Paseo e Jardins de Pereda – Santander

Uma das zonas mais famosas de Santander, o Paseo e Jardins de Pereda é também uma das mais agradáveis para se caminhar, oferecendo belas vistas da baía situada bem em frente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAmbos, a avenida e o jardim que a embeleza, foram dedicados ao novelista cantábrico José María de Pereda (1833/1906), e constituem a zona mais emblemática e transitada da cidade. As primeiras construções do Paseo de Pereda foram levantadas em 1766, logo depois de Santander receber o título de cidade. Ainda hoje, podemos observar edifícios dos séculos XVIII, XIX e princípio do XX. A zona não foi afetada pelo grande incêndio que assolou o centro histórico,  motivo pelo qual representa uma das partes mais antigas de Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Jardins de Pereda foram construídos sobre o antigo porto da cidade e inaugurados oficialmente em 1905, coincidindo com a Exposição de Artes e Indústrias realizadas neste ano. Da época em que a zona estava dedicada às atividades portuárias se conservou um guindaste (Grúa de Pedra), que tornou-se um símbolo da cidade. Utilizada desde 1900 para transportar mercadorias, era capaz de suportar 30 toneladas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVárias esculturas, fontes e monumentos tornam o espaço ainda mais bonito…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém da escultura dedicada  a José María de Pereda, que esqueci de fotografar, outros monumentos homenageiam personalidades de renome nascidos na cidade, como a escritora Concha Espina (1877/1955), cuja importância literária foi reconhecida com um monumento realizado pelo escultor Victorio Macho em 1927, e inaugurado pelo rei de Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das esculturas mais famosas representam os Raqueros, personagens conhecidos na cidade que mergulhavam na baía para recolher as moedas que eram lançadas, e que foram descritos por José María de Pereda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARecentemente o jardim foi revitalizado e ampliado com a construção do Centro Botín, inaugurado este ano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste espaço cultural foi promovido pela Fundação Botín, uma das instituições culturais mais ativas da cidade. O projeto se deve ao arquiteto italiano Renzo Piano, cujo trabalho inovador foi reconhecido com o Prêmio Pritzker.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO centro está composto por dois edifícios apoiados por colunas, e permanecem suspensos parcialmente sobre o mar. Um dos edifícios está dedicado à Arte, com uma grande sala de exposições. O outro têm como finalidade as atividades educativas. O seu custo total foi de 77 milhões de euros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte superior do centro existe um mirante que proporciona uma bela panorâmica da zona. Observem o revestimento da construção, feito de porcelana branca…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra construção cultural destacável é o Palácio de Festivais da Cantábria, cujo projeto foi executado pelo renomado arquiteto Saénz de Oiza. Possui a maior sala de espetáculos do país, com capacidade para 2 mil espectadores, sendo que o interior é iluminado com luz natural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Paseo e os Jardins de Pereda foram declarados Conjunto Histórico-Artístico em 1985, e representam um dos principais pontos de ócio para a população de Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outras imagens desta famosa zona da cidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Arquitetura Contemporânea – Madrid (Parte 2)

Na matéria de hoje, veremos mais dois edifícios que se converteram em marcos da Arquitetura Contemporânea de Madrid. O primeiro deles é a chamada Torres Blancas, situado na Avenida de América, um edifício destinado tanto para residências, quanto para escritórios comerciais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar de seu nome, o edifício é cinza, feito quase inteiramente com concreto armado. Inicialmente, a ideia é que fosse construído com concreto branco, algo que não chegou a realizar-se. Com 81m de altura e 23 andares, foi projetado pelo arquiteto Francisco Javier Saénz de Oiza entre 1964 e 1969.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom este edifício Saénz de Oiza, que nele viveu o resto de sua vida, recebeu o prêmio de Excelência Europeia em 1974. O edifício foi projetado como uma estrutura a base de cilindros que rodeiam todo seu perímetro e com balcões feitos de madeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA construção carece de pilares, as paredes externas e a estrutura vertical interna são os elementos que realizam a função de sustentação. As Torres Blancas são consideradas um dos melhores exemplos do denominado Organicismo em toda a Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm cada andar, se agrupam 4 apartamentos, combinando formas circulares e retangulares. Os proprietários contam curiosos casos em relação a dificuldade de se colocar móveis convencionais junto a paredes curvas. Abaixo, vemos uma placa comemorativa que salienta a importância arquitetônica do edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos algumas imagens do andar térreo, e suas curiosa construção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro símbolo da Arquitetura Contemporânea de Madrid situa-se em pleno Paseo de la Castellana, o Edifício Bankunión.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste interessante edifício foi projetado pelos arquitetos José Antonio Corrales Gutiérrez e Ramón Vázquez Molezún entre 1972 e 1975. É considerado um edifício inovador, pois foi o primeiro em aplicar linhas industriais num edifício de oficinas empresariais e também na utilização de materiais metálicos em sua estrutura ornamental.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua distribuição e os materiais empregados criaram um edifício feito com chapas metálicas e vidro, com uma cobertura metálica abovedada. A cor bronze de suas janelas reduziu o calor provocado pelos raios solares. Atualmente, o Edifício Bankunión é a sede do Parlamento Europeu em Madrid e acolhe também a Embaixada da Irlanda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

El Ruedo – Madrid

Quando passamos de carro pela M30, uma das vias de circunvalaçao de Madrid, notamos imediatamente uma enorme construção, que mais parece um coliseu romano. Trata-se do Conjunto Residencial El Ruedo, uma das obras mais polêmicas realizadas na cidade no final do séc. XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA finalidade de sua construção era alojar os últimos habitantes de uma favela conhecida como “Poço do Tio Raimundo”. A Prefeitura de Madrid realizou um restrito concurso, no qual era obrigatório o preenchimento de determinados requisitos para o projeto. O único arquiteto que conseguiu realizá-lo foi Saénz de Oiza, e o complexo residencial iniciou-se em 1986, sendo finalizado quatro anos depois. O projeto previa a edificação de um conjunto de apartamentos com 600m de comprimento e 8 andares, de forma curva e enroscado sobre si mesmo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua forma proporciona uma indiscutível sensação de isolamento e proteção, como se fosse uma grande muralha. Por sua tipologia, muitos críticos o compararam com uma prisão. De fato, foi batizado por alguns como “A Prisão da M30”. O problema de seu isolamento interior era que a proteção oferecida contra as hostilidades exteriores contribuiu para seu caráter de gueto. O desenho unitário do El Ruedo gera uma espécie de microcosmos no interior do espaço.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra crítica que recebeu dizia respeito ao seu formato espiral, com escassas aberturas em sua fachada exterior. Na realidade, o propósito desta medida era evitar os ruídos e a contaminação proveniente da estrada que se situa ao lado. A fachada interna do complexo foi decorada com motivos geométricos com cores vivas, criando um ambiente, como mínimo, curioso e original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO conjunto residencial possui 346 apartamentos de 2,3 e 4 dormitórios, sendo que estes últimos são duplex. Uma grande área recreativa, além de locais comerciais e um estacionamento subterrâneo com 198 vagas, completam suas instalações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas partes mais próximas à estrada foram colocadas as áreas de serviço, e as partes habitáveis de cada apartamento foram dispostas em torno ao grande pátio interno do conjunto residencial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Paseo da Castelhana – Segunda Parte

Um dos elementos que se distingue nesta bela e importante avenida, à primeira vista, é a grande quantidade de esculturas que integram a paisagem urbana. Algumas delas, como vimos no post anterior, estao situadas nas praças e jardins . Outras, porém, é necessário olhar para o alto, para contemplá-las.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExiste até um Museu ao Ar Livre de Esculturas, localizado debaixo de um viaduto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras foram executadas por atistas selecionados e reconhecidos internacionalmente, representativos das mais variadas tendências da Arte Abstrata Espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre eles, destacamos a presença de Joan Miró, que realizou a escultura abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAArquitetonicamente, o Paseo da Castelhana  caracteriza- se por edifícios de caráter vanguardista e arrojadas linhas contemporâneas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns deles fogem à norma, como o conhecido edifício ABC Serrano. A construçao apresenta duas fachadas. A que dá para a Calle Serrano foi construída em 1899.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a fachada de entrada pelo Paseo da Castelhana foi construída em 1926, no estilo neomudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi criado como sede da Revista Blanco y Negro e do Diário ABC, mas atualmente funciona como um centro comercial. O Paseo da Castelhana é um importante centro político, status adquirido depois da construçao dos Novos Ministérios, um complexo de edifícios governamentais iniciado em 1933 e finalizado em 1942.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre eles, destaca o Ministério do Fomento, responsável pelas Obras Públicas, Serviços de Transporte e Comunicaçoes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADos jardins do ministério, aberto à visitaçao pública, temos uma ampla visao do denominado AZCA, um dos centros financeiros mais importantes de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro, situam-se algumas das estruturas mais altas e modernas da capital, como o Edifício BBVA.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi construído por Sáenz de Oiza, vencedor de um concurso restrito a uma série de arquitetos de prestígio, promovido pelo Banco Bilbao em 1971. A construçao iniciou-se em 1978 e prolongou-se até 1981. Sua inovadora fachada está composta por esquinas circulares de aço e vidro contínuo, permitindo vistas ao exterior desde qualquer parte  de sua superfície interna. Em 2007, passou a ser propriedade de uma imobiliária.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro edifício que se destaca é a Torre de Europa, o sétimo mais alto de Madrid. Construído em 1985 pelo arquiteto Miguel Oriol y Ibarra, possui um curioso relógio ovalado. O grupo terrorrista ETA atentou contra o edifício em 2002 com 20kg de explosivos, sem que houvesse graves consequências.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma foto do interior da Torre Europa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAQuase no final do Paseo da Castelhana, outro centro cultural abre suas portas para exposiçoes temporais, relacionadas normalmente com a água e o meio ambiente. O local é representativo da arquitetura industrial de uma antiga estaçao de água de princípio do séc. XX (Canal de Isabel II), e passou a denominar-se Fundaçao Canal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Praça Castilla é a última etapa de nossa visita pelo Paseo da Castelhana. Situada em seu trecho final, em ambos os lados erguem-se as conhecidas Torres KIO (matéria publicada em 19/11/2012). No local, funciona uma das mais movimentadas estaçoes combinadas de metrô e ônibus da cidade, com excelentes vistas do conjunto de arranha-céus conhecidos como as 4 Torres (publicado em 5/4/2012).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos comentando que no Paseo da Castelhana está situado também o estádio Santiago Bernabeu, propriedade do Real Madrid (publicado em 7/4/2012).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA