Arte Urbana em Madrid – Parte 3

A matéria sobre Arte Urbana em Madrid consta de várias partes, mas deve ser considerada como uma unidade. Durante minha busca dos melhores exemplos de Street Art na cidade, percorri muitas zonas da capital, e os posts que estou publicando sobre o tema constituem uma homenagem aos artistas que colaboram para o desenvolvimento da Arte Urbana e a grande riqueza das obras que embelezam o espaço urbano de Madrid, que a converteu num centro de expressão desta modalidade artística. Um dos lugares onde os artistas deram exemplos de sua criatividade foram os diversos mercados espalhados pela cidade, como o Mercado de la Cebada, que foi objeto de uma grande intervenção realizada pelo coletivo Boamistura, cujos trabalhos já vimos recentemente. O mural realizado que decora o mercado com colores vivas transformou o local num dos murais de Arte Urbana mais extensos da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do Mercado de la Cebada também foi decorado com um belo mural, representando monumentos famosos da cidade de Madrid

20190211_112746Abaixo, vemos o Mercado de Antón Martín, também situado no centro de Madrid….

20160902_133433O Mercado de Fuencarral (zona central de Madrid)…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Mercado de Tetuán, situado na zona norte da cidade, cujo mural foi realizado pelos artistas Pablo e David

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Mercado da Villa de Vallecas (mural realizado por DEM), na zona leste de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro espaço público onde os artistas puderam deixar testemunho de seus trabalhos foram os parques, como o situado ao lado da Calle de Embajadores, o Parque Casino de la Reina

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, outro exemplo de Street Art, que encontrei numa rua próxima à Calle de Embajadores, uma zona repleta de murais decorativos, como vimos no post anterior…

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo à Plaza de España, situa-se um local repleto de salas de cinema e muito frequentado pelos jovens conhecido como Pasaje de los Cubos, que foi decorado com murais de diversos artistas. A seguir vemos alguns deles e o artista responsável pela obra, como Jmyes Sabek….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAColetivo Concreto….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOrosh 333

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

O Rastro de Madrid – Parte 2

Além dos ofícios relacionados com o trabalho do couro e os produtos derivados da pele dos animais, no Rastro de Madrid começaram a ser instalados muitos antiquários e sebos, uma marca registrada da zona que persiste até hoje. O costume de ir ao Rastro em busca de artigos de segunda mão tem sua origem nos mercados de rua que sempre foram abundantes na região. Estes mercados estão documentados desde o séc. XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComerciantes de móveis usados também se assentaram no Rastro, vendendo objetos inicialmente para os pobres, e posteriormente para as classes mais favorecidas. No pós guerra do séc. XX, houve uma grande oferta e demanda de móveis usados que propiciou a abertura de inúmeras lojas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos dos estabelecimentos comerciais de antiguidades se situaram em galerias, como a que vemos acima, situada na Calle de Ribera de los Curtidores. Em 1947 se inaugurou a mais famosa delas, a Galeria Piquer, que encontramos na mesma rua.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Galeria Piquer foi fundada pela família da atriz Conchita Piquer, que vimos recentemente na matéria sobre La Dolores de Calayud, interpretando o papel da personagem num dos filmes mais conhecidos sobre a heroína. O estabelecimento foi construído pelo arquiteto José de Azpiroz, e impressiona pela grande torre que preside sua fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da Galeria Piquer existem inúmeras lojas de antiguidade, que oferecem artigos realmente surpreendentes. Vale a pena entrar e admirar as peças expostas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo séc. XIX, o Rastro se converteu num ponto de encontro dos madrilenhos que buscavam antiguidades, e o hábito permanece atualmente. Nos anos 60 do século passado, seguindo a tradição artesanal do bairro na fabricação de botas e mochilas, apareceram as primeiras lojas de materiais para a prática do montanhismo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANos anos 70, jovens hippies passaram a se reunir no Rastro vendendo artesanato e fumando mais que cigarros…Também passou a ser um local em que membros dos partidos de esquerda distribuíam panfletos e revistas de suas ideias revolucionárias. Uma coisa que não mudou no Rastro é o hábito da pechincha. Em relação ao famoso Mercado do Rastro, seguramente seja a grande atração do bairro, e todos os domingos milhares de pessoas, incluindo muitos turistas, abarrotam as ruas próximas a Ribera de los Curtidores para comprar objetos antigos, ou simplesmente para desfrutar do animado ambiente que o envolve.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANão se sabe exatamente quando surgiu o Mercado de Antiguidades do Rastro. As primeiras referências literárias apareceram nos escritos de Lope de Vega e Cervantes, que no séc. XVII o relacionam com um mercado de carnes. Como local de venda de objetos usados, parece que surge a partir da metade do séc. XVIII. Abaixo, vemos algumas fotos antigas do Mercado do Rastro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAExistem muitas histórias curiosas sobre pessoas que encontraram verdadeiros tesouros escondidos nas lojas do Rastro. Dizem que Lázaro Galdiano, por exemplo, um grande colecionador de objetos de arte, cujo excepcional museu é uma das grandes atrações da Calle Serrano (situada no Bairro de Salamanca), encontrou um quadro de El Greco, que lhe foi vendido por um preço irrisório…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInfelizmente, muitos comércios tradicionais foram substituídos pelas mega lojas onde se vendem artigos “made in China” nos dias de hoje. De qualquer modo, uma visita ao Mercado do Rastro é mais que recomendável, pois ainda é possível encontrar coisas interessantes, provar as comidas típicas do bairro e curtir seu ambiente acolhedor, e de fato, realmente pitoresco….

Novos Mercados de Madrid – Parte 2

Na central e comercial Calle de Fuencarral podemos conhecer a outra nova opçao gastronômica de Madrid. O Mercado de San Ildefonso, da mesma forma que o Platea Madrid, foi inaugurado em junho de 2014 e, desde entao, se tornou um local de referência na regiao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO novo Mercado de San Ildefonso foi construído sobre um anterior de mesmo nome, levantado em 1838. Sua criaçao visava recriar a atmosfera dos antigos mercados de época, incorporando as últimas tendências culinárias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeus 500 metros quadrados foram divididos em 3 andares e elaborado segundo o conceito de “Street Market”, ou Mercado de Rua, aliando ócio com gastronomia e adaptado a um público bastante diversificado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Mercado de San Ildefonso possui um curioso aspecto industrial, combinando materiais diversos, como a madeira, azulejos, ferro, etc. Os preços sao acessíveis, e os tipos de comida, bem variados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAgradáveis zonas ao ar livre sao uma boa opçao para as noites quentes do verao madrilenho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Calle de Fuencarral exerce um papel de eixo entre dois dos mais famosos bairros da capital, Chueca e Malasaña, e como uma das travessas da Gran Vía, recebe diariamente a milhares de pessoas que buscam em suas inúmeras lojas artigos diferenciados, como roupas, produtos cosméticos, etc. Apesar da recente inauguraçao do Mercado de San Ildefonso, nem tudo sao “flores no paraíso”. Isso porque o tradicional Mercado de Fuencarral fechará suas portas no próximo verao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAberto em 1998 com o lema “Um Centro Comercial para aqueles que odeiam Centros Comerciais”, o Mercado Fuencarral transformou-se num dos principais pontos de encontro da populaçao jovem do Bairro de Malasaña, mas infelizmente seus dias estao contados. Possui um aspecto parecido ao Arte Decô, com várias lojas de moda jovem em seu interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Novos Mercados de Madrid

Desde 2014, Madrid conta com duas novas opçoes gastronômicas que estao agitando o centro da cidade. Um deles é o Platea Madrid, situado na Calle Goya, 5.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom cerca de 5800 metros quadrados, é considerado atualmente um dos maiores espaços gastronômicos de todo o continente. No entanto, desde a rua parece um mercado normal, que vende frutas e outras delícias da gastronomia espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando passamos por esta zona de venda de alimentos diversos, nos deparamos com um dos espaços de ócio gourmet mais atraentes de toda a capital. Isso porque esta espécie de praça da alimentaçao foi construída sobre a antiga sala de cinema Carlos III.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interessante é que a arquitetura original do antigo cinema foi conservada e espetáculos musicais se sucedem durante boa parte do dia, podendo ser apreciados enquanto se come a ampla oferta gastronômica disponível no lugar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Platea Madrid está composto por vários níveis, onde coexistem a zona de tapas, cozinha nacional e internacional, docerias, e alguns restaurantes ganhadores de estrelas Michelín.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Platea nao é um dos mercados mais baratos da capital, mas com 20 euros é possível comer muito bem, e desfrutar deste incrível lugar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Platea Madrid foi inaugurado em junho de 2014 num conjunto de edifício conhecido pelo nome de Complexo Carlos III, cujo projeto foi realizado por Luis Gutiérrez Soto, autor de algumas das obras arquitetônicas mais destacadas do séc. XX na capital espanhola. O projeto foi realizado em 1936, mas o complexo foi finalizado somente em 1945, devido à Guerra Civil que assolou o país no período compreendido entre 1936 e 1939.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO projeto incluía uma combinaçao de estabelecimentos comerciais, cine, apartamentos residenciais e um hotel, organizados em edifícios independentes, mas unidos por uma passagem coberta comum a todos eles. O projeto foi o vencedor de um concurso de arquitetura, celebrado em 1936.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA