A Praça de Touros

Hoje em dia, as touradas são realizadas normalmente nas Praças de Touros, um estádio especialmente construído para esta finalidade. Antigamente, porém, as touradas eram realizadas nas Plazas Mayores de cada cidade, como aconteceu com a Plaza Mayor de Madrid, que foi o placo de diversas corridas de touros ao longo de sua história.

DSC02000Abaixo, vemos um quadro realizado por um artista anônimo em 1679, que nos mostra uma tourada realizada na Plaza Mayor de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra Plaza Mayor famosa onde se celebravam touradas ( e em determinadas ocasiões continuam celebrando-se) é a Plaza Mayor de Chinchón, um pintoresco povoado da Comunidade de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERAP5310018.JPGAs primeiras Praças de Touros da Espanha foram construídas a partir do século XVIII. Algumas ainda se conservam, como as de Ronda, Sevilha e Aranjuez, sendo notáveis as diferenças entre estas praças históricas e as modernas, que possuem cobertura retráteis e aperfeiçoadas tecnologias. Abaixo, vemos uma foto da Plaza de Toros de Ronda, uma das mais importantes do país.

20150923_114119Do ponto de vista normativo, os espetáculos taurinos podem ser realizados em Praças de Touros permanentes, portáteis (podem ser desmontadas e montadas em outros locais), além de outros recintos adequados, como as mencionadas Praças Maiores de cada povoado ou cidade. As praças permanentes se classificam tradicionalmente em três categorias, de acordo com o número de espetáculos que se realizam anualmente. As mais importantes, as de primeira categoria, constituem as praças situadas nas capitais das províncias espanholas que recebem mais de 15 espetáculos anuais. Abaixo, vemos a Praça de Touros de Málaga

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma Praça de Touros possui vários espaços indispensávies para que uma tourada possa ser realizada. O enfrentamento entre o touro e o toureiro é realizado numa arena circular denominado ruedo, cujo diâmetro deve oscilar entre 30 e 45 metros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO “Chiquero” é o local onde permanecem os touros antes de sua entrada na arena…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma Praça de Touros possui várias portas com funções específicas. A chamada “Porta  de Torriles” é aquela pela qual o touro entra na arena…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA “Porta de Arrastre” é aquela pela qual sai o touro morto da arena. A denominada “Porta Grande” é a porta principal da praça, pela qual em certas ocasiões sai o toureiro triunfante carregado pela multidão. Abaixo, vemos a “Porta Grande ” da Plaza de Toros de Las Ventas, em Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATodas as praças possuem um local chamado “Burladeros“, feitos de madeira e situados em vários pontos da arena, cuja função é servir de refúgio. Suas reduzidas dimensões tornam impossível a entrada dos touros neste lugar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs praças mais importantes do país possuem um local exclusivo para a Família Real, o denominado “Palco Real“, como vemos a seguir, situado na Plaza de Toros de Las Ventas

DSC00288Outro lugar importante de uma praça de touros é a capela, onde os toureiros pedem proteção divina antes de entrar no ruedo…

20150923_113943Pela legislação atual, as praças de touros devem obrigatoriamente possuir uma enfermaria, com equipamentos adequados para salvar a vida de um toureiro, no caso de ferimentos graves. Historicamente, nem sempre o regulamento foi cumprido, e muitos foram os toureiros que faleceram porque a enfermaria não preenchia os requisitos necessários. A seguir, uma foto externa da enfermaria da Plaza de Toros de Valencia

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs principais praças de touros do país possuem também um Museu Taurino, onde são expostos objetos, retratos de toureiros famosos que participaram em touradas no local, sua história, etc…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Palácio de Santa Cruz – Madrid

Como consequência do grande crescimento que  Madrid experimentou logo depois de tornar-se Capital da Espanha em 1561, a cidade transformou-se também na “Capital do Crime e da Delinquência”, com as taxas de delitos mais altas da Europa.Em 1650, por exemplo, durante 6 meses houve 160 mortes violentas, para uma cidade com cerca de 100 mil habitantes. Apesar da existência da Pena de Morte, estes números aterradores nao diminuiram. No séc. XVI, Madrid nao possuía nenhum edifício destinado a cadeia, motivo pelo qual eram requisitados de forma temporária imóveis para alojar os presos. Somente em 1543 foi construída a prisao da vila, derrubada em 1621. Já durante o governo de Felipe IV (1621/1665) foi levantado o edifício sede da Prisao de Madrid, digna para a capital do império, situada na Praça da Província.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de abrigar a prisao da vila, passou a sediar também uma instituiçao de origem medieval, o Tribunal de Alcaldes de Casa y Corte (original em espanhol). A primeira pedra foi colocada em 1629, sendo finalizado em 1636. O novo edifício centralizava todas as funçoes jurídicas e penais da Madrid de los Áustrias, denominaçao da dinastía monárquica na época.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANaquele período, a Justiça Civil  predominava, enquanto o Tribunal da Inquisiçao julgava os delitos de heresía. O Tribunal de Alcades era responsável por averiguar 90 % dos delitos cometidos. Com esta cifra, fica fácil perceber a importância deste edifício no séc. XVII. O denominado Alcalde exercía a funçao de juiz, e impunha as sentenças de condenaçao. O presidente da prefeitura chamava-se corregidor.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi projetado por Juan Gómez de Mora, arquiteto real, e foi edificado num estilo herreriano (de Juan de Herrera, construtor do Monastério do Escorial), numa época já determinada pelos preceitos do barroco. Combina o tijolo, o granito e a pizarra (ardósia, em português), usada na parte superior das torres, situadas em cada esquina da construçao. Trata-se do edifício mais importante do reinado de Felipe IV, e um dos mais emblemáticos da capital espanhola. Abaixo, vemos uma inscriçao original na fachada que recorda o dito acima.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos  o escudo de Felipe IV que preside a fachada, bem ocomo um retrato do monarca, realizado entre 1630/1635, por artistas pertencentes ao círculo do pintor Diego Velázquez.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs pessoas humildes que recebiam a pena máxima eram enforcados na Plaza de la Cebada, enquanto os nobres eram degolados pela frente na Plaza Mayor, situada a poucos metros da prisao. Já os bandoleiros tinham seus membros cortados e expostos em lugares públicos. Abaixo, vemos uma foto da Plaza Mayor de Madrid.

DSC02000Outro instrumento capital, de invençao espanhola, foi o Garrote Vil. O pobre condenado sentava-se num assento e um aro de ferro era colocado ao redor do pescoço. Um carrasco girava um tornilho situado na parte traseira do assento, e o réu falecia afixiado, de forma quase imediata. Os bancos feitos de bronze da Plaza Mayor contam a história da praça, e neles podemos observar o mecanismo do Garrote Vil.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA O edifício foi utilizado como prisao até o reinado de Felipe V, já no séc. XVIII. Um terrível incêndio, ocorrido em 1791, destruiu a quase totalidade do nível superior da construçao. O arquiteto Juan de Villanueva foi o encarregado de sua reconstruçao. Um pouco antes, em 1767, passou a abrigar apenas a Sala de Alcaldes, e a prisao foi levada a um edifício próximo. As execuçoes públicas foram abolidas somente em 1900. A partir de entao, foram realizadas nos quartéis. Desde 1938, tornou-se a sede do Ministério de Assuntos Exteriores e Cooperaçao, funçao que exerce até os dias de hoje. No ano seguinte, passa a ser conhecido como Palácio de Santa Cruz, dada a proximidade com a parróquia de mesmo nome. O Ministro de Assuntos Exteriores vive na parte lateral do edifício, no chamado Palácio do Duque de Rivas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu nome procede de um dos proprietários do palácio, Ángel de Saavedra y Ramírez de Baquedano, II Duque de Rivas. Personagem importante na época (séc. XIX), foi deputado, ministro, Presidente do Conselho de Estado e Prefeito de Madrid. Como humanista, foi poeta, dramaturgo e diretor da Real Academia Espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1939, quando era propriedade do Marquês de Viana, o Ministério de Assuntos Exteriores adquiriu o palácio, transformando-o em residência ministerial.

Natal em Madrid

Com a chegada do fim de ano, Madrid se prepara para as festividades natalinas com uma luminosidade que há tempos nao se via, em virtude da recuperaçao econômica que parece prognosticar bons sinais para o ano que se iniciará.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor outro lado, comprovamos a cada ano como as festas de Natal transformaram-se num verdadeiro negócio, um comércio desenfreado que atrai multidoes às ruas num frenesi consumidor que aumenta cada vez mais. Evidentemente, o mesmo sucede em  todos os demais países de tradiçao católica, graças à golobalizaçao mundial. Gostaria de comentar neste post, porém, os costumes e tradiçoes que ainda sobrevivem na capital espanhola, algumas das quais, nós brasileiros, também conhecemos. Historicamente, as festividades natalinas sao uma das mais importantes do calendário anual do país, e possuiam até pouco tempo atrás um caráter eminentemente religioso. Iniciavam-se no início de dezembro, quando eram colocados cartazes pela cidade com os instrumentos que poderiam ser tocados pelas praças e ruas do centro de Madrid. O consumo do Turrón, um doce feito de amêndoas tostadas e mel, possui uma tradiçao secular que ainda permanece (no Brasil, Torrone).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOriginário da Península Arábica, o Turrón incorporou-se à dieta do país no séc. XV, em Alicante. Nunca foi um alimento barato, devido à composiçao de seus ingredientes. Por isso, se consumia em ocasioes especiais. O costume de comê-los no natal se deve ao cozinheiro do rei Felipe II, que já servia estas iguarias ao monarca no séc. XVI. Atualmente, a Espanha é o primeiro produtor mundial do produto,  algo essencial para abastecer um mercado interno enorme, pois a maioria come Turrón no final de ano. Outro costume gastronômico que ainda se conserva é a cena de natal servida com  Peru como prato principal (em espanhol, Pavo). A diferença é que atualmente o compramos já preparado, enquanto no passado as pessoas compravam o animal vivo na Praça Maior ou no antigo Mercado de Mostenses, destruído nos anos 30 do séc. XX devido à construçao da Gran Vía.

DSC09740Outra costume que felizmente permanece é o famoso Mercado de Natal que ocorre todos os anos na Praça Maior, desde mediados do séc. XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mercado também sofreu mudanças no decorrer dos anos, pois antes se vendiam principalmente produtos alimentícios, enquanto atualmente sao dezenas de barracas vendendo artigos natalinos, como bonecos de Papai Noel, figuras para os presépios, etc. De qualquer maneira, à noite a Praça Maior fica linda, com com sua decoraçao natalina…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro aspecto curioso é que nesta época os espanhóis alimentam a esperança do enriquecimento rápido, através do sorteio da Loteria de Natal, que ocorre no dia 22 de dezembro. Milhares de pessoas formam filas quilométricas em busca da sorte grande, e nao existe lugar mais tradicional em Madrid que a famosíssima Casa Lotérica de Doña Manolita, situada ao lado da Puerta del Sol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADoña Manolita, aliás Manuela de Pablo, nasceu em 1879 e iniciou sua atividade empresarial em 1904. No começo, vendia bilhetes principalmente para os estudantes universitários, que lotavam sua loja tanto pela simpatia quanto pela beleza que possuía. Paulatinamente, transformou-se numa próspera comerciante, algo raro numa época em que o papel social da mulher estava relegado a um segundo plano. Sua fama foi aumentando na medida em que vendia cada vez mais números premiados, e que continua sucedendo até hoje (no caso, por uma questao estatística, quanto mais se vende, maior a probabilidade de receber um bilhete premiado). Como disse, as filas para a compra de bilhetes na Doña Manolita sao absurdas, e muitos sao os que afirmam que ela é o grande símbolo de Madrid. Manolita faleceu em 1951, mas o negócio familiar perdura e vá muy bien, gracias !!!! Outro aspecto interessante relacionado à Loteria de Natal é que os números sorteados no dia 22 sao “cantados” pelos Niños do Colégio de San Ildelfonso, uma das instituiçoes assistenciais mais antigas da cidade. De fato, originou-se em 1543 e foi criado para atender às crianças órfas. O entao rei Carlos I outorgou privilégios ao colégio, e até hoje permence sob o amparo e proteçao da prefeitura.

DSC09723Nao se sabe ao certo o porque da escolha dos meninos (as) durante o sorteio. Uma das teorias diz que já cantavam nas praças e ruas da cidade, muito antes da existência da loteria. Ao fazê-lo, recebiam em troca esmolas de todos aqueles que presenciavam o espetáculo. Com o tempo, tornaram-se muito populares em Espanha, e continuam “cantando” os números desde 1771, apenas oito anos depois da chegada da loteria ao país, quando foi importada de Nápoles pelo rei Carlos III. Abaixo, vemos a Calle Mayor iluminada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUltimamente, uma visita obrigatória é a decoraçao natalina do Corte Inglés, uma das principais lojas de departamento do país….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra tradiçao viva é a elaboraçao de maravilhosos Presépios de Natal. Mas esta é uma história para o próximo post….