Reus Modernista – Pere Caselles (Última Parte)

O extenso e variado legado do arquiteto modernista Pere Caselles i Tarrats em Reus incluiu não somente belos edifícios residenciais, como também muitas outras obras públicas. Neste último post sobre sua obra, veremos algumas delas. A Igreja de Sant Joan Baptista foi construída a partir de 1912 no estilo neogótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja permaneceu inacabada. Durante a Guerra Civil Espanhola, o templo foi queimado, motivo pelo qual teve que ser reconstruída nos anos 40 do século XX. Abaixo, vemos o projeto original do arquiteto para sua fachada principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior, apesar das circunstâncias históricas, é muito interessante, como podemos observar nas fotos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja conserva belos vitrais, como vemos no detalhe a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPere Caselles incorporou o estilo modernista na arquitetura industrial. Em 1906, executou o projeto de uma Estação Enológica, criada no ano anterior por decreto real. Inicialmente foi pensada como uma Escola Nacional de Agricultura, com o tempo passou a ser usada como um local para o desenvolvimento de técnicas para a obtenção do vinho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO andar térreo foi destinado a oficinas, enquanto no primeiro andar situava-se a residência do engenheiro responsável e no andar superior para os demais funcionários. Em sua fachada foi colocada uma torre com finalidade não somente estética, mas devido a necessidade de poder abrigar instrumentos de observaçao metereológica. Em sua parte decorativa, vemos capitéis decorados com frutas, uma referência ao uso agrícola do local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo a este edifício Pere Caselles projetou o Matadouro em 1889, também com elementos modernistas. Atualmente é a sede de uma Biblioteca Pública e da Universidade Obreira da Catalunha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe grande interesse, a Escola Prat de la Riba constitui um exemplo da modernização do ensino através do desenho arquitetônico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO projeto desta instituiçao reflete o interesse pelas correntes higiênicas presentes na reforma educacional da época, com ambientes frescos propiciados pela constante renovação do ar, além de espaços bem iluminados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte exterior foi construída com materiais resistentes e de fácil manutenção, como a pedra e o tijolo. Nela aparecem como elementos decorativos o Escudo da Catalunha, na imagem acima, e o da Espanha, sustentados por dois leões, prova de que o edifício foi financiado pelo estado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARepresentações florais geometrizadas em pedra também integram sua decoração, como se fossem os capitéis dos pilares construtivos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma série de painéis decorativos feitos de cerâmica completam o conjunto, com desenhos azuis sobre fundo branco que retratam episódios do Novo Testamento relacionados à infância. Foram realizados por Francesc Labarta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA escola continua exercendo seu papel educacional ainda hoje…

Reus Modernista – Pere Caselles (Parte 2)

Neste segundo post sobre a obra arquitetônica de Pere Caselles i Tarrats, veremos outros edifícios projetados por ele em Reus, que integram o invejável patrimônio modernista da cidade. De 1905, a Casa Anguera destaca por sua esbelta decoração floral, recentemente restaurada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEste edifício constitui a única obra de Pere Caselles em que os elementos decorativos possuem um caráter basicamente escultural. Os esgrafiados também possuem motivos florais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1908, o arquiteto realizou a Casa Sagarra, com uma decoração que inclui esgrafiados, a presença de animais fantásticos, motivos vegetais e bustos femininos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe 1909, a Casa Tomàs Jordi destaca por seu belo trabalho de ferro forjado nos balcões. Os elementos decorativos foram realizados com pedra natural, incluindo rosas (que aparecem no escudo da cidade) e rostos femininos, tipicamente modernistas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs três janelas de cada andar do edifício coincidem com as três portas do andar térreo, facilitando a entrada de luz natural. Abaixo, detalhes decorativos do edifício…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASituada na importante Plaza del Mercadal, a Casa Piñol foi construída em 1910. O edifício foi propriedade do comerciante Tomás Piñol Gasull, sócio fundador da Sociedade Manicômio de Reus, promotora da construção do Instituto Pere Mata. Sua decoração se concentra nos balcões e no coroamento da fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs elementos decorativos florais ganham em complexidade na medida em que o edifício aumenta sua altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém construída em 1910, a Casa Grau Pla recebeu uma grande influência do modernismo belga, graças a viagem que o proprietário Miguel Grau Cabré realizou a Bruxelas. Apresenta uma interessante decoração floral, além das linhas curvas do edifício em sua parte superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro edifício realizado pelo arquiteto Pere Caselles que recorda o modernismo do centro da Europa, a Casa Ramon Vendrell foi concluída em 1912. O proprietário, Jaume Ramon, encarregou o arquiteto a reforma de duas casas vizinhas, transformando-a em uma só. Sua decoração concentra-se nos andares superiores, com rostos femininos e as formas habituais do estilo modernista de Viena nos cabelos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Instituto Pere Mata – Reus

Na matéria de hoje veremos uma das principais construções modernistas, não somente de Reus, como de toda a Espanha. O Instituto Pere Mata, situado a pouca distância do centro da cidade, constitui uma verdadeira jóia do estilo, e recomendo sua visita.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASua origem surgiu quando foi constatada a necessidade de construção de um centro hospitalar em Reus para o atendimento de doenças mentais, segundo as novas correntes terapêuticas que estavam sendo desenvolvidas no final do século XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara conseguir os recursos econômicos necessários para sua construção, foi criada em 1896 a Sociedade Manicômio de Reus, formada por 35 comerciantes, profissionais liberais e industriais. O presidente do conselho administrativo, Pau Font de Rubinat, eram bem relacionado com o famoso arquiteto Lluís Domènech i Montaner, que foi o encarregado de executar o projeto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO complexo hospitalar foi articulado segundo o esquema de pavilhões construídos de acordo com os novos princípios no tratamento dos doentes, que posteriormente Lluís Domènech i Montaner também empregaria no Hospital de Sant Pau i Santa Creus de Barcelona. Em junho de 1897, o arquiteto entregou o plano geral do centro, composto por 11 pavilhoes separados por amplos jardins.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO conjunto apresenta uma grande unidade estilística, ao ser edificado principalmente com pedra e tijolo. As portas e janelas foram emolduradas com pedra calcárea, e para a decoração das fachadas, se utilizou cerâmica esmaltada azul e branca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANum dos painéis cerâmicos vemos a representação do escudo da Catalunha (lado direito) e o da cidade de Reus (lado esquerdo).

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe todos os pavilhões existentes, o denominado Pavilhão dos Distinguidos é o único que se pode visitar, pois os demais continuam exercendo sua atividade hospitalária. Este belíssimo pavilhão destaca-se dos demais, e foi projetado para os enfermos de alto poder aquisitivo. Sua parte inferior acolhe diversas dependências, enquanto no nível superior se encontram os quartos. Abaixo, vemos a escada de acesso ao nível superior, projetada sem um vão central para evitar possíveis acidentes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, o corredor do nível superior, onde se distribuem os quartos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mais impressionante do Instituto Pere Mata, além de sua excepcional decoração, é que conserva todo o mobiliário original. Abaixo, vemos alguns quartos do Pavilhão dos Distinguidos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa continuação, publico algumas fotos dos banheiros e salas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos as dependências do nível inferior do Pavilhão dos Distinguidos do Instituto Pere Mata

 

Reus Modernista

O principal motivo de minha viagem a Reus foi a possibilidade de conhecer seu excepcional patrimônio arquitetônico relacionado ao Estilo Modernista. Esta corrente artística, da qual sou grande admirador, esteve em voga na Europa a partir do final do século XIX até a década de 20 do século XX, aproximadamente. Nesta época, Reus era a segunda cidade em importância de toda a Catalunha, e o Modernismo foi utilizado de forma abundante para a construção de diversos edifícios espalhados pela cidade. A grande quantidade de edifícios modernistas reflete a pujança da classe burguesa de Reus, que passou a servir-se do estilo como símbolo de sua riqueza e poder. Um exemplo é a Casa Matorell, construída em 1915.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada uma das principais atrações da cidade, a denominada Rota Modernista de Reus está composta por 26 edifícios, que podem ser facilmente conhecidos através de planos indicativos que se pode obter nas Oficinas de Turismo da cidade, e integra a chamada Rota Européia do Modernismo. Muitos destes edifícios foram catalogados como Monumentos Históricos-Artísticos, comprovando a importância de seu conjunto modernista, um dos mais importantes de todo o continente. Nesta série de posts que começo a publicar hoje, vocês terão a oportunidade de conhecer a grande maioria destes belos edifícios. A Casa Bartolí, por exemplo, foi construída em 1903 pelo arquiteto José Lubietas, e situa-se numa das ruas comerciais mais importantes de Reus, a Carrer de Llovera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada do edifício foi construída somente com pedra esculpida e sua decoração baseia-se em elementos geométricos e vegetais. No andar térreo situa-se um estabelecimento comercial com o nome escrito e decorado com a estética modernista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs edifícios modernistas de Reus são facilmente identificáveis através de uma placa de bronze colocada na calçada, em frente ao edifício, com seu nome, ano de construção e o arquiteto responsável pela obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOtro arquiteto importante que deixou um belo legado modernista foi Joan Rubió i Bellver (1870/1952), nascido na cidade. Foi discípulo e colaborador de Gaudí, trabalhando na Sagrada Família, no Park Guell e na Casa Batlló, todos eles em Barcelona. Dele é a Casa Serra, construída entre 1924 e 1926.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém neste caso, a fachada principal foi construída inteiramente em pedra, comprovando o interesse do arquiteto pelas construções tradicionais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Estilo Modernista não foi somente utilizado para os edifícios residenciais, como também para outros lugares públicos. Um exemplo é o Dispensário Antituberculoso, igualmente projetado por Joan Rubió i Bellver em 1926.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO local ficou isolado da rua mediante um pequeno jardim onde se abriu uma porta reutilizada, procedente de um antigo convento de freiras carmelitas. O centro foi construído para atender as pessoas afetadas pela tuberculose. como o próprio nome indica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos arquitetos fundamentais do Modernismo, Lluís Domènech i Montaner, deixou alguns dos edifícios mais belos da cidade (que em breve veremos no blog). Seu filho, Pere Domènech i Roura (1881/1962), estabeleceu uma ligação com Reus através do pai, realizando a Casa Marco em 1926.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste edifício apresenta uma singular fachada, localizada na esquina de duas ruas, com uma curiosa tribuna caracterizada pela combinaçao de formas geométricas, o cubo e o círculo. Seu projeto revolucionou a arquitetura da cidade, e anuncia a chegada do Estilo Art Decô.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA