Igrejas Históricas de Córdoba- Parte 2

Continuando a matéria sobre as Igrejas Históricas de Córdoba, no post de hoje veremos mais alguns templos que se destacam por sua relevância ao longo dos séculos e que atualmente fazem parte do patrimônio histórico da cidade. A Real Iglesia de San Pablo (original em espanhol) formava parte de um antigo convento dominicano, e foi edificada onde no período romano se localizava o Circo e na época muçulmana um palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO convento foi derrubado em 1848, pois se encontrava em mau estado depois da ocupação  francesa do início do século XIX, que o transformou em quartel. A igreja é a única parte conservada, e na foto acima vemos a fachada principal, do século XVI, com a imagem do Apóstolo Paulo. Saulo, que depois de sua conversão adotou o nome de Paulo, fazia parte de uma família judia bem posicionada. Inicialmente perseguidor dos cristãos, Jesus apareceu diante dele e transformou sua vida. A partir de então, realizou um trabalho de difusão do cristianismo. Por ser cidadão romano, ao ser martirizado foi decapitado, ao invés de ser crucificado. Abaixo, vemos a bela roseta que se eleva na parte superior da fachada principal da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo está presidido por uma porta barroca, construída em 1706, testemunho do antigo caráter conventual do templo. Infelizmente, não pude visitar seu interior, pois estava fechado…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Paróquia de San Andrés foi fundada no século XIII, sendo considerada portanto outra das denominadas Igrejas Fernandinas de Córdoba. Posteriormente, foi reformada nos séculos XIV, XV e no período barroco, momento em que se reformou a fachada que vemos a seguir, presidida pela imagem de Santo André, titular do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA imponente torre pertence ao estilo renascentista….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja está formado por 3 naves separadas por arcos semicirculares. Abaixo, vemos um detalhe do  retábulo maior barroco da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja possui um singelo mas bonito órgão

OLYMPUS DIGITAL CAMERASanto André exerceu a profissão de pescador, como seu irmão Pedro, que lhe apresentou a Jesus. Foi crucificado na época do Imperador Nero, sendo amarrado na cruz em forma de X. De final do seculo XVIII é a Igreja de San Rafael, padroeiro de Córdoba.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja finalizou-se somente em 1806, e foi erguida no local onde que segundo a tradição apareceu o Arcanjo Rafael a um sacerdote local em 1578. A fachada exterior é um expoente da arquitetura neoclássica da cidade. O interior da igreja é muito bonito, constituindo uma síntese entre a planta basilical e um formato centralizado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma imagem de San Rafael de 1735, realizada pelo escultor Alonso Gómez de Sandoval.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo a matéria com o órgão da igreja…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pelas Praças de Badajoz

A cidade de Badajoz possui muitos mais atrativos que suas construções militares e sua esbelta catedral. Uma boa forma de conhecer seu centro histórico é percorrendo suas inúmeras praças, algumas das quais acolhem seus edifícios mais representativos. A Plaza de España, por exemplo, é o centro administrativo, político e religioso da cidade, pois além de ser o local onde se alça a catedral, se ergue também o Palácio Municipal, sede da prefeitura de Badajoz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntigamente situada na Plaza Alta, como vimos recentemente, no século XVIII a prefeitura foi trazida para a Plaza de España. Entre 1852 e 1856 se construiu a sede atual, obra de Francisco Morales Hernández. Em 1899 se colocou o relógio que preside a fachada e em 1937 o edifício foi reformado, dando-lhe uniformidade artística. De escassa decoração, destaca-se por suas belas proporções e sua elegância clássica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem na sala de recepção da sede da prefeitura vemos o Escudo de Badajoz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADebaixo dos arcos de sua fachada temos uma bela vista da catedral. Em frente ao edifício, vemos interessantes partes do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERABelos edifícios de arquitetura regionalista e eclética compõem a paisagem da praça, tornando-a ainda mais bonita…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPróxima à Plaza  de España situa-se a Plaza Cervantes, também conhecida como Plaza de San Andrés, em virtude da paróquia homônima situada em uma de suas laterais. Esta igreja pertencia ao Convento da Madre de Dios de Valverde, construída no séc. XVI e reformada no XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos arquitetos mais importantes, cujas obras repercutiram de modo fundamental na  evolução da arquitetura da cidade, foi Adel Pinna. Na Plaza de Cervantes podemos observar duas de suas criações. A denominada Casa Puebla, de 1921, foi projetada com elementos neo-renascentistas, e chama a atenção por sua beleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA  OLYMPUS DIGITAL CAMERADo outro lado da praça, vemos o Hotel Cervantes, construído segundo as correntes ecléticas com elementos históricos e um certo toque modernista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Plaza de Minayo é um local bastante movimentado, ainda que tirei as fotos numa hora de maior tranquilidade. Nela localiza-se a Igreja de San Juan Bautista, pertencente ao desaparecido Convento de San Francisco, fundado no século XIII. A igreja atual foi edificada a partir de 1729.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm pouco mais adiante vemos, do lado esquerdo da foto abaixo, o Hospital de San Sebastián, inaugurado em 1694. Do lado direito, o Teatro López de Ayala, o mais famoso da cidade. No centro, uma estátua homenageia o político e humanista do século XIX José Moreno Nieto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Teatro López de Ayala substituiu um anterior de 1886, incendiado durante a Guerra Civil Espanhola, e sua construção finalizou em 1940. Atualmente, é um referente da programação cultural de Badajoz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Mudéjar em Calatayud

O maior legado artístico da cidade de Calatayud para a posteridade é o estilo mudéjar, presente em muitas das construções religiosas do centro histórico, principalmente em suas admiráveis torres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe fato, Calatayud é considerada uma das “capitais” do Mudéjar Aragonês, junto com Daroca (post publicado em 15/10/2013), Teruel (20/10/2013) e Zaragoza (9/10/2012). Mudéjar, como já foi dito em várias ocasiões, é a denominação que receberam a população de cultura, tradição e religião muçulmana que permaneceram vivendo na Espanha depois da Reconquista dos Reis Cristãos. Até 1610, quando os mouros foram expulsos do país, muitos muçulmanos mantiveram seus costumes nos lares das cidades que apresentavam uma comunidade importante de indivíduos que professavam a religião islâmica. Alguns eram hábeis construtores, incorporando elementos da tradição arquitetônica árabe nos edifícios religiosos cristãos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do séc. XIII, surgiram originais modelos construtivos, baseado na combinação de materiais como o tijolo (em espanhol, ladrillo), utilizado como elemento construtivo e decorativo, o gesso, a madeira e a cerâmica. A beleza e particularidades do Mudéjar Aragonês foi reconhecido pela Unesco como Patrimônio da Humanidade em 2001, como um testemunho da convivência entre distintas culturas e a criação de uma arte exclusiva do território espanhol. A Província de Zaragoza conta com uma grande quantidade de construções deste estilo único. Provavelmente, a igreja mais antiga de Calatayud é a Paróquia de San Andrés, uma das primeiras fundadas depois de ser reconquistada pelo monarca Alfonso I “El Batallador”. É bem possível que se trata de um templo originário de uma antiga mesquita, que acabou sendo transformada em igreja católica.

20150813_100412No séc. XVI a igreja foi ampliada, momento em que se edifica sua bela torre octogonal mudéjar. Formada por 3 corpos, é um típico exemplo de torre alminar, elemento característico da arquitetura islâmica presente nas mesquitas, cuja função principal é a chamada dos fiéis à oração diária (também denominado de Minarete). Aqui observamos a importância do tijolo dentro do contexto construtivo, transformando-se no material principal da arquitetura mudéjar. Normalmente, os materiais usados no estilo mudéjar são de fácil obtenção e baixo custo. Porém, os artesãos islâmicos foram capazes de transformar estes simples materiais em obras artísticas de grande plasticidade, compostas por formas geométricas que se repetem, arcos entrecruzados (denominados de Sebka), motivos vegetais, etc.

20150813_100435A Igreja de San Juan El Real, apesar de ter sido construída somente no séc. XVIII (entre 1774 e 1777), adotou formas arquitetônicas inspiradas do mudéjar, que podemos observar em sua torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste templo foi construído para a Companhia de Jesus, nome pelo qual se conhece a Ordem dos Jesuítas, que se estabeleceram na cidade em 1584.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADevido a problemas estruturais, as igrejas mudéjares de Calatayud estão sendo submetidas a um importante processo de restauração em seu interior, de modo que não pude visitá-las por dentro. A exceção foi justamente a Igreja de San Juan, cuja visita realizei logo após chegar à cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANesta igreja, o pintor aragonês Francisco de Goya, com apenas 20 anos, realizou as pinturas representativas dos 4 Padres da Igreja Católica Ocidental nas partes laterais da cúpula. Fico devendo imagens das mesmas (na foto acima, podemos ver, mas não contemplar, duas delas, no alto da imagem). Abaixo, observamos a parte lateral da nave central e seu belíssimo órgão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos a segunda parte da matéria sobre o Mudéjar em Calatayud, com destaque para a Colegiata de Santa Maria.

As Igrejas Mais Antigas de Madrid

Com o fim das guerras entre muçulmanos e árabes pelo controle de Madrid, a cidade começou a regularizar seu funcionamento urbano. Um fator primordial para que isso pudesse ocorrer foi o Foro da Vila, concedido pelo rei Alfonso VIII em 1202 (o foro é a carta de uma vila, pueblo ou cidade, na qual são regidos o conjunto de leis, normas e privilégios que ostentam). Nesta época, a cidade pouco tinha crescido, desde sua reconquista. Por isso, um dos meios utilizados para seu repovoamento foi a fundação de conventos e monastérios, situados fora do conjunto de muralhas. O primeiro deles foi o Monastério de San Martin, criado como um priorato dependente do influente Monastério de Santo Domingo de Silos. Inicialmente, sua vida transcorreu de forma independente da vila de Madrid, e seu abade detinha a jurisdição civil, criminal e eclesiástica sobre os habitantes e as terras que pertenciam ao monastério. O primeiro documento que o menciona data de 1126, quando o então rei Alfonso VII concede ao priorato o direito de repovoar o arrabal (bairro) de San Martin. Somente no séc. XV o monastério foi integrado ao Conselho de Madrid, convertendo-se numa das paróquias da cidade. Tanto a igreja, quanto o convento, desapareceram completamente com a eclosão da Guerra da Independência, entre o exército espanhol e as tropas de Napoleão no início do séc. XIX. Abaixo, vemos um gravado com o monastério situado no lado esquerdo da imagem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO segundo monastério construído em Madrid foi o de São Francisco que, segundo a tradição, foi fundado pelo próprio São Francisco de Assis em 1217. No séc. XVIII, foi derrubado para a edificação da Basílica de São Francisco El Grande (matéria publicada em 12 e 13/2/2013), cuja imagem vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém desaparecido, o Monastério de Santo Domingo foi o terceiro em ser construído. Além destas instituições religiosas, no Foro de Madrid se menciona a existência de 10 paróquias, algumas das quais sobreviveram até hoje, embora com um aspecto diferente do original. Uma delas é a Paróquia de San Andrés (post de 23/4/2013).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, acredita-se que o templo pôde ter sido edificado sobre uma primitiva igreja católica da Madrid árabe. Este templo adquiriu importância, porque nele encontrou sepulcro o padroeiro da cidade, San Isidro. A igreja foi muito danificada pelos destroços produzidos durante a Guerra Civil Espanhola, e teve que ser praticamente reconstruída.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma dos templos mais antigos de Madrid foi a Igreja de San Juan Bautista, situada na atual Praça de Ramales.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída no séc. XIII, foi derrubada por José I (irmão de Napoleão) entre 1810 e 1811 para a ampliação da praça onde se situava, deixando uma via livre de comunicação entre o Palácio Real e a Porta do Sol. Na foto acima, observamos uns bancos feitos de granito que à primeira vista não parecem outra coisa. Na realidade, os bancos simulam o formato que possuía a antiga igreja e sua exata localização. No subsolo da praça, foram encontrados os restos arqueológicos da antiga igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja aparecia no foro de 1202, e um dos aspectos mais interessantes de sua história é que nela foi sepultado o pintor Diego Velázquez, cujos restos se perderam quando a igreja foi derrubada.