Museu Nacional do Teatro – Almagro

A fundamental relação de Almagro com o teatro vai mais além de seu famoso Corral de Comédias, pois num dos extremos laterais de sua Plaza Mayor situa-se outro local de visita indispensável, o Museu Nacional do Teatro. Está sediado no Palácio Maestrales, construído a mediados do século XIII como residência dos membros mais importantes da Ordem de Calatrava.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI, o palácio passou a ser a residência do governador de Almagro e no século XVIII converteu-se num quartel de cavalaria. Em 1802, uma parte do palácio acolheu um novo convento da Ordem de Calatrava, mas com a Desamortizaçao de Mendizábal (1836), o edifício passou a ser propriedade de particulares. De seu aspecto original conserva a robusta torre em uma de suas esquinas (foto acima) e um belo pátio central arqueado, formado por arcos de ferradura feitos de tijolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1994 e 2001, o edifício foi reabilitado para acolher o museu, considerado um dos poucos Museus Nacionais situados fora de Madrid. Ocupa três andares, sendo o único museu dedicado exclusivamente à história do teatro no país. Está administrado pelo Instituto Nacional de Artes Cênicas e da Música, um organismo dependente do Ministério de Educação, Cultura e Deporte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASuas salas nos mostram uma interessante trajetória histórica do Teatro Espanhol, desde seus inícios em época romana, até o século XX, passando por seus maiores dramaturgos, atores e atrizes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu Nacional de Teatro de Almagro possui um acervo de mais de 12 mil obras, entre desenhos, gravados, quadros, maquetes e esculturas. Abaixo, vemos um retrato do grande poeta e dramaturgo Federico García Lorca (1898/1936), realizado pelo pintor valenciano Alejandro Cabeza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA grande atriz María Guerrero (1867/1928) aparece retratada pelo pintor Anselmo Miguel Nieto (1881/1964) num quadro realizado em 1914.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir vemos um gravado realizado por Salvador Dalí (1904/1989) para a peça “Don Juan Tenorio“, sendo responsável por sua decoração e vestuário. A peça estreou em 1949 no Teatro María Guerrero de Madrid, sendo considerada uma das melhores adaptações do clássico de José Zorrilla (1817/1893), publicada por primeira vez em 1844.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO museu conta com inúmeras e formidáveis maquetes que retratam a história do teatro na Espanha. Abaixo, vemos uma delas, em que aparece o Parque do Retiro de Madrid, quando a partir do século XVII foi utilizado como cenário de representação teatral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO denominado Século de Ouro da Cultura Espanhola (XVII) está muito bem documentado no museu. Seus grandes dramaturgos realizaram obras eminentementes populares. Neste prolífico período cultural, todas as manifestações teatrais erm conhecidas como comédias, independente se a obra representada era um drama ou tragédia. A exceção constituíam os denominados Autos Sacramentais. A seguir, vemos um deles, realizado por Calderón de La Barca, um dos maiores expoentes do Teatro Espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo campo escultural, o museu conta com vários bustos, entre os quais o de Fray Gabriel Téllez (1579/1648), mais conhecido por seu pseudônimo, Tirso de Molina, considerado um dos grandes dramaturgos do Barroco Espanhol. O busto foi realizado pelo escultor Lorenzo Coullaut Valera (1876/1932).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos escultores espanhóis que mais admiro, o valenciano Mariano Benlliure (1862/1947), realizou esta bela obra em que retrata a bailarina sevilhana Pastora Rojas Monje (1889/1979), uma das figuras mais representativas da história do flamenco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVários trajes também podem ser vistos, como o que vemos abaixo, utilizado pela atriz Cristina Higueras, nascida em 1961, para a representaçao da peça “Doña Rosita la Soltera“, de Federico García Lorca, em 1980.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Teatro Maria Guerrero – Madrid

Pertencente ao Ministério da Cultura de Espanha, o Teatro Maria Guerrero é a sede do Centro Dramático Nacional. Impulsionado pelo Marquês de Monastério, Alfonso Osorio de Moscoso (1857/1901), que ordenou a construçao do edifício, o teatro foi inaugurado em 1885, com o nome de Teatro de la Princesa. O acontecimento contou com a presença da rainha Maria Cristina e a destronada Isabel II.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO objetivo do marquês foi criar um local seleto, no qual nao havia localidades baratas. Desde finais do séc. XIX, começou a destacar no palco a figura da atriz Maria Guerrero, que entao possuía a licença de exploraçao do Teatro Espanhol, propriedade da prefeitura de Madrid. No entanto, seus compromissos artísticos na América Latina dificultavam suas obrigaçoes junto às autoridades municipais. O problema, cada vez maior, solucionou-se quando o marido de Maria Guerrero decidiu adquirir o Teatro de la Princesa em 1908, convertendo-o no centro de interpretaçao da atriz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANesta época, sao encenadas obras de Jacinto Benavente, Valle-Inclán, etc. As dificuldades econômicas do casal aumentaram com a construçao do Teatro Cervantes, em Buenos Aires. Como consequência, tiveram que mudar-se para a parte superior do teatro, onde permanecerao até o falecimento de María Guerrero em 1928.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO imóvel foi, entao, comprado pelo estado espanhol, que muda o nome do teatro, em homenagem à atriz. O início da Guerra Civil em 1936 provocou seu fechamento, sendo reaberto somente em 1940, sob a denominaçao de Teatro Nacional.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1996, foi declarado Bem de Interesse Cultural, e em 2000 e 2003 foram realizadas obras que lhe devolveram seu aspecto original, segundo o projeto do arquiteto construtor do teatro, Agustín Ortiz de Villajos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA