Igreja de Santa María del Azogue – Benavente

Benavente possui em seu importante patrimônio histórico-artístico duas belíssimas igrejas construídas originalmente no estilo românico, razão principal de minha visita à cidade. Ambas estão situadas no centro da cidade, e hoje veremos uma delas, a Igreja de Santa María del Azogue.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesde que cheguei à Espanha em 2006, o estilo românico me cativou por vários motivos. O primeiro se deve a que é considerado o primeiro estilo arquitetônico europeu, anterior ao gótico. Desenvolveu-se entre os séculos XI e XIII, e ainda hoje podemos admirar a simplicidade de suas construções e seu forte simbolismo religioso. A Igreja de Santa María del Azogue  foi iniciada no século XII, durante o reinado de Fernando II, e sua parte românica finalizou no século seguinte, sofrendo algumas reformas no século XVI, quando se dá por acabada a construção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANum primeiro momento, o templo me impressionou por sua grandiosidade. Tanto a planta geral do edifício, quanto os 5 ábsides que compõem a cabeçeira, foram construídas no estilo românico. Abaixo, vemos os ábsides escalonados da estrutura, sendo o central maior que os demais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Estilo Românico foi assim designado por incorporar elementos arquitetônicos característicos próprios da arquitetura relacionada ao Império Romano. Um dos elementos principais é o arco semicircular, que podemos apreciar nas portas e nas janelas dos ábsides.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA escultura, esquecida durante um longo período histórico que se prolongou desde a queda do Império Romano até o século X, ressurge de forma maravilhosa no Românico, com um claro objetivo didático e pedagógico. Em suas representações, as mensagens eram “enviadas” a uma população analfabeta, com uma finalidade moral. Uma característica importante do românico é que os conjuntos escultóricos foram incorporados à arquitetura. Podemos observar sua beleza e singularidade em várias partes do templo religioso. Uma das esculturas habituais denominam-se, em espanhol, Canecillos, e normalmente situam-se na parte superior do ábside. Representam estranhas figuras humanas, animais reais e fantásticos, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local em que a escultura românica desenvolveu-se nas igrejas foram nas portas de acesso ao interior. A Igreja de Santa María del Azogue possui duas portas românicas. Em uma delas, os motivos geométricos e florais caracterizam sua decoração nas arquivoltas, como vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa outra porta, um magistral conjunto escultórico atrai o olhar de todos aqueles que a contemplam. Ao contrário da porta de acima, apresenta um belo tímpano que representa o Agnus Dei, ou Cordeiro Eucarístico, rodeado por anjos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa arquivolta interna, observamos em sua parte central uma cabeça humana, que representa provavelmente a Adão, além de uma figura feminina associada a Eva e os símbolos zoomórficos relacionados aos 4 evangelistas (Marcos, Lucas, Mateus e Joao).

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas arquivoltas central e superior, a decoração se restringe a motivos florais e geométricos. Os capitéis românicos também receberam uma curiosa, e muitas vezes enigmática, representação escultórica, como acontece nesta igreja de Benavente. Abaixo, vemos um deles, em que se reconhece a presença de dois leões que protegem o templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA outra porta da igreja foi construída em época posterior…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a imponente torre da igreja, com um relógio em sua parte superior. Na Idade Média, a Torre do Relógio regulava a vida dos cidadãos em vários aspectos do cotidiano, além de chamar os fiéis para os cultos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Cartuja de Miraflores – Burgos

A Ordem dos Cartuxos é considerada uma das mais austeras de todas as ordens religiosas criadas na Idade Média. Durante toda sua existência, professou o voto de pobreza como nenhuma outra, não caindo na ostentação e no luxo de suas instituições. Foi fundada em 1084 por São Bruno (1030/1101), um monge alemão que mudou-se para a França, onde se fundou o primeiro monastério da ordem, situado na Provença, em 1147. Os monges cartuxos são, na realidade, eremitas que vivem em comunidade e suas vidas estão regidas pelos princípios da contemplação e oração. Abaixo, vemos uma estátua de São Bruno, realizada pelo escultor Manuel Pereira em 1652. Apesar de ter nascido no Porto (1588), em Portugal, viveu a maior parte de sua vida em Madrid, onde faleceu em 1667.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Espanha, um dos principais conventos da ordem situa-se a 7 km da cidade de Burgos, a conhecida Cartuja de Miraflores. Para conhecer sua história, é necessário voltar ao ano 1401, quando o rei Enrique III decidiu construir um palácio de recreio. Depois, o monarca manifestou o desejo de transformá-lo num convento franciscano. Recebeu o nome de Miraflores, o nome tradicional de pagamento na época. Com sua morte, seu filho Juan II realizou o sonho do pai em parte, pois embora transformasse o palácio numa instituição religiosa em 1441, decidiu que seria governada pelos cartuxos.

20150726_141000Quando as obras começaram, um incêndio destruiu todo o conjunto em 1452. Dois anos depois foi reconstruído pelo arquiteto Juan de Colonia. Com a morte deste monarca, as obras foram retomadas somente durante o reinado de sua filha, a rainha Isabel La Católica. Esse fato sucedeu quando Isabel foi visitar o sepulcro de seu pai, que se encontra no interior do convento, e encontrou o local num estado deplorável. Para reformá-lo, contratou a Simon de Colonia, filho do arquiteto acima mencionado. Em 1488, as obras foram finalizadas.

20150726_141055A invasão napoleônica no início do séc. XIX resultou na perda de importantes peças artísticas, como o retábulo pintado por Juan de Flandes no final do séc. XV. No entanto, se conserva uma cópia do famoso retrato que o pintor realizou de Isabel la Católica, personagem que tanto se empenhou em terminar as obras da igreja, bem como o excepcional sepulcro de seus pais. O artista retrata a rainha em sua idade madura, sem qualquer tipo de idealização. O original se encontra no Palácio de El Pardo, em Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém no séc. XIX, a Desamortização de Mendizábal de 1836 fez com que a comunidade de religiosos abandonasse a Cartuja de Miraflores, retornando ao lugar somente em 1880. O interior nos mostra as características principais dos conventos da ordem, um claustro em torno dos quais são colocadas as celas dos monges, e a igreja, formada por apenas uma nave. Abaixo, vemos a fachada principal do templo, com o escudo de Juan II sustentado por dois leões. No tímpano, vemos uma expressiva imagem da Piedade, rematado com uma estrutura que acolhe as armas da Rainha Isabel La Católica, na parte superior da fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja se divide nos clássicos espaços das cartujas, dedicadas aos irmãos conversos e aos padres. Para entra ao coro dos padres, é necessário passar por uma estrutura de separação, constituída por dois retábulos barrocos do séc. XVII, que representam a Adoração dos Magos e a Sagrada Família.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro, uma porta rematada pela escultura da Imaculada com dois anjos, realizada pelo artista barroco Bernardo de Elcarreta. Na parte inferior, vemos a inscrição Felix Coeli Porta, cuja tradução significa Feliz Porta do Céu, uma frase utilizada no hino a Virgem Maria “Ave Maris Stella“.

20150726_133635A seguir, vemos o coro dos padres, uma excepcional obra de carpintaria realizada em madeira de nogal em 1498.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos alguns detalhes da igreja, como a bôveda e um dos vitrais que a decoram.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post veremos a segunda parte da matéria sobre a Cartuja de Miraflores, não percam…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Burgos Medieval: A Igreja de San Esteban

San Esteban (Santo Estêvão, em português) é considerado o primeiro mártir da história do cristianismo, razão pela qual é denominado de “Protomártir”. Depois do falecimento e ressurreição de Cristo, foi um dos sete primeiros diáconos da então incipiente Igreja Católica. Sua postura radical do cristianismo fez com que fosse condenado a morrer por apedrejamento pelas autoridades de Jerusalém, fato que teve como consequência o final do cristianismo como uma seita do judaísmo, ocasionando a separação do culto cristão do judaico praticado na cidade. Um santo bastante popular na Europa, a ele foi dedicado esta bela igreja gótica de Burgos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Esteban foi levantada no final do séc. XIII sobre um anterior templo românico. Sua localização próxima ao castelo fez com que várias vezes sofresse danos causados pelos assédios à fortaleza, como o ocorrido durante a Guerra da Independência contra os franceses.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo consequência, a igreja perdeu parte de seus elementos originais, como os vitrais de seu rosetón, construído em 1479.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAinda assim, se conserva sua belíssima portada principal, edificada em 1300. No tímpano se representa a imagem de Cristo como juiz, com São João e a Virgem. Na parte inferior, vemos o Martírio de San Esteban.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja é deveras interessante, pois acolhe o Museu do Retábulo, com uma grande coleção de retábulos procedentes de povoados que compõem a Diocese de Burgos. A maioria pertencem ao período compreendido entre os séc. XVI ao XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm exemplo dos muitos retábulos existentes é este, dedicado a San Julián e realizado em torno a 1600.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPodemos contemplar também sepulcros de comerciantes destacados de Burgos na Idade Média, como o pertencente a Sancho Sánchez de Rojas, da segunda metade do séc. XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos tesouros do museu é esta Pia Batismal Românica, da segunda metade do séc. XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa pintura, o destaque fica por conta deste quadro da Última Ceia, uma obra anônima de final do XVI e princípio do XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas peças escultóricas são de grande valor e beleza, como este Cristo Crucificado pertencente ao séc. XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOu então o maravilhoso trabalho realizado neste crucifixo de final do séc. XII, feito de cobre dourado com esmaltes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu do Retábulo possui ainda uma grande coleção de objetos litúrgicos de várias épocas e materiais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Burgos – Parte 2

A Catedral de Burgos é um desses lugares em que o olhar se perde diante de tanta beleza. Inumeráveis são suas obras de arte e sem fim os lugares que vale a pena comentar. Por isso, dividi a matéria em três parte, e ainda assim, não será suficiente para vê-la em toda sua dimensão. No post de hoje e no próximo, veremos alguns dos locais mais espetaculares desta construção emblemática do espírito humano e de sua capacidade para refletir o divino numa representação material. A Catedral de Burgos possui planta basilical de cruz latina, com três naves e girola, assim denominado o espaço sagrado que contorna o presbitério e o altar maior. Toda a nave está cercada por um trifório, um elemento tipicamente gótico, correspondente às galerias situadas entre as arquerías e os vitrais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO trifório foi construído no séc. XIII, durante a etapa inicial do erguimento da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Coro é um dos lugares mais importantes de qualquer catedral. Nele, os religiosos se sentam para realizar os cantos litúrgicos, e em muitos casos sua qualidade artística se manifesta pelo exímio trabalho dos melhores escultores, como no caso da catedral burgalense. Inicialmente, o coro situava-se na cabeceira do templo, mas no séc. XVI foi removido aos pés da nave central, uma solução construtiva tipicamente espanhola. Dessa forma, são criados espaços para os fiéis tanto em frente do altar maior, quanto na parte traseira do coro, denominada Trascoro. Nos assentos do coro foram talhadas imagens da vida dos santos e episódios do Antigo e Novo Testamento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANormalmente, na lateral do coro são colocados os órgaos. A Catedral de Burgos possui dois deles, um de cada lado do coro. Abaixo, vemos o órgão mais antigo, de 1636, e depois vemos uma foto do outro, realizado em 1806.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma imagem interna do maravilhoso Rosetón situado na parte superior da Porta de Sarmental, que vimos no post anterior,  o único que se conserva do período gótico na catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstes vitrais circulares são um símbolo da arquitetura gótica, e possuem um simbolismo relacionado à Virgem Maria, cuja devoção alcançou grande popularidade durante o período de construção das catedrais góticas europeias. Por isso mesmo, grande parte delas foram dedicadas à Virgem, como é o caso da Catedral de Santa Maria de Burgos. Outro elemento arquitetônico de destaque é o cimbório, uma estrutura que se sobressai na parte externa do templo, e situado na intersecção da nave central com a nave transversal, sobre a cúpula. O cimbório da catedral derrubou-se e em 1539 foi novamente erguido, composto de uma impressionante estrutura octogonal com reminiscências mudéjares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO claustro foi construído no final do séc. XIII e princípio do XIV. Para chegar a ele, passamos por uma belíssima porta que conserva parte de sua policromia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta propriamente dita foi talhada provavelmente por Gil de Siloé, um dos grandes nomes do Renascimento Espanhol, no final do séc. XV, com cenas relativas à entrada de Jesus em Jerusalém e o Descenso ao Limbo, junto com as figuras de São Pedro e São Paulo na parte inferior. No tímpano, vemos a cena do Batismo de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAGeralmente, o claustro é o local mais importante de um Convento, Monastério ou Catedral, depois da igreja. De planta quadrada ou retangular, nele a comunidade de religiosos percorriam seu perímetro lendo os episódios da Bíblia sendo, portanto, um local de recolhimento e meditação. Também utilizado como lugar de enterramento, o claustro possui um simbolismo ligado ao Paraíso Celestial, com um grande pátio central onde florescem árvores frutíferas e uma fonte de água no centro. Abaixo, vemos algumas imagens do claustro da Catedral de Burgos.

IMG_2857IMG_2866O claustro comunica com vários outros espaços religiosos, como capelas, por exemplo. A denominada Capela de Santa Catalina possui outra magnífica porta, com uma cena do Descendimento de Cristo realizada no séc. XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Sala Capitular recebe este nome porque nela os religiosos se reuniam para a leitura dos capítulos da ordem de cada comunidade, normalmente relacionados com a Regra Beneditina ou de Santo Agostinho. O mais interessante da sala capitular da catedral é o teto, decorado com um artesanato de estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu Catedralício, cujo acesso se dá também a partir do claustro, possui uma grande quantidade de obras de arte, entre pinturas, esculturas e objetos litúrgicos. Uma das peças mais famosas é a escultura de Cristo preso à coluna, do grande escultor Diego de Siloé, filho do mencionado Gil de Siloé.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Burgos

A Catedral de Santa María de Burgos é, inegavelmente, uma das construções góticas mais espetaculares de todo o continente europeu. Não à toa, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade.

20150725_201445Sua construção iniciou-se em 1221, sobre um anterior templo românico erguido durante o reinado de Alfonso VI (1065/1109). As obras desta magnífica catedral começaram graças ao incentivo do monarca Fernando III e o Bispo Maurício. Seu estilo gótico foi inspirado nas catedrais francesas de Chartres, Amiens, Reims e na de Notre Dame de Paris.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte principal da igreja já estava finalizada no final do séc. XIII, e o primeiro arquiteto conhecido é o chamado Mestre Enrique, mencionado num documento em 1261 (também responsável por uma parte da construção de outra catedral gótica fundamental, a de León). As ampliações realizadas nos séc. XV e XVI coincidem com a época dourada da cidade de Burgos. Declarada Monumento Nacional em 1887, recebeu o título de Patrimônio da Humanidade em 1984, quando então foram realizados trabalhos de restauração na catedral.

IMG_2880A Catedral de Burgos sofreu irreparáveis danos durante a ocupação francesa de início do séc. XIX, quando perdeu boa parte de seus vitrais góticos. Abaixo, vemos a fachada principal, que dá para a Praça de Santa Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs três portas que a compõem foram realizadas e reformadas posteriormente. A central, por exemplo, denominada de Porta do Perdão, foi construída em 1790 no estilo neoclássico, e as laterais foram reformadas no séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte central da fachada, vemos a 8 estátuas que representam personagens do Antigo Testamento, esculpidas no séc. XIII. As agulhas foram colocadas a mediados do séc. XV, por Juan de Colonia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO melhor conjunto escultórico da parte exterior da catedral corresponde à Porta del Sarmental, considerado um dos melhores do estilo gótico em todo o país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO rosetón (roseta, em português) que vemos acima da porta é o único conservado da etapa gótica da catedral. Na parte lateral da mencionada porta vemos a personagens bíblicos, como São Pedro, São Paulo, Aaron e Moisés. No centro, entre estes personagens, aparece a escultura do Bispo Maurício, fundador da catedral. A seguir, vemos uma imagem do tímpano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa cena principal da porta se representa a imagem de Deus como rei do universo (pantocrátor). Ao lado, a representação animal dos apóstolos evangelistas (São Marcos, São João, São Mateus e São Lucas), conhecida como Tetramorfos. Abaixo, no dintel, as esculturas dos 12 apóstolos. Nas arquivoltas (parte superior), foram representados anjos,arcanjos e os anciões do apocalipse. Outra porta de grande importância é a denominada da Coronería, também chamada Porta dos Apóstolos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs esculturas dos apóstolos foram colocadas nas partes laterais ( 6 de cada lado). No tímpano, vemos a cena da Virgem e São João ante Cristo, acompanhados de anjos que portam os símbolos da paixão (cruz, coroa de espinhos, lança e cravos). No dintel, São Miguel aparece pesando a alma dos defuntos. Todas estas esculturas também são góticas do séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos as estruturas arquitetônicas chamadas de Arbotantes, que permitiram o avanço da arquitetura gótica, possibilitando a construção de catedrais cada vez mais altas, ao deslocar o peso da mesma para sua parte exterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANos próximos posts, veremos o interior da Catedral de Burgos, tão maravilhoso quanto sua parte exterior.

Colegiata de Santa Maria – Úbeda

Nao bastasse seus magníficos edifícios públicos e a Sacra Capela do Salvador do Mundo, na Plaza de Vázquez de Molina situa-se também o templo mais importante de Úbeda, a Colegiata de Santa María de los Alcázares. A igreja ocupa o mesmo local da antiga mesquita da cidade. Depois de reconquistada em 1234 por Fernando III, transformou-se em templo católico, como tantas vezes ocorreu na história espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesde o séc. XIV, a igreja sofreu inúmeras reformas, motivo pelo qual carece de unidade arquitetônica. Seu aspecto original possuía um caráter de fortaleza, estando adossada aos muros do antigo Alcázar, derrubado pelos Reis Católicos no séc. XV. No século seguinte, foram realizadas as reformas mais importantes do templo, que lhe conferiram a forma que vemos atualmente. A fachada principal, que vemos acima, possui duas colunas de estilo coríntio de cada lado. Em sua parte central, vemos as estátuas de Isaías e Moisés e o grande relevo representando a Adoraçao dos Pastores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1888, foram construídas as duas espaldanas (estrutura superior da fachada principal, que vemos na primeira foto acima), que substituiram a primitiva torre campanário. A outra porta da Colegiata de Santa Maria chama-se Portada de la Consolada, com destaque para uma imagem da Virgem Maria e o Menino Jesus, acompanhada pelo escudo do bispo Sancho De Ávila, promotor das reformas do templo no séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior está composto por 5 naves separadas por Arcos Ojivais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Coro desapareceu na Guerra Civil e das 32 capelas existentes, se conservam 16. A mais importante é a Capela Maior, local em que, segundo a tradiçao, foi realizada a primeira missa na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA capela está presidida pelo Cristo dos 4 Cravos, uma imagem do séc. XV realizada numa postura retorcida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa cúpula, de estilo barroco, vemos representados os 4 Evangelistas em cada uma de suas esquinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA denominada Capela de Yedra é a segunda em importância, depois da Capela Maior. O seu destaque fica por conta da excepcional reja policromada. Nela, observamos cenas como o abraço entre Sao Joaquim e Santa Ana, acompanhados por anjos e pastores. Na parte superior, vemos a Árvore de Jessé, que nos mostra a Genealogia de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Capela Batismal, podemos contemplar uma Pia Batismal gótico-mudéjar do séc. XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra capela interessante é a do Cristo da Caída, com uma escultura de um dos grandes artistas do séc. XX na Espanha, Mariano Benlliure.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta de acesso à Sacristia fazia parte da antiga Capela de la Merced. Esta belíssima porta possui duas partes. A superior é gótica, com um grande Arco Conopial e as imagens de Sao Joao, Sao Paulo e a Virgem. A Inferior é barroca, com uma Arco de Meio Ponto e um tímpano decorado com um relevo do Escudo da Colegiata.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, uma foto da Sacristia

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento destacável é o Claustro Gótico. De finais do séc. XV., possui um curioso formato de trapézio irregular. Ao seu redor, se abrem várias capelas funerárias e um pátio, parte integrante da antiga mesquita.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom esta matéria, finalizo a “viagem” às cidades irmas de Baeza e Úbeda, mas a Província de Jaén ainda nos reserva muitas surpresas, como sua capital provincial, que em breve veremos no blog. Como dizem os espanhóis, un saludo a todos (as) que visitam o blog, até a próxima !!!!!.

Catedral de Albacete

A catedral  é o templo religioso mais importante de Albacete, e sua surpreendente beleza a torna um moumento de visita obrigatória num passeio pela cidade. Sua construçao iniciou-se em 1515, sendo edificada sobre um templo mudéjar anterior, e foi finalizada somente em 1959, quando foram concluídas as fachadas que vemos atualmente. A lateral foi erguida no estilo neoromâmico, e a principal é neogótica.

DSC09472OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste templo mudéjar começou a ser demolido pela cabeçeira, e no seu lugar, uma igreja gótica foi sendo paulatinamente levantada. No entanto, os pilares góticos construídos eram de má qualidade, e provocaram o derrubamento das bôvedas da catedral. O grande arquiteto Diego de Siloé aconselhou, entao, a substituiçao dos pilares góticos por grandes colunas renascentistas, que realizou com grande maestria. Esta transformaçao fez com que as obras se paralizassem, e as bôvedas foram terminadas somente em 1690, já no estilo barroco, pelo arquiteto Díaz Palacios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a Guerra Civil, o templo foi saqueado, perdendo-se o grande retábulo maior barroco do séc. XVIII, numerosas pinturas do séc. XVI, etc. Em 1949, foi criada a Diocese de Albacete, e a catedral é dedicada a Sao Joao Batista. Na fachada principal, vemos o tema do batismo, esculpido no tímpano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs três naves que compoem o interior da catedral possuem a mesma altura, proporcionando uma grande sensaçao espacial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo lugar ocupado pelo antigo retábulo que se perdeu, foram construídos três vitrais. O central representa o titular da catedral, Sao Joao Batista. O altar maior é o único lugar da igreja em que as antigas bôvedas góticas puderam ser conservadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 2007 e 2009, a Catedral de Albacete sofreu um processo de restauraçao que lhe devolveu a beleza de suas colunas e bôvedas. Abaixo, vemos algumas imagens que podemos admirar no interior da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém das impressionantes colunas renascentistas e da exuberância barroca de sua bôveda, destacamos o magistral conjunto de pinturas murais que decoram o interior da igreja. Este será o tema do próximo post, nao percam…