A Catedral de Ávila

A Catedral de San Salvador de Ávila é considerada um dos primeiros templos góticos da Espanha. Seu aspecto de fortaleza impressiona, quando a contemplamos por primeira vez.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua história se remonta às origens da sede episcopal de Ávila, durante o período romano, e com a chegada do primeiro Bispo da cidade, San Segundo, no ano 63 dC. Durante a época visigoda, Ávila permaneceu como sede episcopal, mas com a conquista muçulmana foi abandonada. Com a reconquista de Alfonso VI e o repovoamento promovido por seu genro Raimundo de Borgonha, a cidade foi fortificada, construindo-se um primeiro templo dedicado a San Salvador. Este templo de estilo românico não chegou a ser finalizado, pois foi substituído pela atual igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA teoria exposta acima é a mais aceita no que diz respeito à construção do templo. Foi projetada por Girald Frunchel, reconhecido arquiteto francês já em sua época, que trouxe as primitivas formas do gótico da França. A primeira parte edificada corresponde, na realidade, ao estilo de transição do românico ao gótico, a partir do ano 1170. Desta época inicial corresponde o ábside da catedral, que integra as Muralhas de Ávila, um fato curioso e único entre as Catedrais da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras da catedral duraram cerca de 300 anos. Com a morte de Frunchel, o projeto original foi modificado, realizando-se um templo com 3 naves no estilo gótico pleno, a partir do século XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém das naves, no século XIII se realizou o primeiro corpo das torres, das quais se construiu apenas uma. No século XIV se construiu o claustro, e as últimas intervenções na Catedral de Ávila foram efetuadas no século XV até mediados do XVI, quando finalizaram-se as obras.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a porta de entrada ao templo, composta por um arco circular decorado com medalhões e motivos florais. Nas laterais, vemos a presença de dois selvagens, que protegem a entrada do recinto sagrado, conhecidos como Gog e Magog.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte lateral da igreja encontramos a Porta dos Apóstolos, que inicialmente esteve situada entre as torres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte lateral da porta vemos os apóstolos. A cena principal representa o Juízo Final, com Cristo como rei dentro de uma mandorla, rodeado por anjos. Realizada aproximadamente em 1300, no ano 1470 foi removida pelo arquiteto Juan Guas à sua localização atual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da catedral destacam inúmeras obras de arte, como o Trascoro, por exemplo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADecorado de forma magistral por Lucas Giraldo e Juan Rodríguez, seus relevos foram realizados com um grande naturalismo. Representam episódios da infância de Cristo, entre os quais a Epifania, onde o Rei Baltazar aparece de negro. Este conjunto escultórico renascentista pertence à última fase construtiva da catedral, sendo iniciado a partir de 1527.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Catedral de Ávila se conservam belíssimos vitrais dos séculos XV e XVI, como vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns deles foram destruídos durante o Terremoto de Lisboa de 1755. No século XX, foram restaurados, com tonalidades claras e formas geométricas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos a segunda parte dedicada à Catedral de San Salvador de Ávila

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Murcia – Parte 2

O interior da Catedral de Murcia possui a mesma riqueza estilística que em seu aspecto exterior. Belas obras de arte enriquecem e adornam o templo, das quais veremos as principais. Está composto por 3 naves, a central e duas laterais, e a girola, como se conhece a prolongação das naves laterais que rodeiam o Altar Maior. O Retábulo Maior é do séc. XIX, que substituiu o original renascentista do séc. XVI, destruído num incêndio em 1854. O Altar maior é considerado uma Capela Real por acolher o sepulcro com o coração do rei Alfonso X “El Sábio”, que passou longas temporadas na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um detalhe da Virgem que preside o Retábulo Maior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente ao Altar Maior situa-se o Coro, exemplo da Arte Plateresca, que foi trazido à catedral pela rainha Isabel II procedente do Monastério de San Martín de Valdeiglesias (Comunidade de Madrid), depois que o anterior coro e os órgãos nele situados ardessem no mesmo incêndio relatado acima. O órgão atual é de 1855.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte traseira do coro, por este motivo denominado Trascoro, vemos a Capela da Imaculada Conceição, realmente muito bonita. Construída no séc. XVII, é considerada uma das primeiras capelas de toda  Europa dedicada a ela. De estilo barroco, está ornamentada com abundantes mármores coloridos e uma imagem da Virgem do séc. XVIII, pertencente à escola madrilenha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, a Capela do Nazareno, construída em 1479 e fundada pelo canônico D.Diego Rodríguez de Almeida, que nela está enterrado. Uma escultura de Jesus Nazareno do séc. XVIII preside a capela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a Capela de San Fernando foi fundada em 1477 e está adornada com um retábulo rococó do séc. XVIII, presidido por uma imagem do santo de autor desconhecido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra bela capela é a do Socorro, construída no estilo renascentista em 1541 por Giovanni de Lugano. Tanto a capela quanto a imagem de N.Sra do Socorro foram realizados em mármore de Carrara.Famosa também é sua Pia Batismal, executada por Jacobo Florentino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA gótica Capela de San Bartolomé acolhe um quadro do santo de começo do séc. XIX, atribuído a Manuel Lázaro Meroño, uma cópia do grande pintor espanhol José de Ribera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, apesar da beleza e importância de cada uma destas capelas, a mais famosa é a Capela dos Vélez, situada na parte de trás do Altar Maior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta maravilhosa capela foi construída durante o reinado dos Reis Católicos. Sua construção foi encomendada por Juan de Chacón, Adelantado de Murcia, em 1490 e finalizada em 1507 por seu filho D. Pedro Fajardo, Marquês de Vélez.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO autor do projeto é desconhecido, e sua exuberante decoração lhe valeu o título de Monumento Nacional em 1928. Fiquei um bom tempo contemplando esta joia da catedral, uma das obras mais destacadas do Gótico Espanhol. A seguir, vemos sua bôveda de crucería em forma de estrela de oito pontas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, uma das pinturas murais que se conservam no interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConcluímos a matéria com a imagem de um dos vitrais da catedral, com a representação de São Francisco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo e último post sobre a Catedral de Murcia, veremos o interessantíssimo Museu Catedralício, que complementa a visita ao templo.

Praça de San Sebastián – Antequera

Até o séc. XVI, Antequera viveu enclausurada dentro dos limites das muralhas que cercavam a parte alta da cidade. A partir de então, a explosão demográfica e sua consequente ampliação urbana fez com que surgissem novos espaços, originando a parte baixa de Antequera. Um dos mais importantes é a Praça de San Sebastián, um local que se destaca pela beleza das construções que a rodeiam.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA praça está presidida pela Real Colegiata de San Sebastián, cuja construção iniciou-se a partir de 1530, obra do arquiteto Pedro López. Vindo de Salamanca, o arquiteto Diego de Vergara realizou a fachada plateresca em 1548. Nela vemos as esculturas de São Sebastião, São Pedro e São Paulo. Na parte superior, as armas do Imperador Carlos I e, no centro, a figura de Hércules menino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA imponente torre da igreja foi levantada no período barroco. No final do séc. XVII se construiu a base e no século seguinte se realizaram os 3 corpos superiores, feitos de tijolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte mais alta da torre foi colocada uma figura bastante popular em Antequera, o “Angelote“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do séc. XVII, a titularidade de Colegiata, anteriormente pertencente a Santa María La Mayor, que vimos no último post, foi trazida para esta igreja, que foi ampliada. Esta mudança ocorreu pois queriam transformar a cidade em sede episcopal, e a Colegiata em Catedral, algo que não acabou sucedendo. No interior da igreja podemos ver lindas obras de arte, que abarcam o período que vai do séc. XV ao XIX. No presbitério, por exemplo, foi colocado um tabernáculo de madeira dourada realizado entre 1609 e 1616, construído inicialmente para a Colegiata de Santa María. Foi trazido desta igreja para decorar o presbitério de San Sebastián, depois da destruição do seu retábulo maior, devido a uma explosão ocorrida em 1690. No centro, vemos a imagem de Santa Maria da Assunção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANos pés da nave central situa-se o coro barroco….

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo alto do coro, vemos um belíssimo órgão. A caixa que o envolve data de 1734, mas o instrumento foi substituído em 1802.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte traseira do coro (trascoro), o destaque fica por conta de algumas das imagens mais veneradas pela população antequerana, realmente comovedoras. De finais do séc. XVIII, foram realizadas por Andrés de Carvajal. A seguir, vemos as imagens de Madalena Penitente e a de Cristo pegando as vestimentas, logo após sua flagelação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente à Colegiata de San Sebastián, uma fonte renascentista realizada em 1545 decora a praça. É considerada uma das mais belas fontes deste estilo de toda a Andalucía.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtrás da fonte, podemos ver o Arco dos Nazaríes, construído em 1671. No começo dos anos 60 do século passado, seu estado ruinoso ameaçava derrubá-lo, quando foi desmontado e novamente reconstruído pelo arquiteto Francisco Pons-Sorolla, neto do famoso pintor Joaquín Sorolla.OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, ao lado da igreja, um belo edifício inspirado no ecleticismo francês, a Casa Bouderé. Construída em 1910, destaca-se por sua pedra calcária vermelha, proveniente da Serra del Torcal, que circunda a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComo vocês puderam observar, na Praça de San Sebastián convivem vários estilos arquitetônicos que, ao invés de torná-la um espaço sem unidade, colaboram para sua riqueza artística, contribuindo para a monumentalidade dessa maravilhosa cidade da Província de Málaga.

Catedral de Tarazona – Segunda Parte

Depois de ter visitado Tarazona algumas vezes, finalmente pude conhecer o interior da Catedral, que permaneceu fechada um bom tempo devido a um amplo processo de restauração geral do templo, como dissemos anteriormente. A espera valeu a pena, e atualmente brilha, mostrando-nos toda sua beleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da Catedral de Tarazona está formado por 3 naves, sendo que a central é mais larga e alta que as naves laterais. Está coberta com a denominada bôveda de crucería estrelada, como podemos ver na foto acima. No séc. XVI, o templo foi mais uma vez reformado segundo os padrões do estilo renascentista, em voga naquele momento. Um exemplo é o belíssimo púlpito, construído em 1506.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO cimbório foi reconstruído em 1543 devido ao péssimo estado em que se encontrava o anterior, sob a direção do arquiteto Juan Lucas Botero “El Viejo”, e finalizado por seu filho, Juan Lucas “El Joven”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da obras de restauração, as pinturas murais que decoram a Capela Maior podem ser apreciadas perfeitamente. Foram realizadas também no séc. XVI, segundo um repertório italiano, desenhado pelo artista Pietro Morone entre 1552 e 1558. Já o Retábulo Maior é barroco, executado entre 1605 e 1614. Nele vemos a representação de vários santos, como São Pedro e São Paulo, e os chamados 4 Padres da Igreja. Algumas cenas retratam episódios da Virgem Maria e, no centro, uma imagem medieval de N.Sra de la Huerta, a titular do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Coro pertence ao séc. XV e o órgão data do séc. XIX, que substituiu um anterior do séc. XVIII. A Catedral de Tarazona contou sempre com grandes organistas e possui o maior arquivo musical da época dos Reis Católicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o Trascoro, do período barroco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cabeçeira semicircular da catedral forma o espaço da denominada Girola, que rodeia a Capela Maior. Várias são as capelas existentes nesta parte da catedral, com destaque para a Capela de San Andrés, ornamentada por 4 quadros barrocos de grandes dimensões, que narram episódios da vida do santo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém foram descobertas pinturas murais na Girola, que datam do período gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com uma imagem de um dos vitrais da Catedral de Tarazona

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Burgos – Parte 2

A Catedral de Burgos é um desses lugares em que o olhar se perde diante de tanta beleza. Inumeráveis são suas obras de arte e sem fim os lugares que vale a pena comentar. Por isso, dividi a matéria em três parte, e ainda assim, não será suficiente para vê-la em toda sua dimensão. No post de hoje e no próximo, veremos alguns dos locais mais espetaculares desta construção emblemática do espírito humano e de sua capacidade para refletir o divino numa representação material. A Catedral de Burgos possui planta basilical de cruz latina, com três naves e girola, assim denominado o espaço sagrado que contorna o presbitério e o altar maior. Toda a nave está cercada por um trifório, um elemento tipicamente gótico, correspondente às galerias situadas entre as arquerías e os vitrais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO trifório foi construído no séc. XIII, durante a etapa inicial do erguimento da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Coro é um dos lugares mais importantes de qualquer catedral. Nele, os religiosos se sentam para realizar os cantos litúrgicos, e em muitos casos sua qualidade artística se manifesta pelo exímio trabalho dos melhores escultores, como no caso da catedral burgalense. Inicialmente, o coro situava-se na cabeceira do templo, mas no séc. XVI foi removido aos pés da nave central, uma solução construtiva tipicamente espanhola. Dessa forma, são criados espaços para os fiéis tanto em frente do altar maior, quanto na parte traseira do coro, denominada Trascoro. Nos assentos do coro foram talhadas imagens da vida dos santos e episódios do Antigo e Novo Testamento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANormalmente, na lateral do coro são colocados os órgaos. A Catedral de Burgos possui dois deles, um de cada lado do coro. Abaixo, vemos o órgão mais antigo, de 1636, e depois vemos uma foto do outro, realizado em 1806.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma imagem interna do maravilhoso Rosetón situado na parte superior da Porta de Sarmental, que vimos no post anterior,  o único que se conserva do período gótico na catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstes vitrais circulares são um símbolo da arquitetura gótica, e possuem um simbolismo relacionado à Virgem Maria, cuja devoção alcançou grande popularidade durante o período de construção das catedrais góticas europeias. Por isso mesmo, grande parte delas foram dedicadas à Virgem, como é o caso da Catedral de Santa Maria de Burgos. Outro elemento arquitetônico de destaque é o cimbório, uma estrutura que se sobressai na parte externa do templo, e situado na intersecção da nave central com a nave transversal, sobre a cúpula. O cimbório da catedral derrubou-se e em 1539 foi novamente erguido, composto de uma impressionante estrutura octogonal com reminiscências mudéjares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO claustro foi construído no final do séc. XIII e princípio do XIV. Para chegar a ele, passamos por uma belíssima porta que conserva parte de sua policromia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta propriamente dita foi talhada provavelmente por Gil de Siloé, um dos grandes nomes do Renascimento Espanhol, no final do séc. XV, com cenas relativas à entrada de Jesus em Jerusalém e o Descenso ao Limbo, junto com as figuras de São Pedro e São Paulo na parte inferior. No tímpano, vemos a cena do Batismo de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAGeralmente, o claustro é o local mais importante de um Convento, Monastério ou Catedral, depois da igreja. De planta quadrada ou retangular, nele a comunidade de religiosos percorriam seu perímetro lendo os episódios da Bíblia sendo, portanto, um local de recolhimento e meditação. Também utilizado como lugar de enterramento, o claustro possui um simbolismo ligado ao Paraíso Celestial, com um grande pátio central onde florescem árvores frutíferas e uma fonte de água no centro. Abaixo, vemos algumas imagens do claustro da Catedral de Burgos.

IMG_2857IMG_2866O claustro comunica com vários outros espaços religiosos, como capelas, por exemplo. A denominada Capela de Santa Catalina possui outra magnífica porta, com uma cena do Descendimento de Cristo realizada no séc. XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Sala Capitular recebe este nome porque nela os religiosos se reuniam para a leitura dos capítulos da ordem de cada comunidade, normalmente relacionados com a Regra Beneditina ou de Santo Agostinho. O mais interessante da sala capitular da catedral é o teto, decorado com um artesanato de estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu Catedralício, cujo acesso se dá também a partir do claustro, possui uma grande quantidade de obras de arte, entre pinturas, esculturas e objetos litúrgicos. Uma das peças mais famosas é a escultura de Cristo preso à coluna, do grande escultor Diego de Siloé, filho do mencionado Gil de Siloé.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Jaén – Parte 2

O interior da Catedral de Jaén é tao deslumbrante quanto sua parte exterior. Todo ele foi realizado segundo o projeto do arquiteto Andrés de Vandelvira, conferindo-lhe uma grande unidade estilística.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANest post, veremos as partes mais destacadas deste inspirador templo renascentista. O Coro, de estilo neoclássico, é um dos maiores do país, estando composto por 148  assentos talhados em madeira. Foi realizado no final do séc. XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua parte traseira, chamada de Trascoro, foi concluída em 1791, estando dedicado à Sagrada Família. No centro, vemos um quadro de Mariano Salvador Maella, com Sao José segurando o menino Jesus, que estende os braços à sua mae.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa lateral do coro, contemplamos o órgao. O instrumento original era de 1790, e estava formado por 3600 tubos. Durante a Guerra Civil Espanhola, os tubos foram colocados no Castelo de Santa Catalina para simular defesas antiaéreas. Por este motivo, se construiu um novo, inaugurado em 1941.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Jaén está composta por 17 capelas, muitas das quais com maravilhosas obras de arte. A Capela Maior, por exemplo, guarda a relíquia do Santo Rosto. Segundo a tradiçao, corresponde à verdadeira imagem do rosto de Jesus Cristo, que teria ficado estampado no lençol usado por Santa Verônica para secar sua face durante os momentos da paixao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela Maior foi construída inicialmente no séc. XVI, mas teve que ser demolida e refeita no século seguinte. O Retábulo Maior neoclássico que a decora foi realizado pelos irmaos Sebastián e Francisco Solís.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm sua parte central inferior, se guarda o relicário do Santo Rosto e bem encima, uma talha gótica da Virgem Maria, doada por Fernando III depois que reconquistou a cidde de Jaén em 1246.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte alta do Retábulo Maior, foi representado o calvário.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Capela de San Fernando, Fernando III aparece vestido como monarca num quadro atribuído a Juan de Valdés Leal, encarregado em 1671 durante as cerimônias de canonizaçao do rei que tornou-se santo. A seus pés vemos as armas do rei mouro vencido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela da Virgem das Dores e do Santo Sepulcro é uma das mais destacadas, com um retábulo barroco do séc. XVIII, realizado por Francisco Pancorbo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela de San Eufrásio está adornada com um belo retábulo neoclássico de Gregório Manuel López, pintado em 1790. O conjunto escultórico foi feito por Juan Adán e nos mostra a Apoteose de San Eufrásio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABarroca é a Capela de San Miguel, com um retábulo realizado em 1761 também por Francisco Pancorbo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Sacristia é um dos espaços mais impressionantes da catedral. Considerada uma das obras primas de Andrés de Vandelvira, está composta por 80 colunas de estilo coríntio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADebaixo da sacristia e da sala capitular, situa-se o Museu Catedralício, repleto de quadros religiosos e obras de arte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com duas imagens evocadoras da beleza desta catedral, e de sua intensidade religiosa, plasmada em muitas de suas esculturas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Ciudad Rodrigo – Parte 2

No post de hoje, conheceremos o interior da Catedral de Ciudad Rodrigo. Da mesma forma que seu exterior, dentro do templo contemplamos a beleza de sua construçao.

DSC09795OLYMPUS DIGITAL CAMERADiversos aspectos impressionam no interior da catedral. Um deles é a existência de dois órgaos, ambos construídos no séc. XVIII, um maior e outro menor.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Coro, local onde sao celebrados os cantos litúrgicos, foi construído no séc. XV por Rodrigo Alemán e se destaca pelo excelente trabalho escultórico de seus acentos, com curiosas figuras esculpidas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte traseira do coro chama-se Trascoro, e normalmente constituem um trabalho de relevância artística. No caso da Catedral de Ciudad Rodrigo, foi realizado em 1787 com estuco, um material que imita o mármore (para baratear os custos…). No seu centro, vemos uma escultura da Virgem Imaculada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos uma das capelas da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo séc. XVI, a primitiva Capela Maior foi substituída pela atual, obra do arquiteto Rodrigo Gil de Hontañón. Estava decorada com um excelente retábulo de Fernando Gallego, atualmente pertencente ao acervo do Museu da Universidade de Tucson, no estado americano do Arizona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra jóia do interior da catedral é o Pórtico da Glória, também chamado do Perdao, construído no séc. XIII. Está adornado em toda sua superfície por um conjunto escultórico excepcional. No centro, vemos representada a Coroaçao da Virgem. Ao lado, os apóstolos e, na coluna central, a Virgem com o Menino Jesus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA visita inclui o Museu Catedralício e Diocesano, com um grande acervo de obras de arte, entre pinturas, esculturas, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO próximo e último post sobre a Catedral de Ciudad Rodrigo estará dedicado ao claustro, com seus sugestivos, curiosos e admiráveis capitéis figurados.