Um Passeio por Teruel

A Comunidade de Aragón está formada por 3 províncias: Huesca, situada ao norte, Zaragoza no centro e Teruel, ao sul. Com aproximadamente 35 mil habitantes, Teruel é a capital de província menos populosa da Espanha. Apesar disso, possui um rico e extenso Patrimônio Cultural-Artístico, que durante toda esta semana estamos descobrindo. A origem da cidade se remonta ao séc. XII, quando as tropas  de Alfonso II retomaram a antiga fortaleza árabe que estava localizada na atual Teruel. Conta a tradição que depois da conquista, o exército do rei  encontrou um touro  bravo que seguia uma brilhante estrela. Um dos seus cavalheiros havia tido um sonho em que lhe aparecia dita imagem, que foi interpretada então como um sinal para que no lugar do avistamento fosse fundada uma nova cidade, Teruel. O lugar onde ocorreu o fato corresponde atualmente à Praça do Torico, desde sua origem o centro da vida social e econômica da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém chamada de Praça Maior ou do Mercado, no meio dela encontramos um dos ícones da cidade, a Fonte do Torico, construída em 1858 e que simboliza a criação lendária de Teruel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome da cidade se explica pela união das palavras touro e Actuel, a denominação da estrela associada à lenda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo escudo da cidade, vemos os dois símbolos representados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo longo de sua história, a presença dos touros foi constante, sendo que uma de suas festas mais populares é a conhecida Vaquilla del Ángel, realizada desde o séc. XIV. Uma escultura de 1985, obra do artista José Gonzalvo, celebra a festividade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPouco tempo depois de sua fundação, foi levantada no séc. XIII a muralha que cercava a cidade. Com um perímetro de 1740m, possuía 7 portas de entrada, das quais se conservam apenas duas, a de San Miguel e a de Daroca, que vemos na imagem abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA muralha estava composta por torres defensivas. A seguir, vemos a semicircular Torre de San Esteban, situada no meio de modernas construções, e a Torre de Ambeles.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo séc. XVI, iniciou-se um projeto para trazer água à cidade, cujo maior obstáculo era o desnível existente entre o centro histórico e as demais zonas. O problema foi solucionado com a construção do Aqueduto-Viaduto de Los Arcos entre 1537/1558, pelo engenheiro francês Pierres Bedel, responsável também pela construção da Mina de Daroca, como vimos no post dedicada a esta bela cidade aragonesa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA água levada pelo aqueduto jorrava por inúmeras fontes espalhadas pela cidade. Infelizmente, destas fontes históricas do séc. XVI sobreviveu apenas uma, situada junto à Casa del Deán, ao lado da catedral, um representativo exemplo dos palácios aragoneses de estilo renascentista deste século.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Praça da Catedral, situa-se o edifício do Ayuntamiento (prefeitura), reconstruído em 1942 e que forma um belo conjunto com o templo mais importante de Teruel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVemos no detalhe, a grande maestria dos artesãos terulenses no trabalho com o ferro, fator que será determinante na eclosão do Modernismo na cidade, cujo importante legado veremos em breve.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara salvar a acidentada geografia de Teruel, foram necessárias a edificação de pontes, das quais a mais conhecida foi construída em 1929, e atualmente é utilizada somente pelos pedestres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1994 construiu-se uma nova ponte para a circulação de veículos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs habitantes da cidade dispõe também de uma possibilidade mais rápida para o deslocamento entre as zonas baixas e o centro histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA visita à Teruel ainda está longe de terminar, no próximo post continuaremos com ela…