Igreja de Santa Cruz de Madrid – Parte 2

Na matéria de hoje veremos o interior da Igreja de Santa Cruz de Madrid. Como em sua parte exterior, o estilo construtivo do interior é o neogótico, que podemos notar nos arcos ojivais presentes em sua estrutura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstá formado por uma só nave e oito capelas laterais. Possui uma bôveda de crucería característica da arquitetura gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe muito interesse é o cimbório, sustentado por arcos escalonados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALamentavelmente, o templo foi bombardeado durante a Guerra Civil e muitos dos retábulos e esculturas tiveram que ser refeitos. O Retábulo Maior, por exemplo, foi realizado pelo artista Emilio Tudanca em 1962.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo altar maior se venera um “Lignun Crucis“, uma das relíquias mais sagradas do cristianismo, pois se trata de um pedaço da cruz onde Cristo foi crucificado. Abaixo vemos o órgão e o belo rosetón situado no transepto, ou o braço transversal em relação à nave do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANas capelas podem ser admiradas muitas imagens veneradas pelos madrilenhos. A de São Judas Tadeu, por exemplo, é uma das que oferecem a maior devoção. Muitos fiéis acodem ao interior da igreja para adorar sua imagem e solicitar pedidos ao santo dos desejos impossíveis. A imagem vemos abaixo, do lado direito da foto, com o Cristo Nazareno no centro e a escultura da Esperança da Triana no lado esquerdo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela de San Antonio de Pádua conserva um belo quadro do séc. XVII .

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra Capela significativa é a da Sagrada Família, constituída por um retábulo de estilo barroco com colunas salomônicas, realizado por Francisco Palma Burgos em 1943. O grupo escultórico é de autoria de Ricardo Pons. Embaixo do retábulo vemos uma escultura de Cristo jacente, realizada por Jacinto Higueras em 1941, que substituiu uma anterior do grande Pedro de Mena, queimada durante a Guerra Civil.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEspecialmente bonitos são os vitrais, fabricados pela conhecida Casa Maumejeán. Esta empresa familiar foi fundada pelo francês Jules Pierre Maumejeán. Seus 5 filhos continuaram o trabalho artístico do pai, seguindo a tradição na fabricação de vitrais de grande qualidade durante mais de 150 anos.Vários dos membros da família se estabeleceram na Espanha, contribuindo com a decoração de pinturas sobre o vidro para inúmeros edifícios, tanto civis quanto religiosos. Por seu talentoso trabalho, receberam vários prêmios internacionais, que ratificaram sua fama como um dos fabricantes mais importantes de vitrais dos séculos XIX e XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de Santa Cruz – Madrid

O post de hoje está dedicado a Igreja de Santa Cruz de Madrid, outro exemplo de um templo que foi erguido sobre uma construção anterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOriginalmente, a antiga Igreja de Santa Cruz era uma pequena ermita, cuja construção se perde no tempo. Diz a tradição que já existia na época árabe de Madrid, ainda que suas primeiras referências datam do séc. XIII, quando foi criado o Arrabal de Santa Cruz, um bairro situado fora das muralhas medievais. Esta ermita foi ampliada, convertendo-se em paróquia durante o reinado dos Reis Católicos. Famosa era sua torre de 60m de altura, chamada de “Atalaia da Corte”, um dos melhores pontos de observação da cidade. No local onde se levantava, uma inscrição feita na rua relembra sua existência.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi reconstruída no séc. XVII, mas em 1869 foi demolida para a criação da Praça de Santa Cruz. Felizmente, um pouco antes da demolição foi tirada uma foto da torre…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA paróquia, no entanto, continuou existindo, pois decidiram realizar uma nova construção na vizinha Calle de Atocha. O local escolhido foi o solar do Convento de Santo Tomás, uma joia barroca que se encontrava em péssimas condições depois de sofrer um incêndio em 1875, e que lamentavelmente deixou de existir para a construção da nova igreja. Abaixo, vemos uma foto deste ano, um pouco antes da demolição do convento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA nova Igreja de Santa Cruz começou a ser edificada a partir de 1889. Porém, a falta de recursos fez com que a obra estivesse parada durante 10 anos. Em 1899, se retomaram a construção, que foi finalizada em 1902. A seguir, vemos uma foto do templo, tirada na Calle de Atocha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO projeto construtivo foi encarregado a Francisco de Cubas y González Montes (1826/1899), mais conhecido como Marquês de Cubas, um entusiasta dos estilos históricos baseados nas tradições medievais da arquitetura europeia. O arquiteto quis que seu projeto mantivesse a principal característica do templo anterior. A alta torre, construída com tijolo vermelho não passa desapercebida pela grande quantidade de pedestres que passa diariamente pelo centro de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi levantada no estilo neogótico, com elementos neomudéjares na fachada e medievais no alto da grande torre, fazendo com que se pareça uma fortaleza militar. Além do tijolo, utilizou-se também Pedra Branca de Colmenar, como vemos acima. Na parte central da fachada, um relevo representando a Apoteose da Cruz, realizado por Aniceto Marinas. Sobre o pórtico, aparece um belo rosetón, como nas antigas igrejas góticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma foto de 1928 da Plaza Mayor, tirada do alto da torre da Igreja de Santa Cruz. Observem que na época, a praça estava adornada com um grande jardim, atualmente inexistente. Ao fundo, vemos o Palácio Real.

DSC07999O Marquês de Cubas foi o responsável pelo projeto original da Catedral de Almudena, inicialmente concebida como uma igreja neogótica. Este estilo arquitetônico em Madrid se restringe quase que exclusivamente aos templos religiosos. No entanto, podemos admirar na Carrera de San Jerónimo, bem próxima a Igreja de Santa Cruz, um dos escassos exemplos da arquitetura neogótica residencial. A denominada Casa Isern foi construída em 1865, é claro, pelo Marquês de Cubas

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post veremos o interior da Igreja de Santa Cruz, que possui muitas imagens veneradas pelo povo madrilenho…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Burgos Medieval: A Igreja de San Gil Abad

O post de hoje está dedicado ao templo gótico mais importante da cidade de Burgos, depois da catedral. A Igreja de San Gil Abad foi erguida no final do séc. XIII e princípio do XIV e sua austeridade exterior se explica porque originalmente integrava o conjunto de muralhas da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa fachada principal destacam sua singela portada e o rosetón composto por uma estrela de oito pontas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA pequena escada de acesso ao templo, construída em 1834, confere uma certa monumentalidade à igreja. A sobriedade que vemos em sua fachada exterior contrasta com a beleza e a luminosidade de seu interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos espaços mais surpreendentes da Igreja de San Gil é a Capela da Natividade, concebida como uma capela funerária para seus fundadores, Juan de Castro e Inés de Lerma, ambos falecidos em 1548. Sua construção foi iniciada a partir de1529, inspirada no modelo da Capela dos Condestables da Catedral de Burgos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO  centro da capela está presidido por um belíssimo retábulo dedicado a Natividade de Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA impressionante bôveda da capela possui um formato octogonal, de grande beleza e refinamento artístico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja possui outros belos retábulos e esculturas de importância, como a do Cristo abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA declaração como Monumento Histórico-Artístico em 1931 comprova sua magnitude no contexto do patrimônio da cidade. San Gil foi um abade beneditino e eremita de origem grego. Nasceu em Atenas, no ano 640. Suas relíquias sempre foram muito veneradas, constituindo-se num centro de peregrinação. Atualmente, se encontram na Igreja Românica de St Sernin em Toulouse, na França, em pleno trajeto do Caminho de Santiago. Outro local de referência medieval na cidade de Burgos é a Plaza del Huerto del Rey. Nela se situava o palácio do monarca Fernando I. Posteriormente, passou a ser um lugar residencial para as famílias acomodadas dos séculos XVI e XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo fundo da praça vemos uma parte da Catedral de Burgos. No séc. XVIII foi colocada em seu centro a Fonte da Flora, realizada pelo artista burgalês Manuel Romero.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Burgos Medieval: A Igreja de San Esteban

San Esteban (Santo Estêvão, em português) é considerado o primeiro mártir da história do cristianismo, razão pela qual é denominado de “Protomártir”. Depois do falecimento e ressurreição de Cristo, foi um dos sete primeiros diáconos da então incipiente Igreja Católica. Sua postura radical do cristianismo fez com que fosse condenado a morrer por apedrejamento pelas autoridades de Jerusalém, fato que teve como consequência o final do cristianismo como uma seita do judaísmo, ocasionando a separação do culto cristão do judaico praticado na cidade. Um santo bastante popular na Europa, a ele foi dedicado esta bela igreja gótica de Burgos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Esteban foi levantada no final do séc. XIII sobre um anterior templo românico. Sua localização próxima ao castelo fez com que várias vezes sofresse danos causados pelos assédios à fortaleza, como o ocorrido durante a Guerra da Independência contra os franceses.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo consequência, a igreja perdeu parte de seus elementos originais, como os vitrais de seu rosetón, construído em 1479.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAinda assim, se conserva sua belíssima portada principal, edificada em 1300. No tímpano se representa a imagem de Cristo como juiz, com São João e a Virgem. Na parte inferior, vemos o Martírio de San Esteban.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja é deveras interessante, pois acolhe o Museu do Retábulo, com uma grande coleção de retábulos procedentes de povoados que compõem a Diocese de Burgos. A maioria pertencem ao período compreendido entre os séc. XVI ao XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm exemplo dos muitos retábulos existentes é este, dedicado a San Julián e realizado em torno a 1600.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPodemos contemplar também sepulcros de comerciantes destacados de Burgos na Idade Média, como o pertencente a Sancho Sánchez de Rojas, da segunda metade do séc. XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos tesouros do museu é esta Pia Batismal Românica, da segunda metade do séc. XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa pintura, o destaque fica por conta deste quadro da Última Ceia, uma obra anônima de final do XVI e princípio do XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas peças escultóricas são de grande valor e beleza, como este Cristo Crucificado pertencente ao séc. XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOu então o maravilhoso trabalho realizado neste crucifixo de final do séc. XII, feito de cobre dourado com esmaltes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu do Retábulo possui ainda uma grande coleção de objetos litúrgicos de várias épocas e materiais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Burgos

A Catedral de Santa María de Burgos é, inegavelmente, uma das construções góticas mais espetaculares de todo o continente europeu. Não à toa, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade.

20150725_201445Sua construção iniciou-se em 1221, sobre um anterior templo românico erguido durante o reinado de Alfonso VI (1065/1109). As obras desta magnífica catedral começaram graças ao incentivo do monarca Fernando III e o Bispo Maurício. Seu estilo gótico foi inspirado nas catedrais francesas de Chartres, Amiens, Reims e na de Notre Dame de Paris.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte principal da igreja já estava finalizada no final do séc. XIII, e o primeiro arquiteto conhecido é o chamado Mestre Enrique, mencionado num documento em 1261 (também responsável por uma parte da construção de outra catedral gótica fundamental, a de León). As ampliações realizadas nos séc. XV e XVI coincidem com a época dourada da cidade de Burgos. Declarada Monumento Nacional em 1887, recebeu o título de Patrimônio da Humanidade em 1984, quando então foram realizados trabalhos de restauração na catedral.

IMG_2880A Catedral de Burgos sofreu irreparáveis danos durante a ocupação francesa de início do séc. XIX, quando perdeu boa parte de seus vitrais góticos. Abaixo, vemos a fachada principal, que dá para a Praça de Santa Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs três portas que a compõem foram realizadas e reformadas posteriormente. A central, por exemplo, denominada de Porta do Perdão, foi construída em 1790 no estilo neoclássico, e as laterais foram reformadas no séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte central da fachada, vemos a 8 estátuas que representam personagens do Antigo Testamento, esculpidas no séc. XIII. As agulhas foram colocadas a mediados do séc. XV, por Juan de Colonia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO melhor conjunto escultórico da parte exterior da catedral corresponde à Porta del Sarmental, considerado um dos melhores do estilo gótico em todo o país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO rosetón (roseta, em português) que vemos acima da porta é o único conservado da etapa gótica da catedral. Na parte lateral da mencionada porta vemos a personagens bíblicos, como São Pedro, São Paulo, Aaron e Moisés. No centro, entre estes personagens, aparece a escultura do Bispo Maurício, fundador da catedral. A seguir, vemos uma imagem do tímpano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa cena principal da porta se representa a imagem de Deus como rei do universo (pantocrátor). Ao lado, a representação animal dos apóstolos evangelistas (São Marcos, São João, São Mateus e São Lucas), conhecida como Tetramorfos. Abaixo, no dintel, as esculturas dos 12 apóstolos. Nas arquivoltas (parte superior), foram representados anjos,arcanjos e os anciões do apocalipse. Outra porta de grande importância é a denominada da Coronería, também chamada Porta dos Apóstolos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs esculturas dos apóstolos foram colocadas nas partes laterais ( 6 de cada lado). No tímpano, vemos a cena da Virgem e São João ante Cristo, acompanhados de anjos que portam os símbolos da paixão (cruz, coroa de espinhos, lança e cravos). No dintel, São Miguel aparece pesando a alma dos defuntos. Todas estas esculturas também são góticas do séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos as estruturas arquitetônicas chamadas de Arbotantes, que permitiram o avanço da arquitetura gótica, possibilitando a construção de catedrais cada vez mais altas, ao deslocar o peso da mesma para sua parte exterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANos próximos posts, veremos o interior da Catedral de Burgos, tão maravilhoso quanto sua parte exterior.

Covarrubias – Segunda Parte

Covarrubias forma, junto com os municípios de Santo Domingo de Silos e Lerma (que em breve veremos no blog), o triângulo do Rio Arlanza, que placidamente passa pela ponte de pedra que cruza o povoado na Província de Burgos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAté o séc. XVI, Covarrubias esteve totalmente rodeada por uma muralha. Foi quando, com o objetivo de combater uma peste que assolou o povoado, o médico pessoal do rei Felipe II, oriundo da vila, ordenou derrubá-la. Na parte que dá para o rio, ainda se conserva uma parte da muralha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACaminhando pelo povoado, vemos cenas curiosas. Joguei até um pouco de futebol com algumas crianças que usavam um arco medieval como gol….

OLYMPUS DIGITAL CAMERARecordei o interior do nosso querido Brasil e do grande poeta e músico, o baiano Gilberto Gil, ao ver passar uma procissão….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO principal templo religioso da vila, a Colegiata de Covarrubias, foi construída no final do séc. XV, ou seja, na última fase do estilo gótico, e está passando por um processo de restauração em sua fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ponto de fechar as portas, pude entrar rapidamente na igreja, e averiguar sua importância, graças aos tesouros artísticos que acolhe. A Colegiata substituiu um antigo templo românico, estando formada por 3 naves e 4 capelas, e foi dedicada a São Cosme e São Damião.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior é barroco do séc. XVIII, dedicado aos santos titulares do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO que mais chama a atenção em seu interior é a grande quantidade de sepulcros, alguns deles reais, como o do Conde Fernán González (910/970) e de sua esposa, Sancha de Pamplona ( ?/959 ). Os restos do conde, primeiro Rei de Castilla, repousam num sepulcro do séc. V, encontrado sem tampa no séc. XVII, numa aldeia próxima. O de sua esposa é ainda mais antigo, do séc. IV….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADestacam também os sepulcros da rainha Urraca Fernández, filha de Fernán González (970/994) e de sua neta, Urraca García, filha de García Fernández. Além do mais, vemos o sepulcro da Princesa Cristina de Noruega, casada com o rei Felipe de Castilla e o de García Alonso de Covarrubias, Abade da Colegiata.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos um belo rosetón que decora o interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADefinitivamente, Covarrubias  é um lugar que merece ser conhecido com calma, desfrutando de seu aspecto medieval, contemplando os detalhes de suas construções e aprendendo com sua história, se possível, falando com os habitantes locais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Baeza

Um local de visita obrigatória em Baeza é a Praça de Santa Maria, a mais importante da cidade por acolher alguns dos principais edifícios da nobreza, do governo, e também pela imponente presença da Catedral de Santa Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA praça está delimitada por algumas das construçoes mais emblemáticas de Baeza, como a Casa Consistorial, levantada no séc. XV e originalmente propriedade de Gil Bayle de Cabrera, um nobre cavalheiro da cidade. Depois de sua morte, foi cedida à prefeitura, que nela instalou sua sede. Adossada à catedral, em 1835 transformou-se no Arquivo Municipal, desempenhando esta funçao até 1970. Desde 1991, é a sede do Conservatório de Música de Baeza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente à fachada lateral da catedral situa-se o Antigo Seminário Conciliar de San Felipe Neri, fundado em 1660. Sua construçao predominatemente horizontal é visível na fachada, atribuída a Eufrásio López de Rojas, um dos arquitetos da belíssima Catedral de Jaén, que em breve veremos no blog.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa fachada desta instituiçao podemos ver os nomes dos estudantes pintados com sangue de gado ou com uma pintura de cor vermelha, datados de 1668 a 1720. O seminário fechou suas portas em 1969 e em 1990 tornou-se a sede da Universidade Internacional de Andalucía. Em frente ao edifício, vemos a Fonte de Santa Maria, uma das mais belas do país. Pena que seus trabalhos de restauraçao impedem que possamos apreciá-la em sua plenitude. Foi construída em 1564 para celebrar a chegada do abastecimento de água para a populaçao da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABaeza tornou-se sede episcopal desde o séc. IV, e a Praça de Santa Maria sempre foi considerada um espaço sagrado, já que a catedral se assenta sobre um solar onde existiu um templo romano, depois uma basílica visigoda e finalmente uma mesquita, durante o período islâmico. Com a reconquista crista em 1227, o rei Fernando III transformou a mesquita em templo católico sob a advocaçao de Nossa Senhora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA catedral sofreu várias transformaçoes ao longo de sua longa história. O templo gótico-mudéjar primitivo foi derrubado em 1529 para uma nova construçao gótica. Desta época inicial se conserva a Porta da Lua (Puerta de la Luna), construída no séc. XIII. Sobre ela, um belo rosetón gótico do séc. XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, a nova construçao gótica também foi destruída em 1567, quando assume as obras o arquiteto Andrés de Vandelvira, que lhe proporciona o caráter renascentista que vemos hoje em dia. Após a sua morte em 1575, outros arquitetos seguiram seu projeto, como Cristóbal Pérez, Francisco del Castillo “El Mozo” e o jesuíta Juan Bautista Villalpando.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a fachada lateral que dá para a Praça de Santa Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, visitaremos o interior da Catedral de Baeza

OLYMPUS DIGITAL CAMERA