Esculturas do Museu do Prado

Apesar de ser reconhecido internacionalmente como uma Pinacoteca, ou Museu de Pinturas, o Museu do Prado possui cerca de 900 esculturas em seu acervo artístico. Como no caso das pinturas, as esculturas formavam parte das coleções dos Reis da Espanha. Algumas das obras mais importantes estão situadas no claustro do desaparecido Monastério de San Jerónimo, que foi restaurado e colocado dentro do novo edifício projetado por Rafael Moneo durante as obras de ampliação do museu, finalizadas em 2007.

DSC09089O núcleo central da coleção de escultura formou-se na primeira metade do século XVI, durante o reinado de Carlos I. A ele se deve um excepcional conjunto  de obras, os retratos familiares de corpo inteiro que o monarca encarregou aos escultores italianos Leone Leoni (1509/1590) em 1549, e que foram finalizados por seu filho Pompeo Leoni (1530/1608). Consideradas obras primas da Escultura Renascentista, foram realizadas em bronze e Mármore de Carrara, materias perfeitos para exprimir os valores de nobreza e eternidade. Representam o próprio imperador e os membros mais próximos de sua família. Abaixo, vemos o monarca Carlos I (1500/1558), uma escultura realizada em mármore em 1553, na qual o rei aparece vestido com uma armadura e um medalhão que representa a Marte, Deus da Guerra. Carlos I foi o único Rei Espanhol proclamado Imperador, por ter sido Rei da Espanha e também do Sacro Império Germânico.

DSC09085Carlos I casou-se com sua prima Isabel de Portugal (1503/1539) em 1526. Foi a primeira e única esposa do rei, que sentiu por ela um profundo amor. Faleceu em Toledo no ano de 1539, com apenas 36 anos. Para recriar sua imagem, Leone Leoni recorreu a um retrato da imperatriz pintado por Ticiano, que se conserva no Museu do Prado.

DSC09075A seguir vemos um relevo do casal real, encarregado a Leone Leoni em 1549, e terminado em Milão 6 anos depois. Feitos de mármore e decorados com motivos da Mitologia Clássica.

DSC09077 Maria de Hungria (1505/1558), irma de Carlos I, casou-se em 1521 com Luis II, Rei da Hungria, que veio a falecer 5 anos depois. Entre 1531 e 1556 foi a regente dos Países Baixos. Na escultura, aparece vestida como viúva. Encarregada a Leone Leoni em 1548, foi realizada em bronze.

DSC09080Um dos filhos que Carlos I teve com Isabel de Portugal, Felipe II (1527/1598) foi o responsável por trazer de forma permanente a capital do Império Espanhol para Madrid, em 1561. Entre 1554 e 1558 foi também Rei da Inglaterra, graças ao seu casamento com Maria Tudor. Abaixo vemos sua escultura, realizada em bronze e fundida em 1551.

DSC09073Felipe II também aparece num busto feito de alabastro e atribuído a Pompeo leoni (1560).

DSC09083Os dois escultores, pai e filho, foram também os responsáveis de outras obras primas do Renascimento Espanhol, os mausoléus do Imperador Carlos I e Felipe II, que podemos ver no Monastério de El Escorial. Finalizo a matéria comentando que o claustro é o único local do Museu do Prado onde as fotos estão permitidas…

 

Dalí no Museu Reina Sofia – Parte 2

A etapa surrealista de Salvador Dalí, a mais famosa do pintor, está muito bem representada no Museu Reina Sofia. Fazer comentários sobre seus quadros surrealistas é muito complicado, tal a complexidade simbólica dos mesmos. Por este motivo, veremos algumas das obras de este estilo, com algumas “pinceladas” que me parecem mais pertinentes. De 1928 é o quadro Los Esfuerzos Estériles, fruto da relação intelectual entre Dalí e Garcia Lorca, cuja cabeça é um dos motivos centrais da composição. Dalí busca na psicanálise freudiana uma explicação para suas obsessões. O emprego do método psicanalítico, unida às suas imagens simbólicas e oníricas, fizeram com que fosse aceito no grupo surrealista, comandado pelo pintor francês André Bretón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm ano depois, Salvador Dalí realiza uma de suas obras mais conhecidas, El Gran Masturbador, um tema pouco habitual na história da pintura e símbolo por excelência de suas obsessões sexuais. Obra eminentemente autobiográfica, a cabeça do masturbador personifica o próprio artista, que aparece protagonizando várias cenas simultâneas, reflexo da transformação erótica e anímica que Dalí experimenta com a chegada da musa de sua vida, Gala.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém de 1929, no quadro La Memória de la Mujer-Niña, Dalí nos apresenta uma sucessão de seres e coisas descompostas, que se confundem. O pintor mostra uma fascinação pelo putrefato, símbolo da morte moral dos valores sociais da época para o artista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final da década de 20, Salvador Dalí descobre o método paranoico-crítico, sistema definido pelo próprio autor como um “método espontâneo de conhecimento irracional baseado na observação crítica e sistemática das associações e interpretações delirantes”. Uma obra emblemática deste método, El Hombre Invisible, pintado entre 1929 e 1932, ficou inacabada, e nela o pintor retrata imagens de duplo sentido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe 1933, Ángelus Arquitectónico de Millet é uma interpretação  que Dalí realizou do quadro El  Ángelus de Millet, pelo qual estava fascinado. As conotações eróticas da obra são quase explícitas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO método paranoico-crítico manipula as imagens convencionais através da decomposição e pela utilização da putrefação, criando cenas paranoicas e ambíguas, que foram definidas pelo autor como a “representação de um objeto, que sem a menor modificação figurativa ou anatômica, se torna a representação simultânea de outro absolutamente diferente”. O artista deixa ao espectador a possibilidade de estabelecer diversas interpretações possíveis à cena. Abaixo, vemos El Enigma Sin Fin, de 1938…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesde o princípio, o grupo surrealista sentia um certo receio ante o descaso com que Dalí exibia publicamente suas obsessões sexuais. No quadro El Enigma de Hitler (1939), a representação simbólica do líder nazista ultrapassou o limite do aceitável, e o pintor catalão acabou sendo expulso do grupo liderado por Bretón. Dalí abandona a Europa e se instala nos Estados Unidos, onde começa a pintar quadros de temática místico-religiosa. O quadro acima mencionado é uma alusão alegórica à Conferência de Munique, realizada em 1937, na qual tanto a Inglaterra quanto a França permitem a Hitler invadir e incorporar a Checoslováquia ao Império Alemão. O telefone destruído no quadro simboliza o fracasso das negociações. A paisagem com o céu ameaçante é um presságio dos tempos que virão, constituindo uma obra premonitória do terror que assolaria o continente com a Segunda Guerra Mundial. O prato vazio anuncia a fome a a miséria decorrentes do conflito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom esta matéria, finalizo a série das Obras Primas do Museu Reina Sofia, um museu de visita obrigatória em Madrid, como um referente da Arte Contemporânea e da história e evolução da arte nos dois últimos séculos. A partir do próximo post, viajaremos á Comunidade de Extremadura, para que vocês possam conhecer um pouco da cidade de Badajoz e sua província.

Dalí no Museu Reina Sofia

Incontestavelmente, Salvador Dalí (Figueres, Província de Gerona, Catalunha: 1904/1989) foi um dos artistas mais originais e excêntricos do século XX. Mestre do Surrealismo, soube como nenhum outro autopromover-se, e a fama adquirida em sua vida foi imensa. No Museu Reina Sofia podemos conhecer várias etapas de sua genial criação artística, além de sua fase mais conhecida, a surrealista. No post de hoje veremos algumas das obras anteriores à época surrealista, igualmente realizadas com grande talento, sensibilidade e qualidade artística. Todas elas foram realizadas na década de 20 do século passado. De 1922 a 1928, Dalí desenvolveu sua fase cubista, e em 1923 realizou um Autoretrato neste estilo, situando sua cabeça no centro da composição, reconhecível entre as complicadas linhas abstratas que constituem o resto do corpo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm ano antes, em 1922, Salvador Dalí passa a residir em Madrid, mais precisamente na Residência dos Estudantes (matéria publicada em 26/8/2015), onde conhece e inicia sua amizade com o poeta Federico Garcia Lorca e o cineasta Luis Buñuel, entre outros. Estes personagens fundamentais da Arte Espanhola do século XX formaram um ativo grupo intelectual. Fruto do contato estabelecido entre o cineasta e o pintor foram os roteiros para dois filmes surrealistas fundamentais, Um Cão Andaluz (1929) e A Idade de Ouro (1930). Além do mais, Dalí realizou um retrato de Buñuel em 1924, quando abandona os critérios cubistas de suas obras anteriores, aproximando-se da estética clássica imperante na Europa naquele momento. No entanto, a estrutura do quadro recorda as formas cubistas, destacando a forte personalidade de Luis Buñuel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInfluenciado pelo artista uruguaio Rafael Barradas, que havia introduzido em 1918 o Futurismo e o Cubismo nas correntes vanguardistas espanholas, o pintor catalão realiza o quadro Gitano de Figueres (1923). Para alguns historiadores, o interior do espaço onde está representado o personagem, um cigano, poderia ser uma das salas da Residência dos Estudantes, graças aos quadros situados detrás do personagem e a permanente desordem do local, como era habitual…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro quadro que mostra claramente as influências das correntes europeias na fase inicial do pintor, como o Cubismo e a denominada Pintura Metafísica Italiana, é esta Natureza Morta (1924), realizada para a famosa  Exposição da Sociedade de Artistas Ibéricos realizada em 1925 no Parque do Retiro de Madrid. Depois, presenteou a Garcia Lorca com este quadro, que o conservou até sua morte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1925, a grande influência exercida por Garcia Lorca marca a produção artística de Dalí. Realiza o quadro intitulado Pierrot tocando la guitarra, onde confluem 4 elementos de distintas procedências, que afetaram a obra do artista nesta década: a estruturação cubista, o volume tomado da Pintura Metafísica, o gosto pela linha, próprio da produção pictórica de Lorca, e a herança clássica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém neste ano, Salvador Dalí pinta uma série de quadros em que retrata a sua irmã Anna María Dalí, como neste Retrato de mi hermana

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a Muchacha de Espaldas

OLYMPUS DIGITAL CAMERADalí retratou a sua irmã ao menos em 12 obras, das quais se considera uma obra prima o quadro Muchacha en la ventana. Salvador Dalí tinha apenas 20 anos quando realizou esta obra de grande uniformidade cromática e simplicidade compositiva. Representa a sua irmã de costas na casa de férias que a família possuía no belíssimo povoado de Cadaqués (Província de Gerona, ver post publicado em 1/9/2013), onde a muchacha nos introduz na paisagem que ela contempla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos alguns dos quadros surrealistas de Dalí, que podem ser contemplados numa visita ao Museu Reina Sofia de Madrid

Picasso no Museu Reina Sofia

Pablo Picasso (Málaga-1881/Mougins,França-1973) é considerado de forma quase unânime pelos estudiosos e críticos de arte como o personagem mais importante do século XX. Além de ter sido um dos fundadores do Cubismo, participou da grande maioria das correntes artísticas do século passado, realizando em todas elas obras fundamentais de grande maestria e repercussão, tanto na pintura, quanto na escultura. O acervo permanente do Museu Reina Sofia exibe várias de suas obras, que veremos hoje no blog. De sua fase inicial veremos 3 quadros. Começamos pela obra intitulada La Bebedora de Absinto (1901). Pertencente à chamada fase azul do pintor, apresentando uma mulher amargada num espaço opressivo, que realça a sensação de abandono da personagem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém de 1901 é o quadro Busto de Mujer Sonriente, no qual Picasso retrata uma das mais belas figuras femininas parisienses que realizou durante sua vida na capital francesa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARealizado entre 1901 e 1904, Mujer en Azul é um dos quadros mais importantes e conhecidos do museu. Picasso pintava de memória mulheres de Paris. Este quadro  também pertence, como o próprio nome indica, a sua fase azul, em que predomina esta cor em suas obras. Foi realizado durante uma temporada em que permaneceu em Madrid, depois de uns dias passados na Cidade da Luz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA natureza morta é um dos temas mais recorrentes do pintor em sua fase cubista. Abaixo vemos El Frutero (1910), uma das poucas peças deste estilo realizadas por Picasso na Espanha. Pertence ao denominado período analítico, desenvolvido pelo artista entre 1910 e 1912.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe 1939 é o quadro Mujer sentada en un sillón gris. O dramatismo desta obra se explica pelos acontecimentos ocorridos pouco antes de pintar o quadro, como a invasão de Praga pelo exército de Hitler e a conquista de Madrid pelo General Franco. Também está associado à dor pela perda recente de sua mãe, junto com as angustiosas sensações provocadas pela situação política do momento. Além do mais, Picasso parece refletir no quadro as duas mulheres que coexistiram em sua vida naquele período, Dora Marr e Thérese Walter. Este quadro de composição cubista recorda alguns elementos utilizados no famoso Guernica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com a escultura intitulada El Hombre del Cordero, realizada em 1943 na capital francesa, então ocupada pelo exército nazista. Nesta obra de grandes dimensões, Picasso esculpe um tema clássico relacionado à iconografia crista, o Bom Pastor. Realizada num só dia, é interpretada como uma reação ao ambiente da França ocupada e como materialização e personificação alegórica da paz e da liberdade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Museu Reina Sofia – Arte Espanhola: Parte 2

Um dos artistas espanhóis mais bem representados no Museu Reina Sofia é Juan Gris (Madrid-1887/Boulogne-Sur-Seine, França/1927). Considerado um dos principais mestres do Cubismo, seu nome verdadeiro era José Victoriano González-Pérez. Desenvolveu sua atividade pictórica praticamente em Paris, travando contato com vários pintores, entre os quais, Pablo Picasso, introduzindo o pintor malaguenho no círculo artístico da capital francesa, sendo considerado uma de suas maiores influências. Juan Gris criou um estilo próprio dentro do Cubismo, denominado Cubismo Sintético. Abaixo, vemos o quadro Jarra y Vaso, pintado em 1916.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém de 1916, ano crucial na trajetória do pintor, é o Retrato de Josette Gris

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo período compreendido entre 1914 e 1918, Juan Gris atinge sua culminação artística, quando cria o Cubismo Sintético. Em 1920, realiza uma viagem à cidade costeira francesa de Bandol-Sur-Mer e no ano seguinte realiza uma série de quadros intitulados La Ventana Abierta, um dos quais vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar da importância de sua obra para arte do século XX, durante sua vida Juan Gris teve pouca repercussão na Espanha, sendo mais valorizado fora de suas fronteiras. Um ano antes de sua morte pintou o quadro La Mesa del Músico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo início do século passado, os cafés de Madrid se tornaram um ponto de encontro preferido para as cabeças pensantes do momento. Reuniões de caráter intelectual, filosófico, artístico e político se tornaram habituais, e na Espanha são conhecidas como Tertulias. A mais famosa delas ocorreu no Café do Pombo, situado próximo à Puerta del Sol, e foi criada pelo escritor e jornalista Ramón Gómez de la Serna (1888/1963), grande personagem da vida madrilenha da época. La Tertulia del Café del Pombo foi imortalizada pelo pintor José Gutiérrez Solana (Madrid: 1886/1945), que se baseou numa foto do grupo principal desta tertulia tirada pelo grande fotógrafo Alfonso Sánchez Portela (1902/1990), amigo de Ramón Gómez de la Serna.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Café do Pombo era um modesto e sombrio café madrilenho, e foi perfeitamente retratado pelo pintor através do forte claro-escuro presente em sua principal obra. Os personagens foram representados frontalmente e em semicírculo, rodeando a Ramón Gómez de la Serna, que aparece de pé no centro da composição. Este popular retrato coletivo de alguns dos personagens da cultura madrilenha mais significativos daquela época pertenceu a Ramón Goméz de la Serna, que depois doou o quadro para o estado espanhol. As reuniões se mantiveram até 1937, em plena Guerra Civil Espanhola, mas o Café do Pombo fechou suas portas em 1942. Dele, permanece o registro desta importante obra de Solano. A pintora Ángeles Santos (Portbou-1911/Madrid-2013) também se inspirou nestas reuniões sociais para a realização de um quadro em 1929, denominado Tertulia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo contrário da rigidez dos personagens da Tertulia del Café del Pombo, Ángeles Santos retrata figuras femininas que se retorcem num movimento sinuoso que impregna toda a composição. Pintora surrealista nascida na Província de Valladolid, este quadro é considerado uma de suas principais obras, e a sensação de opressão e claustrofobia é patente. A diferença dos homens, que assistiam as tertulias organizadas nos cafés livremente, as mulheres permaneciam encerradas dentro de casa, na maior parte das vezes contra sua vontade. A importância desta artista radica que duas de suas melhores obras, a Tertulia incluída, foram relacionadas como dois dos 100 melhores quadros da pintura realizada no século XX. A outra obra fundamental de sua carreira é o integrante quadro Un Mundo, realizado em 1929.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta magistral obra foi pintada por Ángeles Santos quando tinha apenas 18 anos. De grandes dimensões, foi inspirado, segundo a própria autora, num dos versos do escritor Juan Ramón Jimenez, causando um grande impacto no mundo artístico. As personagens femininas do quadro rodeiam o globo terráqueo, que perdeu sua condição original transformando-se numa forma cúbica. Representa a realidade desde múltiplas facetas, de maneira simultânea. Participou do movimento surrealista e do denominado Realismo Mágico, falecendo com 101 anos. Relacionada com o realismo mágico, a obra Adán y Eva, pintado pela artista Rosario de Velasco (Madrid-1910/Barcelona-1991) em 1932, recebeu a segunda medalha na Exposição de Belas Artes deste ano. Interessante este quadro, retratando os dois personagens bíblicos como se fossem pessoas comuns, num ambiente poético de grande sensibilidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com um dos quadros mais famosos do Museu Reina Sofia, o Autoretrato realizado em 1936 por Alfonso Ponce de León (Málaga-1906/Madrid-1936).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cena deste belíssimo quadro possui conotações oníricas, e possui um caráter premonitório, em que o autor parece pressentir sua morte eminente e trágica, que se produziria realmente no mesmo ano em que realizou o quadro. O foco de luz, que define seus contornos, é um elemento desconcertante, proporcionando a obra uma aparência fantasmagórica. O artista foi assassinado por suas ideias políticas, e pertenceu à Falange Espanhola. O gesto que realiza o autor de sinalizar a própria testa com os dedos cheios de sangue sugere que a causa de sua morte não foi o acidente de carro, mas algum motivo “oculto” que não aparece no quadro…

 

Museu Reina Sofia – Arte Espanhola

Esta matéria e as seguintes estarão dedicadas às melhores obras do acervo permanente do Museu Reina Sofia em relação à Arte Espanhola, com alguns de seus pintores consagrados e outros em sua maioria desconhecidos pelo grande público, mas de enorme qualidade artística. Começamos por Joan Miró (Barcelona-1893/Palma de Mallorca-1983). Sua carreira como pintor se desenvolveu a partir do quadro La Casa de la Palmera, realizado em 1918. Esta casa existiu realmente, e nela Miró passou algumas temporadas. Foi retratada com uma certa atmosfera infantil e ingênua, quase onírica, e a composição representa o local de forma realista e descritiva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMiró sempre demonstrou um interesse permanente pelo subconsciente e pelo mundo infantil, como podemos ver na obra intitulada La Sonrisa de Alas Flameantes (1953), considerada um de seus quadros mais conhecidos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO artista catalão cultivou também a escultura, como podemos observar no jardim do Museu Reina Sofia, onde foi colocada sua escultura de bronze denominada Pájaro Lunar (1966). Para o artista, as aves representavam a conexão entre os mundos terrestre e celestial. Esta é uma de suas primeiras esculturas monumentais, herança das formas ligadas à natureza e a escultura surrealista. Se trata de uma versão de grande tamanho de uma peça homônima realizada nos anos 40, sendo concebida com outra chamada Pájaro Solar. A dualidade é outra das características presente em sua obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntoni Tàpies (Barcelona: 1923/2012), também um artista catalão, foi um grande teórico da Arte Espanhola. Pintor e escultor, é considerado um dos principais expoentes do chamado Informalismo, e um dos mais destacados artistas do século XX na Espanha. Autodidata, criou um estilo próprio dentro das artes vanguardistas, combinando a tradição e a inovação dentro de um estilo abstrato carregado de simbolismo. Grande defensor da cultura da Catalunha, sua obra possui um centro de estudo e conservação em Barcelona, a Fundação Antoni Tàpies, que vale a pena ser visitada. Em 1950, realizou a obra Personaje, que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos pintores que mais me causou admiração em sua obra desde que estou no país, Darío de Regoyos (Ribadesella-1857/Barcelona-1913) é considerado o maior expoente da pintura impressionista espanhola. Em sua vida, sua obra foi mais valorizada no estrangeiro que em sua própria terra natal. Destacou-se pela capacidade para representar diferentes e originais efeitos luminosos e atmosféricos nas paisagens da Espanha, como podemos observar no quadro Irun por la tarde (Irun é um município da Província de Guipúzcoa, pertencente ao País Vasco), pintado em 1900.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO quadro El Gallinero (1912) é considerado uma de suas obras mais conhecidas, e pode ser vista no museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAArtista extremamente prolífico, a Joaquín Sorolla (Valencia-1863/Cercedilla-1923) se atribuem mais de 2200 obras catalogadas. Sua carreira artística pode ser melhor conhecida no Museu Sorolla de Madrid, situado na casa onde viveu o artista durante uma parte de sua vida. Além dos retratos e da temática social, Sorolla desenvolveu cenas de costumes relacionados à vida dos pescadores valencianos, captando os efeitos da luz sobre os objetos, pessoas e a paisagem, como vemos no quadro Llegada de la Pesca, pintado em 1899.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA obra de Luis Feito (Madrid:1929-    )  está exposta nos grandes centros de arte do mundo. Uma das principais figuras do panorama artístico contemporâneo espanhol, estudou na Escola de Belas Artes de San Fernando de Madrid, uma das instituições artísticas mais importantes do país. Fundador do grupo “El Paso“, cultivou o denominado figurativismo, passando por uma etapa cubista e culminando sua obra na Pintura Abstrata. No Reina Sofia encontra-se sua obra Número 179, realizada em 1960.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Obras Primas do Museu Reina Sofia – Madrid

O Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, este é seu nome completo, é considerado uma das pinacotecas mais importantes da Europa em relação à Arte Contemporânea. Situado próximo ao Paseo del Prado e da Estação de Atocha, constitui juntamente com o Museu del Prado e o Thyssen-Bornemisza o denominado triângulo da arte do Paseo del Prado, uma das áreas com a maior quantidade de obras imprescindíveis de todo o continente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos primeiros posts que realizei no blog, em 17/5/2012, foi dedicado à história do Museu Reina Sofia, e seu quadro mais famoso, o Guernica de Pablo Picasso. O museu ocupa o edifício do antigo Hospital Geral de San Carlos, construído durante o reinado do rei Carlos III em 1781 pelo arquiteto Francisco Sabatini. Por este motivo, o edifício principal do museu é conhecido como Edifício Sabatini, que vemos na imagem acima. Em 1965, o hospital foi enclausurado e declarado Monumento Histórico-Artístico em 1977. Alguns anos depois, a construção foi restaurada e em 1986 inaugurado como museu. Dois anos depois, foram colocados dois elevadores externos de aço e vidro e finalmente em 2001 o museu encarregou ao arquiteto Jean Novel sua mais importante ampliação, dando à instituição um caráter contemporâneo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO acervo do Museu Reina Sofia é impressionante, e sua visita é obrigatória para os amantes da arte que se desenvolveu nos séculos XIX e XX, tanto da pintura espanhola como da realizada em outros países europeus. Nesta série que hoje iniciamos, veremos algumas de suas obras mais importantes, realizadas por artistas consagrados e outros nao tao famosos no Brasil, mas que devem ser conhecidos e valorizados, para uma melhor apreciação do catálogo de obras do museu e sua exposição permanente. Hoje veremos algumas pinturas dos artistas estrangeiros, todos eles conhecidos pelo público. Começamos por Van Gogh (Zundert-Holanda, 1853/ Auvers-Sur-Oise-França, 1890), que no ano de sua morte realizou o quadro O Jardim de Daubieny, um local que o genial pintor sentia grande admiração. Este quadro nao faz parte de sua coleção permanente, e pude admirá-lo numa exposição temporal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA pintura francesa está muito bem representada, com alguns de seus pintores de maior transcendência como, por exemplo, Paul Cézanne (Aix en Provence: 1839/1906). Em 1878, pintou o quadro A Casa do Dr. Gachet em Auvers-Sur-Oise, um povoado próximo a Paris. Graças a sua estreita amizade com Camille Pissaro, Cézanne passou a interessar-se pela pintura de paisagem. O Dr. Paul Gachet foi um médico amigo de muitos pintores impressionistas, além de colecionador de arte. Esta é uma das obras mais impressionistas do autor, mostrando a natureza diretamente de seu ambiente natural, e suas variações cromáticas e de luz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACamille Pissaro (Saint Thomas-1830/Paris-1903) é considerado um dos fundadores do Movimento Impressionista e personagem fundamental na incorporação da modernidade na pintura. Retratou a vida rural francesa, principalmente paisagens e camponeses trabalhando. O quadro El Sendero del Pueblo (O Caminho do povoado) foi pintado em 1875.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém de Pissaro, vemos o quadro O Rio Sena visto da explanada da Ponte Nova, realizado em 1901, uma obra que contemplei numa exposição temporal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAReconhecido apenas após sua morte, Paul Gaughin (Paris-1848/Polinésia Francesa-1903) é considerado um pintor pós impressionista, e despertou uma grande influência nos artistas vanguardistas franceses e outros pintores modernos de renome, como Picasso e Matisse. De 1885 é o quadro intitulado Paisagem com telhado vermelho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMarc Chagall (Vitebsky, Biellorrusia-1887/ Saint Paul de Vence, França-1985)  é considerado um dos grandes artistas vanguardistas do século passado. A interpretação de temas bíblicos foi recorrente em sua obra, refletindo sua herança judaica. No Reina Sofia podemos ver alguns quadros seus, como um Autoretrato e Judeu em vermelho, ambos pintados em 1914.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa próxima matéria, veremos alguns dos melhores quadros da Pintura Espanhola presentes no acervo do Museu Reina Sofia.