Sotosalbos: Prov. Segóvia

Sotosalbos é um belissimo pueblo da Província de Segóvia, situado a apenas 20 km da capital provincial. Conta com somente 130 habitantes, e de sua localização as vistas da Serra de Guadarrama sao impressionantes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois de conquistada pelos árabes, estas terras onde atualmente se situa o povoado tornaram-se terras de ninguém, numa zona compreendida entre os rios Tajo e Duero, formando a fronteira entre os cristãos do norte e os muçulmanos que viviam no sul da Espanha. Com o avance cristão, este território foi doado ao Bispado de Segóvia, iniciando desta forma seu repovoamento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASotosalbos possui um dos templos românicos mais famosos de toda a província, a Igreja de San Miguel Arcángel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPouco se sabe sobre a história desta igreja construída no século XII, que substituiu uma anterior edificada , ao parecer, no século anterior. Uma de suas características principais é a singular galeria porticada, um dos sinais de identidade do Românico Segoviano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsta de 7 arcos sustentados por colunas geminadas. O conjunto está decorado por uma grande riqueza simbólica e iconográfica em seus capitéis e em pequenas esculturas situadas embaixo do telhado, denominadas canecillos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANos elementos escultóricos podemos observar cabeças humanas, ofícios tradicionais, animais fantásticos, motivos vegetais, etc. As portas de acesso à igreja possuem arquivoltas realizadas em zig-zag…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs galerias porticadas , além de sua função estrutural, eram consideradas locais de reunião popular, onde se discutiam assuntos relacionados ao interesse comum. Abaixo, vemos uma foto do seu interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos a sólida torre campanário da igreja, de planta quadrada e três níveis, sendo que o segundo está formado por arcos cegos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA exuberância decorativa do templo também pode ser admirada nos capitéis existentes, como estes que integram a galeria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma imagem do interior da igreja, composto por nave única.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo ábside se conservam pinturas murais românicas, que representam um Pantocrátor (Cristo em majestade dentro de uma mandorla, junto com a representação zoomórfica dos 4 apóstolos evangelistas, conhecidas como Tetramorfos. Podemos apreciar somente o leao, relacionado com Sao Marcos. As demais pinturas não sobreviveram).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A Igreja de San Miguel Arcángel foi declarada Monumento Histórico-Artístico em 1973, devido à sua importância histórica e arquitetônica, fazendo jus ao título de uma das jóias do estilo românico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Catedral de Burgos

A Catedral de Santa María de Burgos é, inegavelmente, uma das construções góticas mais espetaculares de todo o continente europeu. Não à toa, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade.

20150725_201445Sua construção iniciou-se em 1221, sobre um anterior templo românico erguido durante o reinado de Alfonso VI (1065/1109). As obras desta magnífica catedral começaram graças ao incentivo do monarca Fernando III e o Bispo Maurício. Seu estilo gótico foi inspirado nas catedrais francesas de Chartres, Amiens, Reims e na de Notre Dame de Paris.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte principal da igreja já estava finalizada no final do séc. XIII, e o primeiro arquiteto conhecido é o chamado Mestre Enrique, mencionado num documento em 1261 (também responsável por uma parte da construção de outra catedral gótica fundamental, a de León). As ampliações realizadas nos séc. XV e XVI coincidem com a época dourada da cidade de Burgos. Declarada Monumento Nacional em 1887, recebeu o título de Patrimônio da Humanidade em 1984, quando então foram realizados trabalhos de restauração na catedral.

IMG_2880A Catedral de Burgos sofreu irreparáveis danos durante a ocupação francesa de início do séc. XIX, quando perdeu boa parte de seus vitrais góticos. Abaixo, vemos a fachada principal, que dá para a Praça de Santa Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs três portas que a compõem foram realizadas e reformadas posteriormente. A central, por exemplo, denominada de Porta do Perdão, foi construída em 1790 no estilo neoclássico, e as laterais foram reformadas no séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte central da fachada, vemos a 8 estátuas que representam personagens do Antigo Testamento, esculpidas no séc. XIII. As agulhas foram colocadas a mediados do séc. XV, por Juan de Colonia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO melhor conjunto escultórico da parte exterior da catedral corresponde à Porta del Sarmental, considerado um dos melhores do estilo gótico em todo o país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO rosetón (roseta, em português) que vemos acima da porta é o único conservado da etapa gótica da catedral. Na parte lateral da mencionada porta vemos a personagens bíblicos, como São Pedro, São Paulo, Aaron e Moisés. No centro, entre estes personagens, aparece a escultura do Bispo Maurício, fundador da catedral. A seguir, vemos uma imagem do tímpano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa cena principal da porta se representa a imagem de Deus como rei do universo (pantocrátor). Ao lado, a representação animal dos apóstolos evangelistas (São Marcos, São João, São Mateus e São Lucas), conhecida como Tetramorfos. Abaixo, no dintel, as esculturas dos 12 apóstolos. Nas arquivoltas (parte superior), foram representados anjos,arcanjos e os anciões do apocalipse. Outra porta de grande importância é a denominada da Coronería, também chamada Porta dos Apóstolos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs esculturas dos apóstolos foram colocadas nas partes laterais ( 6 de cada lado). No tímpano, vemos a cena da Virgem e São João ante Cristo, acompanhados de anjos que portam os símbolos da paixão (cruz, coroa de espinhos, lança e cravos). No dintel, São Miguel aparece pesando a alma dos defuntos. Todas estas esculturas também são góticas do séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos as estruturas arquitetônicas chamadas de Arbotantes, que permitiram o avanço da arquitetura gótica, possibilitando a construção de catedrais cada vez mais altas, ao deslocar o peso da mesma para sua parte exterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANos próximos posts, veremos o interior da Catedral de Burgos, tão maravilhoso quanto sua parte exterior.

Mesquita de Bab Al-Mardum – Toledo

Das 10 mesquitas que haviam em Toledo no período islâmico, a Mesquita de Bab Al-Mardum é a mais importante conservada atualmente. Na época de sua construçao, era um pequeno oratório orientado à Meca, para uso daqueles que chegavam ou saiam da cidade. Trata-se de um dos monumentos mais complexos de toda Espanha, possuindo evidências que vao desde o assentamento romano até o período da reconquista de Toledo (séc. XI). Representa, também, uma das construçoes mais importantes da época de esplendor do Califato de Córdoba existente no país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA mesquita foi construída em 999 dC, como comprova a inscriçao em caracteres cúficos no relevo de tijolos de uma de suas fachadas, considerada única no Islao Ocidental, por ter sido elaborada com fragmentos de tijolos ordinários. Nela aparece o nome do arquiteto construtor, Musa Ibn Ali.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte exterior está composta por 3 vaos de acesso e um corpo superior formado por arcos entrecruzados cegos. A fachada noroeste, que dá para o pátio ajardinado, está formada por Arcos de Ferradura e de Meio Ponto. O nível mais alto, por Arcos Polilobulados que marcam outros Arcos de Ferradura de estilo califal, estando decorados com tonalidades bicolores de tijolos, inspirados na Mesquita de Córdoba.

DSC09151O exterior, decorado com arquerias sobre muros de alvenaria e tijolos, contrasta com o interior, revestido de gesso. Possui planta quadrada com 8 metros quadrados, distribuídos mediante 4 colunas situadas em 3 naves paralelas e cruzadas por outras 3 naves transversais. Cada espaço está coberto por bôvedas diferentes entre si.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC09144Os capitéis, de origem visigoda, foram reaproveitados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a reconquista de Toledo, a mesquita foi adaptada ao culto cristao, quando o rei Alfonso VI cede o monumento aos Cavalheiros da Ordem de San Juan, que estabelecem uma ermita sob a titularidade de Santa Cruz. Passa, entao, a ser conhecida pelo nome Ermita del Cristo de la Luz, graças a um Cristo crucificado que foi colocado e substituído posteriormente por uma imagem da Virgem da Luz. Em 1187, se constrói um ábside complementer, que se tornaria famoso por ser considerado a mais antiga amostra de arquitetura mudéjar conhecida.

DSC09148Esta reforma serviu de base e inspiraçao para todas as outras construçoes do Mudéjar Toledano, o estilo arquitetônico por excelência da cidade. Do séc. XII sao as pinturas murais encontradas no interior, estando catalogadas como exemplos de Pinturas Românicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa imagem acima, vemos representado um dos motivos iconográficos mais importantes do Cristianismo, o chamado “Maiestas Domini”, ou Cristo em Majestade com atitude triunfante e rodeado pelos tetramorfos, a representaçao zoomórfica dos 4 evangelistas. Pena que nao se conservam todas as imagens. Podemos contemplar somente a águia, símbolo de Sao Joao, e o leao, símbolo de Sao Marcos. Além do mais, estao conservadas algumas pinturas de santos (as) numa de suas paredes.

DSC09143Escavaçoes arqueológicas realizadas encontraram vestígios  de épocas anteriores à construçao, bem como uma calçada romana de 5 me de largura, em excelente estado de conservaçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outra imagem deste monumento impressionante.

DSC09150Com a desintegraçao do Califato de Córdoba, Toledo tornou-se um Reino de Taifa (taifa de Toledo), que ocupava a quase totalidade da atual superfície da Comunidade de Castilla-La Mancha. Eram como cidades autônomas, e sem poder centralizador, facilitaram sobremanera a tarefa dos Renos Cristaos, que reconquistaram Toledo em 1085, com a tomada  do rei Alfonso VI. Realizaremos ainda muitos posts sobre Toledo, porque existem vários lugares de interesse por conhecer…

Arévalo – Cidade Mudéjar

A Arquitetura Mudéjar é, indiscutivelmente, uma das características mais marcantes da cidade de Arévalo. Designamos Arte Mudéjar, especialmente no campo arquitetônico, a um estilo próprio da Península Ibérica desenvolvida nos Reinos Cristãos entre os séculos XII e XVI. O estilo distingue-se pela combinação das correntes artísticas européias da época (Românico e Gótico, principalmente) com os elementos da denominada tradição Hispano-Muçulmana. Seu surgimento foi possibilitado graças à convivência cultural entre povos de origens diversas na Espanha Medieval. O termo Mudéjar se refere à população muçulmana que permaneceu na península durante o Processo de Reconquista. Hábeis construtores, utilizavam para a construção de edifícios, normalmente de função religiosa, um material abundante e barato, o tijolo. Dois deles podem ser vistos na Praça Da Vila de Arévalo, por si só, uma verdadeira preciosidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Praça, historicamente falando, sempre representou o centro da localidade. Trata-se de uma típica praça castelhana porticada, cuja excelente conservação lhe valeu o título de Conjunto Histórico-Artístico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANela, podemos apreciar exemplos da arquitetura popular medieval. As galerias que cumprem a função de suporte das construções estão formadas por 31 colunas de pedra e 25 de madeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm cada um de seus extremos, o espaço está delimitado pelas torres mudéjares das Igrejas de Santa Maria e San Martín.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santa Maria La Mayor é uma clara amostra do estilo mudéjar. Construída entre os séc. XII/XIII, nela destacam-se o ábside semicircular e a torre, a mais alta da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte inferior da torre está composta pelo Arco de Santa Maria, um dos principais acessos a esta belíssima praça.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante o processo de restauração do templo, foram encontrados em seu interior restos policromados de Pintura Mural da época em que a igreja foi erguida. A cena retrata uma imagem muito representada durante o período Românico, o denominado Pantocrátor ou Cristo em majestade. Com a mão direita e os dois dedos levantados (significando sua dupla natureza, divina e humana), Cristo bendiz a humanidade, enquanto a esquerda segura uma esfera, símbolo do universo. Ao seu lado, nos quatro ângulos da composição, vemos a representação simbólica dos quatro Apóstolos Evangelistas, denominados Tetramorfos. São eles: São João/Águia, São Marcos/Leão, São Mateus/Homem com Asas e São Lucas/Boi

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Martín foi construída em 1250, e se caracteriza por uma mistura estilística que engloba o românico, o mudéjar e o renascimento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi reformada nas etapas renascentista e barroca, quando perdeu seu ábside original. Ela é conhecida também pelo nome  “Torres Gêmeas”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa imagem acima, vemos o átrio românico que ainda se conserva, com os característicos Arcos de Meio Ponto. No séc. XX, foi usada como depósito de grãos e logo abandonada. Em 1931, a Igreja de San Martín foi declarada Monumento Nacional e realizou-se um intenso processo de restauração. Atualmente, não realiza cultos, como a Igreja de Santa Maria, e seu espaço interno está dedicado a eventos culturais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntes de finalizar o post, convém salientar que Arévalo sediou recentemente a décima oitava edição da Exposição “As Idades do Homem”. Estas exposições possuem um caráter itinerante e são organizada por uma fundação de caráter religioso, cujo objetivo é a divulgação da riquíssima Arte Sacra da Comunidade de Castilla y León. Na presente edição, a temática abordada foi o Credo.  Iniciada em 1988, a Exposição “Idades do Homem” repercute positivamente em todas as cidades sedes escolhidas, e com Arévalo não foi diferente, tal a quantidade de visitantes que a cidade recebeu durante o evento.

Daroca Românica e Mudéjar

O patrimônio monumental da histórica cidade de Daroca é um dos mais importantes de toda a Comunidade de Aragón. Apesar de ter perdido ao longo dos séculos igrejas, sinagogas, fontes, etc, a vila possui catalogados cerca de 200 edifícios de interesse histórico e artístico. Entre eles, destacam suas igrejas de estilo românico e mudéjar, algumas delas consideradas como as mais antigas de toda a comunidade aragonesa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADas 3 igrejas que vamos ver no post, duas delas (Igreja de San Juan e de Santo Domingo) compartem históricamente características comuns. Construídas inicialmente no estilo românico (séc. XII), as obras foram interrompidas por problemas econômicos, sendo concluídas somente no século seguinte, quando são adotados elementos construtivos mudéjares. A importância e singularidade do Mudéjar de Aragón foi reconhecido pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santo Domingo foi iniciada pelo ábside na segunda metade do séc. XII. Sua torre, edificada no final do séc. XIII e princípios do séc. XIV, é considerada a mais antiga do mudéjar em Aragón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANela podemos observar nitidamente a mudança dos elementos construtivos. Sua parte inferior construída em pedra pertence ao estilo românico, enquanto em sua parte central e superior foi utilizado o tijolo, característico dos artesãos mudéjares que a construíram.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo séc. XIV, foi acoplada à torre e ao ábside a igreja que vemos atualmente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs janelas da torre possuem características da tradição muçulmana. Abaixo, vemos uma imagem do ábside.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santo Domingo foi erguida sobre uma das mesquitas de Daroca. Em seu ábside combinam-se os elementos de ambos estilos, românico e mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos a porta de entrada do templo, com um arco de clara influência islâmica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Miguel é o templo da cidade que conserva de modo mais intacto sua construção românica original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEdificada também no séc. XII, sua construção prolongou-se até a época barroca. A portada românica está formada por cinco arcos e um tímpano em que somente intuímos os elementos do desaparecido relevo com a imagem da majestade de Cristo, envolto numa mandorla, e rodeado dos 4 evangelistas e seus símbolos, conhecidos em conjunto como Tetramorfos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior guarda maravilhosas surpresas ao visitante. Entre 1518/1520 foi construído o coro, cujo teto coberto com bôvedas estreladas é típico da fase final do gótico espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASan Miguel pertence ao estilo românico denominado de transição, em que as formas puras do estilo combinam-se com elementos que anunciam a chegada do gótico. No interior podemos observar arcos de ambas tendências. O chamado Arco de Meio Ponto ou semicircular é típico do românico, enquanto o Arco Ojival é uma característica do gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO maior destaque do templo, porém, é o excepcional conjunto de pinturas góticas que conserva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs pinturas representam, como motivo central, a Coroação da Virgem Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo conjunto observamos 12 anjos músicos, com seus instrumentos antigos. Esta tradição musical, representada nas pinturas, foi materializada com o Festival de Música Antiga, que se celebra todos os anos no mês de agosto. O ambiente da cidade, mágico por si só, torna-se extraordinário, com os artistas ensaiando por todas as partes da cidade para os concertos realizados à noite, em suas igrejas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Tudela – Navarra

Segunda cidade mais populosa de Navarra, com aprox. 35 mil habitantes, Tudela localiza-se no sul da comunidade e é banhada pelas águas do Rio Ebro. Fundada em 802 durante o reinado de Al Hakan I, é considerada uma das cidades de origem muçulmana mais importantes da Espanha e mesmo da Europa. Durante o domínio árabe, adquiriu grande protagonismo, econômico e social.

DSC01414

Durante o momento de ampliação da cidade, entre os séc. IX e X, a chegada dos Judeus transforma o núcleo urbano, que chegou a possuir um dos bairros judaicos (juderia) mais importantes do reino. Dessa forma, durante séculos, e tal como sucedeu com Toledo, Tudela obrigou comunidades das três religiões monoteístas: cristãos, árabes e judeus.

Em 1119, foi reconquistado pelo rei Alfono I “El Batallador”, e o rei Carlos III “El Noble”, outorgou-lhe o título de cidade em 1390. Na época do reinado de Fernando Católico, foi a última cidade em rendir-se às tropas reais. Apesar da rendição, obrigou o rei a respeitar e manter o foro da cidade.

No séc. XIX, durante a Guerra da Independência, a cidade mais uma vez se inserre na história militar, combatendo as tropas francesas na Batalha de Tudela. Devido à vitória das tropas napoleônicas, o nome da cidade foi inscrito no Arco do Triunfo de Paris.

DSC01406

Um passeio por suas ruas nos permite retornar ao passado, e conhecer suas atrações.

Do séc. XII, a Igreja da Magdalena é o maior expoente da arquitetura românica da cidade e foi construída sob um templo mozárabe pré-existente, reservada ao culto dos cristãos que viviam sob a dominação árabe.

tudela17Abaixo, vemos o tímpano com a representação de Cristo em majestade (pantocrátor), rodeado pelos símbolos dos 4 evangelistas e duas figuras de joelhos, Madalena e Marta (ou Lázaro).

DSC01405O Palácio do Deán foi levantado no estilo gótico mudéjar (séc. XV) e sedia o museu da cidade, com um belo acervo de obras, entre as quais um quadro atribuído a El Bosco.

DSC01408

A casa do Almirante é um excelente exemplo da arquitetura civil renascentista (séc. XVI).

DSC01413Um dos locais mais conhecidos da cidade, na Praça dos Foros transcorre a vida social de seus habitantes.

DSC01417

Construída no séc. XVIII, num princípio realizavam-se corridas de touro na praça.

DSC01416As casas estao decoradas com escudos de famílias nobres.

DSC01415Porém, o edifício principal de Tudela é a Catedral de Santa Maria. Construída a partir de finais do séc. XII (1168), durante o reinado de Sancho VI “El Sábio”, é uma obra de transição dos estilos românico ao gótico.

tudela3

Para sua construção, foram utilizados alguns materiais da antiga Mesquita maior que havia na cidade (séc. IX/X). Inicialmente possuía o título de colegiata, tornando-se templo catedralício apenas no séc. XVIII. No exterior, a torre foi levantada a finais do séc. XVII (1682/1697), substituindo a anterior românica finalizada em 1228 e que ruiu em 1676. A catedral possui 3 portas, das quais a chamada do Juízo Final é a mais importante.

DSC01402

Também denominada Porta Pintada, pois originalmente estava policromada, é considerada uma das mais impressionantes do período românico tardio europeu, por suas dimensões e profusão decorativa. Devido ao formato ogival ou apuntado de seus arcos e o conjunto estilístico de suas esculturas, é também qualificada como pertencente ao início do período gótico. Falta-lhe a cena do tímpano, que certamente existia, e consta de 8 arquivoltas em que se narra de forma detalhada e exuberante o Juízo Final (na parte direita, estão representados os castigos infernais, enquanto do lado esquerdo, vemos personagens saindo de suas tumbas, acompanhados por anjos).

DSC01403DSC01407O claustro do séc. XII (1180/1206) é um dos expoentes máximos do românico Navarro, formando um conjunto escultórico de grande beleza, destacando capitéis que nos contam histórias bíblicas.

tudela2DSC01411DSC01410O interior nos reserva muitas surpresas, como o maravilhoso retábulo maior. Construído entre 1487/1492 por Pedro Díaz de Oviedo e Diego de Águila, é uma obra típica do denominado gótico hispano-flamenco.

DSC01396DSC01389

O coro, magnífico, é do séc. XVI, e nele vemos o órgão, do séc. XVIII.

DSC01391DSC01385DSC01383Das capelas que acolhe, a de Santa Ana, padroeira de Tudela, se destaca por seu barroquismo e adornos decorativos.

DSC01400DSC01388

O sepulcro de Francisco Villaespesa, um nobre eclesiástico falecido em 1421, chama a atenção por sua beleza. Realizado em alabastro policromado, é de estilo gótico, e ricos são seus elementos decorativos e sua iconografia.

DSC01393DSC01394

Românico em Barcelona

Do legado românico em Barcelona, poucas sao as construçoes que sobreviveram, ocultas entre a magnificência dos edifícios góticos. De qualquer forma, o visitante interessado no tema poderá encontrar verdadeiras jóias do estilo, como o antigo Monastério de Sant Pau Del Camp, uma das edificaçoes românicas melhor conservadas da cidade. Sua documentação, porém, é escassa e confusa. Parece que foi fundado a finais do séc. IX, informação conhecida graças ao descobrimento de uma lápide sepulcral do conde fundador no local, muito embora aceita-se que já existia anteriormente uma construção, convertendo o monastério num dos mais antigos de toda a Catalunha.

DSC07350Originalmente, situava-se fora da proteção das muralhas, fato que explica a origem de seu nome, pois localizava-se no campo. No ano 985, foi atacado pelo caudilho árabe Almanzor e praticamente destruído, sendo abandonado pela comunidade que nele vivia. A partir de então, transformou-se numa pequena igreja dedicada a São Paulo. No final do séc. XI, foi reformado, estabelecendo-se um novo grupo de religiosos. Em 1114 foi novamente atacado, sendo outra vez reconstruído, passando, com o tempo, a fazer parte de outros monastérios, como os de San Cugat e o de Montserrat, por ex.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O monastério foi abandonado definitivamente com a lei da Desamortizaçao de Mendizábal, em 1836. Em 1842, transformou-se em escola e depois em quartel militar. Em 1879 foi declarado Monumento Nacional.

A fachada conserva sua estrutura românica. No tímpano, vemos Jesus rodeado por São Paulo e São Pedro. Estão representados os símbolos tetramórficos dos evangelistas: Leão (São Marcos), Toro (São Lucas), Anjo (São Mateus) e Águia (São João).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Outro relevo circular representa a mao de Deus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja possui planta de cruz grega, e está formada por 3 ábsides. O templo que vemos atualmente provavelmente foi levantado em sua segunda fundação, durante o primeiro quarto do séc. XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

A sala capitular pertence ao período gótico e na imagem abaixo, vemos a janela da sala e um dos sepulcros que se encontram no monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte mais importante de todo o conjunto é o claustro, devido a singuaridade de seus arcos lobulados, provavelmente devido a alguma influência mourisca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe pequenas dimensões e de planta quadrada, o claustro foi erguido no séc. XIII. Os arcos se apóiam em colunas geminadas, rematados por capitéis em que se representam motivos vegetais, temática bíblica, além de sereias, guerreiros, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo capitel a seguir, vemos um relevo de Adao e Eva, com a serpente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANeste outro, já deteriorado, um sapo mordendo a uma figura humana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Em relação às obras de arte do período românico que se podem apreciar em Barcelona, no post realizado em 31/10/2012, vimos o impressionante acervo de pinturas românicas do Museu Nacional da Catalunha (MNAC).

Em relaçao à escultura românica, é insuperável o Museu Frederic Marès, situado em pleno bairro gótico da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA coleção destaca-se pela quantidade e qualidade das obras. A obra mais importante de todo o acervo do museu procede do Monastério de Sant Pere de Rodes (Província de Girona). Trata-se de um relevo que adornava a portada do antigo monastério, e nele está representada a apariçao de Jesus no mar, com seus discípulos. A obra foi realizada por um artista anônimo, conhecido como o mestre de Cabestany, no séc. XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Além da chamada escultura monumental, como a mencionada obra acima, o museu apresenta uma significativa mostra de talhas em madeira que decoravam o interior das igrejas. O motivo principal é a representação da Virgem com o menino Jesus, muito habitual nas representações esculturais do românico. Um bom exemplo vemos abaixo, uma imagem do séc. XII.

Representa a Maria como Sedes Sapientiae, ou seja, como trono de sabedoria, que se encarna no menino divino. A imagem caracteriza-se por uma tendência mais naturalista, que a distancia das imagens mais populares e estereotipadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Outra representação freqüente do museu é a de Cristo crucificado, que faziam parte dos conjuntos denominados Descendimento da Cruz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem em frente ao Monastério de Pedralbes (retratado em 4/2/2013), localiza-se uma construção chamada de Conventet, um pequeno estabelecimento monástico franciscano. Construído aprox. em 1340, acolhia frades encarregados de atender espiritualmente a comunidade de religiosas do monastério. O edifício sofreu os estragos decorrentes da Desamortizaçao de Mendizábal em 1836, ficando abandonado e em estado de semi-ruína. Em 1920, passou a ser propriedade privada e foram encomendadas obras de reabilitaçao, a cargo do arquiteto Enric Sagnier i Villavechia, que aproveitou várias peças românicas originais, procedentes da desaparecida igreja de Santa Maria da localidade de Besalú (Província de Girona).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A incorporaçao das peças refletia uma moda em voga no início do séc.XX, a de projetos construtivos de tipo historicista. Dentre as peças aproveitadas, destacam o tímpano da portada principal e os capitéis que sustentam as galerias superiores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos o post comentando que românica é a Capela de Santa Lúcia, que integra a Catedral de Barcelona. No entanto, a ela será dedicada uma matéria especial…até lá…