Santa Teresa de Ávila

Esta série sobre Ávila estaria incompleta se não mencionássemos uma de suas filhas prediletas e, certamente, a mais conhecida de todas. Nascida como Teresa de Cepeda y Ahumada (1515/1582), passou à posteridade com o nome de Santa Teresa de Ávila ou Santa Teresa de Jesus, uma das personagens mais relevantes de sua época, tanto por seu papel reformador dentro da Ordem das Carmelitas, quanto por sua obra literária. Em 2015, se celebrou em toda a Espanha o quinto centenário de seu nascimento. Foi santificada poucos anos depois de sua morte, em 1622. Junto com Santa Catarina de Siena, foi a única mulher que recebeu o título de Doutora da Igreja, que lhe foi concedido pelo Papa Paulo VI em 1970.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das grandes atrações de Ávila é justamente o turismo religioso relacionado com os lugares onde viveu a santa. Existe, inclusive, um itinerário que pode ser percorrido que nos mostra os locais fundamentais onde deixou seu legado religioso, associados aos fatos marcantes de sua vida, todos eles reconhecidos pelo símbolo abaixo, denominado “Huellas de Santa Teresa“. Traduzido literalmente, significa “Nos passos de Santa Teresa”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÀ diferença da maioria dos santos católicos, cujo conhecimento de suas vidas foram transmitidos por historiadores e relatos de outras pessoas, no caso de Santa Teresa contamos com uma fonte escrita realizado por seu próprio punho, o “Livro de la Vida“, sua autobiografia. Considerada a escritora mística mais importante de sua época, sua importância ultrapassa, no entanto, seu papel literário e reformador.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANasceu em Ávila no dia 28 de março de 1515 e viveu 67 anos, dos quais 57 deles na cidade castelhana. Seu pai, Alonso Sánchez de Cepeda, casou-se duas vezes, sendo que com sua primeira esposa teve dois filhos. Depois de seu falecimento, se casou com Beatriz de Ahumada, com quem teve 10 filhos, entre os quais a santa. A maior parte de seus irmãos se aventuraram no continente americano, em busca de uma vida melhor.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATeresa de Cepeda y Ahumada foi batizada na Igreja de San Juan Bautista em 4 de abril. De estilo gótico, foi erguida sobre um anterior templo românico no século XVI. Situada intramuros, na fachada da igreja foi colocada uma placa em que se menciona este fato fundamental de sua vida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior podemos contemplar a Pia Batismal onde recebeu o sacramento. A maioria das capelas existentes em seu interior foram patrocinadas por famílias nobres de Ávila, que as utilizaram como capelas funerárias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesde pequena, caracterizou-se por seu espírito inquieto e reformista. Nesta época, era costume que os pais com recursos deixassem suas filhas nas mãos de criadas, mas os pais de Teresa se empenharam em sua educação, aprendendo a ler e escrever, algo incomum naqueles tempos, sobretudo por ser mulher. Sua casa possuía uma abundante biblioteca, com muitos livros dedicados à vida dos santos e as obra de cavalaria, os temas principais de seu gosto pessoal. Teresa cresceu como uma menina alegre e extrovertida, com uma grande capacidade de liderança.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstas obras influenciaram de tal maneira seu primeiro período de vida, que decidiu, junto com seu irmão Rodrigo, a vivenciar suas próprias aventuras, como a que protagonizou quando tinha entre 8 e 9 anos, tentando fugir da cidade para ser martirizada nas terras ocupadas pelos mouros. Quando se encontravam no denominado 4 Postes, já fora da cidade, foi convencida por seu tio a que regressassem a sua casa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInstalado numa posição privilegiada sobre a cidade, o Humilhadero de San Sebastián foi levantado no século XVI, muito embora lendas locais atribuem sua construção na época da reconquista. Outros afirmam que sua origem é romana, um templo pagão que foi posteriormente cristianizado. Composto por 4 colunas, em seu centro se ergue uma cruz. Deste ponto, podemos admirar uma das mais belas vistas de Ávila e de sua impressionante muralha.

20160612_124733Devido a diferença de idade com suas irmãs, seus companheiros de infância foram seus irmãos, especialmente o mencionado Rodrigo. Com ele, brincava de ser freira e de construir monastérios. Este momento de sua vida foi retratado numa escultura que pode ser vista no Convento da Santa, fundado sobre sua casa natal, que em breve veremos no blog.

dsc00196Um dos momentos mais dolorosos de sua vida ocorreu quando tinha apenas 12 anos, com a perda de sua mae. Logo depois, fez um pedido à Virgem Maria para que a substituísse como figura materna, não só no céu, como também na terra. A santa não especificou ante qual imagem realizou o pedido, mas a tradição diz que foi diante da Virgem da Caridade, situada atualmente numa das capelas da Catedral de Ávila.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois do falecimento da mãe, Teresa começou a distrair-se com “banalidades”, passando a ter uma intensa vida social, e rodeando-se de “más companhias”. Foi quando seu pai considerou oportuno ingressá-la no Convento de N.Sra de Gracia, que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste monastério feminino da Ordem de Santo Agostinho foi fundado no início do século XVI, sofrendo um incêndio em 1622 que lhe afetou seriamente. Atualmente, pouco mudou da época em que a santa o habitou quando tinha 16 anos, estando nele durante um ano e meio. Permanece como convento de clausura até hoje…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa época da santa, este convento era uma espécie de internato, onde se formavam os (as) filhos (as) das principais famílias de Ávila. Nele, Teresa contou com o apoio da freira María de Briceño, amiga de sua família, que foi fundamental para que a santa desenvolvesse sua vocação religiosa. Apesar do pouco tempo que nele permaneceu, este convento exerceu uma grande importância em sua vida, tendo que abandoná-lo por um grave problema, sua precária saúde.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, continuaremos conhecendo os passos de Santa Teresa em Ávila e sua vida…

A Catedral de Ávila: Parte 3

Nesta última matéria sobre a Catedral de Ávila veremos os demais lugares de interesse que podemos encontrar numa visita ao templo. A Girola, sua parte mais antiga, foi construída na época de Girald Frunchel, o arquiteto francês responsável pelo projeto inicial da Catedral de Ávila. Um de seus elementos mais característicos foi a utilização da pedra de arenito como material construtivo. Composta de óxido de ferro, proporciona uma tonalidade avermelhada que diferencia este espaço dos demais, nos quais foi empregado o granito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Girola constitui a parte de uma catedral que rodeia o altar maior, junto ao ábside. Na Catedral de Ávila, foi belamente decorada com 5 painéis de relevos realizados por Lucas Giraldo e Vasco de la Zarza no estilo renascentista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAQuatros dos painéis foram  representados pelos apóstolos evangelistas, com seu respectivo animal simbólico, como o Apóstolo Marcos e o Leão, por exemplo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO painel central é a jóia do conjunto, obra prima de Vasco de la Zarza, responsável pelo sepulcro do Bispo de Ávila, Alonso del Madrigal. Realizado em alabastro como se fosse um retábulo, é considerado uma das grandes obras da Escultura Renascentista Espanhola. Alonso del Madrigal ocupou a cátedra entre 1449 e 1455, destacando-se por sua santidade e por seu trabalho como teólogo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Girola foram abertas 9 capelas. A denominada Capela da Virgem da Piedade ou das Dores foi fundada no século XV no estilo renascentista por D.Rodrigo Dávila. A capela está presidida por uma cópia da magnífica Piedade de Miquelângelo, obra realizada por Juan Bautista Vázquez “El Viejo” em 1560.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANesta obra podemos apreciar uma das características do Renascimento Espanhol, menos apegado aos ideais de beleza clássicos do Renascimento Italiano. Esta capela também tornou-se famosa pela imagem da Virgem da Caridade, uma escultura do século XV especialmente venerada por Santa Teresa de Jesus. Abaixo vemos uma imagem geral da capela e da referida imagem, além de outra que representa a própria santa de Ávila.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA visita à Catedral de Ávila finaliza com o Museu Catedralício, imprescindível pelo conjunto de pinturas e esculturas de sua coleçao. Uma de suas salas corresponde à Sacristia, conhecida como Capela de San Bernabé, decorada com esculturas referentes à Paixao de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste espaço também exerceu a função de Sala Capitular. Nela podemos admirar um magnífico retábulo feito de alabastro, realizado por Isidro de Villoldo e Juan Frías, com cenas relativas à Flagelaçao de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO acesso à Sacristia é realizado por uma bela sala onde se situa outro impressionante retábulo, este do século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA sala principal do Museu situa-se na denominada Capela del Cardenal, cuja construção foi ordenada pelo Arcebispo Quiroga em 1490, no  estilo gótico. Trata-se de uma capela funerária, onde foram enterrados personagens ilustres da história eclesiástica de Ávila, como o Cardeal Francisco Dávila Mújica. Em cima do túmulo, vemos um retrato anônimo do cardeal, do século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado do sepulcro do cardeal situa-se o túmulo de D.Garcibáñez de Mújica, presidido por um retrato pintado por El Greco entre 1604 e 1614.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro da sala contemplamos  uma excepcional obra de arte, uma custódia realizada por Juan de Arfe em 1571. Com 1.70m e 70 kg de peso, foi feita totalmente em prata, e sai às ruas de Ávila durante as procissões da Semana Santa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma Sagrada Família pintada no atelier do famoso pintor italiano Rafael

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu exibe uma belíssima coleção de esculturas românicas, como este Cristo feito em marfim, no século XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria sobre a Catedral de Ávila com uma foto da Sala de los Cantorales, onde se expõem livros de cânticos do século XV, fabricados em pergaminho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de San José – Parte 2

O interior da Igreja de San José possui uma planta de cruz latina com 3 naves, a central e duas laterais. Vimos no post anterior que as naves laterais acolhem numerosas capelas. Abaixo, vemos uma imagem geral do interior do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San José é riquíssima em obras de arte. Abaixo, vemos o famoso Cristo do Desamparo, obra do escultor barroco Alonso de Mena (1587/1646), que o esculpiu em 1631.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos mais destacados artistas do Barroco Espanhol, Luis Salvador Carmona (1708/1767), foi o responsável pela imagem de San José.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior foi executado em 1832, e está presidido por uma escultura da Virgem do Carmo realizada por Roberto Michel no séc. XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentre as diversas capelas existentes, a que está dedicada a Santa Teresa é a mais importante. Constitui, por si só, uma pequena igreja, com inúmeras obras de alto valor artístico. Pertence ao séc. XVIII, e possui uma planta de cruz grega.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs pinturas das bôvedas e da cúpula da capela foram realizadas por Luis González Velázquez (1715/1763), autor de numerosas obras pelos templos de Madrid. Abaixo, vemos o altar dedicado a Santa Teresa, cuja imagem também foi talhada por Luis Salvador Carmona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ambos lados da imagem de Santa Teresa, vemos as esculturas de San Elías e San Eliseo, fundadores do Carmelo (séc. XVII). Observamos, também, duas pinturas relacionadas a episódios da vida da santa. A seguir, vemos uma delas, que representa a Santa Teresa em sua condiçao de Doutora da Igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos a cúpula.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das partes laterais da capela está decorada com um magnífico retábulo neoclássico do séc. XVIII. Dita obra foi executada por Juan Pascual de Mena, filho de Alonso de Mena, que se destacou no mundo artístico ainda mais que seu pai. No centro, vemos uma escultura de San Eloy.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos mais uma imagem das belas pinturas que adornam o espaço da capela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela de Santa Teresa encontra-se em um excelente estado de conservaçao, algo que nao podemos dizer em relaçao à nave central, principalmente nas bôvedas. O progressivo escurecimento das pinturas que a  decoram tornam difícil sua leitura e apreciaçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria comentando que o dramaturgo Lope de Vega (um dos principais nomes do Século de Ouro da culltura espanhola) se ordenou padre nesta igreja, e que nela pronunciou sua primeira missa.

Santa Teresa e Ávila

Situada na Comunidade de Castilla-León, Ávila é a capital de Província mais alta da Espanha (1100m) e seu centro histórico, em excelente estado de conservação, foi declarado Patrimônio da Humanidade em 1985. A cidade possui atualmente 60mil habitantes e foi fundada no séc. V aC pela tribo dos  Vetones, que a denominaram Óbila. Mais tarde, foi povoada pelos romanos, que deram-lhe o nome de Abila. O interior da cidade ainda conserva seu traçado romano. A cidade é conhecida mundialmente por suas muralhas, que foram tratadas num post à parte.

No séc. XI, a cidade , junto com Salamanca e Segóvia, foi repovoada para proteger a cidade de Toledo. Posteriormente, o repovoamento foi transferido para as terras do sul e Ávila foi deixada num segundo plano.

Na foto de abaixo, vemos uma ocasiao festiva, que em nada recorda os tempos de abandono por que passou a cidade.

Na época dos reis católicos (séc. XV), de Carlos I e seu filho Felipe II (séc. XVI) a cidade volta a renascer graças as idas e vindas da corte. Ávila prospera novamente, sendo o local de nascimento de dois dos personagens religiosos mais ilustres da história espanhola: Santa Teresa e San Juan de La Cruz.

Teresa de Cepeda y Ahumada, mais conhecida como Santa Teresa de Jesus, ou simplesmente Teresa de Ávila, nasceu na cidade em 1515. Sua mae faleceu quando ela tinha apenas 12 anos. Nesta época, sua vocação religiosa já havia sido demonstrada em várias ocasiões. Em 1533, deixou a casa paterna e entra para o Monastério da Encarnación de Ávila. Sua saúde já debilitada piorou ainda mais, sofrendo moléstias e uma cardiopatia não definida. Em 1539 recupera a saúde e pretende fundar na cidade um monastério para a estrita observância da regra carmelita, que compreendia os votos de pobreza,  silêncio e solidão. Depois de anos de luta, o papa Pio IV redige a bula autorizando a religiosa a fundar o Convento de San José, que seria então regulamentado pela nova ordem das Carmelitas Descalças. Sua reforma compreendia também os monastérios masculinos, cuja função recaiu sobre San Juan de la Cruz, considerado um dos maiores poetas místicos da literatura espanhola.

Teresa de Jesus inaugura vários conventos por todo o país, vindo a falecer em 1582. Foi declarada santa em 1622 e em 1970 se converteu, junto com Santa Catarina de Siena, na primeira mulher elevada a condição de Doutora da Igreja. Além da Reforma Carmelita, cultivou a poesia lírica-religiosa e escreveu centenas de cartas e obras literárias, como sua autobiografia, cujo original encontra-se no Monastério de San Lourenço del Escorial.

O Convento de Santa Teresa foi edificado  no mesmo local de nascimento da santa e inaugurado em 1636. O edifício foi projetado pelo arquiteto e frei Alonso de San José, e seu destaque é a fachada barroca e o interior, que alberga valiosas obras do mestre Gregório Fernandez.

No Monastério da Encarnación, Teresa de Jesus fez seus votos em 1537 e nele viveu durante 27 anos. Atualmente, o convento funciona também como museu. San Juan de la Cruz também passou aí uma temporada, como capelao e confessor.

Na cidade encontramos também a Igreja de San Juan Bautista, local onde a santa foi batizada.