Apóstolo Santiago

Como complemento às matérias dedicadas a minha recente viagem realizada pela Galícia, decidi publicar uma pequena série de dois posts sobre o personagem fundamental destas terras, e motivo principal da existência de muitas das cidades que pertencem ao Caminho de Santiago, como a própria Santiago de Compostela. Refiro-me ao Apóstolo Santiago, o Santo Padroeiro da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos 12 apóstolos de Jesus Cristo, Santiago (em português São Tiago) nasceu provavelmente na Galileia, e foi um dos filhos de Zebedeu e Salomé. Seu irmão, São João Evangelista, também fez parte do círculo íntimo de Jesus. Ambos o conheceram às margens do Mar da Galileia, quando pescavam junto com Simão Pedro e seu irmão André. Pedro, e os irmãos João e Tiago, formaram o trio de discípulos preferidos de Jesus e foram testemunhos diretos de alguns dos principais episódios da vida de Cristo. Depois da morte e ascensão de Jesus, Santiago começou a anunciar a nova fé e se encontrava em Jerusalém quando foi vítima da perseguição contra os cristãos promovida por Herodes Agripa, Rei da Judeia e neto de Herodes O Grande, que decapitou o santo pelas costas no ano 44. Santiago tornou-se, portanto, o primeiro apóstolo que foi martirizado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste pequeno resumo de sua vida constitui o ciclo evangélico da vida do santo. Com seu martírio em Jerusalém e seu posterior sepultamento em terras galegas, iniciou-se uma das maiores devoções a um santo cristão graças aos milhares de peregrinos que, desde a Idade Média, realizam o Caminho de Santiago para venerar seu sepulcro na Catedral de Santiago de Compostela. A tradição de seu enterramento na Galícia se fundamenta em vários textos que adquirem sua forma definitiva no século XII, como a “História Compostelana”, escrito em 1139 por ordem do Bispo Diego Gelmírez de Santiago de Compostela, e o Códice Calixtino, onde se relata os acontecimentos mais importantes de sua vida. Depois de predicar na região da Judeia, veio a Espanha para seguir com seu papel evangelizador. O primeiro em admitir a evangelização do apóstolo na Península Ibérica foi o famoso Beato de Liébana em seus comentários sobre o Apocalipse, redatado em 776. Foi ele também o primeiro em referir-se ao Apóstolo Santiago como Padroeiro da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos episódios mais importantes da vida de Santiago na Espanha ocorreu na cidade de Zaragoza, quando no ano 40 a Virgem Maria, em “carne mortal”, ou seja, em vida, apareceu ao apóstolo no alto de uma coluna feita de jaspe, conhecida como Pilar. Como testemunho de sua presença, o apóstolo ergueu uma pequena capela, que com o passar dos séculos originou a construção da Basílica do Pilar, um dos centros de devoção mariana mais antigos e importantes do mundo, onde ainda hoje se venera a Coluna do Pilar. A denominada Virgem do Pilar foi declarada a Santa Padroeira da Espanha e do mundo hispânico. Abaixo, vemos uma foto da bela Basílica do Pilar de Zaragoza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois do martírio do santo em Jerusalém, seus restos foram trazidos por dois de seus discípulos, Atanasio e Teodoro, num barco à Galícia. Então, ambos discípulos começaram a procurar um local santo para seu enterramento, e foram recebidos pela Rainha Lupa, perversa governante da Galícia, que os enviou a uma de suas propriedades, onde prometeu bois para o transporte do sepulcro. No entanto, ao chegarem ao local, viram que se tratava de touros bravos. Também encontraram com um feroz dragão que esculpia fogo. Os discípulos, em vez de se assustarem, fizeram o sinal da cruz e, milagrosamente, o dragão explodiu e os touros se transformaram em bois mansos. Retornaram ao palácio da Rainha Lupa que, arrependida, se converteu ao cristianismo e transformou seu palácio numa igreja. Este fato foi mencionado no livro “A Lenda Dourada”, escrito em 1264 por Jacobo de la Vorágine. Abaixo, vemos uma pintura que retrata o episódio, que faz parte do acervo do Museu do Caminho, sediado no magnífico Palácio Episcopal de Astorga, projetado pelo arquiteto modernista Antoni Gaudí.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO sepulcro do santo foi enterrado na cidade de Iria Flávia, atual Padrón, e abandonado no século III devido às perseguições religiosas na época em que o território formava uma província do Império Romano, conhecida como Hispania. Perdida a memória exata do local onde foi enterrado o santo, segundo a lenda uma luz misteriosa apareceu ao eremita Pelayo indicando o local do sepulcro. O Bispo Teodomiro de Iria Flávia foi comunicado e descobriu o sepulcro de mármore do santo e de seus dois discípulos numa antiga necrópole da cidade. Este local, indicado por uma estrela, recebeu o nome de “Campus Stellae“, ou “Campo da Estrela“, origem da cidade de Santiago de Compostela. Na época do Rei Alfonso II “El Casto” (791/842), se difunde por toda a península a notícia da descoberta do sepulcro do santo, fato que originou uma das maiores rotas de peregrinação de todo o mundo cristão, o Caminho de Santiago. Abaixo, vemos o Apóstolo Santiago na fachada da igreja a ele dedicado, em Medina de Rioseco, cidade da Comunidade de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEvidentemente, na Espanha existem muitos templos dedicados ao seu santo padroeiro. Abaixo, vemos a Igreja de Santiago de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERA A Igreja de Santiago de Málaga, onde foi batizado Pablo Picasso em 1881…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm muitas capelas existentes nas Catedrais da Espanha vemos sua figura, como na Capela Funerária de Santiago da Catedral de Toledo, em sua parte superior…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOu na Capela de Santiago, pertencente à Catedral de Segovia

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Museu dos Caminhos – Astorga

Além de seu interesse arquitetônico, o Palácio Episcopal de Astorga é a sede do Museu dos Caminhos, onde poderemos admirar uma importante coleçao de obras de várias épocas e estilos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO palácio foi reorganizado como museu a partir de 1962 pelo bispo Mérida Pérez para acolher peças religiosas provenientes de igrejas abandonadas da Diocese de Astorga, com o objetivo de melhor conservá-las.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA exposiçao ocupa a totalidade dos 4 andares do palácio, estando formada por esculturas e quadros, tendo o Caminho de Santiago como referência.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO conjunto escultórico exposto é de grande qualidade e importância histórica-artística. O Apóstolo Santiago é representado em sua rica iconografia, em peças feitas de madeira policromada. Como Peregrino, vemos a peça abaixo, de finais do séc. XII e princípio do XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA escultura abaixo pertence ao séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASantiago é representado também montando um cavalo, como nesta escultura do séc. XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANuma de suas representaçoes mais comuns, o apóstolo aparece derrotando aos muçulmanos, pois existem várias lendas que narram sua milagrosa apariçao no meio de batalhas entre cristaos e árabes, favorecendo a vitória dos primeiros. Neste aspecto, é conhecido como Santiago Matamouros, como vemos na escultura a seguir, do séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPodemos admirar peças representativas de outros apóstolos, como Sao Pedro (esquerda) e Sao Paulo (direita), de finais do séc. XII e princípio do XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO museu conta com uma bela coleçao de Virgens Românicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACristo Crucificado é o tema de outras peças de relevância, como as que vemos abaixo. A primeira foi realizada no séc. XIII e a segunda, no XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA coleçao exibe uma belo conjunto de quadros contemporâneos sobre o Caminho de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a pintura intitulada “Peregrino a su paso por Astorga”, do artista Mariano de Souza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom este post, concluímos a série sobre o Palácio Episcopal de Astorga. No entanto, a cidade guarda ainda algumas surpresas, como o curioso Museu do Chocolate, que veremos na proxima publicaçao…

Palácio Episcopal de Gaudi – Parte 2

O Palácio Episcopal de Astorga, projetado por Antoni Gaudí, pode e deve ser visitado, já que seu interior é tao surpreendente quanto o aspecto exterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALogo na entrada, vemos esculpido numa das portas o símbolo episcopal, talhado em madeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA estrutura do edifício está sustentada por pilares com capitéis decorados e bôvedas de crucería sobre os chamados arcos ojivais, ambos elementos característicos da arquitetura gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACada detalhe da construçao chama nossa atençao por sua beleza, como as coberturas existentes nas várias salas que compoem o palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs inúmeras janelas permitem uma excepcional iluminaçao do interior, com um grande leque decorativo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Palácio Episcopal possui, inclusive, uma grandiosa capela, cujas paredes foram adornadas com pinturas murais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos os grandes arcos que sustentam o edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo subsolo, encontramos uma imensa cripta, destinada a acolher sepulcros antigos e peças pertencentes a várias épocas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o Palácio Episcopal é a sede do Museu dos Caminhos, um espaço cultural referente no Caminho de Santiago, que será o tema do nosso próximo e último post sobre esta magnífica construçao.

Palácio Episcopal de Gaudi – Astorga

Uma das maiores atraçoes turísticas de Astorga, o Palácio Episcopal situa-se ao lado da catedral, e foi projetado pelo genial arquiteto catalao Antoni Gaudí.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído entre 1889 e 1915, o palácio é um dos poucos edifícios projetados pelo artista fora de Barcelona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1886, o palácio anterior sofreu um incêndio e ficou totalmente destruído. Como a cidade nao dispunha de um arquiteto diocesano, o bispo de Astorga Joan Baptista Grau i Vallespinós encarregou a execuçao do projeto ao seu amigo Gaudí, que conheceu em Reus (Catalunha), cidade natal de ambos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando Gaudí recebeu o encargo para construí-lo, estava ocupado com outros projetos em Barcelona, como o Palácio Guell e a Sagrada Família. Por isso, nao podia viajar a Astorga para estudar o terreno e o entorno do novo edifício. Para que o projeto nao se atrasasse, pediu que o bispo lhe enviasse fotos, desenhos e informaçoes do lugar, de maneira que pudesse iniciá-lo harmonizando com as construçoes próximas, principalmente a catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAGaudí decidiu utilizar empregadores catalaes que já haviam trabalhado para ele, para que o avance das obras continuassem de forma precisa, segundo sua concepçao. O Palácio Episcopal de Astorga possui um caráter tipicamente medieval, e foi levantado no estilo neogótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm sua construçao, o arquiteto empregou o granito, material típico e abundante na regiao de Astorga. Incorporou alguns elementos que caracterizariam suas obras futuras, como os arcos da entrada principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada apresenta 4 torres cilíndricas, estando rodeado por um fosso. Sua grande altura lhe proprocionou  a abertura de janelas que iluminam intensamente o interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO ferro forjado foi utilizado como material construtivo e decorativo, uma das principais características do modernismo. Com a morte do bispo, Gaudí pediu  demissao das obras, por conflitos que começaram a surgir com o bispado da cidade, referentes a mudanças no projeto original. Este foi o motivo pelo qual sua construçao ficou paralizada por vários anos, e o edifício somente foi concluído pelo arquiteto Ricardo Garcia Guereta em 1915.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs esculturas de anjos das fotos acima presidem a entrada do palácio. No próximo post, conheceremos o interior deste monumento admirável.