Museu de Belas Artes – Parte 3

Uma parte importante da coleção de quadros do Museu de Belas Artes de Valencia está relacionada com a Pintura Barroca, na qual podemos admirar obras dos grandes artistas espanhóis do período. O Barroco foi um estilo artístico que sucedeu o Renascimento a partir do século XVII e se estendeu até boa parte do século XVIII, quando então aparece o neoclassicismo. A etapa barroca está, na Espanha, intimamente ligada ao Século de Ouro da Cultura Espanhola, quando surgiram as personalidades artísticas de maior renome do país em todos os campos, como na Literatura, Arquitetura, Escultura e Pintura. Um artista que serviu de elo entre o final do Renascimento e início do Barroco foi El Greco (1541/1614), cuja trajetória artística de maior transcendência ocorreu em Toledo, cidade na qual viveu boa parte de sua plenitude como pintor. No Museu de Belas Artes de Valencia podemos visualizar o quadro por ele pintado de “San Juan Bautista”. Algumas de suas características principais, como as figuras alargadas, típicas da corrente maneirista (última fase do Renascimento, anunciando a chegada do Barroco), a paisagem mágica e irreal, além dos fortes vínculos que tinha com a Arte Bizantina podem ser apreciadas nesta obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm aspecto marcante da Arte Barroca é sua íntima relação com a Contrarreforma, movimento católico que se contrapôs à Reforma Protestante de Lutero. A teatralidade, luxo e ornamentação dos templos barrocos visavam fomentar a devoção aos santos, à Virgem Maria e a Cristo, cujos modelos de conduta deveriam ser imitados. Apesar disso, definir o Barroco como a Arte da Contrarreforma pode resultar simplista, pois também existe o Barroco Protestante. Na realidade, o estilo barroco unificou os estados europeus, chegando a ter grande protagonismo no continente americano. Enquanto nos países centrais da Europa, a pintura barroca preconizava cenas domésticas e cotidianas , além de retratos, na Espanha e na Itália a arte é quase que exclusivamente religiosa. Abaixo, vemos um quadro de Jerónimo Jacinto de Espinoza (1600/1667), pintor valenciano que adquiriu grande prestígio na época, intitulado “Aparição de Cristo a San Ignácio“. Esta obra foi realizada em 1631 para a capela de Santo Ignácio de loyola, fundador da Ordem Jesuíta, situada na igreja da ordem de Valencia. A cena do quadro representa o momento em que Cristo aparece diante do santo, quando este se dirigia à Roma para defender, ante o Papa, o projeto de fundação da ordem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Barroco Espanhol se integra plenamente no século XVII, desenvolvendo-se curiosamente numa etapa de decadência de seu império, que perde sua hegemonia para a França, Inglaterra e Holanda. Uma das características mais importantes da Pintura Barroca é o naturalismo ou realismo, em contraposição ao idealismo renascentista. Ou seja, os pintores agora se preocupam mais com o real que com o belo. Outro ponto a se destacar é o movimento, oposto ao equilíbrio e repouso das cenas clássicas. As cores tornam-se fortes e variadas, com grandes efeitos de luz, criando contrastes que proporcionam um intenso dramatismo às cenas e figuras. Da escola valenciana, um dos destaques é José de Ribera (1591/1652). Este artista teve uma enorme repercussão na Europa graças à qualidade de suas obras. No Museu de Belas Artes existem vários quadros que nos permitem apreciar sua beleza, como por exemplo, “San Sebastián atendido por Irene e sua criada“. Ribera realizou inúmeros quadros sobre os santos mártires, muitos dos quais relacionado à São Sebastião. Enquanto seu corpo aparece iluminado, acentuando o drama da cena, as mulheres foram retratadas de forma mais naturalista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJosé de Ribera passou a maior parte de sua vida na Itália, sendo conhecido como “El Españoleto”. Nasceu em Játiva, cidade pertencente à Comunidade Valenciana, e foi um dos responsáveis em incorporar em sua pintura o tenebrismo, amplamente difundido por Caravaggio através do jogo de luzes e sombras e pelas tonalidade escuras em sua obras. Estabeleceu-se em Nápoles em 1616, tornando-se o pintor favorito da corte espanhola na cidade. O pintor retratou sábios da antiguidade, como Heráclito (1630) que podemos ver no museu valenciano. O filósofo grego aparece com um aspecto humilde e pobremente vestido, cuja riqueza que possui é o conhecimento. Destacam também a bela expressão facial e o contraste luminoso e as sombras.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outro quadro de Ribera, “Santa Teresa escrevendo o ditado do Espírito Santo“, uma obra fundamental na representação da santa de Ávila, pintado em 1648. A presença da caveira está relacionada com a meditação sobre a morte e a fugacidade da vida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém da escola valenciana, a Pintura Barroca Espanhola destaca-se pelo conjunto de pintores que trabalham para a corte de Madrid e da Andaluzia. Esta última é uma das mais famosas, graças à presença de nomes como Velázquez, Zurbarán e Murillo, entre muitos outros. Bartolomé Esteban Murillo (1617/1682) nasceu em Sevilha, e muitos de seus quadros que representam as Virgens Imaculadas e meninos tornaram-se sinônimos de graça, ternura e delicadeza. Em suas obras predominam as tonalidades alegres e luminosas. Abaixo, vemos um “São Francisco de Assis“, pintado entre 1645 e 1650 para o Convento Franciscano de Sevilha. O santo é retratado ajoelhado e ambientado numa paisagem fantástica, no instante da visão de Cristo, de quem recebe os estigmas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Entre 1660 e 1665, Murillo realizou o quadro de “Santo Agostinho lavando os pés de Cristo“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, continuaremos vendo algumas das obras principais do Museu de Belas Artes de Valencia.

 

O Grego de Toledo

Graças aos contatos realizados com espanhóis durante sua estadia em Roma, El Greco viaja a Espanha em 1577, estabelecendo-se em Toledo, capital religiosa do país e uma das maiores cidades européias da época. O pintor adota definitivamente a cidade castelhana, nela permanecendo até o final de sua vida, onde desenvolve de maneira genial seu estilo, pintando seus quadros mais famosos. Com 36 anos de idade, El Greco já possuía fama, e os encargos religiosos nao demoraram em aparecer. Abaixo, vemos o Retábulo Maior  realizado para o Convento de Santo Domingo de Toledo, o primeiro que concebeu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARealizado entre 1577 e 1579, com esta obra El Greco rompe os critérios narrativos dos grandes retábulos, dando uma ênfase ao ritmo vertical da composiçao, segundo critérios maneiristas. A parte central do retábulo representa a Assunçao da Virgem Maria, baseando-se no quadro com a mesma temática pintado por Ticiano. Começa a utilizar cores pouco convencionais e proporçoes anatômicas únicas. O intenso jogo de luzes busca o contraste. A parte superior do retábulo representa a Trindade, uma referência ao estilo escultural de Miquelângelo. Como podemos observar nas primeiras obras em terras espanholas, a influência dos mestres italianos é patente. Estes quadros aumentaram a reputaçao do pintor em Toledo, dando-lhe grande prestígio. Seu objetivo principal, no entanto, era transformar-se em pintor real da corte de Felipe II, colaborando para a decoraçao do Monastério do Escorial, cuja monumentalidade vemos na foto a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO “cartao de visita” de El Greco na corte de Felipe II foi o quadro intitulado “O Martírio de Sao Maurício”, pintado entre 1580 e 1582,  que pode ser admirado atualmente no próprio monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO motivo central do quadro narra o episódio em que Sao Maurício convence aos seus companheiros da legiao tebana que é preferível morrer em martírio do que oferecer sacrifícios aos deuses pagaos do Império Romano. O martírio em si é relegado a um segundo plano, situado na parte inferior esquerda do quadro. Na parte superior, os anjos aguardam a alma daqueles que serao martirizados. A presença do quadro num dos altares laterais da igreja do monastério se justifica porque Sao Maurício era o padroeiro da Ordem do Tosao de Ouro, cuja soberania foi passada aos monarcas austríacos da corte espanhola. Infelizmente para El Greco, o rei Felipe II nao gostou do quadro, e nao encarregou outras pinturas ao pintor cretense. A partir de entao, El Greco decide permanecer em Toledo, cidade que lhe havia recebido como um grande artista. O clero toledano lhe encomenda várias obras que podem ser admiradas na Catedral Primada. Uma delas é “O Expólio”, exposta na sacristia da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cena retrata o momento inicial da Paixao de Cristo, quando Jesus é despojado de suas roupas. El Greco escurece os elementos que considera secundários no episódio e ilumina a figura de Jesus, auxiliado pelo vermelho de sua túnica. Para realizar o quadro, o pintor nao seguiu ao pé da letra nenhum dos evangelhos oficiais da Igreja Católica, motivo pelo qual surgiram polêmicas cujo resultado foi a demora em receber o pagamento da obra. Na Catedral de Toledo estao expostos muitos outros quadros do pintor, como a “Crucificaçao de Cristo”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOu entao “Sao José e o Menino Jesus”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAProgressivamente, seu estilo se caracteriza pelo alargamento das figuras com uma iluminaçao própria, expressiva e ao mesmo tempo fantasmagórica, realizadas com uma combinaçao de cores contrastantes. A temática religiosa, predominante na obra do pintor, tinha como objetivo principal propagar a doutrina da Contrareforma e sua luta contra o Protestantismo, estabelecida pelo Concílio de Trento em 1563, sendo o centro do catolicismo espanhol a Arquidiocese de Toledo. Um dos temas preferidos para deter a expansao protestante foi a vida e o exemplo dos Santos Católicos, inúmeras vezes retratados por El Greco. Abaixo, vemos uma pintura de Sao Pedro, exposta no Museu de Santa Cruz de Toledo, cuja foto vemos na sequência.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC03546Outro tema fundamental era a Glorificaçao da Virgem Maria, cuja maternidade divina era negada pela Reforma Protestante de Lutero. Um exemplo é o quadro da “Imaculada Conceiçao” realizado entre 1607 e 1613 e também exposto no museu acima citado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAObservamos nesta obra o alargamento das formas e o sentido vertical do quadro, conduzindo o olhar do espectador ao rosto da Virgem, culminando em sua parte superior na pomba representativa do Espírito Santo.

Catedral de Astorga – Parte 2

O interior da Catedral de Astorga possui planta basilical formada por 3 naves e o mesmo número de ábsides poligonais. As bôvedas sao típicamente góticas, chamadas de crucería.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Trascoro, situado como o próprio nome indica na parte detrás do Coro, é neoclássico, e foi feito de materiais diversos, como mármore, jaspe, alabastro e bronze. Trata-se de uma verdadeira capela com um retabulo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANele, vemos duas imagens principais, a da Virgem no centro e de Santo Toríbio, Bispo de Astorga do séc. V, no alto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Coro é de estilo flamenco e foi executado com madeira de nogal. Foi realizado por Juan de Colonia, um dos arquitetos da catedral, em 1515.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte superior direita do Coro, vemos o belíssimo órgao barroco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs vitrais que compoem a catedral estao sendo, pouco a pouco, restaurados. Alguns sao medievais. Outros, de época moderna.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um detalhe barroco de uma de suas capelas e a cúpula.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa Catedral de Astorga estao sepultadas as conhecidas Enfermeiras Mártires de Somiedo, que foram fuziladas pelos republicanos no começo da Guerra Civil.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos maires tesouros artísticos do interior do templo é o Retábulo Maior. Esta grande obra de arte foi realizada por Gaspar Becerra (1520/1568), um dos grandes nomes do Renascimento Espanhol. Pintor e escultor, o artista viveu durante um tempo na Itália, e sua obra caracteriza-se por uma forte influência de Miguel Ângelo. Foi pintor da corte de Felipe II e este retábulo é uma de suas principais obras.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste retábulo, realizado na segunda metade do séc. XVI, foi revolucionário para a época, tornando-se motivo de inspiraçao para muitos outros que vieram depois dele. A claridade e monumentalidade arquitetônica, além de sua sobriedade decorativa, colaboraram para isso. Os temas escultóricos estao relacionados com a exaltaçao da Virgem Maria e a vida de Cristo. Na parte superior do retábulo, observamos o Calvário. Toda esta iconografia estava relacionada com o Concílio de Trento, cujas reformas visavam reafirmar os dogmas do Catolicismo, bem como uma tentativa de deter o avance do Protestantismo.