Monastério de Uclés – Prov. Cuenca

Antes de iniciar o primeiro post de 2020, gostaria de desejar um maravilhoso ano a todos vocês, repleto de harmonia, saúde e amor !!!! No final de 2019 realizei outras excursões organizadas por meus professores de história de Madrid e acompanhado por um grupo de 50 pessoas, sempre em busca de lugares de grande interesse histórico e artístico pela Espanha. O local escolhido numa delas incluiu uma cidade romana e um monastério que fazia tempo que tinha vontade de conhecer, situado na cidade de Uclés, que faz parte da Província de Cuenca, uma das províncias integrantes da Comunidade de Castilla La Mancha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs monastérios (mosteiros, em português) constituem instituições religiosas habitadas por monges em clausura. Também podem ser denominados Abadias (quando regidos por um abade) ou prioratos (dirigidos por um prior). O Monastério de Uclés, de grande importância histórica e religiosa no país, está situado no alto de um cerro, a cujos pés encontramos o povoado que dá nome ao monastério. Nesta pequena colina havia antigamente um castro celtíbero (pequeno povoado onde viviam tribos celtas que entraram em contato com os povos iberos, autóctonos do território espanhol). Séculos depois, os muçulmanos construíram no local uma fortificação, da qual se conservam apenas três torres e parte de sua muralha defensiva dupla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Monastério de Uclés faz parte de um grande complexo de construções realizadas em distintos períodos históricos, iniciando-se na época muçulmana e alcançando uma enorme importância como fortaleza propriedade da Ordem de Santiago, que o utilizou como sua sede principal, depois que a cidade de Uclés foi reconquistada pelo Rei Alfonso VIII, que acabou doando a antiga fortaleza a esta ordem religiosa da Espanha no ano de 1174.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Com o tempo, foram edificadas várias dependências nas quais viviam os membros da Ordem de Santiago, que se uniram à fortaleza inicial. Estas ampliações afetaram principalmente o sistema defensivo da fortificação, que em sua maior parte foi destruído. O Monastério de Uclés, tal como o conhecemos hoje, foi construído a partir de 1529, durante o reinado do Imperador Carlos I. Sua importância arquitetônica e artística se comprova pelos vários estilos da construção, relacionados ao prolongado tempo necessário até a finalização do conjunto monacal. Inicialmente, utilizou-se o estilo plateresco, que formou parte da primeira etapa do Renascimento na Espanha, caracterizado pela riqueza dos elementos decorativos. O projeto foi realizado por um arquiteto chamado Enrique Egas, de grande fama neste período.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o imenso pátio em forma de claustro do monastério, composto por 36 balcões distribuídos ao longo de seu perímetro. Foi construído no século XVII e apresenta dois níveis construtivos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XVI se construiu a igreja no estilo herreriano, caracterizado pela austeridade decorativa. Este estilo deve seu nome ao arquiteto Juan de Herrera, famoso por ter sido o responsável principal do projeto do Monastério de El Escorial, situado próximo a Madrid. Por esta razão, o Monastério de Uclés é considerado como “El Escorial de La Mancha“. A igreja finalizou-se em 1602.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da igreja foram sepultados vários membros relevantes da Ordem de Santiago, como Rodrigo Manrique e seu famoso filho, o poeta Jorge Manrique.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja possui apenas uma nave e um coro elevado. Em sua nave única se abrem capelas comunicadas entre si, onde podemos apreciar exposições sobre a Ordem de Santiago, além de várias obras artísticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior que presidia o Altar Maior era de estilo clássicos com tendências barrocas, mas foi danificado durante a Guerra Civil Espanhola do século XX, e posteriormente reconstruído. O quadro central do retábulo foi realizado pelo pintor real Francisco Rizzi no século XVII, sendo recentemente restaurado. Nele aparece o Apóstolo Santiago, santo padroeiro da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei a segunda parte da matéria sobre o Monastério de Uclés

 

 

Real Monastério de Santo Domingo – Caleruega

O povoado de Caleruega deve sua existência a que atualmente é sua principal atração turística, o Real Monastério de Santo Domingo. Sua história se remonta um pouco depois da morte de Santo Domingo, fundador da Ordem dos Dominicanos, em 1221, quando seu irmão, o Beato Manés, ordenou a construção de uma capela no local de nascimento do santo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAInicialmente, o monastério esteve habitado por freiras pertencentes à Ordem de Santo Agostinho. Com a canonização de Santo Domingo no século XIII, o Rei Alfonso X “El Sábio” ordenou o traslado de monjas dominicanas ao monastério, que tornaram-se as proprietárias do Senhorio de Caleruega a partir deste momento. Ou seja, a vila de Caleruega passa a pertencer à comunidade de religiosas dominicanas deste monastério, fato que se prolongou até o século XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um facsímil do documento original feito de pergaminho, no qual o Rei Alfonso X outorga o Senhorio de Caleruega ao Real Monastério de Santo Domingo, em 1266.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALodo depois, o monarca ordenou a construção de uma igreja gótica no local da antiga capela. Deste edifício do século XIII se conservam algumas interessantes esculturas religiosas, ambas do século XIII, como a do Arcanjo Gabriel e da Virgem da Anunciação em estado de gestação, uma representação rara em sua iconografia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADa igreja gótica também se conserva o coro, que vemos a seguir…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI se construiu uma nova igreja no estilo renascentista, que é a que vemos atualmente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro da nave vemos um belo Retábulo Maior de estilo renascentista, com cenas relativas à vida de Santo Domingo, cujas pinturas foram realizadas por Blas de Cervera (1584/1643). Em sua parte superior, vemos um calvário de madeira executado por integrantes da escola de Gregorio Fernández, um dos principais escultores barrocos da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO claustro do Monastério de Santo Domingo é muito bonito. Composto por dois níveis, o primeiro foi construído em pedra entre os séculos XIII e XIV, e o segundo é posterior, edificado somente no século XVIII, e construído com tijolos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a decoração dos capitéis do nível inferior do claustro….

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo claustro se encontra o que restou do sepulcro da Infanta Leonor, filha do Rei Alfonso X “El Sabio”, além da roupa com que foi sepultada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XX se construiu a cripta do monastério, presidido por um poço de água, em que a tradição o associa como o local exato de nascimento de Santo Domingo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a visita podemos apreciar várias obras artísticas, como esculturas de Santo Domingo e pinturas relacionadas com personagens relevantes da Ordem Dominicana, como a que vemos a seguir, um quadro do século XVII de Santo Tomás de Aquino, um dos mais importantes teólogos do cristianismo, e principal expoente da corrente denominada Escolástica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1868, dentro dos processos desamortizadores do século XIX, o Real Monastério de Santo Domingo deixou de se a proprietária do povoado de Caleruega, que começa a se desenvolver como um núcleo urbano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA No próximo e último post sobre Caleruega, publicarei uma matéria sobre seu filho ilustre, Santo Domingo de Guzmán, e a Ordem dos Dominicanos por ele criada.

Plaza de San Mateo – Cáceres

Prosseguindo com as matérias sobre a belíssima cidade de Cáceres, o post de hoje está dedicado a outros de seus espaços icônicos, a Plaza de San Mateo. Nela podemos visitar uma das igrejas mais importantes da cidade, um palácio e o Museu de Cáceres. A praça está presidida pela Igreja de San Mateo, cuja construção finalizou-se em 1602 sobre uma antiga mesquita islâmica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar da estrutura ter sido concluída no início do século XVII, sua torre campanário é do século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do templo possui apenas uma nave, e seu retábulo maior constitui uma verdadeira obra prima. Foi realizado com madeira de pino sem policromar pelo artista Vicente Barbadillo no estilo rococó, em 1765.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComo ocorre com outras igrejas da cidade, na Igreja de San Mateo também apreciamos túmulos pertencentes às famílias nobres de Cáceres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um dos belos vitrais da igreja, com a representação do Batismo de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo também acolhe um interessante conjunto de pinturas religiosas, como a que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1982, esta igreja foi declarada Monumento Histórico-Artístico. Ao seu lado situa-se outra das residências nobres de Cáceres, o chamado Palácio de las Cigueñas (cegonha, em português), assim denominado por esta espécie de ave que costuma construir seus ninhos no alto de sua esbelta torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste imponente palácio foi construído no final do século XV no estilo gótico pelo capitão Diego de Cáceres Ovando, com a permissão dos Reis Católicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO palácio possui um pátio interior, como normalmente ocorre nas residências nobres antigas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, realizam-se exposições temporárias no interior do palácio. Tive a oportunidade de visitar uma delas, sobre a história militar do país e admirar alguns detalhes decorativos do seu interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente ao Palácio de las Cigueñas vemos o Convento de San Pablo, fundado em 1492. Sua fachada destaca-se pela austeridade, mas apresenta uma bonita espadaña, como se conhece na arquitetura uma estrutura levantada com a função de campanário.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, o convento acolhe uma comunidade de freiras de clausura pertencente a Ordem de Santa Clara. No próximo post, veremos o Museu de Cáceres, também situado na Plaza de San Mateo

Igreja de San Francisco Javier – Cáceres

Bem próximo à Plaza de Santa María situa-se outra praça emblemática de Cáceres, a Plaza de San Jorge, dedicada ao santo padroeiro da cidade, representado numa escultura no centro da mesma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta bela praça está presidida pela Igreja de San Francisco Javier, um santo espanhol pertencente à Ordem dos Jesuítas, e conhecido como o Apóstolo das Índias, por sua atividade missioneira no continente asiático.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta igreja barroca do século XVIII fazia parte de um antigo colégio jesuíta, situado ao lado da igreja, e que atualmente é utilizado pelo governo da Comunidade de Extremadura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada da igreja está composta por duas torres quadradas e uma escultura de San Francisco Javier (1506/1552), junto com o escudo de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja segue o modelo dos templos jesuítas, com uma nave e capelas laterais que se comunicam entre si. O destaque fica por conta do Retábulo Maior, pintado na cor dourada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro do retábulo vemos uma pintura realizada pelo artista italiano Paolo de Matteis que retrata o conhecido milagre do caranguejo, um dos mais representados na iconografia de San Francisco Javier. Em uma de suas travessias pelo mar, o santo tentou acalmar uma tempestade submergindo seu crucifixo na água, fato que ocasionou sua perda. Quando chegaram à costa e triste pela perda do crucifixo, um caranguejo saiu do mar e se parou aos pés do santo, elevando o crucifixo entre suas pinças…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo estive na cidade um pouco antes do Natal, pude admirar vários presépios pela cidade. No interior da Igreja de San Francisco Javier organizaram uma exposição com beléns (presépio, em espanhol) de diversas partes do mundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa nave central da igreja foi montado um maravilhoso presépio feito com peças de Playmobil, que me impressionou pelo tamanho e riqueza de detalhes relacionados a várias civilizações da antiguidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA O acesso às torres estava permitido, e aproveitei para subir à parte mais elevada da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém na praça vemos um belo espaço, o Jardim de Doña Cristina de Ulloa, inaugurado em 1963 em homenagem a esposa do então prefeito da cidade, falecida num acidente de carro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igrejas Históricas de Córdoba – Parte 3

No post de hoje, veremos outras das Igrejas Históricas de Córdoba, que podem ser conhecidas num agradável passeio por seu centro histórico. A Igreja da Trindade (Iglesia de la Trinidad, em espanhol) está localizada na Plaza de la Trinidad, onde antigamente se erguia um convento fundado por Fernando III no século XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja que vemos atualmente data do século XVIII, inserindo-se dentro do estilo barroco. Abaixo, vemos uma foto do interior da igreja e o Retábulo Maior, construído no mesmo estilo em 1724. Está presidido pela chamada Virgem do Coro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, o belo órgão da igreja….

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém barroca é a Igreja de San Cayetano, edificada entre 1638 e 1656. Sua colorida fachada amarela, presidida por uma imagem do santo titular, é muito bonita…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO patrimônio religioso de Córdoba inclui alguns conventos cujas igrejas ainda podem ser admiradas, caso da Igreja de N.Sra de Gracia, pertencente a Ordem Trinitária.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO convento foi construído no começo do século XVII, sendo que a igreja começou a ser levantada em 1648. Abaixo, vemos uma foto do interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo foi saqueado pelo exército francês durante a ocupação napoleônica em 1808. O Retábulo Maior do século XVIII foi trazido de outro convento, em 1869.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA Muitos conventos oferecem dôces típicos preparados pelas freiras, algo que ocorre em muitas instituições religiosas espalhadas pelo país, como o Convento de Santa Ana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste convento foi fundado pela Ordem Carmelita no século XVII. Na fachada principal vemos as  esculturas de Santa Ana, a Virgem Maria e o Menino Jesus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo as matérias dedicadas às Igrejas Históricas de Córdoba com uma pequena ermita, situada junto ao Rio Guadalquivir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Belas Igrejas de Medina de Rioseco

Medina de Rioseco possui duas belíssimas igrejas, que podem ser conhecidas numa visita guiada organizada pela Oficina de Turismo da cidade. O único aspecto a se lamentar é que as fotos estão proibidas no interior destes magníficos templos, algo que gostaria de poder oferecer a vocês. De qualquer modo, no final do post, adicionarei vídeos do youtube para que tenham uma idéia de sua beleza. A Igreja de Santa María de Mediavilla é a principal da cidade. Foi edificada a partir do século XVI no estilo gótico, substituindo uma anterior construção românica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta igreja situa-se na parte mais elevada da cidade, e possui duas portas de acesso ao interior. A mais decorada é a do lado sul, com a escultura da Virgem no tímpano e os escudos dos Almirantes de Castilla e da própria vila em sua parte superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA portada norte é mais simples em seus elementos decorativos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma de suas partes mais impressionantes é a torre, construída no estilo barroco e finalizada em 1739.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma imagem do ábside e de alguns detalhes exteriores da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior, de excepcional beleza á a Capela funerária dos Benaventes, considerada a Capela Sixtina de Castilla e um dos mais reconhecidos conjuntos artísticos do Renascimento Espanhol. Outra maravilha é o Retábulo Maior, realizado por Juan de Juni, além do coro, que foi trazido do Convento de São Francisco em 1854, depois da desamortização dos bens eclesiásticos. A outra igreja de Medina de Rioseco é a Igreja de Santiago, projetada principalmente pelo famoso arquiteto Rodrigo Gil de Hontañón (1500/1577).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras iniciaram em 1533 e se prolongaram até o século XVII. A fachada exterior é de inspiraçao Herreriana, como se conhece o estilo criado por Juan de Herrera, autor do Monastério de El Escorial, onde estão sepultados a maioria dos reis espanhóis. Foi construída a modo de retábulo, e somente uma das torres finalizou-se, como vemos acima. Também na fachada, observamos símbolos relacionados ao Apóstolo Santiago, como a Cruz da Ordem que leva seu nome, e as conchas

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta sul é de grande beleza e muito decorada, também realizada como se fosse um retábulo, dividido em 3 partes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO conjunto escultórico que adorna a porta está presidido pela figura de Santiago Peregrino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA decoração de estilo renascentista desta porta projetada por Rodrigo Gil de Hontañón inclui elementos grotescos e  também os escudos dos Almirantes de Castilla e da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte superior triangular (denominada Frontón), aparece uma escultura de Deus Pai, que podemos observar na foto acima. Já a outra porta apresenta influências góticas, como a presença dos pináculos e as conchas de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da igreja, o grande destaque é o Retábulo Maior, realizado por Joaquín de Churriguera (1674/1724), um belo exemplo do estilo denominado Churrigueresco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, não deixem de ver os vídeos do Youtube, onde podemos contemplar o interior maravilhoso destas duas igrejas.

Igreja de Santa María:  https://www.youtube.com/watch?v=ukHIdA5iv4Q

Igreja de Santiago: https://www.youtube.com/watch?v=23gaepmAPis

Igreja de las Góngoras – Madrid

Madrid é considerada uma das capitais mundiais da Arte Barroca, graças a grande quantidade de igrejas existentes na capital construídas neste estilo. Um exemplo é a Igreja de las Góngoras, apelido popular com a qual se conhece a Iglesia de las Mercedarias Descalzas de la Purísima Concepción (original em espanhol), uma das mais belas e também desconhecidas da cidade.

20171203_125343Este templo está localizado no Centro Histórico de Madrid, em pleno Bairro de Chueca. Integra o convento fundado por D.Juan Jiménez de Góngora (Ministro do Conselho de Castilla e representante do Rei Felipe IV) em 1663. O Rei Felipe IV, depois de uma fase dissoluta de sua vida (o monarca ficou conhecido por sua intensa vida amorosa, dentro e fora do matrimônio…), passou a “cultivar” o espírito, patrocinando a construção de várias igrejas em Madrid, como esta. Curiosamente, a igreja está situada na Calle Luís de Góngora (1561/1627), em homenagem ao grande poeta do século XVII, fato que originou a denominação popular da igreja e uma certa confusão.

20171203_125605A igreja foi entregue a Ordem de la Merced, instituição religiosa fundada no século XIII por San Pedro Nolasco e San Raimundo Peñafort com o objetivo principal de resgatar os reféns cristãos em poder dos muçulmanos. Abaixo, vemos o escudo da ordem colocado no muro exterior da igreja e uma imagem da rua onde se situa o templo…

20171203_12530420171203_125435A igreja foi projetada pelo arquiteto Fray Manuel de San Juan Bautista y Villarreal e finalizada por Manuel de Olmo. Este último arquiteto foi o responsável pela construção da cúpula e de boa parte do interior. Nada no exterior da igreja, simples e austero, nos faz pensar que no interior da igreja encontremos uma das amostras mais significativas do Barroco Madrilenho.

20171203_124042Na foto acima, vemos uma parte da cúpula da igreja, um exemplo deste tipo de estrutura arquitetônica denominada Cúpula Encamonada, isto é, construída por uma armaçao de madeira e revestida com gesso. Esta forma de construir tinha como finalidade baratear os custos construtivos, numa época de grande crise econômica como no século XVII. A seguir, vemos uma foto tirada debaixo da cúpula.

20171203_124649A decoração interior é belíssima, com destaque para o Retábulo Maior, realizado por Diego Martínez de Arce em 1762 e presidido pela imagem central da Imaculada Conceição, feita pelo grande escultor Juan Pascual de Mena. Na parte superior, vemos a Deus Pai rodeado de anjos e, nas laterais, duas esculturas de religiosas mercedárias, Santa María de Cervelló e da Beata Mariana de Jesús, também de Pascual de Mena. Quatro colunas jônicas rematadas com capitéis dourados, feitos de madeira policromada imitando o mármore, completam o conjunto.

20171203_124620Juan Pascual de Mena (1717/1784) foi diretor da Real Academia de Belas Artes de San Fernando, e responsável pelo projeto de uma das fontes mais conhecidas de Madrid, a Fonte de Netuno. A nave transversal foi decorada com dois grandes tapetes, algo que eu nunca tinha visto na decoração de uma igreja.

20171203_12474320171203_124632A Igreja de las Góngoras chegou aos dias atuais em perfeito estado de conservação, com inúmeras obras de arte que podem ser admiradas. Abaixo, vemos o retábulo de N.Sra de la Soledad de la Victoria (século XVIII), com um quadro representativo da virgem do século XVII.

20171203_124550Outro grande escultor barroco espanhol, Luis Salvador Carmona (1708/1767), deixou sua maestria nesta imagem de São José.

20171203_124116Uma das conhecidas Virgens Negras da Espanha, Nossa Senhora de Montserrat, foi representada neste quadro do século XVII…

20171203_124603Belíssimas esculturas de Cristo integram a ornamentação da igreja, como esta do denominado Cristo da Boa Morte, do século XVII.

20171203_124307Abaixo, vemos outra foto do interior da igreja, onde observamos espaços dedicados à clausura das freiras.

20171203_124844