas para adaptar o espaço às suas necessidades conventuais. Uma outra porta foi erguida no séc. XVIII, e nela estão representados Enrique IV junto a San Antonio de Pádua e sua irmã Isabel, com Santa Clara. Ambos monarcas aparecem em atitude orante.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO estado de conservação do monastério é excelente, e podemos conhecê-lo da mesma forma em que foi concebido originalmente. A seguir vemos o Claustro dos Franciscanos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do séc. XV, se construiu um monastério independente, organizado em torno a outro claustro, que dividia com o Monastério das Clarissas a Capela Maior. No entanto, esta parte do conjunto foi abandonada e transformada num armazém, e em 2007 se converteu numa hospedaria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja do Monastério de San Antonio possui um aspecto sóbrio, em contraste com a Capela Maior, ricamente decorada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior  foi  realizado em 1730, em madeira dourada. Um dos grandes tesouros do monastério é a grande quantidade de tetos decorados com artesanato mudéjar. Um deles decora Capela Maior, bem em cima do retábulo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO artesanato mudéjar está composto por estrelas de 5 e 10 pontas e policromado em azul, vermelho e ouro. Sua conotação simbólica está relacionado com a vitória do rei Enrique IV sobre os muçulmanos na Batalha de Jimena, além de ser também uma representação celestial. Na nave encontramos uma obra de arte excepcional, o Retábulo da Paixão. Realizado por um artista flamenco no séc. XV em madeira talhada e policromada, consta de 135 figuras que se caracterizam pela expressividade e individualização dos gestos e rostos, dotando o conjunto de um grande caráter teatral. Este retábulo foi inspirado nas obras dos geniais artistas flamencos Jan Van Eyck e Roger Van Der Weiden. Uma estrutura de vidro o protege e as fotos não saíram boas. mesmo assim, vale a pena reproduzi-las aqui, para que tenham uma ideia de sua beleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Palácio de Jabalquinto – Baeza

Baeza conserva dentro de seu centro histórico inúmeros palácios que pertenceram à nobreza, alguns dos quais podemos visitar, pois foram transformados em sede de instituiçoes públicas, comerciais ou culturais. No post de hoje conheceremos alguns deles. O Palácio de Sánchez Valenzuela, por exemplo, foi construído no final do séc. XV para Lope Sánchez de Valenzuela, cavalheiro da Ordem de Santiago e governador das Ilhas Canárias. Sua fachada impressiona por seu aspecto de fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Palácio dos Salcedo, construído para esta família no séc. XVI, é um exemplo do estilo de transiçao do gótico para o renascimento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPouco tempo atrás, o palácio foi transformado num hotel, como podemos observar no grande pátio interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mais belo de todos os palácios que conheci em Baeza foi o Palácio de Jabalquinto, de finais do séc. XV, e edificado como residência para Juan Alfonso de Benavides Manrique, primo do rei Fernando Católico e Senhor de Jabalquinto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderado uma verdadeira jóia do Estilo Gótico-Isabelino (também conhecido como Estilo Reis Católicos), sua maravilhosa fachada foi construída pelo arquiteto Juan Guas, o arquiteto predileto dos Reis Católicos ou entao por Enrique Egas, que construiu a Catedral de Granada. Uma das características principais deste estilo é a exuberância decorativa, como podemos ver nesta magnífica construçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do palácio possui um belo pátio, construído quase um século depois da fachada, inserindo-se dentro da estética renascentista (séc. XVI).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComposto por dois níveis, alcançamos o nível superior através de uma espetacular escada barroca, profusamente decorada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um detalhe decorativo dos muros da escada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARecentemente restaurado, atualmente o Palácio de Jabalquinto pertence à Universidade Internacional de Andalucía, como uma ampliaçao do antigo Seminário Conciliar que vimos há poucos dias, que foi transformado em sua sede. O Palácio possui também um agradável jardim, onde os estudantes podem tomar um café e conversar depois das aulas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Castelo de Belmonte

O monumento mais conhecido de Belmonte é seu imponente castelo, cuja rica história e excelente grau de conservaçao o transformou numa das fortalezas mais importantes de toda Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO castelo, de estilo gótico-mudéjar, foi construído em 1456 pelo primeiro Marquês de Villena, Juan Pacheco, cuja família tornou-se proprietária do senhorio de Belmonte. Um dos arquitetos responsáveis pelo projeto foi o renomado Juan Guas, autor de importantes obras arquitetônicas pelo país. Está situado no Cerro de San Cristóbal, e desde 1931 é considerado Monumento Nacional.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Belmonte foi concebido como um palácio-fortaleza, para satisfazer as necessidades de defensivas do Marquês de Villena, mas também como sua luxuosa residência, acorde com a ânsia de poder e influência de seu proprietário. O recinto exterior está unido pelas poderosas muralhas que descendem até o povoado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo redor do castelo, encontramos 6 torres circulares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO acesso principal ao interior do castelo se dá por uma porta gótica, totalmente preservada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma vez no interior, chama a atençao o peculiar formato de triângulo equilátero do espaço, com enormes estruturas em dois de seus  lados e a Torre de Homenagem no outro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANum dos extremos do pátio, vemos o antigo poço do castelo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO castelo foi restaurado e atualmente funciona como um museu, e a visita por suas dependências é imperdível. No próximo post, faremos um “tour” pelo interior, nao percam…

Guadalajara – Parte 2

Na segunda metade do séc. XIV se estabelece em Guadalajara a influente e poderosa Família dos Mendoza, cujo destino marcou a paisagem e história da cidade. Seus membros constituuem a denominada Casa do Infantado, título nobiliário concedido pelos Reis Católicos em 1475 ao primeiro duque da casa, Diego Hurtado de Mendoza. Entre as muitas opçoes de interesse existentes na cidade, o Palácio dos Duques de Infantado é, talvez, a mais conhecida. Por sua importância,  lhe dedicamos uma matéria, realizada no dia 2/9/2012. O edifício, um dos exemplos mais relevantes da última fase do gótico civil europeu, foi construído entre 1480 e 1497 pelo arquiteto Juan Guas para a família.

DSC07863O exterior destaca-se pela profusa decoraçao da fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO palácio foi reformado no séc. XVI e bombardeado durante a Guerra Civil Espanhola. Por este motivo, foi restaurado entre 1960 e 1974. No interior, podemos admirar o famoso Pátio dos Leoes, assim denominado pelas muitas representaçoes do felino em seus relevos, bem como os escudos heráldicos da família dos Mendoza.

DSC07870DSC07867Entre outros membros de importância, citamos a Iñigo López de Mendoza (1398/1458) e Pedro González de Mendoza (1428/14959, Cardeal de Toledo e conselheiro dos Reis Católicos. Na parte lateral do palácio, podemos percorrer um formoso jardim, com uma perspectiva diferente da construçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Palácio dos Duques de Infantado sedia atualmente o Museu Provincial de Guadalajara, repleto de obras de arte. O acervo está constituído por peças que abarcam diferentes períodos históricos, começando pelos povos celtíberos que habitaram a regiao.

DSC07899Os mosaicos romanos também estao representados, bem como peças do período da dominaçao árabe, decisiva para a fundaçao da cidade.

DSC07898Dos séc. XIV/XV, o destaque fica por conta de uma peça com inscriçoes hebraicas, procedente de uma Sinagoga Medieval situada em Molina de Aragón.

DSC07896Como podemos constatar, na Idade Média, da mesma forma que ocorreu em outras cidades espanholas, em Guadalajara conviveram comunidades cristas, árabes e judias, que deixaram sua marca na arquitetura mudéjar, que em breve veremos no blog. Outra das atraçoes do Museu Provincial sao os sepulcros ricamente talhados, pertencentes a famílias nobres. Abaixo, vemos um deles, pertencente, evidentemente, a um membro dos mendoza, D. Aldonza de Mendoza.

DSC07888Figuras de tradiçao popular podem ser conhecidas, como o Botarga. Normalmente associado como um símbolo do mal, sao representados dançando de maneira agressiva. Segundo a tradiçao, costumam acompanhar as procissoes dos santos, realizando travessuras e distraindo os fiéis durante a missa.

DSC07903Entre os muitos quadros de temática religiosa que estao expostos, alguns sao de alta qualidade artística. Abaixo, vemos um Ecce Homo, realizado no séc. XV e de autoria desconhecida.

DSC07879A seguir, vemos o Êxtase de Sao Francisco, uma obra da escola toledana, realizada provavelmente por um discípulo de El Greco (XVI/XVII).

DSC07910Do séc. XVI, podemos apreciar este quadro representando a Sao Jerônimo no estudio. Pertence à escola italiana, e foi pintado por Romulo Cincinato. O santo está representado em suas variadas facetas, enquanto escreve a denominada Bíblia Vulgata. A cena está representada num escritório, repleto de detalhes alusivos a sua vida como eremita (caveira, crucifixo), intelectual (livros, cartas) e cardeal (chapéu). Aparece também o leao, um dos símbolos a ele atribuído.

DSC07908A Bíblia Vulgata foi escrita por Sao Jerônimo em 382 dC, e traduzida ao latim a partir da antecessora Bíblia grega. Utilizada pela Igreja Católica durante séculos, no Concílio de Trento (séc. XVI) foi declarada a versao oficial pela ortodoxia católica, e ainda hoje é utilizada para diversas traduçoes.