Igreja de San Nicolás – Valência

Em pleno Centro Histórico de Valência situa-se um dos templos mais belos da cidade, a Igreja de San Nicolás e de San Pedro Mártir. Recentemente, quando estive na cidade, tive a oportunidade de conhecê-la por primeira vez e admirá-la tanto sua parte exterior, quanto seu magnífico espaço interno.

20181004_144531O local onde a igreja se situa sempre foi, ao longo dos séculos, um espaço sagrado. Já em época romana, havia um templo, que foi substituído por uma mesquita durante a dominação muçulmana. Com a reconquista efetuada pelo Rei Jaime I no século XIII, a mesquita foi consagrada como uma paróquia cristã e entregue a Ordem Dominicana, que batizou o templo em homenagem a San Nicolás de Bari. Anos depois, a ordem decidiu incorporar a titularidade da igreja a San Pedro Mártir, considerado o primeiro santo mártir dos dominicanos.

20181004_144658No século XV, chamado de Século de Ouro Valenciano, a igreja foi reconstruída e ampliada, adquirindo o aspecto gótico que possui atualmente. Desta época, se conserva a portada exterior, que vemos nas imagens acima. Esta reforma ocorreu durante o governo eclesiástico do Bispo Alfonso de Borja, que se tornaria cardeal e posteriormente Papa com o nome de Calixto II.

20181004_144603Durante o período da Contrarreforma, no final do século XVII (entre 1697 e 1700), a igreja foi reformada no estilo barroco.

20181004_143337Todo o interior do templo foi coberto por um excepcional conjunto de pinturas (quase 2 mil metros quadrados), realizado pelo pintor Dionís Vidal, discípulo do grande Antonio Palomino (1653/1726), considerado um dos maiores teóricos da arte na Espanha, além de ter sido nomeado pintor de câmara do Rei Carlos II.

20181004_143349As pinturas foram realizadas na própria estrutura gótica do templo, e representam episódios das vidas dos santos titulares, San Nicolás e San Pedro Mártir. Conhecida como a Capela Sixtina Valenciana, a Igreja de San Nicolás é considerada um dos melhores exemplos da combinação do estilo gótico com a decoração barroca.

20181004_14383520181004_144022O interior da igreja possui nave única e 6 capelas de cada lado…

20181004_14430620181004_143555San Nicolás viveu no século IV, e foi Bispo de Mira, na atual Turquia. Devido às invasões otomanas, seus restos foram levados à cidade italiana de Bari, onde se encontra seu sepulcro. Protetor da infância e da família, também é invocado em momentos de dificuldades financeiras. Abaixo, vemos seu busto, situado junto ao altar maior da igreja.

20181004_143733San Pedro Mártir viveu no século XIII. Pertencente à Ordem Dominicana, nasceu em Verona, Itália, e faleceu em 1252. Abaixo, vemos o órgão da igreja…

20181004_143720A igreja conserva importantes obras artísticas, como este retábulo que representa o Calvário de Cristo, realizado pelo pintor Rodrigo de Osona em 1476, um exemplo da transição do gótico ao renascimento.

20181004_144211No século XIX, foram realizadas algumas reformas na parte exterior da igreja, no estilo neogótico

20181004_144612Finalmente, em 1981, a Igreja de San Nicolás de Valência recebeu, merecidamente, o título de Monumento Histórico-Artístico.

Anúncios

Convento de la Asunción de Almagro

Dentro de todo o patrimônio religioso de Almagro, destaca-se o Convento de la Asunción, cuja visita me impressionou bastante, uma verdadeira surpresa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste convento demonstra uma vez mais a importância que a Ordem de Calatrava teve no desenrolar da história de Almagro e no seu rico legado artístico e cultural. Foi fundado por D.Gutierre de Padilla, comendador maior da Ordem de Calatrava, como um hospital de misericórdia, no século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderado uma jóia do Renascimento em Espanha, foi habitado por freiras calatravas até 1815, quando sofreu o processo de desamortização no século XIX e seus bens passaram a ser propriedades do estado. O claustro é um de seus elementos mais interessantes e apesar de ser considerado um dos mais belos do Renascimento Espanhol, ainda é desconhecido em boa parte do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO projeto do claustro se deve a Enrique Egas “El Mozo”, realizado em 1534. Possui um formato quadrado com dois níveis de arquerias e com 60 colunas clássicas em seu perímetro, de Ordem Jônico no nível inferior e Toscano no superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Uma bela escada possibilita o acesso ao nível superior do claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo redor do claustro, observamos várias portas ricamente decoradas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComo acontece normalmente nos conventos e monastérios da Espanha, suas dependências se organizam ao redor do claustro, como o antigo dormitório utilizado pelas freiras, com um bonito artesanato de estilo mudéjar feito de madeira em sua cobertura (finais do século XVI).

OLYMPUS DIGITAL CAMERASe o Corral de Comédias de Almagro representa o exemplo principal da Arquitetura Popular na cidade, o Convento de la Asunción constitui a obra prima da denominada Arquitetura Culta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois de abandonado, foi utilizado como quartel de cavalaria e armazém de trigo e vinho. Em 1851 foi declarado Monumento Histórico-Artístico, fato que provavelmente o salvou da ruína. Abaixo, vemos a igreja do convento, construída na primeira metade do século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA foto acima foi tirada do Coro, cujos detalhes vemos na sequência…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo início do século XX, o convento passou a ser propriedade da Ordem Dominicana, que realizou criticadas reformas no convento, para transformá-lo num colégio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO convento está aberto à visitação pública, algo que recomendo. Simpáticas e atenciosas funcionárias tornam a visita ainda mais instrutiva. Abaixo, vemos o Escudo da Ordem de Calatrava, talhado na porta da instituição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igrejas Históricas de S.Compostela

O patrimônio histórico religioso de Santiago de Compostela é invejável, compreendendo igrejas, conventos e monastérios, além de pequenas mas belas capelas. Neste post e no próximo, veremos alguns dos templos mais importantes da cidade galega, a parte daqueles já mostrados nesta recente série de matérias. Iniciamos com o Antigo Convento de Santo Domingo de Bonaval. Segundo conta a tradição foi fundado pelo próprio Santo Domingo de Gusmão (1170/1221) em 1220, santo espanhol fundador da Ordem Dominicana, durante uma peregrinação feita à Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste convento é considerado o primeiro desta ordem religiosa em toda a Galícia. A igreja atual do convento data do século XIV, realizada no estilo gótico, mas reformada no XVII. Em uma de suas capelas guarda os restos da poetisa e escritora galega Rosalía de Castro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO convento foi abandonado devido aos processos desamortizadores, e atualmente acolhe o Museu do Povo Galego. Do local onde se encontra, existem belíssimas vistas do centro histórico da cidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO período barroco, que compreende o século XVII e parte do XVIII, constituiu uma etapa de grande prosperidade para as instituições religiosas da cidade, sendo que muitas das igrejas existentes fazem parte desta corrente artística. Um exemplo é a pequena mas interessante Igreja de San Roque, que pertence ao século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja está situada junto a um antigo hospital, construído para dar assistência aos enfermos que foram contaminados por uma epidemia de peste no século XVI. Por este motivo, a igreja foi dedicada a São Roque, protetor dos doentes. Uma bela imagem do santo podemos contemplar dentro do templo, realizada por José Gambino (1719/1775), um artista procedente de Gênova e que tornou-se responsável por uma excelente escola de escultores na Galícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO retábulo principal da igreja foi realizado por Simón Rodríguez (1697/1752), um importante arquiteto barroco da Galícia que deixou um impressionante legado na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa porta de entrada da igreja vemos símbolos associados ao Apóstolo Santiago, como a cruz da Ordem de Santiago e a concha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe estilo neoclássico e construída a partir de 1750 é a Igreja de Santa María del Camino

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAIgualmente do século XVIII, a Capela das Ánimas também se insere no estilo neoclássico, principalmente em sua fachada, que contou com a participaçao do arquiteto Ventura Rodríguez. Na própria fachada vemos um relevo com as almas no purgatório…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da capela possui nave única, com destaque para os belos retábulos feitos de estuco policromado no início do século XX por Manuel de Prado. Os episódios da paixão de Cristo retratados pelo artista impressionam pelo realismo dos personagens.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com imagens do interior da capela…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Santuário de N.Sra de la Peña de Francia

O povoado de La Alberca é considerada a capital da Comarca de Sierra de Francia, formada por vales e espaços naturais de grande importância, além de outros pueblos de grande interesse cultural e turístico. Uma das principais atrações da região é o Santuário de N.Sra de la Peña de Francia, um local emblemático da Província de Salamanca e centro de peregrinação há séculos. O santuário situa-se no alto de uma montanha denominada Peña de Francia, a uma altitude de 1783m, onde se guarda e venera a imagem da Virgen de la Peña, padroeira da província e da Comunidade de Castilla y León. Sua localização o converte no santuário mariano a maior altitude de todo o mundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPraticamente inacessível durante o inverno, o santuário é visitado por uma grande quantidade de peregrinos durante o resto do ano. Como demonstra a foto acima, o inverno europeu deste ano foi muito rigoroso e, em plena primavera, as montanhas da Sierra de Francia continuavam nevadas. A Sierra de Francia encontra-se no limite entre a Província de Salamanca e Portugal. Deste modo, do alto da montanha podemos avistar a Serra da Estrela, situada no país vizinho, além da Comunidade de Extremadura e a planície da comunidade castelhana.

 

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome Peña de Francia, e a imagem venerada, é uma referência aos repovoadores procedentes de França que se assentaram na região nos séculos XI e XII. A importância religiosa do santuário começou em 1434, quando um tal Simón Vela descobriu a imagem de uma virgem negra numa cova no alto da montanha. Inicialmente se construiu uma capela para abrigar a imagem, que vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO lugar passou a pertencer a Ordem Dominicana, que se tornou a proprietária destas terras, como podemos observar na coluna que vemos a seguir, denominada Rollo Jurisdiccional, que outorga o status jurídico, neste caso eclesiástico, de uma localidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1445, com o apoio real, se construiu o convento e a igreja do mesmo finalizou-se cinco anos depois. A torre atual foi levantada no século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém faz parte do conjunto uma hospedaria independente do santuário e uma antena de telecomunicações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAÉ difícil imaginar hoje em dia as dificuldades passadas pela comunidade de religiosos em épocas passadas devido ao rigor climático e o complicado que devia ser chegar ao alto da montanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs padres dominicanos desempenharam uma importante atividade missioneira, impulsando a devoção da virgem em muitos lugares do mundo, como na América e em Filipinas. De fato, a Virgen de la Peña é a padroeira da cidade de São Paulo, onde é conhecida como a Virgem de Nossa Senhora da Penha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA comunidade de religiosos abandonou o santuário com a Desamortização de Mendizábal em 1836, mas retornou em 1900, e continuam realizando suas atividades atualmente. Abaixo, vemos o interior da igreja e a imagem da Virgen de la Peña, talhada em 1890. Ignoro o destino da imagem original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Virgen de la Peña foi citada na universal obra de Cervantes, “El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de La Mancha“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Lugo Medieval

A etapa romana da cidade de Lugo se finaliza no século V, quando os Suevos, um dos grupos de povos bárbaros que invadiram a Hispania, tomam a cidade. Sob o domínio dos Visigodos, Lugo se torna sede episcopal. Seu protagonismo histórico começa a decair com a fundação da cidade de Oviedo, atual capital do Principado de Asturias e a concorrência com a cidade de Braga, que na época fazia parte da Gallaecia. Por estes motivos, a cidade perdeu boa parte de sua população. No ano de 714 dC é invadida pelos árabes, mas um pouco depois, em 741, é ocupada pelas tropas do rei Alfonso I.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Bispo Odoario, encontrando a cidade num estado lamentável, ordena sua reconstrução, consciente da importância histórica de sua reconquista, pois foi a única sede eclesiástica reconquistada na Hispania cristã durante os séculos VIII e a primeira metade do IX. A partir deste momento, Lugo se transforma num importante núcleo urbano, base de sua etapa medieval. No século VIII, a cidade fazia parte da rota primitiva do Caminho de Santiago, contribuindo para seu crescimento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, o núcleo da Lugo Medieval está situado nas proximidades da Praça do Campo, uma pequena praça de formato triangular  construída entre os séculos XII e XIII e situada no centro da parte histórica da cidade, cujas imagens vemos acima. Na Idade Média, este local era o centro comercial principal, e conserva seu aspecto medieval, apesar do predomínio das construções barrocas erguidas por ricos comerciantes no século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro da praça foi colocada uma fonte, com uma estátua em homenagem ao santo dominicano San Vicente Ferrer (1350/1419), realizada em 1754, justo no momento em que se realizou o abastecimento de água da cidade. Nela se localiza a Oficina de Turismo e o Centro de Interpretação da Muralha Romana de Lugo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XIII, a Ordem Dominicana se estabeleceu em Lugo e um convento foi construído. A igreja conventual foi erguida a partir de 1303 no estilo gótico, que ainda podemos admirar, apesar de algumas reformas realizadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Domingo possui três ábsides poligonais, como vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos uma das portas de acesso ao templo, formada por três pares de colunas e quatro arquivoltas, muito bem decoradas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos algumas fotos do interior da igreja…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, está ocupada por freiras da Ordem das Agustinas Recoletas. Finalizo a matéria com imagens dos vitrais do interior da igreja, e também da roseta, de formato circular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Um Passeio por Valencia

No post de hoje faremos um passeio pelo Centro Histórico de Valencia, descobrindo seus lugares mais representativos do ponto de vista histórico, e conhecendo também o legado relacionado com alguns de seus personagens principais. Um deles nos remonta à época romana, momento em que aparece a figura de San Vicente Mártir, que foi martirizado por defender a fé cristã no ano de 304 dc. É possível visitar a prisão onde recebeu o martírio, transformada numa capela. O local conserva a coluna que, segundo a tradição, o santo foi torturado. San Vicente Mártir tornou-se o padroeiro da cidade de Valencia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPouco mais de mil anos depois, nasce em Valencia outro Vicente de grande importância religiosa, San Vicente Ferrer (1350/1419). Pertencente à Ordem Dominicana, sua voz de predicador ressoou pelas ruas da cidade, sendo venerado pelos seus habitantes. Abaixo, vemos uma estátua em sua homenagem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém podemos ver sua representação na coleção pictórica do Museu Catedralício, num quadro realizado pelo pintor valenciano Joan Reixach entre 1455 e 1459. San Vicente Ferrer é representado de corpo inteiro em atitude de predicação, e vestido com o hábito branco e negro, próprio dos dominicanos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o edifício construído sobre a casa natal do santo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO período gótico foi uma época de grande prosperidade para Valencia, como vimos em matérias anteriores. Em algumas mansões aristocráticas o estilo combinou-se com a corrente artística subsequente, o Renascimento, caso do Palácio de Benicarló, construído no final do século XV e princípio do XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtual sede das Cortes de Valencia, sua construção foi ordenada pelo Duque de Gandia, membro da conhecida família dos Borja (Borjia, em italiano), cujo personagem mais destacado foi Rodrigo de Borja, que se tornou papa entre  1492 e 1503, com o nome de Alejandro VI. Por este motivo, o edifício também é conhecido como Palácio dos Borja. No século XX, este palácio teve um papel significativo durante a Guerra Civil Espanhola, pois entre 1936 e 1937 Valencia tornou-se a capital do Governo Republicano, e o Palácio de Benicarló transformou-se na sede do governo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAValencia adquiriu um grande protagonismo durante a etapa renascentista, pois foi a porta de entrada deste estilo artístico italiano na Espanha. O primeiro livro editado no país se imprimiu na cidade em 1474, e se encontra na Biblioteca da Antiga Universidade de Valencia. Esta instituição cultural fundamental, de grande prestígio atualmente, foi fundada em 1499. Seu edifício histórico situa-se na Plaza del Patriarca. Para sua construção, o conselho da cidade adquiriu várias casas localizadas nas proximidades, encarregando o arquiteto Pere Compte para que realizasse o projeto. É considerada uma das mais antigas e importantes do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa fachada que dá para a praça foi colocada uma bela fonte em 1966, realizada por Javier Goerlich. No centro desta estrutura de aspecto clássico, foi colocada uma estátua  de mármore branco que representa uma figura feminina, símbolo da sabedoria. A ambos lados, 4 estátuas de bronze representam o Papa Alejandro VI, que expediu a bula fundacional da universidade em 1501, o reitor vitalício Vicente Blasco Ibáñez, e os Reis Católicos. Na parte superior da fonte, vemos a inscrição SPQ Valentinus, que significa “Em nome do Senado e do Povo de Valencia”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO aspecto atual desta universidade pública pertence ao período neoclássico, como podemos observar na fachada principal e no claustro maior. No centro do mesmo, vemos um monumento em homenagem ao filósofo, humanista e pedagogo valenciano Joan Lluís Vives (1493/1540), obra realizada por Josép Aixá em 1880.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANas galerias do claustro foram colocadas lápides comemorativas de alguns fatos históricos de relevância do país, como a heróica resistência da cidade de Zaragoza durante o assédio das tropas de Napoleão no começo do século XIX (episódio conhecido como Os Sítios de Zaragoza).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de constituir a sede institucional e também da Reitoria, o Edifício da Antiga Universidade alberga um centro cultural, com um interesse programação cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm minha visita à cidade, tive a ocasião de ver uma maravilhosa exposição sobre a Guerra Civil Espanhola, com fotos que mostram diversas facetas do conflito. Por exemplo, na imagem abaixo vemos uma reunião de mulheres comunistas militantes que protestam para que os homens participassem nas frentes de batalha da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA população de Valencia observa atônita os ataques aéreos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor primeira vez se realizou uma exposição sobre um dos símbolos da República Espanhola, a Revista La Traca. Publicada em Valencia entre 1909 e o final da república, tornou-se a revista de maior tiragem do país, e também uma das mais polêmicas. Seu proprietário, Vicente Miguel Carceller, era o principal editor da Espanha na época. Devido à sua atitude antifacista, a circulação desta revista satírica e anticlerical foi proibida por Franco, e Vicente Miguel Carceller, fusilado em 1940. O recente atentado a uma editorial em Paris teve seu antecedente em Valencia, 77 anos atrás…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Um Passeio por Acalá de Henares

Alcalá de Henares possui um imenso patrimônio monumental como vocês puderam ver nesta serie de posts sobre a cidade. Além de sua famosa Universidade, a Catedral, os restos arqueológicos da antiga Complutum e os locais associados à vida de Miguel de Cervantes, existem muitos outros lugares de interesse histórico que podem ser descobertos num passeio por suas ruas e praças. Um deles é a Igreja do Convento de Santa María Magdalena, que integra o conjunto de construções barrocas da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste convento de freiras pertencentes à Ordem de Santo Agostinho foi fundado no século XVI, inicialmente como uma casa para acolher mulheres arrependidas, e posteriormente se converteu num convento de clausura. A igreja foi construída pelo arquiteto Fray Lorenzo de San Nicolás e finalizou-se em 1672. Abaixo, vemos umas fotos de seu interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATambém do estilo barroco, a Igreja e o Colégio da Companhia dos Jesuítas foi, historicamente, o principal centro educativo da ordem na Província de Toledo. Atualmente,  a igreja se denomina Paróquia de Santa María.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANão tive a oportunidade de conhecer seu interior, mas pude contemplar uma construção anexa à igreja, a Capela das Santas Formas, situada em sua na parte traseira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta capela do século XVII foi construída para acolher as 24 formas consagradas que foram entregues a um padre em 1597 e que com o tempo se mostraram incorruptas, transformando-se num símbolo da cidade e que despertam grande devoção em Alcalá de Henares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOcultas durante a Guerra Civil Espanhola, as três pessoas que conheciam sua localização faleceram e atualmente se desconhece o seu paradeiro. O interior da capela é belíssimo, com uma esbelta cúpula.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante minhas caminhadas pelas cidades da Espanha, sempre me informo se existe um hotel pertencente à rede de Paradores Nacionais, para tomar um café e admirar estes estabelecimentos de caráter histórico  reconvertidos em hotéis que oferecem conforto e bom gosto em suas dependências.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Parador de Alcalá de Henares ocupa um terreno de 30 mil metros quadrados, e situa-se no local onde antigamente existia o Convento de Santo Tomás, pertencente à Ordem Dominicana, e os antigos colégios que pertenciam à Ordem dos Mercedários, que integravam o conjunto de edifícios universitários. O projeto arquitetônico de adaptação da antiga construção ao moderno  hotel que hoje vemos recebeu vários prêmios de arquitetura e sua reabilitação esteve exposta no Museu de Arte Moderna de Nova York (MOMA).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA