Paseo de la Isla – Burgos

Burgos é uma cidade de tamanho médio, com cerca de 180 mil habitantes. Conta com um extenso patrimônio histórico e uma Catedral Gótica que foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Sua zona urbana possui uma interessantíssima área verde chamada Paseo de la Isla, que situa-se paralela ao Rio Arlanzón, que atravessa a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASeu nome se deve às pequenas ilhas situadas no rio. Antigamente, às margens do curso fluvial, os comerciantes que trabalhavam com a lã, produto histórico que propiciou o desenvolvimento da cidade, tinham seus lavadeiros. O desaparecimento desta atividade permitiu o ajardinamento da zona, que passou a constituir o Paseo de la Isla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderado um verdadeiro Jardim Botânico, possui cerca de 100 espécies diferentes de árvores, a maioria delas de procedência exótica. Está localizado fora das antigas muralhas medievais, pois no interior do recinto defensivo era impossível a existência de uma extensa área verde como esta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XIX, o Paseo de la Isla adquiriu características românticas, e diversos monumentos históricos foram trazidos para embelezar o jardim, como um arco renascentista, que vemos na foto acima e abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPodemos apreciar uma pia batismal procedente da desaparecida Igreja de San Martín

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVárias fontes ornamentais decoram o local, como podemos ver a seguir…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um detalhe da fonte que vemos acima…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XIX se construiu uma pequena mas bela cascata…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstátuas de personagens históricos também podem ser vistas, além de exemplos da interessante arquitetura dos edifícios situados junto ao paseo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Arco de Santa Maria – Burgos

Burgos é uma cidade monumental com uma grande quantidade de locais históricos para se conhecer. Um de seus monumentos mais emblemáticos é o denominado Arco de Santa Maria, a porta de entrada mais importante da antiga muralha medieval.

20150725_174931Esta belíssima estrutura comunica a Ponte de Santa Maria, situada sobre o Rio Arlanzón, que atravessa a cidade, com a Plaza del Rey San Fernando, local onde se ergue sua maravilhosa catedral gótica. Foi construído a partir dos séculos XIV, mas entre 1536 e 1553 foi reformada para receber o Imperador Carlos V em sua visita pela cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA reforma do Arco de Santa Maria foi realizada pelos arquitetos Juan de Vallejo e Francisco de Colonia, que conceberam um grande arco triunfal, distribuído como se fosse um retábulo feito de pedra. Finalizou-se com a incorporação de várias estátuas, realizadas pelo escultor Ochoa de Arteaga, que representam personagens de relevância do antigo Reino de Castilla, da própria cidade de Burgos e da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO arco está presidido pela Virgem de Santa Maria, padroeira da cidade. Entre os personagens representados, destacam o herói castelhano El Cid, que viveu na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE o Imperador Carlos V

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a fachada posterior do arco, construída no século XIV…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Arco de Santa Maria foi a sede da Prefeitura da cidade até a construção da atual Casa Consistorial, erguida no século XVIII e situada na Plaza Mayor de Burgos. O mais interessante é que podemos visitar seu interior. Uma escada de origem medieval nos conduz à sala principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a sala principal, formada por dois níveis…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO espaço está coberto com uma grande estrutura de vidro e decorada com o Escudo da cidade de Burgos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento decorativo de interesse é uma pintura mural realizada em 1971 pelo pintor José Vela Zanetti, nascido na cidade, e dedicada ao Conde Fernán González e a Independência do antigo Reino de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1878 e 1955, o Arco de Santa Maria foi a sede do Museu Arqueológico da Província de Burgos. A seguir, vemos a Sala de la Poridad, de formato octogonal, onde eram realizadas as reuniões do Conselho de Burgos até 1780.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeus muros foram decorados com pinturas murais datadas do século XVI, que representam, entre outros, ao Imperador Carlos V e seu filho, Felipe II.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA sala está coberta por um belo artesanato de estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre os diversos objetos históricos que conserva, destacam, entre outros, uma cadeira onde se sentavam os juízes de Castilla para impor a justiça…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE um osso de El Cid Campeador….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAcolhe também um Museu de Farmácia, com uma interessante coleção de recipientes de cerâmica dos séculos XVII ao XIX, procedente do desaparecido Hospital de San Juan, considerada uma das mais importantes do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1943, o Arco de Santa Maria foi devidamente protegido por sua relevância histórica, ao ser declarado Monumento Histórico-Artístico Nacional. Atualmente, também é utilizado como Centro Cultural, onde se organizam diversas exposições temporárias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

El Cid em Burgos

O personagem lendário de El Cid foi criado através do poema épico anônimo El Cantar de Mio Cid, que relata as façanhas do herói castelhano e inspiradas nos últimos anos de sua vida, depois que foi desterrado por primeira vez pelo rei Alfonso VI. Foi escrito em torno ao ano 1200, e se trata da primeira obra narrativa da Literatura Espanhola em língua romance, uma evolução do latim vulgar. Se conserva quase completo e atualmente se encontra na Biblioteca Nacional de Madrid. Existe inclusive uma rota literária inspirada no poema, a denominada Rota de El Cid, que passa pelos locais em que esteve Rodrigo Díaz de Vivar. Como não poderia ser de outra forma, o trajeto inicia-se na vila de Vivar, seu local de nascimento. Em Burgos, existem muitos monumentos associados à figura de El Cid, que veremos a seguir. Está indicado, por exemplo, o local onde El Cid residiu na cidade, o chamado Solar de El Cid.

20150727_104531Muitas das histórias de El Cid se relacionam com as lutas sucessórias pela Coroa de Castilla y León. O rei Fernando I havia unificado ambos reinos, e no seu testamento havia repartido  seu território entre seus filhos: a Sancho II deixou o Reino de Castilla, a Alfonso VI coube o Reino de León e ao terceiro filho, Garcia, coube governar Galícia e Portugal. Apesar de devidamente distribuído, a discórdia entre os irmãos sobre a regência de cada região provocou inúmeros conflitos, até que o rei Sancho II foi assassinado em Zamora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEl Cid havia prestado fidelidade a Sancho II e obrigou a Alfonso VI a realizar um juramento em 1072, conhecido como de Santa Gadea, em que reconhecia que o herói não teve nenhuma participação no crime. Esta acontecimento ocorreu, segundo o poema, na Igreja de Santa Agueda de Burgos, seu atual nome, que vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja atual é gótica do séc. XV, que substituiu um anterior templo românico. Na fachada principal, foi colocado uma inscrição que relata que no local se realizou o dito juramento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local de referência em Burgos relativo a El Cid é a Ponte de San Pablo. Recebeu este nome por estar situada próxima ao Convento dedicado a São Paulo, atualmente desaparecido. O primeiro documento que notifica a existência desta ponte data de 1242.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi reformada várias vezes devido as inúmeras enchentes provocadas pelo RIo Arlanzón, principalmente nos séculos XVI e XVIII. No séc. XX, decidiu-se alargar a ponte, num momento de grande fervor em torno a figura de El Cid. Por isso, se planificou um grande projeto escultórico e arquitetônico em torno ao personagem, realizado pelo arquiteto Fernando Chueca Goitia. Várias foram as estátuas realizadas com personagens vinculados a El Cid, esculpidas por Joaquín Lucarini em 1954, depois de ter vencido o concurso nacional para sua realização.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre os personagens representados, vemos o de sua esposa Jimena,  na foto acima. Na Catedral de Burgos, além do simples túmulo do herói e de sua esposa situados na nave central, vemos também o denominado Cofre de El Cid, supostamente cheio de moedas e recebido por amigos judeus, depois que El Cid foi desterrado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo belo Arco de Santa Maria, El Cid aparece representado, ao lado de personagens reais, comprovando a importância do herói na cultura histórica de Burgos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior desta porta monumental, se guardam ossos do herói, com certificados de autenticidade, assim como outros objetos, como sua famosa espada. Alguns monumentos celebram o primeiro desterro de El Cid, como o de abaixo, chamado Glera. Segundo o poema, neste local, às margens do Rio Arlanzón, acampou El Cid quando soube da decisão de Alfonso VI de expulsá-lo do Reino de Castilla. O rei havia proibido os habitantes da cidade em ajudá-lo, sob pena de perda de seus bens e “os olhos da cara”…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1955, o escultor Juan Cristóbal, em colaboração com o arquiteto Fernando Goitia acima mencionado, realizou o monumento mais famoso de El Cid em toda a Espanha, sua estátua equestre em Burgos, inaugurada com grande solenidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, que dividirei em duas partes, veremos a Rota de El Cid existente em várias partes do país, que nos possibilita conhecer os itinerários por onde passou o herói, desde os antigos lugares que formavam o Reino de Castilla até Valencia.

Monastério de las Huelgas – Burgos

Outra instituição religiosa de capital importância medieval na cidade de Burgos é o famoso Monastério de Santa María La Real de Las Huelgas. Como o próprio nome indica, o monastério é uma fundação real, criado por Alfonso VIII (1156/1204) e sua esposa, a rainha da Inglaterra, D. Leonor de Aquitania (1160/1214).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO monastério fazia parte de um complexo residencial no qual o rei Alfonso VIII pudesse ter um Panteão Real para ele e seus descendentes. D. Leonor, no entanto, desejava transformá-lo numa abadia feminina, que estivesse submetida somente a autoridade do papa. Finalmente, ambos conseguiram concretizar seus desejos, pois no interior do monastério se encontra o sepulcro dos monarcas, sendo considerado o monastério feminino pertencente a Ordem Cistercense mais poderoso e influente da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANeste monastério estiveram como religiosas boa parte das damas castelhanas na Idade Média. Sua abadessa chegou a possuir poderes extraordinários sob um amplo território, incluindo 14 povoados grandes e 50 pequenos. Em seu interior celebraram-se cerimônias solenes de armamento como cavalheiros de muitos dos Reis de Castilla, como Fernando III, Alfonso X, Alfonso XI, Enrique II e Juan I.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas margens do Rio Arlanzón existia no séc. XII um lugar chamado Huelgas del Rey, que foi escolhido por Alfonso VIII para a fundação do monastério. Este termo, de uso corrente na Idade Média, designava as comarcas de pasto para o gado que não se dedicavam ao trabalho (denominadas de Huelgo). O nome se estendeu ao monastério e ao terreno onde estava situado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1187, o Papa Clemente III concedeu a bula de aprovação para a fundação do Monastério de las Huelgas, dedicado a Santa Maria, e no mesmo ano o rei outorgou a carta fundacional sob a regência da Ordem Cistercense. Doze anos depois, os fundadores entregaram o monastério às religiosas, com uma cláusula de que ele e seus sucessores fossem enterrados no local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO exterior do monastério está protegido por um duplo recinto de muralhas, uma que cerca a clausura e outro que formou a bela praça de acesso ao interior do mesmo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Monastério de las Huelgas representa um dos conjuntos mais notáveis da Arquitetura Medieval Espanhola, onde o Românico, Gótico, Mudéjar e o Renascimento deixaram suas marcas em distintos espaços da construção. O primeiro mestre de obras conhecido é o Mestre Ricardo, que trabalhou no final do séc. XII e começo do XIII, sendo recompensado pelo rei pelos trabalhos realizados, como por exemplo o Claustro Românico, a parte mais antiga do monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste precioso claustro possui um formato quadrado, composto por 12 arcos sustentados por colunas duplas de cada lado. Sua construção foi realizada entre 1180 e 1190, sendo o único local do interior do monastério onde as fotos estão permitidas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi levantada no primeiro terço do séc. XIII no estilo gótico. Também do mesmo estilo é o denominado Claustro de San Fernando. Com o tempo, a ampla jurisdição e senhorio do monastério foi decaindo, mas atualmente sua importância continua intacta, pois nele são escolhidas as autoridades religiosas da Ordem do Císter na Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o monastério é uma propriedade do Patrimônio Nacional, entidade que administra os bens do estado a serviço da Coroa Espanhola. Para todos (as) aqueles (as) que visitam a cidade de Burgos, este é um local obrigatório. As visitas são guiadas, e vale a pena conhecê-lo, por sua importância artística, histórica e religiosa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Praça Maior de Burgos

Como sucede muitas vezes com a história das denominadas Praças Maiores da Espanha, na Praça Maior de Burgos se realizava antigamente o mercado da cidade. Os carros, puxados por cavalos, nela entravam pela Porta das Carretas, uma porta menor que integrava a muralha, para então chegar aos postos de venda, distribuídos pelo entorno da praça.

20150727_113517No final do séc. XVIII, a Praça Maior sofreu uma profunda reforma, e tanto a porta quanto a muralha foram derrubadas. No lugar da Porta das Carretas, se construiu o Edifício do Ayuntamiento, também chamado de Casa Consistorial. Foi edificada no estilo neoclássico, obra do arquiteto burgalês Fernando González de Lara, em 1784.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois de sua inauguração, efetuou-se o derrubamento da muralha, e muitos outros edifícios foram construídos posteriormente, outorgando a praça o aspecto que possui atualmente.

20150727_113434A Praça Maior continua sendo um dos principais pontos de encontro da cidade. Cercada por comércios variados e restaurantes, é um bom lugar para relaxar e ver o ambiente local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA praça possui um formato de polígono irregular, e quando o sol aperta (também para fugir do intenso frio dos meses invernais), as galerias que a cercam são um bom refúgio para seus habitantes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante as reformas da praça no séc. XVIII, foi colocada em seu centro uma estátua do rei Carlos III, que colaborou para a transformação da cidade. Neste período, e graças ao espaço criado com a derrubada da muralha, foram abertos novas áreas de ócio para os cidadãos, como o conhecido Paseo del Espolón.

20150725_180250Devido a proximidade com a Praça Maior e o Centro Histórico, este espaço ajardinado converteu-se numa das áreas mais frequentadas de Burgos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Paseo del Espolón situa-se entre o Rio Arlanzón e a Praça Maior, que podemos entrar através de portais. O jardim foi decorado com as estátuas reais que foram construídas para o Palácio Real de Madrid, mas que nunca chegaram a ocupar o local, sendo distribuídas em vários locais da capital, bem como para outras cidades espanholas. No caso de Burgos, foram doadas por Carlos III, principalmente aquelas estátuas que representam personagens vinculados a sua históriaOLYMPUS DIGITAL CAMERANão poderia faltar o belo coreto colocado no centro do Paseo del Espolón.

20150725_180113OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos mais algumas imagens deste agradável lugar da cidade de Burgos

OLYMPUS DIGITAL CAMERA20150725_180129

Burgos – Castilla y León

Burgos é uma das cidades mais belas e interessantes da Comunidade de Castilla y León. A última vez que lá estive foi quando voltava de Asturias, e realizei uma parada estratégica na cidade para conhecê-la como se deve, com calma e tranquilidade para apreciar sua riqueza monumental, percorrendo suas ruas e visitando seus inumeráveis monumentos. O resultado é esta série sobre a cidade que hoje iniciamos. Motor industrial da região, Burgos é a segunda cidade mais populosa da comunidade com 170 mil habitantes, sendo superada apenas por Valladolid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADinâmica e cultural, Burgos é a capital da província homônima, com um patrimônio histórico e artístico dos mais relevantes. A cidade sempre foi uma das mais importantes do país, e este fato se deve, em parte, a sua excelente localização geográfica, entre o norte e o centro de Espanha e o leste e oeste pelo Caminho de Santiago, do qual faz parte. A Província de Burgos possui 3 locais declarados Patrimônio da Humanidade pela Unesco: o referido Caminho de Santiago, sua maravilhosa Catedral Gótica e a Serra de Atapuerca, local onde foram encontrados os primeiros povoadores do continente europeu em seus recintos arqueológicos.

20150727_113704A cidade surgiu no ano 884dC no denominado Cerro de San Miguel, quando o local foi povoado pelo Conde Diego Parcelos, que construiu uma pequena fortaleza militar, sob o mandato do rei Alfonso III. Antes do ano 1000, já havia se transformado numa pujante vila, consolidando-se como centro político do antigo Reino de Castilla. Desde 915, passa a ostentar o título de cidade e em 932 torna-se a capital do reino castelhano.

20150725_201049Burgos se converteu na residência habitual dos reis castelhanos e de destacados nomes da nobreza. Em 1075, passa a ser sede episcopal, possibilitando a construção da catedral no séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO auge do Caminho de Santiago na Idade Média fez com que a cidade  se desenvolvesse ainda mais. Por iniciativa real, se constrói os primeiros hospitais para os peregrinos, como o de San Juan, em 1085. Nos séculos seguintes, graças aos privilégios concedidos, transforma-se no centro de poder político de um amplo território. O séc. XIV foi um período de recessão econômica para Castilla, que se recupera nos séc. XV e XVI, quando Burgos atinge uma época dourada e sua população se duplica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade se consolida através da prosperidade alcançada por uma oligarquia composta pela nobreza e por uma rica classe de comerciantes, que exporta a produção de lã para muitas regiões europeias, principalmente Flandes. O resultado deste crescimento econômico é palpável nas construções góticas e renascentistas do período, tanto no nível religioso, quanto civil. Muitos artistas de excepcional talento se assentam na cidade, como Felipe Vigarny e Diego de Siloé, entre tantos outros, situando a escola burgalesa na cabeça da cultura espanhola da época.

20150726_164417A diminuição da demanda têxtil no resto da Europa, aliada a falta de uma infraestrutura que pudesse criar uma economia mais diversificada, foram os fatores de sua decadência. A mudança da capital para Madrid em 1561 também colaborou para seu declínio. No séculos XVII e parte do XVIII, a decadência se acentua, devido às  epidemias e  fome resultante, ocasionado o retrocesso da população à metade ( de 12 mil no final do séc. XVI, para 6 mil em 1631). A partir da segunda metade do séc. XVIII, coincidindo com o reinado de Carlos III, uma nova fase de expansão reativa o dinamismo da cidade. Prova disso é a estátua do monarca que preside a Praça Maior de Burgos, realizada em 1784 como forma de agradecimento ao rei que contribuiu para o ressurgimento da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do séc. XIX, a cidade entra em seu período burguês, quando obras são realizadas para favorecer seu crescimento, como a derrubada de parte de sua muralha para a edificação de lugares de ócio para os cidadãos, como o Paseo de Espolón, que se converte num ponto de encontro e local referente de seus habitantes. Abaixo, vemos uma parte da muralha que se conserva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA antiga cidade cresce, portanto, além de seu recinto amuralhado, modernizando-se. A população aumenta em decorrência da migração rural e a chegada da ferrovia em 1860 acentuou seu desenvolvimento industrial, que prosseguiu no séc. XX. Atualmente uma cidade de serviços, Burgos se orgulha de seu passado, mas não vive apenas dele, graças a inovações presentes em diversos setores, transformando a cidade num lugar com excelente qualidade de vida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA rica história da cidade pode ser conhecida no Museu de Burgos, sediado em duas casas construídas no séc XVI, a pertencente a família dos Miranda e a de Iñigo Angulo, ambas construídas por Juan de Vallejo, mas com uma fachada bem contemporânea.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a Calle Lain Calvo, uma das principais vias comerciais da cidade.

20150727_124848A cidade é cortada pelo Rio Arlanzón, cujas margens podem ser percorridas em agradáveis passeios….

20150727_145647A partir do próximo post, vocês conhecerão o rico patrimônio histórico e artístico de Burgos. Espero que vocês desfrutem tanto quanto eu…