Escola de Artes e Ofícios de Toledo

O visitante que chega por primeira vez a Toledo observará que a cidade possui um certa homogeneidade arquitetônica, que se reflete em suas construções mais emblemáticas, como suas belas igrejas. Esta particularidade urbana se deve ao estilo mudéjar, abundante na cidade e seu estilo artístico por excelência. O Mudéjar é considerado a grande aportação espanhola à História da Arquitetura, e desenvolveu-se a partir do século XII, estendendo-se até o século XVI. Se caracteriza predominantemente pelo emprego do tijolo, não só como material construtivo, mas também como elemento decorativo. Outra de suas principais características é a utilização de elementos arquitetônicos associados à Arte Muçulmana, como o Arco de Ferradura, por exemplo. Abaixo, vemos a Igreja de Santiago Mayor, construída no estilo mudéjar.

DSC09136Em algumas construçoes mudéjares se utilizaram como elemento decorativo a cerâmica vidriada. A palavra Mudéjar está relacionada com a populaçao muçulmana que permaneceu na Espanha, mesmo depois da reconquista cristã. Um dos ofícios tradicionais da comunidade era justamente a construção, e os reis espanhóis admiravam sua arquitetura e arte. Desta forma, os mudéjares começaram a realizar edifícios para os reis espanhóis, incorporando elementos de sua própria arquitetura. Abaixo, vemos a Paróquia de Santa Leocádia de Toledo, erguida no estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XIX apareceu na arquitetura uma corrente que propunha a revalorização dos chamados estilos históricos europeus, como o românico, gótico, etc. Evidentemente, na Espanha começaram a surgir edifícios que de uma certa forma interpretavam a antiga tradiçao mudéjar, que foram denominados neomudéjares. Um exemplo deste tipo de arquitetura podemos apreciar em várias Praças de Touros espalhadas pelo país. Em Toledo, um exemplo desta atividade construtiva está representada pela Escola de Artes e Ofícios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das amostras mais significativas da arquitetura toledana de finais do século XIX, a Escola de Artes e Ofícios foi projetada pelo arquiteto Arturo Mélida, sendo que sua construção iniciou-se em 1882, durante o reinado de Alfonso XII.

DSC09362O edifício somente foi concluído em 1931, quando no país reinava o monarca Alfonso XIII, filho do anterior. Esta bela construção situa-se em pleno Bairro da Judería, o antigo bairro da comunidade hebraica, que será o tema dos próximos posts que publicarei.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa fachada do edifício principal vemos representado o Escudo dos Reis Católicos

OLYMPUS DIGITAL CAMERATodos os elementos do estilo mudéjar podem ser vistos no edifício, como a abundância de tijolo, a cerâmica vidriada e as características da Arte Muçulmana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém observamos a presença de novos materiais que passaram a ser usados na arquitetura a partir do final do século XIX, como o ferro forjado, empregado em sua decoração.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC09367Abaixo, vemos uma foto do teto na entrada da Escola de Artes e Ofícios

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi construído sobre terrenos antigamente ocupados pelo Monastério de San Juan de los Reyes, construído na época dos Reis Católicos e parcialmente destruído durante a invasão francesa de início do século XIX.

DSC09363OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de San Román – Toledo

Toledo é uma cidade com um patrimônio histórico-artístico riquíssimo, e muitos dos locais mais interessantes ainda permanecem desconhecidos pelos turistas. Um exemplo é a bela Igreja de San Román, situada na parte mais alta da cidade. Este templo é um dos mais curiosos da cidade, por conservar sua estrutura mudéjar do século XIII e por apresentar em seu interior um excepcional conjunto de Pinturas Românicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar da escassez de dados, se pode afirmar que a origem desta igreja se remonta à época visigoda, graças a restos arqueológicos encontrados em seu interior em 1968, ano em que o processo de restauração da igreja finalizou-se. Com a chegada dos árabes no século VIII, o templo foi reutilizado como uma mesquita (foram encontrados no século XVI sepulcros muçulmanos em seu interior).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo paróquia do período cristão aparece documentada por primeira vez em 1125, ainda que sua estrutura atual pertence ao século XIII (1221). A Igreja de San Román apresenta uma clara influência construtiva islâmica, tanto em sua arquitetura exterior, quanto em seu formidável interior.  Na foto acima, vemos uma imagem da torre, um exemplo do Mudéjar Toledano, edificada no final do século XIII e começo do XIV. A visita ao templo permite subir ao alto da mesma…

20160503_113012O interior, belíssimo, está formado por três naves separados por Arcos de Ferradura, típicos da arquitetura islâmica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs arcos se encontram apoiados por colunas e capitéis de época romana e visigoda, que foram reutilizados quando o templo foi usado como mesquita. Até 1926, as paredes e os arcos estavam pintados de branco, quando foram descobertas as pinturas que decoram todo o interior da igreja. Especialistas foram capazes de remover a antiga pintura e mostrar as pinturas românicas originais do templo, realizadas no século XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO conjunto de pinturas está formado por 3 estilos distintos. Em primeiro lugar, aparecem as pinturas mudéjares, caracterizadas por motivos geométricos, vegetais e epigráficos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior dos arcos (em arquitetura denominado intradós), aparecem figuras de santos, profetas e bispos com um olhar frontal, que recordam as pinturas italianas de estilo bizantino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente aparecem as pinturas de composição narrativa, feitas com maior naturalismo e movimento. Podemos apreciar vários episódios e personagens bíblicos, como a Ressurreição dos Mortos, os Apóstolos Evangelistas, o Pecado Original e o Paraíso, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI, uma família nobre de Toledo adquiriu o espaço pertencente à capela maior para que se transformasse em sua cripta particular. Para a realização da reforma, foi encarregado um dos melhores arquitetos do Renascimento Espanhol, Alonso de Covarrubias, que foi o responsável pelo intenso plano de revitalização da cidade durante o reinado de Carlos I, quando Toledo passou a ser a capital do Império. Abaixo, vemos uma imagem da capela maior, cujo retábulo foi executado por Diego Velasco, e da cúpula renascentista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja conserva uma Pia Batismal do século XV…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm uma das capelas do templo podem ser vistos vários sepulcros antigos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma lauda sepulcral de 1400, composta por inscriçoes góticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1968, a Igreja de San Román passou a acolher o Museu dos Concílios e da Cultura Visigoda. Em 1931, foi declarada de forma merecida Monumento Histórico-Artístico de caráter nacional.

Neomudéjar em Madrid – Igreja de San Fermín de los Navarros

No charmoso Bairro de Chamberí situa-se a Igreja de San Fermín de los Navarros, outro belo templo construído no Estilo Neomudéjar em Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja pertence a Real Congregaçao de San Fermín de los Navarros, fundada em 1673 por um grupo de devotos de San Fermín, padroeiro da Comunidade de Navarra, residentes na capital. A imagem do santo preside a fachada do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Fermín de los Navarros foi construída pelos arquitetos Eugenio Jiménez Corea e Carlos Velasco, sendo inaugurada em 1890.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO exterior foi inspirado no Mudéjar de Toledo, como aconteceu em muitas outras construçoes neomudéjares de Madrid.  Já o sóbrio interior é característico da arquitetura neogótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o retábulo maior, com uma imagem de San Fermín.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs vidreiras proporcionam luminosidade ao interior da igreja, e sao realmente muito bonitas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEstamos concluindo a matéria sobre o neomudéjar em Madrid. Antes, porém, gostaria de mencionar outras duas construçoes religiosas realizadas no estilo. A Igreja Evangélica del Salvador pertence a fase final do neomudéjar, e foi levantada em 1913 pelo arquiteto Luis López.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja do Hospital del Niño Jesus foi construída para o complexo hospitalário, entre 1879 e 1881. Até a construçao desta instituiçao, nao havia no país nenhum estabelecimento dedicado exclusivamente às crianças.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja é um belíssimo exemplar do neomudéjar,  com a fachada composta por 3 torres. Um relógio e uma estrutura de ferro coroam a torre central.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mudéjar Toledano – Parte 2

Uma das características básicas do Estilo Mudéjar é o emprego do tijolo (ladrillo, em espanhol) como material construtivo, tanto na parte estrutural dos edifícios, quanto em sua decoraçao. Sua abundância e acessibilidade econômica tornavam o processo de construçao bastante rápido. Como vimos no post anterior , o Mudéjar é o estilo predominante em Toledo, que podemos apreciar em muitas de suas igrejas. Uma das mais antigas e desconhecidas é a de San Sebastián, e a principal razao é que se encontra um pouco afastada do centro da cidade. Origialmente, foi uma antiga mesquita, e serviu como templo religioso de forma contínua desde o séc. X. O edifício atual corresponde ao séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASegundo a tradiçao, a Igreja de Santa Leocádia foi edificada sobre a casa natal da padroeira da cidade, na época de Alfonso VI. No seu exterior, a portada, a torre e o ábside sao mudéjares, da segunda metade do séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAInfelizmente, algumas das construçoes originais nao sobreviveram à passagem do tempo. A Igreja da Magdalena é uma delas. Fundada no séc. XI, depois da reconquista de Toledo, sofreu várias alteraçoes nos séc. XVI e XVII, e durante a Guerra Civil de 1936/1939 ficou praticamente destruída. Em 1946, procedeu-se à sua reconstruçao, que vemos atualmente. Sua torre, construída a finais do séc. XIV e princípio do XV, é um dos poucos elementos originais que se conservaram.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA peculiar decoraçao das construçoes mudéjares pode ser vista no antigo Convento da Madre de Deus, fundado no séc. XIV. Depois da restauraçao finalizada em 2005, podemos admirá-la em todo seu esplendor. Apresenta a característica ornamentaçao de azulejos vidriados, típica do Mudéjar Toledano e também do Aragonês. Acolhe atualmente a Faculdade de Ciências Políticas e Sociais da Universidade de Castilla La-Mancha.

DSC09282O Mudéjar nao foi somente utilizado nos templos religiosos. A Arquitetura Militar também foi favorecida, como podemos observar na Porta do Sol, um dos acessos da muralha que rodeia Toledo. Foi construída durante os séc. X e XI, quando Toledo era um importante Reino de Taifa (cidades independentes que surgiram com a desintegraçao do Califato de Córdoba). Desta época inicial, se conservam os Arcos de Ferradura de seu interior. No séc. XIV, foi reedificada no estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do séc. XIX, as tendências nacionalistas na arquitetura foram recuperadas, dentro do Ecleticismo Historicista vigente na época. Na Espanha, o mudéjar foi considerado o estilo autóctono por excelência, e sua reinterpretaçao ficou conhecida como Neomudéjar. Um exemplo que podemos ver em Toledo é a Escola de Artes e Ofícios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada do conjunto de dois edifícios que a integram foi decorada com o escudo dos Reis Católicos, que vemos acima. Sua construçao iniciou-se em 1882, obra do arquiteto Arturo Mérida.

DSC09362Observamos o emprego de diversos mateiais decorativos empregados na Arquitetura Eclética, como o ferro forjado e a cerâmica.

DSC09367DSC09364A escola ocupa o espaço outrora pertencente ao Convento Franciscano de San Juan de los Reyes e de Santa Ana. No próximo post, veremos o edifício neomudéjar mais conhecido de Toledo, sua imponente e bela Estaçao Ferroviária. Até lá…

Mudéjar Toledano

Em 1085, Toledo, conhecida como a Cidade das 3 Culturas graças à presença de cristaos, árabes e judeus e centro eclesiástico da Espanha, foi reconquistada pelo rei de Castilla y León Alfonso VI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASéculos de dominaçao árabe haviam terminado e, a partir de entao, muitas mesquitas e sinagogas se converteram em templos católicos, como a Mesquita de Bab Al Mardum, que vimos no post publicado em 22/7/2014, ou a Sinagoga do Trânsito, cuja história vimos em 25/6/2012. Para tanto, muitos templos foram reformados, adaptados ou reconstruídos, sendo empregado o estilo arquitetônico autóctono do país, o Mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Mudéjar é um estilo heterogêneo e complexo, assumindo características próprias segundo a regiao do país. Em Toledo, contribuiu para que a paisagem urbana se tornasse homogênea, graças às muitas edificaçoes do estilo que podemos encontrar. O convívio entre as três comunidades acima mencionadas possibilitaram seu desenvolvimento, desde o séc. XII até o XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Mudéjar Toledano apresenta elementos próprios, que se distinguem daquele apresentado em Castilla y León e em Aragón, outros importantes focos do estilo. Um deles é a presença de distintas formas de arcos, utilizadas como elementos estruturais e decorativos, principalmente nos ábsides das igrejas, como percebemos na foto acima. Aparecem, de baixo para cima, o Arco duplo cego de meio ponto ou semicircular, o Arco Polilobulado e o denominado Arco Túmido ou de ferradura apontado, na parte superior. O arco de meio ponto é característico da Arquitetura Românica, que serviu de base para o desenvolvimento do estilo, enquanto os outros dois formam parte da Arquitetura Islâmica. Outro exemplo vemos nos ábsides da Igreja de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta paróquia já existia em 1125 e parece que foi uma das fundadas por Alfonso VI depois da reconquista. No entanto, a torre separada do corpo principal da igreja fez com que os estudiosos afirmassem que poderia ser o antigo minarete de uma mesquita. Nas fotos acima e abaixo, vemos o tríplice ábside composto pela superposiçao de arcos.

DSC09136Os templos mudéjares de Toledo foram construídos com uma base de alvenaria, que sustentam a estrutura geral. Outro dos aspectos singulares é a decoraçao dos muros, com elementos próprios da cultura islâmica, como podemos apreciar na mesma Igreja de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADa mesma forma, as portas de acesso ao interior do templo também sao mais islamizadas que as encontradas em outras regioes do país. Abaixo, vemos duas das três portadas de acesso da Igreja de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANas imagens acima, vemos outro tipo de arco no friso situado sobre as portas, chamado Entrecruzado. Franqueadas por pilastras,  as portas estao compostas por  Arcos de Ferradura e Polilobulados. Este modelo da Igreja de Santiago foi imitado em muitas outras construçoes da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA As torres sao uma referência do Mudéjar Toledano, estando profusamente decoradas, como no caso da torre da Igreja de Sao Tomé, considerada a mais bela da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta igreja foi reformada no séc. XIV sobre um templo anterior do séc. XII, e sua belíssima torre quadrada é a única parte sobrevivente desta reconstruçao. Cabe ressaltar que esta reforma foi realizada pelo Conde de Orgaz Gonzalo Ruiz de Toledo, cujo sepulcro situa-se debaixo do famoso quadro de El GrecoO Enterro do Conde de Orgaz“. O resto da igreja foi novamente reformado nos séculos XVI e XVII, substituindo as antigas formas mudéjares da construçao.

DSC09280Uma torre original do séc. XII pode ser apreciada na Igreja de San Bartolomé, provavelmente também edificada sobre um minarete islâmico. O ábside pertence ao séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos comentando que o aspecto que vemos atualmente destas igrejas nao correspondem à sua fábrica original no aspecto cromático, pois estavam pintadas de branco e vermelho em sua parte exterior.

Mesquita de Bab Al-Mardum – Toledo

Das 10 mesquitas que haviam em Toledo no período islâmico, a Mesquita de Bab Al-Mardum é a mais importante conservada atualmente. Na época de sua construçao, era um pequeno oratório orientado à Meca, para uso daqueles que chegavam ou saiam da cidade. Trata-se de um dos monumentos mais complexos de toda Espanha, possuindo evidências que vao desde o assentamento romano até o período da reconquista de Toledo (séc. XI). Representa, também, uma das construçoes mais importantes da época de esplendor do Califato de Córdoba existente no país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA mesquita foi construída em 999 dC, como comprova a inscriçao em caracteres cúficos no relevo de tijolos de uma de suas fachadas, considerada única no Islao Ocidental, por ter sido elaborada com fragmentos de tijolos ordinários. Nela aparece o nome do arquiteto construtor, Musa Ibn Ali.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte exterior está composta por 3 vaos de acesso e um corpo superior formado por arcos entrecruzados cegos. A fachada noroeste, que dá para o pátio ajardinado, está formada por Arcos de Ferradura e de Meio Ponto. O nível mais alto, por Arcos Polilobulados que marcam outros Arcos de Ferradura de estilo califal, estando decorados com tonalidades bicolores de tijolos, inspirados na Mesquita de Córdoba.

DSC09151O exterior, decorado com arquerias sobre muros de alvenaria e tijolos, contrasta com o interior, revestido de gesso. Possui planta quadrada com 8 metros quadrados, distribuídos mediante 4 colunas situadas em 3 naves paralelas e cruzadas por outras 3 naves transversais. Cada espaço está coberto por bôvedas diferentes entre si.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC09144Os capitéis, de origem visigoda, foram reaproveitados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a reconquista de Toledo, a mesquita foi adaptada ao culto cristao, quando o rei Alfonso VI cede o monumento aos Cavalheiros da Ordem de San Juan, que estabelecem uma ermita sob a titularidade de Santa Cruz. Passa, entao, a ser conhecida pelo nome Ermita del Cristo de la Luz, graças a um Cristo crucificado que foi colocado e substituído posteriormente por uma imagem da Virgem da Luz. Em 1187, se constrói um ábside complementer, que se tornaria famoso por ser considerado a mais antiga amostra de arquitetura mudéjar conhecida.

DSC09148Esta reforma serviu de base e inspiraçao para todas as outras construçoes do Mudéjar Toledano, o estilo arquitetônico por excelência da cidade. Do séc. XII sao as pinturas murais encontradas no interior, estando catalogadas como exemplos de Pinturas Românicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa imagem acima, vemos representado um dos motivos iconográficos mais importantes do Cristianismo, o chamado “Maiestas Domini”, ou Cristo em Majestade com atitude triunfante e rodeado pelos tetramorfos, a representaçao zoomórfica dos 4 evangelistas. Pena que nao se conservam todas as imagens. Podemos contemplar somente a águia, símbolo de Sao Joao, e o leao, símbolo de Sao Marcos. Além do mais, estao conservadas algumas pinturas de santos (as) numa de suas paredes.

DSC09143Escavaçoes arqueológicas realizadas encontraram vestígios  de épocas anteriores à construçao, bem como uma calçada romana de 5 me de largura, em excelente estado de conservaçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outra imagem deste monumento impressionante.

DSC09150Com a desintegraçao do Califato de Córdoba, Toledo tornou-se um Reino de Taifa (taifa de Toledo), que ocupava a quase totalidade da atual superfície da Comunidade de Castilla-La Mancha. Eram como cidades autônomas, e sem poder centralizador, facilitaram sobremanera a tarefa dos Renos Cristaos, que reconquistaram Toledo em 1085, com a tomada  do rei Alfonso VI. Realizaremos ainda muitos posts sobre Toledo, porque existem vários lugares de interesse por conhecer…

Românico em Brihuega

Em Brihuega se conservam ainda hoje excelentes exemplares de Igrejas Românicas, entre as quais destacamos a de San Miguel, San Felipe e de Santa Maria. Todas elas foram construídas no séc. XIII, durante o período em que a vila se tornou possessao do Arcebispo de Toledo D. Rodrigo Ximénez de Rada. O conjunto arquitetônico românico de Brihuega é um produto do contexto histórico resultante do processo de reconquista e a posterior colonizaçao do território. Quando os cristaos conseguiram dominar a bacia do Rio Duero, as terras da Província de Guadalajara continuaram, entretanto, a sofrer períodos de inestabilidade, consequência de sua posiçao limítrofe com os Reinos Árabes. Com a pacificaçao da regiao, ocorreu um aumento demográfico que se traduz na construçao de inúmeras igrejas dentro do estilo próprio daquela época, o Românico. Todas as igrejas de Brihuega se classificam no período final do estilo, também chamado Românico Tardio, e sua fábrica está inspirada nos modelos da arquitetura cistercense. Este período é conhecido também como Românico de Transiçao, pois já se observam elementos que anunciam o Estilo Gótico. O primeiro templo que vamos conhecer é a Igreja de San Miguel.

DSC08225Nesta construçao aparecem elementos oriundos do Mudéjar Toledano, como podemos apreciar no ábside poligonal, feito de tijolo (ladrillo, em espanhol), e nos  contrafortes.

DSC08224A Igreja de San Miguel sofreu um incêndio entre os séc. XVI e XVII, e perdeu praticamente todas as obras de arte que possuía. Abaixo, vemos a fachada principal e a portada.

DSC08226Depois de finalizada a Guerra Civil Espanhola, a igreja ficou praticamente abandonada e, finalmente, seu teto e as naves derrubaram-se. Em 1979, foi restaurada pela Associaçao Amigos de Brihuega, e atualmente é utilizada para eventos culturais. Abaixo, vemos uma imagem da parte lateral da igreja, com uma porta mais simples que a da fachada.

DSC08228A Igreja de San Felipe é justamente considerada uma das mais belas de Brihuega.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua lindíssima fachada apresenta um conjunto de 3 rosetones admiráveis, e uma bela portada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACuriosamente, a torre de planta octogonal nao está unida ao templo, pois foi edificada aproveitando-se uma das torres da muralha da cidade, e posteriormente levantou-se o nível superior para os sinos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém na fachada, podemos apreciar curiosos e enigmáticos capitéis figurados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da Igreja de San Felipe está composto por 3 naves, algo habitual no Românico, separadas entre si por 5 arcos sustentados por colunas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o ábside semicircular, cuja aparente simplicidade construtiva revela sua própria beleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1904, uma vela produziu um incêndio que se propagou pelo teto de madeira. O criterioso processo de restauraçao realizado devolveu, felizmente, o aspecto original que a igreja tinha quando foi construída. A seguir, vemos uma Pia Batismal, que no Românico foi decorada com maravilhosos relevos, com inúmeros exemplos por todo o território espanhol. A que vemos, no entanto, apresenta uma decoraçao mais austera e simples.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santa Maria veremos num post à parte, quando conheceremos o encantador local onde se localiza, o Prado de Santa Maria. Até lá…