Tarragona Medieval

Com a queda do Império Romano, Tarragona e o território espanhol foram invadidos pelos visigodos. Parece que a conquista foi tranquila, pois não se encontraram sinais de destruição. Os visigodos aproveitaram a estrutura urbana existente. No ano 585, Hermenegildo, irmão do Rei Visigodo Leovigildo, foi assassinado na cidade. Neste período, Tarragona entrou em decadência, com perda paulatina de suas atividades econômicas e população. Entre 713 e 714, foi invadida por um exército muçulmano. A maioria dos estudiosos afirmam que  a cidade foi destruída depois de um assédio de um mês. O Bispo de Tarragona fugiu para a Itália e a cidade careceu de um líder para organizar sua resistência. A antiga Tarraco perde toda sua importância adquirida em época romana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo ano 1129, San Olegario, Bispo de Tarragona, cedeu a cidade ao mercenário Robert Bordet, que foi nomeado Príncipe de Tarragona mediante um ato de vassalagem. O cavalheiro aproveitou a antiga torre romana, conhecida como Torre do Pretório, para no local estabelecer seu castelo. Com a morte de San Olegario, uma série de conflitos jurídicos culminaram na extinção do principado, e Tarragona passou a depender do Condado de Barcelona em 1151. No século XII, a cidade converte-se num núcleo urbano consolidado e centro de um grande território. Seu crescimento realizou-se ocupando a área do antigo Fórum Romano, mantendo a estrutura herdada dos romanos. Em 1171 se inicia a construçao da Catedral de Tarragona, que foi consagrada somente em 1331. O templo foi iniciado dentro do estilo românico, mas finalizada já no estilo gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Tarragona foi o tema de dois posts, publicados em 8 e 9/4/2013, motivo pelo qual não me estenderei muito sobre ela. Apenas comentar que se trata de um templo belíssimo, e que sua visita é muito recomendável. Abaixo, vemos uma foto geral de seu interior e outra do claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFora do recinto defensivo desta época, haviam outras zonas diferenciadas. Por exemplo, a área ocupada pelo antigo Circo Romano transformou-se num núcleo situado fora das muralhas denominada El Corral, acolhendo uma população dedicada ao comércio e pequenas atividades industriais. Outra parte importante, a chamada Vila Nova prolongava-se desde El Corral até o porto, estando dedicada aos cultivos. Abaixo, vemos uma interessantíssima maquete que foi colocada no interior da Torre do Pretório, que nos proporciona uma excelente idéia da Tarragona Medieval na primeira metade do século XV. Foi realizada com dois tipos de madeiras. Uma mais escura, que sinaliza os edifícios romanos que se crê foram reutilizados dentro da estrutura urbana medieval, e uma mais clara, que representa os edifícios construídos na Idade Média.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA sala onde foi situada a maquete constitui uma atração por si só. Foi construída no ano 1368, durante o reinado de Pedro III “El Ceremonioso”, e se considera um dos melhores exemplos da Arquitetura Gótica Civil de toda a Catalunha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém na sala vemos um curioso sarcófago romano do século I, que foi reutilizado por um legionário romano numa época posterior e novamente usado como sepulcro por um nobre medieval.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1348, a Peste Bubônica chegou à Tarragona, causando uma alta taxa de mortalidade. Depois, a cidade começou um processo de reforço de suas antigas muralhas, mediante a construção da chamada La Muralleta, na altura do Circo Romano. Dessa forma, a zona conhecida como El Corral foi incorporado ao núcleo urbano. No século XV, a situaçao política agravou-se, ocasionando uma guerra civil que levou à cidade a mais absoluta decadência. As defesas da cidade foram duramente afetadas, principalmente as relacionadas com La Muralleta. A população mais uma vez diminuiu de maneira drástica e o município declarou-se em quebra. Os efeitos desta guerra foram visíveis na cidade durante muito tempo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo período medieval se conservam muitos outros elementos de interesse, como os arcos góticos do século XIV, que faziam parte da estrutura de um mercado municipal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos o Palácio Episcopal, também edificado no estilo gótico (século XIV).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO atual Centro Histórico de Tarragona pertence ao período medieval, e outro de seus atrativos é visitar o antigo bairro judeu ou Judería. Estava formada por ruas pequenas, com uma acesso independente ao resto da cidade. Sua proximidade com o castelo real indica que seus habitantes estiveram sob a jurisdição do próprio monarca. A seguir, vemos uma parte do bairro que se conserva atualmente…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa antiga Casa del Degá, um palácio renascentista e barroco, propriedade dos diáconos da Catedral, vemos inscrições romanas e lápides judaicas de época medieval. Atualmente este edifício, totalmente reconstruído, é a sede do Colégio de Engenheiros Industriais de Tarragona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Finalizamos a matéria com os restos arqueológicos de um importante edifício da Judería de Tarragona, dos séculos XIII e XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Circo Romano de Tarragona

Um dos destaques do Conjunto Arqueológico de Tarragona, declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o Circo Romano é considerado um dos mais conservados de todo o Ocidente, ainda que boa parte de sua estrutura se encontre oculta debaixo dos edifícios pertencentes ao século XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi construído no século I dC pelo Imperador Domiciano, na parte inferior da parte alta da cidade, separando a zona imperial, representada pelo Fórum, dos bairros comerciais e residenciais. Tinha a particularidade de estar situado dentro das muralhas, algo pouco habitual neste tipo de construção, devido ao seu grande tamanho. O Circo Romano de Tarragona media 325 m de comprimento por 115 m de largura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASuas arquibancadas (gradas) estavam dispostas em 3 de seus lados, sendo que no outro lado situava-se a porta principal e o lugar de saída dos carros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs corridas de carros puxados por cavalos que se disputavam no Circo foram os espetáculos mais populares do mundo romano. Os condutores eram chamados de Aurigas, e normalmente pertenciam às classes menos favorecidas, frequentemente escravos ou libertos. Quando o carro era puxado por 2 cavalos denominavam-se bigas, e quando puxados por 4 cavalos, quadrigas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste tipo de espetáculos constituem uma das tradições mais antigas do Império Romano, estando documentados desde o século VIII aC. Os carros, sejam bigas ou quadrigas, tinham que dar 7 voltas na pista, dividida em duas pela denominada espina. O Circo Máximo de Roma foi o maior do mundo antigo, com capacidade para acolher 125 mil espectadores. O de Tarraco tinha capacidade para receber 25 mil pessoas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Aurigas corriam por dinheiro e prestígio e muitos deles tornaram-se famosos por seu desempenho. Os cavalos também tinham nome e eram conhecidos pelo grande público. As denominadas esquadras, formadas pelos Aurigas e respectivos cavalos, eram propriedades de ricos empresários. Os melhores Aurigas foram venerados pelos torcedores de sua esquadra, e odiados pelos rivais. Abaixo, vemos um epitáfio construído pelos companheiros de um Auriga chamado Fuscus, de finais do século I dC, cuja inscrição o retrata como um personagem honrado e vitorioso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo Circo Romano de Tarragona haviam tabernas onde se podia adquirir bebidas e comidas, além de locais para realizar as apostas. Os espetáculos duravam todo o dia e eram gratuitos, sendo realizados por influentes personalidades da cidade, que ocupavam cargos públicos de relevância.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das principais construções arquitetônicas do Circo Romano de Tarragona eram os túneis que permitiam o acesso dos espectadores à parte norte do recinto. Denominam-se Bôvedas, e uma das mais conservadas é a Bôveda de San Hermenegildo. Originalmente tinha aproximadamente 100 m de comprimento, dos quais se conservam a metade. O túnel situava-se paralelo à muralha e conectava com uma grande escalinata monumental existente em seu final. Seus muros laterais foram feitos de concreto, assim como o arco de meio ponto da cobertura. Em um de seus lados haviam 6 portas, também formada por arcos semicirculares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outra das bôvedas preservadas, com um comprimento de 93 m…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComunicada com o Circo através de galerias subterrâneas, a denominada Torre do Pretório integrava sua estrutura geral, e possibilitava o acesso da parte baixa da cidade com a zona do Fórum, através de uma série de escadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída no século I dC, teve vários usos durante a história, e foi denominada Palácio de Augusto em época romana. No século XII foi utilizado como fortaleza pelos normandos, e depois converteu-se num palácio para os Monarcas do Reino de Aragón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI transformou-se num quartel militar e sofreu danos em sua estrutura durante a conquista de Napoleão no início do século XIX. Depois, a torre foi usada como prisão, quando começou a ser denominada “Prisão de Pilatos“. Durante a Guerra Civil Espanhola do século XX, continuou sendo utilizada como local de confinamento. Durante 10 anos, cerca de 6500 inimigos do regime franquista foram presos e 60 faleceram no local devido às péssimas condições existentes. Uma de suas salas, de estilo gótico, foi reservada aos condenados à morte, e aproximadamente 650 prisioneiros dela saíram para serem executados, entre 1939 e 1945.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta sala conduz a uma terraça, com umas impressionantes vistas da cidade de Tarragona e também do Circo Romano

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA