A Judería de Toledo: Parte Final

A sociedade plural e tolerante de Toledo inicia sua decadência a partir do século XIV. Em 1391 ocorreram os primeiros ataques dos católicos contra a Judería Toledana. A convivência entre ambas comunidades se agravou quando o Rei Pedro I de Castilla, último monarca que protegeu a judeus e muçulmanos, foi assassinado por seu irmao Enrique de Trastámara durante a guerra civil travada em Castilla pelos direitos de sucessão ao trono. Nesta época, os monarcas castelhanos empreenderam um proceso para a construção de um estado moderno com a oposição da nobreza, que desejava manter seu poder. Estes viam na comunidade judaica colaboradores do poder real, que fez com que aumentasse o ódio dos inimigos que não desejavam o fortalecimento dos monarcas. Samuel Leví, tesoureiro maior de Pedro I, prestou inúmeros serviços para o rei. No entanto, devido aos problemas entre cristãos e judeus, o rei proibiu a construção de novas sinagogas, mas não pôde negar a seu amigo que edificasse a Sinagoga do Trânsito, pelo apoio recebido contra seu irmão Enrique, que almejava o trono. Apesar disso, o rei mandou prendê-lo e logo depois foi executado em 1361. Abaixo, vemos uma foto desta Sinagoga, atualmente sede do Museu Sefardí.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANão se sabe exatamente quantos judeus viviam na Espanha na Idade Média, mas seguramente era o país com a maior população judaica da Europa. Em Toledo viviam cerca de 350 famílias, que representava a maior comunidade de Castilla. Em todo o país, existiam outras juderías importantes, como as de Sevilha, Barcelona, Zaragoza, Tudela, etc. Nos primeiros tempos da reconquista, os judeus gozaram de uma situação jurídica especial, pois os monarcas os consideravam uma propriedade real, pertencentes ao tesouro real, e por este motivo eram protegidos. Este fato possibilitou que os judeus tivessem acesso direto aos reis, e privilégios foram concedidos. Um deles constituía numa multa coletiva, aplicada a uma cidade quando aparecia um judeu morto e o assassino não era encontrado.

DSC09355Os cristãos não viam com bons olhos as doações realizadas pelos monarcas às comunidades judaicas, nem os privilégios que ostentavam. No século XIII entra em vigor a lei eclesiástica que proibia o empréstimo com juros (usura), justamente num momento em que vários membros da comunidade judaica se especializaram em negócios financeiros. O ambiente social se agravou com a chegada na Península Ibérica das idéias anti judaicas reinantes pelo resto do continente europeu, e a propaganda contra a comunidade cresceu por todas as partes. As acusações contra os judeus de terem envenenado a água e de profanar hóstias consagradas aumentaram com a peste negra que assolou o continente entre 1348 e 1350. Também no ano de 1391 chegou à Toledo San Vicente Ferrer, monge dominicano e anti judeu declarado, que exaltou os ânimos contra a população judaica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANesta época já existiam na Espanha judeus que se converteram ao catolicismo. A partir do momento em que começaram a ocupar cargos de importância se criou uma atmosfera de inimizade e ódio. Quando se descobriu que muitos deles mantinham seus antigos rituais hebraicos, iniciou-se uma guerra aberta contra as comunidades judaicas no país. Uma das mais importantes ocorreu em Toledo em 1449. Os ataques se sucederam e grande parte das 12 sinagogas da cidade foram destruídas, além de muitas das casas habitadas por judeus. Apenas se conservaram as duas sinagogas que vemos atualmente, a de Santa María la Blanca e a Sinangoga do Trânsito, pois foram transformadas em igrejas católicas. Abaixo, vemos uma imagem interior da Sinagoga de Santa María

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara solucionar o problema converso, os Reis Católicos obtiveram em 1478 uma bula papal autorizando a criação do Tribunal de Santo Ofício da Inquisição. Dois anos depois, foram nomeados os primeiros inquisidores, que começaram a atuar em Sevilha, e instigaram os monarcas para que a comunidade judaica fosse expulsa do país. Em 1480, foi promulgada uma lei real em Toledo que estabelecia novos bairros para a população judaica, situado fora do centro histórico da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, em 1492 os Reis Católicos decretaram o édito de expulsão dos judeus da Espanha. Num prazo de 4 meses, todos aqueles que não optassem pela conversão tiveram que deixar o país. Os bens comunitários, sinagogas e cemitérios, por exemplo, foram confiscados pelo tesouro real. A expulsão gerou uma série de problemas, originados pela falta de pessoas com boa preparação intelectual e mão de obra qualificada. Muitas foram as explicações dadas pelos estudiosos sobre a decisão dos Reis Católicos, como a própria ambição real, que desejavam confiscar os bens da comunidade judaica. Outra razão foi a luta entre a nobreza e as grandes somas de dinheiro que os reis e a própria nobreza deviam a financeiros judaicos. Os judeus que permaneceram no país, obrigados à conversão, tomaram esta atitude para não perder seus bens, mas continuaram a serem perseguidos, principalmente quando mantinham suas tradições na intimidade do lar. Os judeus conversos foram apartados do poder, já que lhes exigiam responder ao denominado estatuto de “Pureza de Sangue“, sendo obrigados a demonstrar que seus antepassados eram cristãos velhos. Abaixo, vemos tumbas hebraicas de época medieval na Sinagoga do Trânsito.

DSC09454Se desconhece o número de judeus que partiram para outras terras, principalmente Portugal, Países Baixos, sendo que muitos foram acolhidos pelo antigo Império Otomano. O édito de 1492 representou um grande acontecimento em toda a Europa. Espanha, a terra européia judaica por excelência, lhes expulsava de seu território. Somente em 1968 se reconheceu oficialmente a abolição do édito promulgado pelos Reis Católicos. A comunidade judaica voltou a viver no país, e atualmente existem 12 delas espalhadas pelo território espanhol, principalmente em Madrid, Barcelona, Valencia, Palma de Mallorca, etc. Abaixo, vemos uma homenagem de Toledo aos judeus que viviam na cidade e que foram confinados e assassinados nos campos de extermínio nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois de 1492, o Bairro da Judería foi abandonado e ficou esquecido, mas muitas instituições religiosas católicas construíram conventos e monastérios em seu perímetro, como o Monastério de Santo Antônio, instalado em 1525 por uma comunidade de freiras franciscanas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOu o Convento de Carmelitas Descalças, a quinta instituição fundada por Santa Teresa de Ávila em seu processo de renovação da Ordem Carmelita (1569), que encontrou abrigo na Judería de Toledo….

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Um Passeio por Valencia

No post de hoje faremos um passeio pelo Centro Histórico de Valencia, descobrindo seus lugares mais representativos do ponto de vista histórico, e conhecendo também o legado relacionado com alguns de seus personagens principais. Um deles nos remonta à época romana, momento em que aparece a figura de San Vicente Mártir, que foi martirizado por defender a fé cristã no ano de 304 dc. É possível visitar a prisão onde recebeu o martírio, transformada numa capela. O local conserva a coluna que, segundo a tradição, o santo foi torturado. San Vicente Mártir tornou-se o padroeiro da cidade de Valencia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPouco mais de mil anos depois, nasce em Valencia outro Vicente de grande importância religiosa, San Vicente Ferrer (1350/1419). Pertencente à Ordem Dominicana, sua voz de predicador ressoou pelas ruas da cidade, sendo venerado pelos seus habitantes. Abaixo, vemos uma estátua em sua homenagem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém podemos ver sua representação na coleção pictórica do Museu Catedralício, num quadro realizado pelo pintor valenciano Joan Reixach entre 1455 e 1459. San Vicente Ferrer é representado de corpo inteiro em atitude de predicação, e vestido com o hábito branco e negro, próprio dos dominicanos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o edifício construído sobre a casa natal do santo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO período gótico foi uma época de grande prosperidade para Valencia, como vimos em matérias anteriores. Em algumas mansões aristocráticas o estilo combinou-se com a corrente artística subsequente, o Renascimento, caso do Palácio de Benicarló, construído no final do século XV e princípio do XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtual sede das Cortes de Valencia, sua construção foi ordenada pelo Duque de Gandia, membro da conhecida família dos Borja (Borjia, em italiano), cujo personagem mais destacado foi Rodrigo de Borja, que se tornou papa entre  1492 e 1503, com o nome de Alejandro VI. Por este motivo, o edifício também é conhecido como Palácio dos Borja. No século XX, este palácio teve um papel significativo durante a Guerra Civil Espanhola, pois entre 1936 e 1937 Valencia tornou-se a capital do Governo Republicano, e o Palácio de Benicarló transformou-se na sede do governo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAValencia adquiriu um grande protagonismo durante a etapa renascentista, pois foi a porta de entrada deste estilo artístico italiano na Espanha. O primeiro livro editado no país se imprimiu na cidade em 1474, e se encontra na Biblioteca da Antiga Universidade de Valencia. Esta instituição cultural fundamental, de grande prestígio atualmente, foi fundada em 1499. Seu edifício histórico situa-se na Plaza del Patriarca. Para sua construção, o conselho da cidade adquiriu várias casas localizadas nas proximidades, encarregando o arquiteto Pere Compte para que realizasse o projeto. É considerada uma das mais antigas e importantes do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa fachada que dá para a praça foi colocada uma bela fonte em 1966, realizada por Javier Goerlich. No centro desta estrutura de aspecto clássico, foi colocada uma estátua  de mármore branco que representa uma figura feminina, símbolo da sabedoria. A ambos lados, 4 estátuas de bronze representam o Papa Alejandro VI, que expediu a bula fundacional da universidade em 1501, o reitor vitalício Vicente Blasco Ibáñez, e os Reis Católicos. Na parte superior da fonte, vemos a inscrição SPQ Valentinus, que significa “Em nome do Senado e do Povo de Valencia”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO aspecto atual desta universidade pública pertence ao período neoclássico, como podemos observar na fachada principal e no claustro maior. No centro do mesmo, vemos um monumento em homenagem ao filósofo, humanista e pedagogo valenciano Joan Lluís Vives (1493/1540), obra realizada por Josép Aixá em 1880.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANas galerias do claustro foram colocadas lápides comemorativas de alguns fatos históricos de relevância do país, como a heróica resistência da cidade de Zaragoza durante o assédio das tropas de Napoleão no começo do século XIX (episódio conhecido como Os Sítios de Zaragoza).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de constituir a sede institucional e também da Reitoria, o Edifício da Antiga Universidade alberga um centro cultural, com um interesse programação cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm minha visita à cidade, tive a ocasião de ver uma maravilhosa exposição sobre a Guerra Civil Espanhola, com fotos que mostram diversas facetas do conflito. Por exemplo, na imagem abaixo vemos uma reunião de mulheres comunistas militantes que protestam para que os homens participassem nas frentes de batalha da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA população de Valencia observa atônita os ataques aéreos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor primeira vez se realizou uma exposição sobre um dos símbolos da República Espanhola, a Revista La Traca. Publicada em Valencia entre 1909 e o final da república, tornou-se a revista de maior tiragem do país, e também uma das mais polêmicas. Seu proprietário, Vicente Miguel Carceller, era o principal editor da Espanha na época. Devido à sua atitude antifacista, a circulação desta revista satírica e anticlerical foi proibida por Franco, e Vicente Miguel Carceller, fusilado em 1940. O recente atentado a uma editorial em Paris teve seu antecedente em Valencia, 77 anos atrás…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Museu de Artes e Tradições Populares – Parte 2

Está em vigor uma interessante exposição no Museu de Artes e Tradições Populares de Madrid, que nos permite conhecer um pouco das inúmeras manifestações culturais do povo espanhol. Fotos, peças e objetos diversos que retratam as costumes e tradições de sua gente, além das festividades habituais que se celebram durante o calendário anual. Uma das mais curiosas acontece em Aragón, na Província de Teruel, onde vários povoados da denominada Comarca de Bajo Aragón celebram a semana santa com milhares de tambores, um espetáculo magnífico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA tradição de tocar o tambor e o bombo parece que se originou na Idade Média, com a chegada das Ordens Militares, que trouxeram os instrumentos de percussão. Cada pueblo possui sua forma característica de tocar os instrumentos, bem como sua vestimenta própria. Existe inclusive um itinerário turístico chamado Rota do Tambor, onde podemos conhecer vários pueblos da comarca. Em um deles, Calanda, nasceu o cineasta Luis Buñuel, que sempre recordava esta genuína tradição de sua cidade. A Festa do Tambor foi qualificada de Interesse Turístico Internacional por sua importância e singularidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra festa de grande devoção popular envolve o santo padroeiro de Madrid e também dos agricultores, San Isidro Labrador. Realizada no dia 15 de maio, milhares de pessoas se reúnem na Ermita de San Isidro em Madrid para beber da milagrosa água associada ao santo e comer doces típicos. Durante uma semana, são promovidas na cidade uma grande quantidade de atividades de todos os tipos, exposições, concertos, touradas, etc. San Isidro viveu no séc. XII, mas foi canonizado somente em 1622 pelo Papa Gregório XV, durante a inauguração da Praça Maior de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Província de Córdoba, se realiza a Festa dos Muchileros, em honra ao nascimento do Menino Jesus, no dia 24 de dezembro. Os meninos dos povoados da região se vestem de muchileros e saem cantando pelas ruas, enquanto as meninas elaboram doces, que depois são saboreados pelos demais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo povoado de Useras ocorre, também na semana santa, uma peregrinação que remonta ao período em que viveu San Vicente Ferrer, quando a Peste Negra vitimou a milhões de pessoas. Muitos começaram a seguir as predicações do santo, fazendo promessas e peregrinações penitenciais. Além do mais, eram obrigados ao voto de silêncio e a deixar a barba crescer durante um mês…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa presente exposição, foram exposto diversos objetos relacionados ao modo de vida tradicional e aos costumes populares de diversas regiões da Espanha, como uma singela parteira de cerâmica, proveniente do povoado de Triana, situado na Província de Sevilha. Este objeto remonta à época em que muitas mulheres davam a luz em casa, algo que ainda sucede em muitas partes do mundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos simples exemplares de berços de madeira, utilizados antigamente no País Vasco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas peças estão relacionadas ao casamento, como esta Jarra, característica do povoado de Guadíx, na Província de Granada. Profusamente decorada, esta jarra feita de argila cozida possui um grande valor simbólico, como um presente oferecido a noiva, e onde os convidados depositam dinheiro ao casal. Por isso, este objeto chamado de Jarra Accitana é também conhecido como Jarra da Noiva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas cerimônias fúnebres do País Vasco, existe uma tradição de manter aceso um objeto chamado Argizaiola, em memória ao defunto. A cera é enrolada num objeto de madeira e permanece acesa durante as celebrações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas peças estão vinculadas ao trabalho no campo, que são elaboradas com esmero, como as que vemos a seguir. Estes objetos são representativos da Arte Pastoril, e são fabricados pelos pastores durante o tempo em que o gado pasta pelos campos. Depois são oferecidos como presentes a noiva ou esposa, que esperam seu regresso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs Carlancas são curiosos utensílios utilizados como proteção dos cachorros que vigilam os rebanhos de ovelhas. Feitos de ferro ou coro, são colocados no pescoço do animal para protegê-los de possíveis ataques de lobos. Este hábito remonta a Idade Média…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInstrumentos típicos também podem ser admirados na exposição, como o Chicotén, presente na zona dos Pirineus. Da família dos Cordófonos, é fabricado em madeira de nogal e suas cordas são feitas com tripas de boi. Consta de uma caixa de ressonância e 6 cordas, e normalmente é acompanhado da flauta, sendo que ambos instrumentos são tocados simultaneamente pela mesma pessoa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFica aqui o convite para que todas as pessoas que venham a Madrid conhecer este desconhecido centro cultural, um complemento excelente durante uma visita ao Rastro.