As Viagens do “Guernica”

Antes de abandonar Salamanca, tive a oportunidade de ver uma interessantíssima exposição sobre o quadro “Guernica“, a obra prima do mais influente artista do século XX, Pablo Ruiz Picasso (1881/1973). A exposição foi montada na Plaza de Anaya, situada ao lado das Catedrais de Salamanca, e foi organizada pelo Centro Cultural Caixa Forum, que está percorrendo várias cidades da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA O “Guernica” já foi o tema de um post publicado em 17/5/2012, junto com o museu onde se encontra exposto, o Museu Reina Sofía de Madrid, que vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns anos atrás, pude fotografar o “Guernica“, algo impensável atualmente, mesmo porque está proibido captar imagens do quadro.

DSC03525A exposição de Salamanca discorre sobre as viagens que o quadro realizou depois de ter sido pintado por Picasso, participando de diversas exposições internacionais antes de seu retorno a Espanha. Considerado uma das obras mais conhecidas, reproduzidas, admiradas e reinterpretadas da História da Arte, o “Guernica” transformou-se num verdadeiro ícone do século XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO quadro foi realizado por Picasso entre maio e junho de 1937 e seu título é uma referência ao bombardeio da cidade basca de Guernica pela aviação alemã no dia 26 de abril deste ano, dentro do contexto da Guerra Civil Espanhola (1936/1939). Este ataque aéreo é considerado o primeiro realizado contra uma população civil da história das disputas bélicas. Na realidade, sua elaboração por parte de Picasso foi um encargo do governo republicano para ser exposto no Pavilhão Espanhol, montado durante a Exposição Internacional de Paris de 1937, com a finalidade de atrair a atenção pública à causa republicana. Abaixo, vemos uma foto do pavilhão, cujo projeto construtivo se deve aos arquitetos Josep Lluís Sert e Luis La Casa, e o quadro exposto no local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom o final da Guerra Civil Espanhola em 1939 e o início do governo ditatorial do General Franco, Picasso manifestou o desejo que o quadro retornasse ao país somente depois que voltasse a ser uma nação democrática. Depois de sua exibição na Exposição Internacional de Paris, muitas outras foram realizadas no continente europeu, como a de 1938/1939 no Reino Unido, com grande êxito de público e organizada para arrecadar fundos para o Comitê de Ajuda aos Refugiados Espanhóis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante décadas, o quadro viajou por boa parte do mundo, antes de ser custodiado pelo Museu de Arte Moderna de Nova York (MOMA) a partir de 1958, onde permaneceu exposto até 1981. Abaixo, vemos o itinerário do “Guernica“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO processo de criação da obra foi plenamente documentado pelo pintor através de esboços preparatórios e também por fotografias realizadas por Dora Maar (1907/1997), uma artista plástica francesa que se tornou uma das mulheres da vida de Picasso. Este material constitui um dos melhores exemplos documentados do progresso de uma obra artística em toda a História da Arte Universal. Picasso realizou, num prazo de 6 meses, (antes, durante e depois da conclusão do quadro), uma série de 45 esboços que atualmente encontram-se expostos no Museu Reina Sofía de Madrid, junto com a famosa obra do artista de Málaga.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO “Guernica“, um exemplo memorável da Arte Cubista, além de sua importância histórica e indiscutível qualidade artística, impressiona por seu tamanho (7.76m de comprimento x 3.49m de altura). Foi pintado utilizando-se somente as cores branca, negra e várias tonalidades de cor cinza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar do título da obra e suas circunstâncias históricas, não existe no quadro nenhuma referência explícita ao bombardeio da cidade de Guernica, pois trata-se de uma composição simbólica, e não narrativa, retratando o horror à guerra e os sofrimentos que infringe a todos os seres humanos. Por este motivo, o quadro converteu-se num símbolo de protesto antibélico, utilizado contra os vários confrontos do século passado…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgo que desconhecia e que pude orgulhosamente constatar, é que durante as viagens do “Guernica” pelo mundo, o quadro esteve presente no Brasil em 1953, durante a realização da II Bienal de São Paulo, como vemos na foto abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO quadro serviu de motivo inspiratório a inúmeras obras em todo o mundo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, em 1981, o quadro retornou a Espanha, com uma ampla divulgação da imprensa, escrita e televisiva…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA chegada do “Guernica” no Aeroporto de Barajas

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInicialmente, o quadro permaneceu no Casón del Buen Retiro, uma das dependências que faziam parte do destruído Palácio del Buen Retiro, originalmente construído dentro do Parque do Retiro, de propriedade real na época de sua construção, que ainda podemos contemplar passeando pela cidade.

DSC08622OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1982, o “Guernica” passou a ser exposto permanentemente no Museu Reina Sofía, considerado um dos centros de Arte Contemporânea de maior prestígio de todo o mundo, cuja visita, evidentemente, recomendo !!!!!

Street Art – Salamanca (Parte 3)

Nesta última matéria sobre a Street Art em Salamanca veremos alguns dos trabalhos que foram selecionados nos concursos realizados nos anos de 2016 a 2018, que atualmente embelezam de colorido o Bairro do Oeste. O artista sevilhano Zesar Bahamonte utilizou o spray em junho de 2016 para a realização de sua obra “Banda Sonora del Oeste“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFormado na Faculdade de Belas Artes de Salamanca, o artista de Segóvia Alba de Lucas Sastre foi o responsável da obra abaixo, “Sin Título“, realizada em 2016 com esmalte…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJorge Negro, também formado em Belas Artes na cidade de Salamanca, recebeu vários prêmios por seus trabalhos de Arte Urbana. O que vemos a seguir se denomina “Pintamonas“, e também foi selecionado no concurso público de 2016.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro artista congratulado neste ano foi Seikon, com o trabalho “Sin Título“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe Alice Pasquini vemos a obra “Sorellanza“….

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo ano de 2017 destaco várias obras de interesse, como “Hostil“, de autoria de Ana Isabel Bautista Palomo

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVárias artistas estrangeiras colaboraram com o projeto, como a italiana Elena Jiménez Moyano, formada na Academia de Belas Artes de Roma. Abaixo, vemos seu trabalho “Tambaleante“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARealizado com spray, Acart foi premiado com “La Vie en Ortensia“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm coletivo com artistas de mais de 55 anos realizou em abril de 2017 a pintura “La vieja escuela del oeste“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutras duas obras que foram denominadas “Sin Título“, desta vez realizada por Medianeras Murales e Mar Negro

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO site https://galeriaurbanasalamanca.es/ tornou-se uma ferramenta fundamental para que eu pudesse relacionar as fotos com seus autores (as) e o respectivo ano em que foram realizadas, além de ser uma referência da Street Art em Salamanca. Finalmente, do ano de 2018, selecionei três obras. Abaixo, vemos “Sensivity“, de César Carrión Arias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe Michelangelo Marra, vemos a obra “Patrón Barrio“….

OLYMPUS DIGITAL CAMERALa Vieja Escuela del Oeste e seu trabalho “Sin Título“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERASempre que possível, estarei divulgando no blog trabalhos relativos à Street Art na Espanha, cujo crescimento é notório em muitas das cidades do país, uma tendência que se verifica a nível mundial. Convém distinguir estas obras da mera pichação, pois muitas delas possuem um grande valor artístico e refletem genuínas e originais expressões dos artistas urbanos, que estão transformando o aspecto de muitos bairros, com colorido e talento…

Street Art – Salamanca

Uns dias antes de realizar com meus amigos a viagem a Ávila e Salamanca, tive a sorte de poder ver uma reportagem na televisão espanhola sobre o processo de revitalização de um bairro de Salamanca através da Street Art, também conhecida por sua tradução Arte de Rua ou Arte Urbana. Quando cheguei a Salamanca, um de meus principais objetivos foi visitar o Bairro do Oeste, a parte da cidade que rejuvenesceu com esta proposta que mudou a cara desta zona, até pouco tempo atrás escassamente visitada pelos turistas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPassei várias horas percorrendo as ruas do bairro em busca das iniciativas artísticas mais interessantes, e o resultado foram mais de 100 fotos tiradas, de uma grande quantidade de artistas urbanos, que deixaram seus trabalhos expostos em garagens, muros dos edifícios e lojas, nos mais diversos estilos e técnicas compositivas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANos últimos anos, a Street Art adquiriu um grande protagonismo em todas as cidades do mundo, transformando o aspecto urbano e envolvendo a participação cidadã na renovação de sua paisagem, com muito colorido e qualidade artística.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAHabitado por cerca de 10 mil habitantes, o Bairro do Oeste situa-se ao lado do Centro Histórico de Salamanca, e passa inadvertido pela maioria dos turistas que visitam a cidade. É também conhecido como Bairro dos Carmelitas, devido ao Convento das Carmelitas Descalças fundado em 1571 e que passou a localizar-se no bairro a partir de 1614, junto ao limite exterior do último recinto de muralhas que protegia o espaço urbano de Salamanca. Com a expansão populacional verificada no princípio do século XX, a cidade começou a buscar novos locais para a construção de edifícios, mas o bairro começou a crescer de forma não planificada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAInicialmente povoado por cidadãos com recursos econômicos, na década de 60 do século XX, o Bairro do Oeste sofreu uma grande transformação devido ao êxodo rural e passou a ser ocupado pelas classes populares, sendo que muitas residências pertencentes à classe alta foram derrubadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm junho de 2013, uma iniciativa organizada pela instituição Galeria Urbana e o coletivo Lemarte promoveu um projeto em que jovens artistas pudessem expressar-se através de grafites, pinturas murais, etc e que permanece em vigor atualmente, mais do que nunca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInicialmente participaram 25 artistas, muitos dos quais formado pela Faculdade de Belas Artes de Salamanca. Para dar continuidade ao projeto, começaram a organizar-se anualmente um concurso público com jovens de talento artístico entre 18 e 30 anos, que enviaram seus desenhos. Os melhores foram aprovados e o resultado podemos admirar pelas ruas do bairro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANum primeiro momento, o projeto não foi bem acolhido, mas na medida em que foi sendo implantado com o passar dos anos, a opinião pública mudou, e o bairro começou a receber uma maior quantidade de turistas, curiosos por conhecer as obras que embelezam o bairro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns edifícios contemporâneos colaboraram com o colorido numa das principais praças do Bairro do Oeste

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMesmo as mais simples iniciativas realizadas produzem uma agradável sensação de participação coletiva e de cidadania em prol da renovação urbana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANos próximos posts publicarei muitas outras obras com seus respectivos artistas que se destacam na Street Art em Salamanca

Patrimônio Religioso de Salamanca: Parte 2

Neste segundo post sobre o patrimônio religioso de Salamanca veremos outras construções de importância histórica da cidade castelhana. A Ordem Franciscana, como sucedeu com os carmelitas, também teve um grande papel na história salmantina. Um dos principais edifícios associados a ordem é o Monasterio de la Anunciación, um convento feminino fundado na segunda metade do século XV para as freiras da Ordem Terceira de São Francisco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO convento, também conhecido como “Las Úrsulas“, foi ampliado pelo Arcebispo Alonso II de Fonseca, com a finalidade de estabelecer nele sua capela funerária. De fato, no monastério foi enterrado, depois de sua morte em 1512. Abaixo, vemos seu característico ábside gótico

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada principal pertence ao período barroco, realizada por Jerónimo García de Quiñones, outro arquiteto emblemático da cidade, em 1722.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois de mais de 5 séculos vivendo no local, em 2018 as religiosas tiveram que abandonar o convento devido ao escasso número de freiras e a falta de vocação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe mediados do século XVIII e de estilo barroco, a Capela de San Francisco fazia parte de um antigo convento franciscano, que não existe mais. Atualmente pertence à Ordem dos Capuchinos. Na fachada principal vemos uma imagem de São Francisco….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO próprio santo foi homenageado com uma estátua realizada por Venancio Blanco, e inaugurada em 1976.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo à estátua em homenagem a São Francisco, situa-se a Capela da Santa Vera Cruz, construída por uma das confrarias mais ilustre da cidade no século XVI, que nela está sediada. O projeto foi realizado por Rodrigo Gil de Hontañón, um dos principais arquitetos renascentistas do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADeste período inicial, se conserva a fachada principal com uma imagem da Imaculada. No século XVIII, o interior dete singelo templo foi reformado no estilo barroco por Joaquín de Churriguera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Irmãos Churriguera destacaram-se no século XVII como arquitetos e escultores referentes na Espanha. Realizaram muitos trabalhos em Salamanca, sendo que um deles, José Benito de Churriguera (1665/1725) tornou-se o mais famoso. Seu irmão Alberto de Churriguera foi o responsável pela construção da Igreja de San Sebastián, situada ao lado do Palácio de Anaya, um dos edifícios históricos da Universidade de Salamanca, que vimos recentemente no blog.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi construída inicialmente em 1410, mas foi derrubada por problemas estruturais. Na primeira metade do século XVIII foi reconstruída por Alberto de Churriguera (1676/1750). A portada barroca foi decorada com uma imagem de San Sebastián realizada por outro membro da família, José de Lara Churriguera

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO período barroco foi determinante em muita das construções religiosas existentes em Salamanca, como podemos notar. A Igreja de San Pablo, situada na Plaza de Colón (com o conhecido monumento em homenagem a Cristóvão Colombo, que já vimos nesta série de matérias sobre a cidade) também se insere neste estilo artístico. Erguida no século XVII, em sua origem foi conhecida como Igreja da Santíssima Trindade, formando parte do Convento dos Trinitários Descalços. A fachada é a única parte que se conserva, decorada com um relevo da Santíssima Trindade

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo adquiriu o nome de San Pablo quando a antiga igreja dedicada ao santo foi abandonada por seu estado ruinoso (conhecida atualmente pelas ruínas de San Polo, que vimos no post anterior). Depois dos processos de desamortização do século XIX, a igreja perdeu sua função original, e o espaço litúrgico passou a ser usado como sede do quartel civil. Atualmente pertence ao sistema judiciário da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com a Igreja de la Puríssima, considerada uma das mais belas de Salamanca. Declarada Monumento Nacional desde 1935, sua construção foi ordenada pelo Conde de Monterrey em 1636 para que nela fosse sepultado junto com  sua família. Formava parte do Convento de Agustinas Recoletos, e as obras finalizaram em 1687.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASituada em frente ao Palácio do Conde de Monterrey, em sua arquitetura barroca destaca a cúpula, reconstruída em 1675, depois que a original foi derrubada, e sua fachada, com um grande pórtico de mais de 30m de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma pena que infelizmente não tive a oportunidade visitar a igreja por dentro, que conserva magníficas obras de arte, entre as quais diversos quadros de José de Ribera, um dos principais pintores barrocos do país. Fica para a próxima vez…

Patrimônio Religioso de Salamanca

Além de sua histórica Universidade e da grande quantidade de palácios nobres que possui, Salamanca conta com um rico patrimônio religioso. Basta dizer que é uma das poucas cidades da Espanha com duas catedrais (posts publicados em 23 e 24/4/2012), diversos conventos, como o de San Esteban (matéria do dia 3/5/2012) e templos, como a Igreja de la Clerecía (tema da matéria publicada em 22/2/2015), entre muitas outras. Neste post e no seguinte, veremos outras fundações religiosas de importância na cidade, com uma grande variedade de estilos artísticos. Por exemplo, da arquitetura românica destaca a curiosa Igreja de San Marcos, de inusual planta circular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExiste uma certa controvérsia a respeito de sua construção, mas parece que foi edificada no final do século XI ou no começo do XII. Única dentro do Românico Espanhol por seu singular formato, seu interior, no entanto, não possui uma planta centralizada típica das construções circulares, estando dividida por 3 naves com seus respectivos ábsides, que não podemos observar desde o exterior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATambém originária de época românica, a Igreja de San Millán foi reedificada a partir de 1765, cujo projeto foi elaborado por Jerónimo García de Quiñones, um importante arquiteto de Salamanca, filho de Andrés García de Quiñones, igualmente arquiteto, responsável de diversas intervenções no centro histórico da cidade. Atualmente é a sede do Centro de Interpretação do Patrimônio Histórico de Salamanca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas igrejas não sobreviveram à passagem dos séculos, e permaneceram em ruínas, caso da Igreja de San Polo, cujo nome representa um arcaísmo de San Pablo. Construída  a partir do século XII no estilo românico-mudéjar e reformada no século XVI, ficou abandonada no século XIX devido ao seu péssimo estado. Em 1984 foram realizadas escavações arqueológicas no local, um pouco antes de se construir um polêmico hotel, sendo que as ruínas foram incorporadas ao novo estabelecimento comercial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro caso similar, em que um templo foi abandonado pelos prejuízos causados pelos acontecimentos históricos, é o atual Auditório de San Blás. Situado próximo ao Colégio do Arcebispo Fonseca, tema de uma matéria recentemente publicada e que vemos no fundo da foto abaixo, sua origem se remonta ao século XIII, quando se construiu a Igreja de San Blás, com a finalidade de prestar serviço religioso a uma zona isolada da cidade na época. No século XVIII teve que ser reconstruída por seu estado lamentável, mas voltou a ser castigada durante a Guerra da Independência Espanhola no início do século XIX. O templo ficou abandonado, e na década de 80 do século XX a antiga igreja foi cedida à Prefeitura de Salamanca, que a habilitou como Auditório Municipal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo passado, a importância de uma cidade se refletia na quantidade de ordens religiosas que nela se estabeleciam, ordenando a construção de conventos e suas respectivas igrejas. Em Salamanca, a Ordem dos Carmelitas adquiriu um grande protagonismo. Abaixo, vemos o antigo Convento de San Andrés, uma antiga fundação carmelita cuja igreja é o única parte sobrevivente do mesmo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA primeira construção data do século XV, mas foi destruída por uma enchente em 1626. O atual templo foi edificado em 1756, projetado por Manuel de Lara Churriguera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo desaparecido convento viveu durante quatro anos San Juan de la Cruz (1542/1591), que junto com Santa Teresa de Ávila, foram os responsáveis pela reforma carmelita, que deu origem a Ordem das Carmelitas Descalças. Ambos são considerados  referências da poesia mística cristã e San Juan de la Cruz foi proclamado o Padroeiro dos Poetas de Língua Espanhola. Uma placa comemorativa na fachada da igreja enaltece a presença do santo dentro do antigo convento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo à igreja foi colocado um monumento em homenagem a San Juan de la Cruz, inaugurado em 1993 e realizado pelo escultor Fernando Mayoral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja do antigo Convento de San Andrés passou a ser conhecida como a Iglesia del Carmen de Abajo (por estar situada numa zona próxima ao Rio Tormes), para diferenciá-la de outra construção carmelita, a Iglesia del Carmen de Arriba, que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste templo barroco foi realizado no final do século XVII, sendo a única construção que se conservou do Convento e Colégio de San Elías, pertencente à Ordem Carmelita. Na fachada vemos uma imagem de San Elías.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Casa de las Conchas – Salamanca

Qualquer pessoa que caminhe pelo Centro Histórico de Salamanca se surpreenderá com a grande quantidade de palácios nobres existentes, que integram o patrimônio histórico da cidade declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Um dos que mais chamam a atenção do visitante é, sem dúvida nenhuma, a famosa Casa de las Conchas, assim denominada pela grande quantidade de conchas que aparecem como elemento decorador de sua fachada principal. 

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa segunda metade do século XV, com o final das lutas nobiliárias e a derrota definitiva dos muçulmanos com a conquista de Granada, sucedida durante o reinado dos Reis Católicos em 1492, as cidades tornam-se um espaço mais seguro. A nobreza abandona os castelos rurais e retornam ao mundo urbano, construindo palácios que se convertem no símbolo de seu poder. Neles se observan, no entanto, reminiscências das antigas fortalezas medievais, como as altas torres. Os muros, tanto exteriores, quanto interiores, se ornamentam com os brasões do proprietário, como ocorre com a Casa de las Conchas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm ano depois da descoberta do continente americano e da conquista de Granada, um alto funcionário do reino, Don Rodrigo Arias Maldonado, ordenou a construção deste original edifício, cujas obras finalizaram em 1517. Trata-se de um dos melhores exemplos da Aquitetura Gótica Civil da Espanha. No princípio, os Reis Católicos haviam ordenado a derrubada de vários palacetes nobres erguidos com torres, principalmente daquelas famílias que contestavam seu poder. Aqueles que apoiaram a monarquía foram favorecidos, como no caso de Don Rodrigo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExistem aproximadamente 300 conchas na fachada do palácio, e muito se especula sobre a presença deste elemento na decoração. Don Rodrigo, embaixador do rei em Paris e Lisboa, foi também catedrático na Universidade de Salamanca e membro da Ordem de Santiago, sendo que as conchas são consideradas um símbolo do Apóstolo Santiago. Sua presença demonstra o orgulho que sentia o proprietário por pertencer à ordem. Seu emblema, formado por 5 flores de lis, se combina com o de sua esposa Dona Juana, pertencente a família dos Pimentel, que também utilizava em sua heráldica as conchas como motivo principal. Sua presença na fachada seria, portanto, uma prova de amor. As conchas se destacam na fachada, junto com as janelas góticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExistem várias lendas a respeito de tesouros ocultos que foram colocados debaixo das conchas pelos proprietários do palácio. No entanto, era comum na época colocar moedas de ouro na estrutura do edifício para atrair boa sorte. Outra lenda postula que a família escondeu umas jóias debaixo de uma das conchas, deixando documentada a quantidade escondida, mas não a concha escolhida. Aquele que tentasse desvendar o mistério e a localizaçao exata das jóias deveria aportar antecipadamente a quantidade estipulada como fiança. Se lograsse encontrar as jóias, ficaria com o tesouro descoberto e recuperaria a fiança. Do contrário, perderia a fiança…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do palácio se organiza em torno a um pátio, algo habitual nos edifícios nobres. Nele convivem vários estilos artísticos, cuja coexistência marcou o final do século XV, pois o gótico, em sua última fase, na Espanha denominado Gótico Isabelino, se mistura com o Estilo Mudéjar, tradicional no país, como podemos observar no artesanato que decora o teto do nível superior do pátio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstes dois estilos artísticos se combinam com as novas formas renascentistas, enriquecidas por fantásticos personagens grotescos, abundantes no pátio sob o aspecto de gárgulas. Esta nova corrente importada da Itália foi trazida ao país pela nobreza e o clero, grande parte formada na Universidade de Salamanca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATodo o pátio foi decorado com o escudo dos proprietários, como vemos a seguir. Ao fundo, aparece o Ernesto, que me foi apresentado pelos meus amigos Marcelo e Cristina, e que tive o prazer de sua companhia em Ávila e Salamanca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nível inferior do pátio está formado pelos denominados Arcos Mixtilíneos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nível superior foi feito com mármore branco, possivelmente de Carrara. Abaixo, vemos a bela escada que conduz à parte superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Casa de las Conchas também exerceu como função ser prisão da Universidade. Está situada em frente a Igreja de la Clerecía, cuja parte da fachada principal vemos desde o pátio…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1929, a Casa de las Conchas de Salamanca foi declarada Monumento Nacional e atualmente alberga a Biblioteca Municipal, além de converter-se num espaço para exposições culturais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Colégio do Arcebispo Fonseca

Finalizando a matéria sobre a Universidade de Salamanca, no post de hoje veremos outro de seus edifícios históricos, o Colégio do Arcebispo Fonseca, também conhecido como o Colégio Maior de Santiago Zebedeo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste colégio foi um dos quatro colégios maiores pertencentes à Universidade de Salamanca, destinado em sua origem a jovens talentosos com poucos recursos econômicos. Foi fundado pelo Arcebispo de Santiago de Compostela Alonso de Fonseca em 1519, para os estudantes galegos que se matriculavam na instituição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm seus projeto construtivo participaram arquitetos fundamentais do Renascimento Espanhol, como Diego de Siloé e Rodrigo Gil de Hontañón. De estilo plateresco, o edifício foi construído segundo os princípios dos conjuntos conventuais, cuja estrutura se organiza em torno a um claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a reforma universitária realizada pelo Rei Carlos III em 1780, o colégio foi fechado e um pouco depois, com a abolição dos Colégios Maiores, transformou-se num hospital em 1801. Abaixo, um detalhe decorativo do claustro, e uma das portas que se destaca por seu belo trabalho escultórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEste pátio é considerado um dos mais belos da Espanha do estilo renascentista. Abaixo, vemos a escada de acesso ao nível superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o restabelecimento de suas funções originais durante o reinado de Fernando VII, o edifício reabriu em 1817 mas voltou a fechar de forma definitiva em 1837. Acabou sendo ocupado pela comunidade de irlandeses que se estabeleceu em Salamanca, devido à perseguição inglesa aos católicos da Irlanda. Durante a Guerra da Independência, os franceses destruíram o antigo Colégio dos Irlandeses, e o antigo Colégio do Arcebispo Fonseca foi cedido a eles. Além do claustro, é possível visitar a antiga capela do colégio, uma verdadeira maravilha, com uma excepcional bôveda  de planta quadrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior da Capela foi realizado pelo escultor, pintor e arquiteto Alonso  de Berruguete (1490/1560), considerado um dos artistas mais importantes do Renascimento Espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASe conserva também a antiga hospedaria construída no período barroco

OLYMPUS DIGITAL CAMERADeclarado Bem de Interesse Cultural em 1931, o antigo Colégio do Arcebispo Fonseca é utilizado hoje em dia como local de eventos culturais, bem como hospedagem para estudantes que realizam cursos de mestrado e doutorado na Universidade de Salamanca.