Castelos Senhoriais da Espanha – Parte 3

Neste último post sobre os Castelos Senhoriais da Espanha veremos outros exemplos de palácios construídos como fortalezas para os nobres, que ainda hoje impressionam por sua esbelta silueta na paisagem espanhola. O Castelo de Almansa é um dos mais importantes da Província de Albacete (Comunidade de Castilla La Mancha), situado no alto de uma colina que domina a cidade, conhecida como “Cerro del Águila“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInicialmente foi uma fortaleza muçulmana e nos séculos posteriores passou a pertencer a nobreza. Seua aspecto atual se deve às reformas realizadas pelo II Marquês de Villena, Don Juan Pacheco, no século XV. Este castelo foi cenário de um conflito histórico, a Batalha de Almansa, que possibilitou o ascenso de Felipe de Anjou como Rei da Espanha, durante a Guerra da Sucessão Espanhola, no início do século XVIII. Proclamado Rei com o nome de Felipe V, foi o primeiro monarca da dinastia bourbônica a ocupar o trono da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém localizado na Província de Albacete, e edificado sobre uma fortaleza árabe anterior, o Castelo de Chinchilla de Monte Aragón foi outra das fortalezas que pertenceram ao II Marquês de Villena, Don Juan Pacheco, que da mesma forma que o anterior, foi igualmente restaurado por ele no século XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO castelo está formado por um fosso de grandes proporções, como vemos abaixo. Como elemento decorativo destaca o escudo do proprietário, algo habitual nas Fortalezas e Castelos da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO bom aspecto que conserva atualmente se deve a que foi utilizado como prisão durante muito tempo. Um dos prisioneiros mais famosos foi César Borjia, filho de Rodrigo Borjia, eleito Papa em 1492 com o nome de Alexandre VI. O filho foi acusado de cometer um assassinato contra seu irmão, o I Duque de Gandía.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos dos Castelos da Espanha estão localizados em lindos povoados que conservam sua arquitetura medieval, caso de Pedraza, localizado na Província de Segóvia (Comunidade de Castilla y León). Foi construído sobre os restos de fortalezas anteriores, sobretudo romana e muçulmana. No século XV passou a pertencer à família dos Herrera, época que data sua Torre de Homenaje. No século XVI, tornou-se propriedade de Fernández de Velasco, Duque de Frías e Condestable de Castilla, cuja reforma lhe proporcionou o aspecto que vemos atualmente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1926, o pintor Ignacio de Zuloaga (1870/1945), um dos principais pintores espanhóis do final do século XIX e início do XX, adquiriu o castelo e o restaurou, instalando em seu interior um atelier. Parte de sua obra pode ser vista no interior do castelo, e ainda hoje permanece pertencendo aos herdeiros do pintor, que o utilizam como residência e museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído no século XVI como um suntuoso palácio fortificado para o Conde de Albuquerque, o Castelo de Cuéllar é um dos grandes atrativos deste povoado castelhano, situado também na Província de Segóvia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeus hóspedes mais ilustres foram o Rei Juan I de Castilla e sua esposa Leonor, que faleceu no castelo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1938, durante a Guerra Civil Espanhola, funcionou como penitenciária para presos políticos. Depois, passou a ser usado como um sanatório para tuberculosos. Atualmente,  seu interior alberga um instituto de educação secundária.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro povoado maravilhoso de Castilla y León que conserva seu imponente castelo é Peñaranda del Duero, situado na Província de Burgos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído no século XI com a finalidade de deter o avanço muçulmano, foi reconstruído no século XV pelo I Duque de Miranda. De forma alargada, o castelo adapta-se perfeitamente ao grande rochedo sobre o qual se assenta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma grande muralha serve de elemento protetor, e a Torre de Homenaje eleva-se no centro da fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Os Pueblos mais Belos de Espanha: Parte 8

A Comunidade de Castilla y León é um verdadeiro museu a céu aberto. A região compreende o território formado pela bacia hidrográfica do Rio Duero, e a riqueza de seu patrimônio histórico é impressionante. Basta dizer que 60 % de todo o patrimônio histórico-artístico do país se encontra nesta comunidade. Está formada por 9 províncias: León, Burgos, Zamora, Valladolid, Segóvia, Palencia, Salamanca, Sória e Ávila. Castilla y León é considerada a zona do mundo com a maior quantidade de bens culturais distinguidos com a máxima proteção outorgada pela Unesco, os locais Patrimônios da Humanidade, num total de 8. Além do mais, possui abundantes pueblos maravilhosos, muitos dos quais figuram entre os mais belos da Espanha. No post de hoje, veremos alguns dos pueblos mais bonitos que podemos encontrar na Província de Segóvia. Iniciamos com Pedraza, uma vila medieval muito bem conservada (matérias publicadas em 22/11/2013 e 31/7/2014).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPedraza possui menos de 500 habitantes, mas nos dois primeiros sábados de julho o pueblo é invadido pelos turistas, que contemplam o espetáculo denominado “Noite das Velas“, quando depois do sol cair, milhares de velas sao acesas por todo o povoado, criando um ambiente realmente mágico…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Comunidade de Castilla y León possui também a maior concentração do mundo de arte românica, e muitos povoados estão presididos por igrejas construídas neste estilo, caso de Sepúlveda (matéria publicada em 18/5/2012).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASotosalbos (12/1/2017) possui pouco mais de 100 habitantes, mas no povoado podemos visitar uma incrível igreja românica…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém do mais, o pueblo está situado num entorno de grande beleza natural…

OLYMPUS DIGITAL CAMERATurégano (matérias publicadas em 13, 14 e 15/1/2017), possui também um castelo e uma igreja românica situada dentro do conjunto defensivo, além de uma belíssima Praça Maior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom pouco mais de mil habitantes, Ayllón (várias matérias publicadas entre 30/5 e 4/6/2017) conta com um excepcional patrimônio monumental, digno de ser visitado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPróximo a Ayllón existe uma rota denominada de “Pueblos Coloridos“, composta por povoados cujas construções foram realizadas com pedras coloridas, caso de Madriguera (26/5/2017), um dos mais famosos pueblos vermelhos da região…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMaderuelo (5/6/2017) é outro pueblo encantador, com uma localização de tirar o fôlego…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Monastério de San Frutos de Duratón

Dentro dos limites do Parque Natural das Hoces del Río Duratón situa-se o Monastério de San Frutos, cuja localização ao borde do precipício formado pela ação erosiva do rio é verdadeiramente magnífica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara se chegar ao monastério, os carros devem ser deixados num estacionamento, e logo percorrer uma trilha inclinada de 800m, com vistas incríveis do canyon e do próprio monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua história é muito antiga e está relacionada a San Frutos, San Valentín e Santa Engrácia, que viveram como eremitas no local. O primeiro faleceu no ano de 715 e seus irmãos foram decapitados pelos árabes um pouco depois. O lugar tornou-se um centro de peregrinação ao se construir um monastério depois da morte dos santos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1076, depois da reconquista destas terras pelo Rei Alfonso VI, o Priorato de San Frutos passou a depender do Monastério de Silos, um dos mais importantes da Espanha no período medieval, ao qual pertenceu até a Desamortização dos bens eclesiásticos de 1835 (ver matérias publicadas sobre Silos em 8/8 e 9/8/2015).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO antigo monastério foi reconstruído em torno ao ano 1100 no estilo românico, um dos exemplos desta corrente artística mais antigos existentes na Província de Segóvia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASegundo uma inscrição, as obras foram realizadas pelo arquiteto Michel, e sua construção ordenada pelo Abade Fortunio, pertencente ao Monastério de Silos. Este dado transforma o monastério num raro exemplo da Arte Românica, pois na maioria dos casos o nome do arquiteto construtor é desconhecido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o ábside românico

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Monastério de San Frutos atingiu seu auge no século XIII. Em torno ao ábside foi descoberto uma necrópole, com tumbas escavadas na rocha em formato antropomórfico, e a cabeça orientada ao oeste, onde o sol nasce.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XII se construíram também duas capelas, das quais se conserva apenas uma delas. Abaixo, vemos outras imagens do monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs corpos dos três santos foram colocadas em tumbas situadas dentro de uma singela construção. No entanto, seus restos foram levados a outro local, para serem venerados como relíquias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtravés de um dos vãos da construção do monastério, podemos contemplar a beleza das águas do Rio Duratón

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMe despedi do Monastério de San Frutos e da Província de Segóvia, meu último destino no passeio que realizei com minha esposa no feriado da Semana Santa. Felizes regressamos a Madrid, depois de termos conhecido povoados encantadores e as belas paisagens da Comunidade de Castilla y León.

P.N. Hoces del Río Duratón

Finalizando nossa viagem pela Província de Segóvia na Semana Santa, fomos conhecer um lugar de natureza excepcional, o Parque Natural Hoces del Río Duratón, situado próximo à cidade de Sepúlveda (post publicado em 18/5/2012), no norte da província.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Rio Duratón discorre sobre um canyon formado pela ação erosiva do rio na rocha calcária, que em alguns locais alcança os 100m de desnível, num traçado sinuoso de cerca de 27 km.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO acesso ao parque é um pouco complicado, mas vale a pena enfrentar os 5 km de uma estrada de areia para poder contemplar este belíssimo lugar. As águas do rio abriram uma garganta facilmente erosionável no curso médio do Duratón, formando uma sinuosidade em seu curso denominada meandros, que em terras castelhanas recebe a denominação de Hoces.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Rio Duratón nasce na fronteira entre a Província de Segóvia e a Comunidade de Madrid, em plena Serra de Guadarrama. Sua origem serrana lhe proporciona um grande aumento no volume de água nos meses de março a junho, devido ao degelo, e uma acusada estiagem nos meses de calor. Se prolonga cerca de 106 km até desembocar no Rio Duero.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Parque Natural possui 5 mil hectares de superfície e foi declarado reserva em 1989, além de ostentar o título de Zona Especial de Proteção para as Aves (ZEPA). De fato, apresenta uma grande riqueza faunística, especialmente relacionada às aves de rapina, que constroem seus ninhos no alto dos penhascos. O parque possui uma considerável população de Águias Reais, Falcões Peregrinos e Buitres Leonados. No que se refere aos mamíferos, podemos encontrar morcegos, lebres, coelhos, raposas e lontras.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANessa região, os invernos longos e muito frios fazem com que as temperaturas possam baixar dos 10 graus negativos com relativa frequência. As atividades que podem ser realizadas no parque incluem o senderismo e a canoagem, existindo várias agências que realizam excursões pelo curso do rio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de sua beleza, dentro dos limites do parque situa-se o Monastério de San Frutos, que será o tema do próximo post e que vemos na imagem acima, na beira do precipício.

Maderuelo – Província de Segóvia

Depois de deixar Ayllón, nosso próximo destino foi outro povoado encantador, a vila de Maderuelo, localizada a poucos quilometros de Ayllón. Tal como esta, Maderuelo também figura entre os Pueblos Mais Belos da Espanha, e foi declarado Conjunto Histórico-Artístico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mais impressionante da vila é sua localização geográfica, no alto de uma colina e rodeada pelo Embalse de Linares, um lago artificial com 690 hectares que foi declarado Reserva Natural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMaderuelo foi construída num cerro rochoso com um recinto de muralhas que se adapta perfeitamente à forma do relevo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo alto de seu centro histórico, as vistas do lago impressionam…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar das poucas informações sobre sua história, se sabe que foi repovoada pelo Conde castelhano Fernán González no século X e posteriormente saqueada pelo exército do comandante árabe Almanzor. No século seguinte se construiu a muralha junto com o castelo e no século XII foi anexionada ao Bispado de Segóvia. Posteriormente, tornou-se um senhorio pertencente à família dos Luna e depois aos Marqueses de Villena (a partir do século XVI), como sucedeu com Ayllón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA muralha defensiva estava constituída por 4 portas e um castelo integrado, que infelizmente desapareceu. A única porta sobrevivente é o chamado Arco da Vila.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMaderuelo possui somente 120 habitantes. A estrutura de suas casas se caracterizam pela irregularidade, predominantemente estreitas e com quarteirões alargados, adossados à muralha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm seu período de máximo esplendor, na Idade Média, Maderuelo chegou a ter 10 paróquias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, se conservam duas, ambas envoltas em mistério, pois se acredita que faziam parte de uma estrutura defensiva mais antiga. A Igreja de San Miguel é de origem românica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a Igreja de Santa María del Castillo destaca-se pela diversidade de estilos que apresenta. Preserva elementos da arquitetura califal, algo único na Província de Segóvia, pois parece que foi construída sobre a mesquita local. Parcialmente destruída por um incêndio no século XVI, foi reconstruída com materiais de outras construções da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJunto ao Embalse de Linares, situa-se a Ermita de Vera Cruz, catalogada como Monumento Nacional em 1924.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta singela, mas famosa construção, foi erguida pelos templários sobre uma outra ermita de época visigoda. Seu interior estava totalmente decorado com Pinturas Românicas. Com a construção do Embalse, as pinturas foram levadas ao Museu do Prado, e hoje podem ser vistas na seção dedicada às pinturas de Estilo Românico do museu. Em seu local original,  as pinturas foram substituídas por cópias. Uma pena que a ermita estava fechada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de Santa María La Mayor – Ayllón

Apesar das poucas informações existentes, se sabe que na Idade Média Ayllón contou com uma numerosa comunidade judaica. Os descendentes das famílias que viveram em Ayllón doaram, em 2014, um bonito monumento em sua homenagem, denominado “El Reencuentro“, que podemos ver numa das praças da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA sinagoga situava-se no local onde hoje se ergue a Igreja de Santa María la Mayor, a única aberta ao culto em Ayllón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo foi construído sobre uma igreja anterior, que desabou em 1697. A nova construção iniciou-se em 1701 no estilo neoclássico. Abaixo, vemos a porta principal, decorada com uma imagem da Virgem Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA monumental torre campanário destaca-se no cenário da cidade, com seus 40m de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior desta igreja é muito bonito, especialmente porque estava sendo preparado para as festividades da Semana Santa, com várias imagens que iam percorrer as ruas da cidade em procissão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAos pés do templo situa-se o belo coro de madeira, com uma Pia Batismal antiga…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte alta do coro, um órgão de 1723…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior é barroco e dourado…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a bôveda, repleta de elementos geométricos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom esta matéria, finalizo minha visita a Ayllón, este belíssimo povoado da Província de Segóvia. No entanto, minha viagem continuou, e fomos conhecer outro pueblo encantador, Maderuelo, que vocês poderão ver no próximo post…

Igreja de San Juan – Ayllón

A Igreja de San Juan é o outro templo de origem românico da cidade de Ayllón. Construída no século XIII, possui uma história deveras curiosa e da mesma forma que a Igreja de San Miguel, está fechada para o culto. Os elementos românicos conservados constituem o ábside e a porta de acesso ao interior. Abaixo, vemos o ábside semicircular…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta de entrada à igreja conserva o arco de meio ponto característico do estilo românico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja, por uma série de razões, apresentava um estado lamentável, e escapou de desaparecer quando foi adquirida por um proprietário particular nos anos 60 do século XX, que construiu sua residência junto ao terreno do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO proprietário da igreja cobra uma entrada para conhecer os restos preservados. Para tanto, toquei a campainha situada na porta de acesso e esperei que uma simpática senhora me atendesse. Pela singularidade do local, vale a pena pagar o ingresso (me parece que custou 3 euros) e ver as capelas que sobreviveram à ação do tempo. A denominada Capela de los Daza possui uma estátua jacente, pertencente a uma família de Burgos, descendente de Fernán González (910/970), Conde de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe grande importância é a capela gótica cuja construção foi ordenada pelos Marqueses de Villena no século XVI (1526), para albergar os sepulcros de Don Pedro López Pacheco e sua esposa Dona Juana Enríquez, atualmente situados na Igreja de San Miguel, como vimos na matéria anterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo teto da capela, podemos contemplar a bôveda gótica com os escudos dos Marqueses de Villena, senhores da vila de Ayllón no passado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, as capelas da Igreja de San Juan se utilizam como um espaço para eventos culturais. Quando lá estive, havia sido inaugurada uma exposição em homenagem ao poeta e dramaturgo espanhol Federico García Lorca (1898/1936), em comemoração ao octagésimo aniversário de sua morte, quando foi fuzilado pelo bando nacionalista durante a Guerra Civil Espanhola. A exposição conta com desenhos realizados pelo próprio poeta e outros que relembram fatos de sua vida como, por exemplo, os anos em que esteve na Residência dos Estudantes de Madrid (ver post publicado em 26/8/2015).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO fuzilamento de Lorca, ocorrido próximo a Viznar, um povoado da Província de Granada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA No dia em que foi inaugurada, a exposição contou com a presença da sobrinha do poeta, D. Laura García Lorca, presidenta da Fundaçao García Lorca.