Igreja de Santa María – Trujillo

Caminhando por Trujillo sobressai em sua paisagem a belíssima Igreja de Santa María “La Mayor”, considerada o templo religioso de maior importância da cidade. Se acredita que foi levantada sobre uma das mesquitas de Trujillo, no século XIII dentro da estética românica.

DSC02236Deste período inicial, destaca a Torre Campanário, cuja beleza pode ser admirada desde vários pontos do centro histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns autores afirmam, equivocadamente, que antes havia no local um templo dedicado ao Imperador Romano Júlio César, motivo pelo qual passou a ser conhecida como “Torre Júlia“. Duramente castigada ao longo do tempo, a torre campanário sofreu graves danos durante os terremotos de Lisboa de 1521 e 1755, qua causaram estragos por toda a Extremadura. Em 1871, a torre teve que ser demolida, mas foi fielmente reconstruída segundo os gravados da época. Ao seu lado, ergue-se a chamada “Torre Nova“, construída a partir do século XVI e rematada somente no XVIII.

20181209_120929É possível subir a parte mais elevada de ambas torres. Preferi subir à “Torre Júlia“, cujas vistas compensam o esforço. Abaixo, vemos a “Torre Nova” e o Castelo de Trujillo

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir vemos uma foto da parte mais alta da “Torre Júlia“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando a igreja foi edificada no século XIII, depois da reconquista da cidade, o templo foi consagrado a Virgem Maria da Assunção. No século XVI, a estrutura foi reformada em sua maior parte no estilo gótico com elementos renascentistas, como podemos apreciar em sua fachada.

20181209_120939A roseta que preside a fachada (rosetón, em espanhol) pertence ao gótico e foi construída em 1550, durante a reforma da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos elementos interiores que chamam mais a atenção é o coro, de estilo plateresco, também construído em 1550.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, a Igreja de Santa María de Trujillo é conhecida por seu espetacular Retábulo Mayor, obra do pintor gótico espanhol Fernando Gallego (1440/1507), que o realizou em torno a 1480.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFernando Gallego insere-se dentro do estilo hispano-flamenco, e foi influenciado pelo pintor Rogier Van der Weiden. Atualmente, contemplamos a obra em todo seu esplendor, depois que foi restaurado no século XX. O retábulo combina elementos da pintura flamenca, alemã e da escola castelhana e suas cenas giram em torno a episódios da vida da Virgem Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da igreja existe uma grande quantidade de sepulcros pertencentes à nobreza local, além de magníficas obras de arte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1943, a Igreja de Santa María de Trujillo foi declarada Monumento Nacional, devido a sua importância histórica e artística. Antes de finalizar a matéria, desejo a todos os (as) leitores (as) um maravilhoso Natal e um ano de 2019 repleto de alegrias e momentos inesquecíveis. Um grande abraço a todos (as)…

 

Igreja de Santa María del Azogue – Parte 2

A Igreja de Santa María del Azogue constitui o principal monumento de Benavente. Está dedicada à Virgem Maria, e o termo “Azogue” é originário do árabe, relacionando-se com o mercado que se realizava nas proximidades durante a Idade Média. Como comentamos no post anterior, sua construção foi iniciada no estilo românico no século XII, mas as obras foram interrompidas durante um bom tempo e seu interior mostra características pertencentes ao gótico, como a bôveda de crucería que se eleva ao longo de sua nave central, construída no século XVI. Sua construção foi patrocinada pelos Condes de Benavente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo podemos observar na foto acima, a igreja possui dois belos órgãos, situados um em frente do outro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma foto de sua nave central

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Uma imagem do Retábulo Maior

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja conserva outros retábulos do período barroco, como este que vemos na continuação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABelas esculturas decoram o templo, como esta que vemos na foto abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo período românico, vemos a porta de entrada à sacristia…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO espaço dedicado à sacristia estava reservado a uma antiga capela…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInfelizmente, não obtive muitas informações a respeito de muitas das obras que vemos no interior do templo. Abaixo, a Pia Batismal

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns restos de pinturas murais sobreviveram à passagem dos séculos, como a dedicada a São Cristóvão, realizada no período gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Museu de Belas Artes – Valencia

Valencia conta com um dos museus de arte mais importantes da Espanha, o Museu de Belas Artes, que segundo alguns estudiosos somente perde em quantidade e qualidade das obras expostas para o Museu do Prado de Madrid. Sua origem se remonta à Real Academia de Bellas Artes de San Carlos, cujos estatutos foram aprovados pelo rei Carlos III em 1769. O impulso definitivo para a criação do museu se deu através das medidas desamortizadoras realizadas no século XIX, sendo fundado em 1837. Desta forma, originalmente a coleçao artística esteve formada pelas obras pertencentes a conventos, igrejas e monastérios que foram suprimidos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInicialmente, o Museu de Belas Artes esteve situado no Convento Carmelita, abrindo suas portas ao público em 1839. Em 1936, com o início da Guerra Civil, o museu foi desmontado e seu espaço foi usado como armazém do tesouro artístico proveniente do Museu do Prado. Ao finalizar a guerra, o convento se encontrava num estado ruinoso, e sua coleção foi levada ao antigo Colégio Seminário de San Pio V, sua atual sede.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste magnífico edifício foi construído no final do século XVII para acolher um colégio de seminaristas. Depois passou a ser utilizado com outras funções, como Academia Militar, Casa de Beneficência e Hospital Militar. Desde 1946 acolhe o Museu de Belas Artes. No plano arquitetônico, destaca sua bôveda situada logo na entrada do museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua riquíssima coleção engloba obras dos mais variados periodos históricos, estando representada por Velázquez, Goya, Murillo, pintores flamencos, etc. Valencia foi uma das primeiras cidades da Espanha em receber as influências da arte italiana, com notório reflexo em sua produção artística. Em relação à Pintura Gótica, o Museu de Belas Artes não possui nenhum rival em todo o país, com uma excepcional coleção de quadros que nos mostram a evolução deste estilo desde o século XIV até o XVI, em obras realizadas por pintores valencianos de grande qualidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs artes figurativas do gótico se preocuparam mais com a beleza formal que com o simbolismo característico do Românico, a corrente artística precedente. Os temas religiosos relacionados com a Virgem Maria e os Santos adquirem especial relevância. Sua primeira etapa se desenvolve entre 1175 e 1325, com alguns resquícios da arte românica. Também chamado de Gótico Lineal, a pintura se desenvolve como fruto das observações da realidade sensorial, na qual a expressão dos sentimentos é uma característica fundamental, bem como o caráter narrativo das cenas representadas. Na Espanha, a arte deste período recebeu as influências do gótico francês, com escassa representação em Valencia. A partir do século XIV, a influência italiana, principalmente das escolas de Florença e Siena, proporciona elementos inovadores, como o valor dedicado ao espaço arquitetônico e à luz. Entre 1400 e 1500, as formas italianas se difundem pela Europa, surgindo o denominado Gótico Internacional. Um exemplo é o Retábulo de San Martín com Santa Úrsula e Santo Antonio Abad, realizado por Gonçal Peris Sarrià (1380/1451). San Martín foi bispo da cidade de Tours (França), e aparece doando uma roupa a um mendigo, sua representação pictórica mais usual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro santo bastante venerado no Reino de Aragón, San Miguel normalmente é representado vencendo o demônio, como vemos no retábulo abaixo, pintado por Jaume Mateu, cujo trabalho foi documentado em Valencia entre 1421 e 1452.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA mediados do século XV se produz uma profunda renovação da pintura espanhola com a introdução das técnicas e forma da Arte Flamenca. O emprego da pintura à óleo é difundido, conduzindo a uma maior riqueza cromática e grande variedade em suas tonalidades. Um exemplo é o Retábulo de San Jaime e San Boil, realizado pelo artista Jaume Baço Jacomart (1411/1461). O apóstolo aparece como uma figura idealizada, característica típica da arte flamenca do período, com um livro do evangelho e uma concha de peregrino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe Jaume Jacomart vemos também o tema da Anunciação, com a Virgem Maria e o Arcanjo Gabriel. A monumentalidade e solenidade das figuras manifestam um conhecimento dos modelos procedentes dos Países Baixos. A Virgem aparece com os braços cruzados no peito, em sinal de aceitação ao receber o Espírito Santo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos algumas das obras do Museu de Belas Artes que pertencem ao período Renascentista.

Museu Catedralício – Murcia

Uma visita à Catedral de Murcia não estaria completa sem o Museu Catedralício, situado no primitivo claustro da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAChegamos ao museu através de um espaço coberto por vidro no solo que conservam restos arqueológicos de época árabe.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO acervo de arte sacra deste museu é incrível, com obras representativas de vários estilos, tanto de pinturas, quanto de esculturas e objetos litúrgicos. Abaixo, vemos um Cristo Crucificado feito de marfim, do séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe 1516, vemos este quadro com a Adoração dos Pastores, pintado por Fernando de Llanos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo museu se conservam as capelas mais antigas da catedral, onde se celebravam liturgias, sendo que algumas delas exerciam uma função funerária, pois foram locais de enterramento para aqueles que ostentavam sua propriedade, que se estendiam aos seus descendentes. Abaixo, o retábulo gótico de Santa Lúcia, realizado em 1380 pelo artista Bernabé de Módena. OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste artista italiano tinha seu atelier em Gênova, fato que demonstra os fortes laços existentes entre esta cidade e Murcia. De 1374, Bernabé de Modena realizou esta obra com a representação da Virgem da Leite.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Capela do Sarcófago se expõe o retábulo, também do período gótico, de São Miguel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome desta capela é uma referência a um excepcional sarcófago romano de finais do séc. III ou começo do séc. IV dC.  Realizado em mármore e ornamentado com as musas, mestres e sábios, foi reutilizado no séc. XVI como uma peça sepulcral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO acervo do museu conta com peças litúrgicas utilizadas durante as procissões de Corpus Christi, e são realmente impressionantes, como esta custódia barroca, uma das mais belas do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas obras, apesar de anônimas, mantêm o alto nível artístico da peças expostas, como este busto de São Paulo, do séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Pinturas Murais de época medieval foram descobertas depois da reforma do museu em 2005, como a que representa a Coroação da Virgem da Misericórdia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria sobre o Museu Catedralício com uma foto geral do claustro, transformado em museu…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Museu Lázaro Galdiano – Pintura Espanhola

Um dos melhores motivos para se visitar o Museu Lázaro Galdiano é sua excelente pinacoteca. Formada tanto por artistas estrangeiros quanto espanhóis, nele estão representados alguns dos melhores pintores que a Espanha produziu. O acervo abarca desde a pintura gótica até o séc. XIX. Em sua atividade colecionista, Lázaro Galdiano tinha especial apreço pelas obras góticas e renascentistas. Com grande oportunismo, conseguiu adquirir quadros de grande qualidade por um bom preço. Os pintores góticos, denominados os Primitivos Espanhóis, na época eram pouco valorizados em seu próprio país. Lázaro Galdiano, ao comprar estes quadros, procurou que o público espanhol pudesse conhecer seu passado artístico e os artistas relacionados aos séc. XV e XVI, possibilitando uma nova visão de sua história cultural. Abaixo, vemos um quadro de Blasco de Grañén, pintado em 1439 com a representação da Virgem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1500, o chamado Mestre de Manzanillo realizou esta obra, em que aparecem os Reis Católicos junto com Santa Elena e Santa Bárbara.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO século XVI representou uma fase de transição para a Pintura Espanhola, quando os novos modelos e influências renascentistas, tanto de Itália, quanto de Flandes, propiciaram uma mudança estética em sua arte. O Renascimento Italiano ofereceu uma reflexão científica da imagem representada, enquanto a Arte Flamenca enfatizava uma visão mais naturalista, com predomínio dos valores expressivos e emocionais. Um dos primeiros representantes do Renascimento em Castilla é conhecido como o Mestre de Astorga. No museu podemos admirar duas de suas obras, em que representa o desembarque do corpo do Apóstolo Santiago e seu transporte a Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA riqueza e expansão marítima nos séculos XVI e XVII possibilitaram o florescimento das artes, dando início ao apogeu da cultura espanhola, momento em que surgiram os grande nomes de sua literatura e de sua produção pictórica, com nomes mundialmente famosos. O denominado Siglo de Oro (Século de Ouro) está muito bem representado no museu, com obras fundamentais para sua apreciação. El Greco, por exemplo, realizou este quadro de São Francisco de Assis (1577/1580), um dos muitos que pintou, com um perfeito desenho do rosto, belos efeitos de luz, refinado colorido e uma bela expressão do olhar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Seu filho Jorge Manuel realizou o quadro que vemos abaixo, em sua parte superior, entre 1609 e 1612.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o advento do barroco no séc. XVII, a Pintura Espanhola rompe com o idealismo do período anterior, mostrando um acentuado realismo. Um dos pintores que melhor definem o Barroco Espanhol foi Bartolomé Esteban Murillo (Sevilha:1617/1652). Em suas obras, predomina a temática religiosa, mas também cultivou a pintura de gênero. Seu nome está associado aos quadros de Virgens que realizou, puras e delicadas. Sempre foi um artista mais conhecido e apreciado fora da Espanha. Dele é a representação de Santa Rosa de Lima, pintado em 1670.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFrancisco de Zurbarán (Fuente de Cantos-1598/Madrid-1664) é outro dos maiores expoentes da Pintura Barroca Espanhola. É considerado o máximo representante do denominado naturalismo tenebrista na Espanha, com grande influência do pintor italiano Caravaggio. Contemporâneo e grande amigo de Velázquez, destacou-se na pintura religiosa, com obras de um intenso misticismo, característico do período da Contrarreforma. A seguir, vemos dois quadros de Zurbarán expostos no museu, um que representa a Imaculada Conceição e outro com a imagem da Virgem da Merced.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro dos grandes pintores do Século de Ouro foi José de Ribera (Xátiva-1591/Nápoles-1652). Desenvolveu sua carreira na Itália, precisamente em Nápoles, onde era conhecido como “Lo Spagnoletto“, devido a sua baixa estatura. Realizou este quadro de São Bartolomeu, exposto no Museu Lázaro Galdiano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPertencente ao Barroco Pleno, Cláudio Coelho (1642/1693) nasceu e morreu em Madrid, lugar onde realizou inúmeros altares para as igrejas e conventos da cidade e região. No governo do monarca Carlos II, foi nomeado pintor real. Abaixo, vemos um quadro da Imaculada Conceição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos alguns belos retratos da Pintura Espanhola e um dos pintores mais apreciados por Lázaro Galdiano, Francisco de Goya.

Catedral de Jerez de la Frontera – Parte 2

A construção da Catedral de Jerez de la Frontera foi possível graças ao imposto sobre o Vinho Jerez, aprovado pela coroa espanhola. Seu imponente interior está constituído por 5 naves, sustentadas por grossas pilastras.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApresenta uma estrutura gótica com a denominada Planta de Salão. As naves possuem alturas distintas, a central mais alta que as laterais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA 40m de atura se ergue sua belíssima cúpula, de formato octogonal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA catedral possui arbotantes, uma estrutura plenamente gótica, ainda que seu emprego não fosse habitual na época em que se construiu o templo (séc. XVII e XVIII). Isso se deve ao derrubamento da cúpula. Para aguentar o peso da nova, foram utilizados os arbotantes como meio de sustentação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANeste fatídico desastre, uma imagem de Cristo salvou-se graças a uma viga que, a partir de então, passou a ser conhecida como Cristo da Viga. O interior da catedral está repleto de obras de arte de grande interesse histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um altar gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre os quadros, chama a atenção o que vemos abaixo (séc. XVII), com a representação da última comunhão do rei Fernando III, denominado El Santo, que teve grande importância no processo de reconquista, quando conquistou várias cidades espanholas sob domínio muçulmano, como por exemplo, Sevilha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo escultor José de Arce (Flandes-1600/Sevilha-1660), de origem flamenca, a catedral possui interessantes obras. De grande capacidade e merecida fama, José de Arce casou-se por segunda vez em Jerez de la Frontera e sua obra representa o triunfo da estética barroca. Na sequência vemos imagens de São Bruno e São João Batista realizadas pelo artista, ambas do séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos com uma foto do claustro

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Museu Arqueológico Nacional: Reinos Cristãos (Parte 2)

No post de hoje veremos algumas obras expostas no Museu Arqueológico Nacional correspondente ao período gótico e também da Idade Moderna na Espanha.  Ao contrário do estilo precedente, o Românico, que se desenvolveu de maneira simultânea por todo o continente europeu, o estilo gótico nasce num país definido, a França, no séc. XIII. Na Espanha, o gótico prosperou até o séc. XVI, uma época em que na Itália as formas renascentistas já haviam se consolidado há muito tempo. Góticas são as catedrais de Burgos, León, Toledo, Sevilha, Segóvia, etc. Também se conservaram vários edifícios de caráter civil em todo o país deste estilo. Em relação à pintura, Espanha recebeu influências de vários países, a começar pela própria França em sua fase inicial, o chamado Gótico Lineal. Devido a ausência de grandes muros nas catedrais góticas, a pintura se restringe aos vitrais e às miniaturas nesta fase. As cores utilizadas são as primárias, de grande intensidade cromática (azul, amarelo e vermelho principalmente, sobre um fundo monocromático). Apresenta uma maior sensação de movimento em relação à pintura românica, com certas emoções representadas nos personagens. No séc. XIV aparece o Gótico Internacional, com uma grande influência da escola italiana e logo depois preponderante se torna a escola flamenca de pintura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma pintura gótica representando a Santa Lúcia, do séc. XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÀs vezes se utilizavam a pintura nos sepulcros, como no caso que vemos a seguir, pertencente a uma lauda sepulcral, também do séc. XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo plano escultório, o destaque é a estátua orante do monarca Pedro I de Castilla (1334/1369), chamado de O Cruel por seus inimigos, e de O Justiceiro por seus partidários. Feita de alabastro no séc. XV, esta é um exemplo de escultura funerária, e durante muito tempo esteve no desaparecido Convento de Santo Domingo El Real de Madrid. A estátua foi reconstruída na época dos Reis Católicos, quando adotou a postura orante, pois em sua origem o personagem real se encontrava deitado (jacente).

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe importância também é a lauda sepulcral do Marques de las Navas, pelo material utilizado, o bronze. Este metal foi escassamente utilizado na Espanha do séc. XVI, exceto pelos escultores italianos. A família deste personagem exerceu cargos de confiança durante os reinados de Carlos I e seu filho, Felipe II.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma medalha de ouro com a representação do Imperador Carlos I…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADa Idade Moderna, selecionei algumas peças de cerâmica das mais conhecidas fabricadas na Espanha. O primeiro conjunto pertence à denominada Cerâmica de Manises, de Valencia. Inicialmente, este tipo de cerâmica era uma cópia das fabricadas na Andaluzia durante a época árabe. Depois, passou a incorporar elementos góticos. Atingiu o seu auge nos séculos XIV e XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro tipo de cerâmica muito apreciada e de merecida fama é a de Talavera de la Reina, um grande centro produtor de cerâmica decorativa. Sua grande variedade de formas recebeu influências italianas, flamencas e chinesas. Durante um bom tempo, seus elementos decorativos foram muito imitados em vários países.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADo séc. XVIII me chamou atenção esta cadeira de mãos, decorada no estilo rococó com temas mitológicos por Luís Paret, o melhor pintor do gênero durante o reinado de Carlos III. Desde o séc. XVI, estas peças de luxo estavam relacionados aos monarcas, nobres e ao clero, mas principalmente usadas por damas e rainhas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo XIX, um simples objeto, mas com uma conotação simbólica excepcional. Trata-se de um esfriador de garrafas, provavelmente vinho, fabricado durante a Guerra da Independência contra os franceses. No interior, uma inscrição com o grito de guerra contra os invasores. Viva Espanha !!!!!

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta série de posts teve como objetivo divulgar algumas das peças mais emblemáticas do Museu Arqueológico Nacional e mostrá-las segundo seu contexto histórico. Por este motivo, tentei transmitir de forma resumida as etapas históricas mais importantes do país, até o final do séc. XV, quando o território espanhol adquire suas fronteiras atuais. Mas a ampla coleção do museu não se restringe a obras relacionadas a sua história, possuindo um excelente acervo das grandes civilizações da antiguidade, como Mesopotâmia, Grécia e Egito. No próximo e último post sobre o Museu Arqueológico Nacional, veremos algumas delas…