Plazas de Toros de Madrid – Parte 2

O Distrito de Carabanchel, um dos 21 que compõem a estrutura administrativa de Madrid, outrora foi um município independente e anexionado à capital em 1948. Com cerca de 245 mil habitantes, é o mais populosos de todos os distritos madrilenhos, e local onde orgulhosamente resido atualmente. Possui sua própria Plaza de Toros, conhecida como Plaza de Toros de Vista Alegre, nome originário de um palácio que existia em suas proximidades. A primeira praça que existiu no local foi inaugurada em 1908, com capacidade para 8 mil espectadores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta antiga Plaza de Toros foi destruída durante a Guerra Civil Espanhola e reconstruída em 1944, reforma que ficou sem concluir, pois faltaram as torres e parte das arquibancadas cobertas, motivo pelo qual ficou conhecida pelo apelido de “La Chata“. Reinaugurada em 1947, no ano seguinte foi adquirida pelo famoso toureiro Luis Miguel “Dominguín”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA praça cessou suas atividades taurinas em 1980 e quinze anos depois foi demolida. No mesmo lugar se construiu um novo coso taurino coberto, integrado com um centro comercial, uma academia de ginástica e um mercado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom capacidade para acolher a 14 mil espectadores, além dos espetáculos taurinos, nesta nova praça se realizam eventos esportivos, concertos musicais, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local de Madrid onde se respira um ambiente tipicamente taurino são suas inúmeras tabernas, muitas das quais foram, e algumas continuam sendo, propriedades de toureiros e de pessoas ligadas ao mundo dos touros.  Por este motivo, é habitual encontrar na decoração destes lugares elementos taurinos, como fotos de touradas e de toureiros famosos, cabeças de touros, cartazes publicitários de corridas de touros, etc. Abaixo, vemos algumas fotos tiradas de diferentes tabernas da cidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPor sua importância histórica e culinária, as Tabernas de Madrid foram tema de uma série de matérias publicadas entre 24/12/2013 e 10/01/2014. A grande maioria delas oferece pratos típicos da gastronomia espanhola, entre os quais “rabo de toro“. Muitas das tabernas constituem um ponto de encontro de pessoas apaixonadas pela tauromaquia, que se reúnen para assitir pela TV as touradas transmitidas ao vivo.

20190130_084743

20190211_132859No centro da cidade, próxima à Puerta del Sol, existem  muitas tabernas. Curiosamente, ainda podemos observar uma antiga bilheteria situada numa rua com abundante quantidade delas, que ainda vende ingressos para jogos de futebol e touradas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO próximo post estará dedicado aos grandes toureiros da história da Espanha…não percam !!!!

Plazas de Toros de España – Parte 2

Neste segundo post sobre as Plazas de Toros de España, veremos outros exemplos de praças taurinas existentes no país. Muitas delas foram construídas no século XIX, mas reformadas posteriormente, como a Praça de Touros de Antequera (Andaluzia), inaugurada em 1848. Possui capacidade para receber a um pouco mais de 6 mil espectadores, sendo considerada de terceira categoria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs Plazas de Toros também são conhecidas como “Cosos Taurinos“.  A de Calatayud, cidade da Comunidade de Aragón, é conhecida como “Coso de la Margarita“. Foi inaugurada em 1877 e reformada em várias ocasiões. Com capacidade para 8830 espectadores, é a segunda maior de toda a comunidade aragonesa. Considerada de terceira categoria….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO “Coso de 4 Caminos” é o nome que recebe a Plaza de Toros de Santander, capital da Comunidade da Cantábria. Inaugurada em 1890, é uma praça de segunda categoria com capacidade para acolher 10 mil espectadores. Possui um interessante Museu Taurino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade de Castro Urdiales, que também forma parte da Cantábria, possui uma bela praça taurina projetada por Eladio Laredo, personagem que contribuiu de maneira fundamental para o enriquecimento arquitetônico da cidade (mais detalhes sobre sua obra na cidade, ver o post publicado em 22/10/2017). Foi construída com concreto armado entre 1911 e 1912, uma das primeiras praças de touro em cuja construção se utilizou este material em todo o país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom capacidade para receber a quase 8 mil espectadores, a Plaza de Toros de Ciudad Real (Castilla La-Mancha) foi inaugurada em 1843 e reformada quarenta anos depois. Considerada de segunda categoria…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a pequena Plaza de Toros do povoado de Talamanca de Jarama, situado na Comunidade de Madrid. Acolhe a apenas 2 mil espectadores, sendo considerada de quarta categoria (apesar de seu reduzido tamanho, sua capacidade é suficiente, pois o povoado possui pouco mais de 3 mil habitantes).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA bonita cidade de Alicante, situada na Comunidade Valenciana, possui um coso taurino de segunda categoria, inaugurado em 1888. Inicialmente foi edificada em 1848, mas foi ampliada em 1888, quando passou a ter uma capacidade para receber a 16 mil espectadores. Na época, Alicante possuía 19 mil habitantes. Como em outras praças taurinas do país, nela se realizam outras atividades culturais e esportivas, como sucedeu em 2004, quando foi o cenário para a disputa da semifinal da Copa Davis de Tenis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com a Plaza de Toros de Jerez de los Caballeros (Comunidade de Extremadura), inaugurada em 1862. Sofreu uma grande reforma em 2000, quando foi reinaugurada. De terceira categoria, possui capacidade para 4 mil espectadores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO próximo post estará dedicado às Plazas de Toros Históricas da Espanha

Fuentidueña del Tajo – C.Madrid

A Comunidade de Madrid possui muitos outros tesouros a serem descobertos, além dos inumeráveis existentes na capital. Por exemplo, a cerca de 60 km de Madrid localiza-se o povoado de Fuentidueña del Tajo. Com aproximadamente 2 mil habitantes, encontra-se bastante próximo à Província de Toledo, já na Comunidade de Castilla La-Mancha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABoa parte da zona sudeste da Comunidade de Madrid, onde se situa o pueblo, pertenceu, em épocas passadas, à Ordem de Santiago, uma das 4 ordens militares autóctonas da Espanha (as outra são as ordens de Calatrava, Alcántara e Montesa). Esta ordem religiosa e militar nasceu no século XII no antigo Reino de León com o objetivo inicial de proteger os peregrinos que realizavam o Caminho de Santiago. Dentro do Processo de Reconquista, exerceu um papel fundamental na reocupação das terras dominadas pelos muçulmanos. Uma das maiores atraçoes de Fuentidueña del Tajo é seu castelo, que foi propriedade da ordem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASituado num cerro que se eleva sobre a cidade, dele podemos admirar todo o povoado, como vemos na primeira foto da matéria. Também conhecido como Castelo de Santiago, infelizmente encontra-se num estado ruinoso. A Torre de Homenagem é sua parte melhor conservada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua história inicialmente está vinculada a uma fortificação muçulmana, construída para deter o avance dos cristãos. A fortaleza foi conquistada pelo Rei Alfonso VI entre os séculos XI e XII, momento em que foi construído um novo castelo, que foi utilizado como residência de personagens relevantes da época. Nele viveu a Rainha Urraca I, esposa do monarca Alfonso I de Aragón, a quem os habitantes do povoado chamam de sua “Dueña”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XV, o castelo passou a ser propriedade da Ordem de Santiago e foi utilizado como cárcere. Durante a Guerra da Independência contra os franceses no início do século XIX, a fortaleza foi severamente castigada e seus materiais construtivos foram utilizados para a construção de outros edifícios. Os restos conservados datam do século XIV, quando o castelo foi ampliado dois séculos depois de sua fundação. Sua importância se reflete em seu aparecimento no escudo da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Rio Tajo atravessa os limites do povoado, e aos pés do castelo se encontra uma fonte que originalmente foi construída em tempos da Rainha Urraca, cujo apelido “Dueña” completa a origem da denominaçao do povoado, Fuentidueña del Tajo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próxima ao castelo vemos a Igreja de San Andrés Apóstol, construída no século XVII no estilo barroco sobre uma antiga capela erguida no século XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi dedicada ao Apóstolo André, que se tornou o santo padroeiro da vila. Em sua fachada destacam a torre quadrada e suas três colunas toscanas

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO povoado é também conhecido pela Torre do Relógio, situada ao lado do Ayuntamiento, o edifício sede da prefeitura do município. Sua máquina de funcionamento é uma das mais antigas de toda a Comunidade de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando estive na cidade, seus habitantes tinham acabado de celebrar as festividades em honra a sua padroeira, Nossa Senhora de Alharilla, cuja imagem decora a torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATanto a torre quanto o Ayuntamiento situam-se na Plaza de la Constitución, a mais importante do povoado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFuentidueña del Tajo possui uma singela Plaza de Toros, chamada “La Ribereña“, onde se realizam espetáculos taurinos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA