El Huerto del Cura – Elche

Na cidade de Elche designam-se Huertos a uma parcela de terra cultivada com palmeiras. Cada um deles possui um nome, relacionado ao seu proprietário. O Huerto del Cura é considerado a “Jóia do Palmeiral” e deve sua denominação ao pároco José Castaño Sánchez, que foi o cura (padre, em português) dono deste terreno até 1918.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara poder admirar a exuberância e beleza do Palmeiral de Elche, a visita ao Huerto del Cura é essencial. Possui 13 mil metros quadrados, e nele vivem cerca de mil palmeiras. Além desta espécie vegetal que deu fama à cidade, crescem no huerto outras espécies típicas do mediterrâneo espanhol, como os limoeiros, laranjeiras, etc.

20160809_123051OLYMPUS DIGITAL CAMERAA história do Palmeiral de Elche está repleta de fatos interessantes, como o protagonizado pelo rei Jaime I de Aragón, que ordenou a proteção do palmeiral ao sentir-se impressionado quando entrou por primeira vez na cidade em 1265. Na realidade, a cidade estava habitada por 90 % de agricultores árabes, e o corte das palmeiras produziria uma revolta civil. De qualquer maneira, a ordenança real representou uma das primeiras leis ecológicas outorgadas na Península Ibérica e por este motivo vemos um monumento em homenagem ao rei aragonês.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA existência do palmeiral, no entanto, sofreu momentos críticos, principalmente a partir do século XX com o desenvolvimento da indústria de calçados, que provocou a diminuição dos trabalhadores especializados no cultivo da palmeira. Como consequência, diminuiu também a área cultivada, e muitos palmeiras foram abandonados. Sua recuperação iniciou-se em 1983, quando passaram a depender do governo da Comunidade Autônoma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Huerto del Cura possui um itinerário onde podemos conhecer as principais curiosidades deste terreno que foi declarado Jardim Histórico-Artístico Nacional em 1943. Um pequeno lago, por exemplo, está presidido por uma reprodução da Dama de Elche, escultura ibérica encontrada na cidade em 1897.

20160809_124812OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns locais do jardim são realmente uma maravilha…

20160809_125256Determinadas palmeiras ostentam um rótulo fixado no tronco indicando que foram dedicadas a personagens ilustres que visitaram o local, como a Rainha Victoria Eugenia em 1912. Abaixo, vemos a palmeira com seu nome.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara merecerem esta distinção, estas personalidades tiveram que ter um especial vínculo com a cidade de Elche, com o Huerto del Cura ou então que contribuíram de alguma forma para a evolução da humanidade. Desde 1894, cerca de 50 personalidades foram homenageados com esta honra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInquestionavelmente, a mais famosa palmeira de toda a cidade é a denominada Palmeira Imperial, cujo nome se deve à imperatriz austríaca Sissi, esposa do imperador Francisco José I, que visitou o Huerto del Cura em 1894 e ficou maravilhada com sua singularidade. Exemplar único por sua grandiosidade e raridade, está formada por vários braços que cresceram de forma assimétrica a partir do mesmo tronco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPossui mais de 8 toneladas de peso e uma idade de 165 anos. Sua particularidade é que depois de completar 50 anos, tornou-se hermafrodita e de seu tronco nasceram os braços que se alimentam da seiva que sai do tronco principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO jardim conta com uma excelente coleção de cactus, espécie própria de zonas secas,  que se adaptaram ao terreno.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA casa do cura, bem como sua capela privada, foram preservadas tal como foram construídas em 1900, com exceção do retábulo do altar, de estilo barroco castelhano (século XVIII) colocado pelos atuais proprietários.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom este post sobre o Huerto del Cura nos despedimos do Palmeiral de Elche, Patrimônio da Humanidade, e da cidade, em busca de novos e interessantes lugares da Espanha para mostrar a vocês…

 

Palmeiral de Elche – Patrimônio da Humanidade

Quando imaginamos uma paisagem repleta de palmeiras, logo nos vem à mente as convidativas praias do nordeste brasileiro. Porém, esta bela espécie vegetal não é exclusiva dos países tropicais e a cidade de Elche é o maior exemplo disso. De fato,Elche é considerada como o “Palmeiral de Europa“, concentrando a maior quantidade de palmeiras de todo o continente, entre 200 e 300 mil, números que representam 85% das palmeiras existentes na Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA grande família das Palmeiras inclui ao redor de 2800 espécies distintas. Dentre elas, a conhecida como Palmeira Datilera conforma a maioria das existentes na cidade, sendo que foi a primeira de porte arbóreo a ser cultivada pelo homem civilizado, como demonstram gravados egípcios de mais de 5 mil anos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA vida da Palmeira Datilera oscila entre 200 e 300 anos, alcançando uma altura de até 30m. Seu fruto, o dátil, é saboroso e de alto valor energético. Suas folhas adquirem uma cor amarelada, sendo utilizada como matéria prima para a confecção de cestas, chapéus e outros produtos artesanais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbundante em toda a região mediterrânea, as palmeiras foram e continuam sendo a base econômica e agrícola de muitos países do  norte da África. Na realidade, não são árvores, nem possuem madeira propriamente dita. Integram o conjunto das denominadas plantas herbáceas de porte gigante, compostas por fibra vegetal, que a tornam resistentes e flexíveis ao vento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm Elche, as palmeiras formam verdadeiros bosques urbanos, dividindo o espaço com edifícios e construções numa interessante simbiose. Os locais onde se concentram se denominam hortas, que exploram sua produção, enquanto que em outros lugares possuem um efeito ornamental. Atualmente, existem 95 hortas na cidade, das quais a metade pertencem à prefeitura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExiste unanimidade em afirmar a origem do Palmeiral de Elche aos fenícios, ou seja, sua existência na cidade remonta a aproximadamente entre 2 mil e 2500 anos. Provavelmente, as palmeiras faziam parte da dieta fenícia  em suas travessias marítimas e encontraram na Espanha o habitat perfeito para seu desenvolvimento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor outro lado, as técnicas de cultivo e irrigação se devem aos árabes. Hábeis agricultores nas regiões mais secas do planeta, os árabes foram capazes de tirar proveito de uma terra que, aparentemente, não era adequada para seu cultivo em Elche. Além de construir um eficiente sistema de irrigação, desenvolveram um sistema de cultivo que passou a ser conhecido como Agricultura Intensiva, e as colheitas atuais continuam utilizando os mesmos métodos idealizados pelos árabes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas das palmeiras existentes em Elche adquiriram uma curiosa forma derivada de problemas relacionados com seu crescimento, criando uma posição mais horizontal, mas sem chegar a cair.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstas curiosas formações de palmeiras são conhecidas como Pipa, e a mais comprida da cidade se denomina Pipa de Sempere, que recebe o nome da horta onde se encontra. Uma técnica habitual que se utiliza para que não caia é colocar um pequeno pedaço de tronco na sua extremidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÀs vezes, o crescimento da planta ocorre de forma espiral….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Palmeiral de Elche foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, graças à sua importância ecológica e a extensão de seus bosques na cidade. Um dos locais mais belos onde podemos apreciá-lo é a Horta del Cura, que veremos na próxima matéria…

Basílica de Santa Maria e o “Mistério de Elche”

Prosseguindo nosso passeio pelo Centro Histórico de Elche, na matéria de hoje veremos a Basílica de Santa Maria e a festa denominada de “O Mistério de Elche“, declarada Patrimônio Imaterial Da Humanidade, título outorgado pela Unesco em 2001. Antes, porém, vale a pena mencionar o Ayuntamiento da cidade, ou se preferirem, a Casa da Vila, como se conhece o edifício da Prefeitura de Elche.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta é uma das Casas Consistoriais mais antigas da Comunidade Valenciana, já que o conselho nela se reúne desde 1445. A torre que vemos na foto foi erguida em 1458. No século XVIII, reformas foram realizadas, conferindo-lhe um aspecto barroco ao edifício. Antigamente, se encontrava adossada à muralha. Abaixo, vemos outro edifício pertencente à Prefeitura de Elche, completamente diferente em quanto a época de construção e sua arquitetura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar dos escassos restos de sua origem árabe, em meu passeio pela cidade pude observar alguns edifícios inspirados em sua arquitetura, como o que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Oficina de Turismo da cidade foi igualmente construída e inspirada nos elementos arquitetônicos árabes…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPrincipal templo religioso da cidade, a Basílica de Santa Maria foi edificada no mesmo local onde antigamente se erguia a Mesquita Árabe, derrubada depois da reconquista de Elche em 1265.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja atual começou a ser construída em 1672 e as obras finalizaram em 1784. Sua portada, que vemos no destaque acima, é considerada uma das mais belas do Barroco Valenciano, e foi realizada por Nicolás de Bussi entre 1680 e 1682.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar de ostentar o título de Basílica Menor, os habitantes da cidade a chamam de “A Catedral de Elche“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir vemos uma foto da cúpula, tirada da Torre de Calahora, que vimos num post recente…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAElche é uma cidade muito devota à Virgem Maria, e no interior da basílica se realiza entre os dias 14 e 15 de agosto uma representação teatral conhecida como “O Mistério de Elche“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta festividade em honra à Virgem Maria é considerada a única representação conhecida no ocidente realizada no interior de uma igreja, depois que o Concílio de Trento (1545/1563) proibiu este tipo de manifestação nos templos religiosos. Também conhecido como um Autosacramental, este drama litúrgico representa a morte, assunção e coroação da Virgem Maria através de cenas teatrais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua história se remonta ao século XII, e um grande contingente de atores profissionais ensaiam durante todo o ano para a ocasião. O trabalho para sua realização é elevado, com especial cuidado para a indumentária que os atores utilizam, minuciosamente confeccionadas segundo uma tradição secular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cerimônia dura 8 horas, dividida em dois atos, cada qual celebrado num dia. Cantos medievais complementam o drama, e seguem uma partitura que data de 1639, embora exista a crença de que se trata de uma cópia de uma mais antiga.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo exterior da Basílica de Santa Maria foi colocada uma escultura de bronze que representa uma das cenas da festa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO momento principal do drama ocorre quando uma imagem da Virgem é elevada à cúpula da igreja, representando  sua ascensão ao céu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO “Mistério de Elche” recria os últimos momentos da Virgem, que ao aproximar da hora de sua morte, pede a Deus para que possa ver por última vez os apóstolos e despedir-se. Pouco a pouco, os apóstolos chegam de terras distantes e a Virgem morre em paz. Todos juntos assistem sua elevação e sua coroação como Rainha do Céu. Apesar de não me encontrar nas datas em que a festa é celebrada, pude ver vídeos da mesma no chamado Museu da Festa, dedicado ao “Mistério de Elche”. Uma pena que as fotos não estão permitidas. Abaixo, vemos o exterior do museu…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO “Mistério de Elche” recebeu vários títulos importantes, como Monumento Artístico Nacional em 1931 e o de Patrimônio Imaterial da Humanidade em 2001. No youtube existem vários vídeos disponíveis, dando uma ideia desta festa de origem medieval, e da emoção que sentem todos (as) que nela participam.

Alcázar de Elche e Museu Arqueológico

Um dos principais monumentos históricos de Elche é o Alcázar de la Señoria, que foi a residência dos governantes da cidade entre os séculos XV e XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém conhecido como Palácio Altamira, esta fortaleza é uma das mais importantes de toda a Província de Alicante. Nele encontramos restos da etapa árabe da cidade, datados entre os séculos XI e XIII, mas a maior parte da construção pertence aos séculos XV e XVI, como sua muralha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor seu caráter de fortaleza militar, acolheu a personagens importantes, como o rei Jaime II, Pedro IV e os Reis Católicos. Sua fachada principal compreende duas torres semicirculares e a denominada Torre de Homenagem, de planta quadrada, que vemos acima. Abaixo, vemos o Pátio de Armas

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm seu interior se conserva uma parte da muralha árabe e uma de suas portas (final do século X e princípio do XI).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA visita ao Alcázar se complemente com o Museu Arqueológico e Histórico de Elche (MAHE), situado numa parte reformada para acolher suas inúmeras peças (2006)

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu Arqueológico foi criado por Alejandro Ramos Falqués, principal arqueólogo do recinto de Alcúdia, local onde foram encontradas muitas das obras expostas e situada a pouca distância de Elche.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInaugurado em 1940, sua coleção de peças arqueológicas foi declarada Monumento Histórico-Artístico em 1962, fato que revela sua importância. Em suas diversas salas, a exposição permanente nos permite conhecer os diversos períodos por que passou a cidade de de Elche, com peças representativas de cada período e seu contexto histórico.Cada sala corresponde a um determinado período, e a tecnologia está presente em todo o trajeto do museu, tornando a visita didática e atraente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Elche povoada pelos iberos denominava-se Ilici (século V a I aC), e sua localização se encontrava a 3 km da cidade atual. Desta época, podemos admirar diversas obras de interesse, como o Vaso de Tanit, decorado com a figura de uma divindade relacionada com deusas femininas ligadas à cultura grega, como Deméter, ou às divindades de origem púnicas, como Tanit.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs vários aspectos do mundo ibérico são apresentados, com destaque para o mundo dos mortos e as esculturas a ele relacionados, representando a animais como o touro, a vaca e o leão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo Museu Arqueológico vemos uma réplica da escultura ibérica mais famosa que existe, a Dama de Elche, cujo original se encontra no Museu Arqueológico Nacional de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do século I aC com a chegada dos romanos, Elche passou a ser uma colônia com o nome de Iulia Ilici Augusta. Deste período selecionei uma belíssima peça, o chamado Eros de Algorós. Esculpida em mármore branco, tinha a função de cobertura de um sarcófago infantil.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Centro Histórico de Elche

A atual cidade de Elche foi fundada pelos árabes no século VIII dC, ainda que existam  importantes restos arqueológicos de um assentamento romano situado a 3 km do núcleo urbano que vemos hoje em dia, em concreto em Alcudia. Infelizmente, a maior parte de seu período inicial foi destruído para a construção de novos edifícios, logo depois que a cidade foi reconquistada pelo rei Alfonso X “El Sábio” em 1265.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar da destruição promovida, Elche conserva alguns edifícios e construções do período árabe de grande relevância, caso da Torre de Calahora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta robusta torre tinha a função de uma pequena fortaleza para proteger uma das portas principais da muralha árabe. Pertence ao período almohade (final do século XII e princípio do XIII), uma das poucas existentes em toda a Comunidade Valenciana desta época.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA torre pode ser visitada e vale a pena adentrar-se e descobrir suas dependências e obras artísticas, como o espaço de origem árabe conhecido como Almudín, onde se armazenava trigo e outros cereais. As primeiras notícias a respeito de sua existência datam de 1442 e também foi utilizado como bodega, para armazenar o vinho. Está formado por três estâncias abovedadas, como vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma parte do Almudín transformou-se numa sala utilizada por uma loja maçônica fundada em 1878, decorada com pinturas esotéricas relacionadas com o antigo Egito, realizadas por Pedro Ibarra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANos andares superiores da torre, estão expostos vários quadros interessantes, como este anônimo do século XVII, em que se representa o Descendimento de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das obras do pintor valenciano Joaquín Sorolla também pode ser vista, um dos inúmeros quadros por ele realizado em que retrata paisagens litorâneas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO artista Muñoz Degrain realizou um encantador quadro de características impressionistas denominado “Alhambra”, inspirado no monumento fundamental da arquitetura nazarí, o Palácio da Alhambra, localizado em Granada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO próprio palácio serviu de inspiração para uma das salas mais belas da torre, decorada com cerâmicas e paisagens pintadas relacionadas à própria cidade de Elche, como seu Palmeiral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a bela escada de acesso às salas superiores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas escavações estão sendo realizadas, permitindo a descoberta dos banhos árabes

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns destes banhos árabes escaparam do desaparecimento por estarem situados no sótão de um convento. Pertencente ao século XII, estão compostos por três salas paralelas e com o teto em forma de bôveda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstas relíquias se encontram no Convento de la Merced, fundado no século XIII, ainda que reformado posteriormente, principalmente nos séculos XVIII e XIX, como o claustro que vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com uma foto de sua fachada principal, do século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Elche – Província de Alicante

Em minha recente viagem à Comunidade Valenciana, tive a oportunidade de conhecer a impressionante cidade de Elche (no idioma valenciano, Elx), situada a somente  25 km de Alicante. Com aproximadamente 230 mil habitantes, é o terceiro município mais populoso de toda a comunidade, depois de Valencia e da própria Alicante.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAElche possui uma merecida fama graças ao seu imenso Palmeiral, declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Vocês poderão conhecer sua história, exuberância e importância em matérias exclusivas. A sensação que se tem, quando estamos na cidade, é que não são as palmeiras que foram colocadas para embelezar a cidade, mas que o próprio núcleo urbano foi construído dentro do palmeiral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade ostenta outro título de Patrimônio da Humanidade, referente à festa religiosa denominada “O Mistério de Elche“, que também veremos em breve. Um de seus maiores símbolos é a famosa escultura Ibérica conhecida como “A Dama de Elche“, cujo original se encontra no Museu Arqueológico Nacional de Madrid (post publicado em 2/3/2016). No entanto, por toda a cidade vemos réplicas de vários tamanhos desta maravilhosa peça escultórica, como no moderno Centro de Congressos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAElche é atravessada pelo Rio Vinalopó, um curso fluvial de escasso volume de água. Por este motivo, suas margens foram decoradas com pinturas de artistas locais, que me chamaram a atenção…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO baixo volume de água se explica porque a maior parte do seu curso é utilizado para a agricultura, além do pequeno índice pluviométrico da região. Várias pontes cruzam o rio durante seu trajeto pela cidade. A mais antiga delas é a Ponte de Santa Teresa, construída no princípio do século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÉ conhecida também pelos nomes de Ponte Velha ou Ponte da Virgem, devido a uma escultura representativa da padroeira da cidade, a Virgen de la Asunción.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ponte está adornada também por uma escultura de seu padroeiro, San Agatàngelo, um mártir romano que viveu no século IV dC.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Outra ponte conhecida é a de Canalejas, inaugurada em 1913.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua importância arquitetônica reside no fato de que sua estrutura foi construída inteiramente em concreto armado, uma técnica nova no país no princípio do século XX. Foi projetada pelo engenheiro Mariano Luiña, e com seus 50m de arco e 78m de comprimento total transformou-se na ponte mais longa da Espanha no período, feita deste material.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADizem que a construção desta ponte salvou o Palmeiral de Elche, pois permitiu à expansão da cidade além de seu centro histórico, evitando a derrubada de árvores para a construção de novos edifícios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm de meus passatempos favoritos é o cinema, e me alegro quando vejo algum edifício construído para tal fim que sobreviveu à massificação dos grandes shopping centers. No entanto, meu contentamento durou pouco, quando descobri que o Cine Alcazar, localizado no centro da cidade, se transformará numa academia de ginástica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste belo edifício Art Decô foi inaugurado em 1950 com um filme de Charles Chaplin, e funcionou até 2004 como cinema. Depois seu interior foi remodelado para acolher uma discoteca, e o negócio não prosperou. Pelo menos, mantiveram a fachada, e esperamos que assim continue…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA