Arco de Santa Maria – Burgos

Burgos é uma cidade monumental com uma grande quantidade de locais históricos para se conhecer. Um de seus monumentos mais emblemáticos é o denominado Arco de Santa Maria, a porta de entrada mais importante da antiga muralha medieval.

20150725_174931Esta belíssima estrutura comunica a Ponte de Santa Maria, situada sobre o Rio Arlanzón, que atravessa a cidade, com a Plaza del Rey San Fernando, local onde se ergue sua maravilhosa catedral gótica. Foi construído a partir dos séculos XIV, mas entre 1536 e 1553 foi reformada para receber o Imperador Carlos V em sua visita pela cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA reforma do Arco de Santa Maria foi realizada pelos arquitetos Juan de Vallejo e Francisco de Colonia, que conceberam um grande arco triunfal, distribuído como se fosse um retábulo feito de pedra. Finalizou-se com a incorporação de várias estátuas, realizadas pelo escultor Ochoa de Arteaga, que representam personagens de relevância do antigo Reino de Castilla, da própria cidade de Burgos e da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO arco está presidido pela Virgem de Santa Maria, padroeira da cidade. Entre os personagens representados, destacam o herói castelhano El Cid, que viveu na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE o Imperador Carlos V

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a fachada posterior do arco, construída no século XIV…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Arco de Santa Maria foi a sede da Prefeitura da cidade até a construção da atual Casa Consistorial, erguida no século XVIII e situada na Plaza Mayor de Burgos. O mais interessante é que podemos visitar seu interior. Uma escada de origem medieval nos conduz à sala principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a sala principal, formada por dois níveis…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO espaço está coberto com uma grande estrutura de vidro e decorada com o Escudo da cidade de Burgos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento decorativo de interesse é uma pintura mural realizada em 1971 pelo pintor José Vela Zanetti, nascido na cidade, e dedicada ao Conde Fernán González e a Independência do antigo Reino de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1878 e 1955, o Arco de Santa Maria foi a sede do Museu Arqueológico da Província de Burgos. A seguir, vemos a Sala de la Poridad, de formato octogonal, onde eram realizadas as reuniões do Conselho de Burgos até 1780.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeus muros foram decorados com pinturas murais datadas do século XVI, que representam, entre outros, ao Imperador Carlos V e seu filho, Felipe II.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA sala está coberta por um belo artesanato de estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre os diversos objetos históricos que conserva, destacam, entre outros, uma cadeira onde se sentavam os juízes de Castilla para impor a justiça…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE um osso de El Cid Campeador….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAcolhe também um Museu de Farmácia, com uma interessante coleção de recipientes de cerâmica dos séculos XVII ao XIX, procedente do desaparecido Hospital de San Juan, considerada uma das mais importantes do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1943, o Arco de Santa Maria foi devidamente protegido por sua relevância histórica, ao ser declarado Monumento Histórico-Artístico Nacional. Atualmente, também é utilizado como Centro Cultural, onde se organizam diversas exposições temporárias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Poza de la Sal – Parte 2

O povoado de Poza de la Sal esteve protegido, desde o século IX, por um castelo, situado na parte mais elevada da vila. No século XIV, a família Rodríguez de Rojas construiu a atual fortificaçao, erguida sobre a primitiva construção do século IX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASua espetacular localização permite uma ampla panorâmica da comarca onde se encontra o povoado. Subimos uma pequena escada para visitar o interior do castelo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO desenvolvimento de Poza de la Sal esteve intimamente relacionado com a exploração de suas salinas, fato que começou a ocorrer já no período romano, convertendo-se num dos principais centros produtores de sal do norte da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste produto, indispensável para a conservação dos alimentos, foi também utilizado como forma de pagamento em épocas passadas, originando o termo salário. A importância estratégica do povoado, devido a existência das salinas, provocou a fortificação de seu núcleo urbano na Idade Média.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA produção de sal se realizava conduzindo a água dos mananciais através de uma rede de aquedutos até umas plataformas horizontais construídas em madeira e pedra denominadas Granjas, nas quais a água era distribuídas em parcelas retangulares chamadas Eras. A evaporação da água permitia o afloramento do sal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste imprescindível recurso natural em Poza de la Sal pertenceu a distintos proprietários, mas em 1564 o Rei Felipe II decretou o monopólio de sua extração, que se manteve em vigor até 1888. O sal explorado na região se deve a uma formaçao geológica denominada Diapiro. De formato circular, possui um raio de 2.5 km, sendo considerada a maior da Europa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1845, a vila contava com 3200 habitantes que exploravam o sal de suas salinas, quantidade bastante superior ao número de habitantes existente atualmente. A última salina fechou em 1974, quando a extração de sal foi abandonada na cidade. Em 2011, as salinas foram declaradas Bem de Interese Cultural (BIC) e iniciou-se um plano de restauração com finalidades turísticas. Um Centro de Interpretação foi inaugurado na antiga Casa de Administração das Reais Salinas, um edifício construído durante o reinado de Carlos III no século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEu e meu irmão Marcelo realizamos uma visita guiada pelo Centro de Interpretação, organizada por uma guia especializada no assunto, que nos contagiou com sua paixão pela cidade e a histórica salina. Seus profundos conhecimentos favoreceram a compreensão da importância do sal na história da vila e também no desenvolvimento da humanidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria sobre Poza de la Sal com um curioso complexo de mananciais, aquedutos, lavadeiros e uma ponte que integram o patrimônio histórico do povoado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Castelo da Alameda – Madrid

Depois de 8 anos vivendo em Madrid, descobri que a cidade possui um castelo pouco conhecido até mesmo pelos próprios madrilenhos, o Castelo da Alameda, assim denominado por estar situado no Bairro de Alameda de Osuna, na zona nordeste da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALamentavelmente, o que sobreviveu da fortaleza constitui apenas uma pequena parte do castelo original construído em torno ao ano 1400 por uma das famílias mais poderosas da época, a dos Mendoza. O castelo foi edificado por Diego Hurtado de Mendoza, pai de Iñigo López de Mendoza, que recebeu o título de Marquês de Santillana. Com a chegada da Dinastia dos Trastâmara ao poder com o monarca Enrique II em 1369, iniciou-se um processo de “senhorização”, no qual os nobres partidários dos reis receberam, graças ao apoio oferecido, direitos jurídicos e econômicos sobre os territórios da coroa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra fortificação pertencente ao Senhorio dos Mendoza na Comunidade de Madrid é o Castelo de Manzanares El Real, um dos mais belos de toda a comunidade (post publicado em 23/3/2012).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo da Alameda tinha suas dependências organizadas em torno a um pátio, com torres nas esquinas e um grande fosso defensivo ao redor do conjunto (com 12 m de largura por 6 m de profundidade). Sua função era evitar que o inimigo pudesse escapar dos projéteis lançados e também para aumentar o tamanho de seus muros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara atravessar o fosso havia uma ponte, formada por uma parte maciça e outra de madeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA estância principal do castelo estava formada pela Torre da Homenagem, que infelizmente não se conservou. Nela, o senhor recebia a homenagem de seus vassalos, um ato protocolário em que ambos realizavam um pacto de fidelidade: em troca da proteção do senhor, além de terras e direitos, os vassalos se comprometiam a entregar-lhes suas rendas e servir-lhes com suas armas. Podemos imaginar como era a Torre de Homenagem graças à torre da mesma época que se conserva na cidade de Pinto, situada a pouca distância de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1555 e 1580, o castelo sofreu uma profunda reforma, transformando a antiga residência fortificada num Palácio Rural de estilo renascentista, com jardins, fontes e um fosso ainda mais amplo. A velha nobreza guerreira medieval se havia convertido numa classe aristocrática que tinha preferência pela vida urbana, mas que também apreciava cômodas residências no âmbito rural para seu descanso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta reforma foi realizada pela família dos Zapata que, por motivos matrimoniais, adquiririu a propriedade destas terras e também do castelo. Seu membro mais importante foi Francisco Zapata de Cisneros, que alcançou um posto relevante na corte de Felipe II, recebendo o título de Conde de Barajas. O fosso, que originalmente possuía uma função defensiva, acolheu um exuberante jardim com várias espécies vegetais, e também uma horta, onde se cultivavam legumes e hortaliças. Em cada uma das esquinas do fosso se construíram fontes e um sistema de canalização de água.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs dependências interiores também foram renovadas, e a construçao passou a ter três andares, em vez dos dois andares do castelo original. Na parte superior se abriram janelas com vistas ao jardim.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Zapata, sempre fiéis à monarquia, emprestaram sua residência para que fosse utilizada pela justiça real como prisão de vários personagens, entre os quais Don Fernando Álvarez de Toledo, o III Duque de Alba, famoso e temível governador de Flandres. Em 1599 serviu de aposento para a Rainha Margarita de Austria, antes de realizar sua entrada em Madrid depois de casarse com Felipe III, em Valencia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo longo do século XVII, a situação social dos Zapata sofreu um grande declínio e em 1697 um incêndio destruiu o castelo, que não voltou a ser ocupado. Em 1785, com autorização municipal, a Duquesa de Osuna ordenou a extração dos materiais construtivos do castelo para edificar um palacete situado no belíssimo Parque do Capricho, a pouca distância da fortaleza (ver matérias publicas nos dias 13/2 e 15/2/2014). O resultado foi a demolição de boa parte da estrutura, com a Torre de Homenagem incluída. A partir dos anos 60 do século XX, com a crescente imigração que Madrid sofreu, antigas aldeias foram incorporadas ao município, transformando-se em bairros residenciais, caso da Alameda. Entre 1986 e 1990 foram realizadas as primeiras investigações arqueológicas no recinto do castelo. Abaixo, vemos uma imagem aérea da época.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA recuperação arquitetônica do Castelo da Alameda finalizou em 2010, e atualmente podemos visitá-lo. A seguir, uma imagem realizada após a reabilitação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo interessante curiosidade, ao lado do castelo se conserva uma casamata utilizada durante a Guerra Civil Espanhola (1936/1939).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFeita de concreto armado, a estrutura encontra-se semienterrada, oferecendo uma menor superfície aos impactos da artilharia, protegendo seus atiradores. Por incrível que pareça, as escavações realizadas permitem afirmar que foi utilizada como residência após o término da Guerra Civil. As ruínas do castelo também foram usadas como fortaleza improvisada. Sob o castelo escavou-se um túnel para servir de refúgio e talvez como depósito de armas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Ferrol – Galícia

Depois de passar uns dias em Lugo, fomos à cidade de Ferrol, situada ao norte da Província de La Coruña. Com aproximadamente 70 mil habitantes, esta cidade esteve tradicionalmente ligada às atividades marítimas e militares, tanto por seu porto pesqueiro, como por sua base naval e os edifícios relacionados ao seu importante Arsenal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs habitantes locais dizem que seu nome provém da palavra Farol, que faz parte do escudo da cidade desde 1778.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa chamada Fonte de San Roque vemos o escudo mais antigo que se conserva em Ferrol, de 1784.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante séculos a cidade foi um pequeno porto pesqueiro, sendo que sua economia se completava com a agricultura. No início do século XIII, recebeu privilégios reais que a converteram numa vila de senhorio. Em 1371, o Rei Enrique II entregou a vila à Fernán Pérez de Andrade e poucos anos depois foi incendiada pelos portugueses. Na segunda metade do século XVI, com a organização da Armada Invencível em 1588, Ferrol se converte numa importante base naval.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara proteger a base foram construídos três fortes, o de San Martín, de La Palma, e o de San Felipe, que vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído durante o reinado de Felipe II, na segunda metade do século XVI, o Castelo de San Felipe (apesar do nome, trata-se de um forte…) foi reformado no século XVIII, sendo considerado uma das melhores fortificações da Espanha deste período.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1726 foi criado o Departamento Marítimo de Ferrol e sete anos depois passa a ter jurisdiçao real. Em 1743, o Marqués de la Encenada, ministro do Rei Fernando VI, encarrega a construção de um novo Arsenal na cidade. Devido a esta condição  de base naval, a população da cidade alcança os 25 mil habitantes na metade do século XVIII. A chegada massiva de imigrantes para trabalhar na construção naval deu origem ao primeiro bairro obreiro do país. Abaixo, vemos a Porta do Dique, uma das principais portas do Arsenal, de 1765.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1769 e 1774, sob a ameaça de um ataque inglês, que realmente se produziria em 1800, se rodeia a cidade com uma muralha formada por baluartes, como o de San Juan (San Xoán, no idioma galhego).

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o motivo da visita da Rainha Isabel II em 1858, Ferrol recebeu o título de cidade. Abaixo, vemos o elegante edifício da Prefeitura de Ferrol, inaugurado em 1953 e situado na Plaza de la Constitución.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das variantes do Caminho de Santiago, o denominado Caminho Inglês se inicia em  La Coruña ou em Ferrol. Antigo caminho secundário, foi assim batizado porque de seu porto chegam os peregrinos procedentes do norte da Europa. Para chegar à Santiago de Compostela, devem percorrer 118 Km.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outras imagens da cidade relacionadas à sua tradição naval e militar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de Santa María del Castillo – Olmedo

Outra construção de destaque, dentro do patrimônio religioso de Olmedo, é a Igreja de Santa María del Castillo, situada no centro da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja original foi levantada no século XII no estilo românico, mas foi praticamente reedificada no século XVI. Desta primitiva construção se conserva uma porta românica, composta por cinco arquivoltas decoradas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XIII se abriu uma outra porta, de estilo mudéjar, que foi tapada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntramos ao templo por uma outra porta, gótica do século XVI….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm belo pórtico, realizado durante a reestruturação da igreja no século XVI, destaca-se no exterior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior guarda obras de arte de grande relevância e qualidade artísticas. Está formado por uma grande nave, com o altar maior ao fundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO altar maior está presidido pelo retábulo maior atribuído a Gaspar de Tordesillas, realizado no século XVI, onde foram representados episódios da vida da Virgem Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro retábulo de grande valor encontra-se numa das capelas, e foi dedicado a San Nicolás. Se desconhece o autor deste bonito retábulo barroco, que consta de oito pinturas de estilo renascentista hispano-flamenco, pintadas em 1585.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentre as cenas representadas, abaixo vemos na parte superior o Calvário de Cristo e, embaixo, a Visita da Virgem Maria a sua prima Santa Isabel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO retábulo está presidido pela imagem de San Nicolás

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAos pés da nave está situado o coro em sua parte superior, com um pequeno mas belo órgão. Tive a sorte, quando visitei a igreja, de poder contemplar o ensaio do coro. Na parte inferior, um impressionante relicário.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste monumental relicário é uma das obras de maior importância do templo. De finais do século XVI, está composto pelo busto de 49 santos e mártires, e foi doado pelo monarca Felipe II ao Convento de la Mejorada, de onde foi trazido à igreja. No detalhe dos bustos, podemos observar as relíquias dos santos e mártires…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Um Passeio por Córdoba

Para se conhecer o Centro Histórico de Córdoba, declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o ideal é caminhar por suas ruas sem pressa, pois sempre existem lugares de interesse para os visitantes curiosos por sua milenar história. Ao redor da Mesquita-Catedral, por exemplo, existem várias construções que se destacam, como o antigo Hospital de San Sebastián, construído pelo arquiteto Hernán Ruiz “El Viejo” entre 1512 e 1516.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA instituição foi criada pela Confraria de San Sebastián, cuja origem se deve a grande quantidade de crianças abandonadas que haviam na época. Atualmente o edifício é a sede do Palácio de Congresso e Exposições, e conserva a bela fachada de sua igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado do Real Alcázar situa-se uma grande edifício, as Reales Caballerizas de Córdoba, fundada pelo Rei Felipe II com a finalidade de criar cavalos de pura raça espanhola para os serviços da Casa Real.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1757 sofreu um incêndio, sendo reconstruído durante o reinado de Carlos III. Em 1822, os cavalos utilizados pela corte foram retirados, e o edifício passou a ser usado pelo Corpo de Cavalaria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 2002 foi adquirido pela Prefeitura de Córdoba como um espaço cultural. Atualmente se realizam espetáculos equestres no local, além de visitas guiadas pelo interior do edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo vemos uma foto das Reales Caballerizas tirada desde o Real Alcázar

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro lugar emblemático do centro histórico é a Plaza de la Corredera, um verdadeiro ponto de encontro dos habitantes da cidade, declarada Bem de Interesse Cultural em 1981.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada a única praça de formato quadrangular de toda a Comunidade de Andaluzia, ao modo das praças castelhanas, possui 113m de comprimento por 55m de largura. Seu espaço foi sempre utilizado para a representação de espetáculos públicos, como as Corridas de Touros. Em uma delas, a arquibancada de madeira caiu, para o desespero das pessoas que se encontravam no local. Se projetou então uma nova praça, antes irregular, num espaço uniforme, alinhando as fachadas dos edifícios de três níveis de altura e melhorando a segurança dos espetáculos públicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras da nova praça realizaram-se no final do século XVII e foram pagas pelos próprios habitantes da cidade. O projeto se deve ao arquiteto Antonio Ramós Valdés. Grandes personagens da época presenciaram as Corridas de Touros, como o Rei Felipe IV e inclusive Cosme de Médici. A Plaza de la Corredera conserva edifícios cuja construção é anterior a própria praça, como a antiga Casa Consistorial, erguida no final do século XVI pelo arquiteto Hernán Ruiz II.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de representar o centro político da cidade, nela se situava também a prisão, que permaneceu no local até 1821, quando foi levada ao Real Alcázar de Córdoba. Em 1846, o edifício foi adquirido por um empresário cordobês, José Sánchez Peña, que instalou uma fábrica de sombreros, colocando as residências dos trabalhadores em sua parte superior. Depois, passou a abrigar o Mercado da cidade. Outro espetáculo famoso realizado na praça, antes da reforma, ocorreu em 1571, durante as festividades celebradas pela vitória na Batalha de Lepanto contra os turcos otomanos, quando se organizou uma verdadeira batalha naval na praça.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Tribunal da Inquisição também escolheu a praça para a realização de vários autos de fé, quando foram julgados os condenados por cometer delitos contra os dogmas da igreja. Escavações realizadas na praça durante as reformas descobriram mosaicos romanos em seu subsolo, atualmente expostos no Real Alcázar, cujas imagens já publiquei na matéria sobre a Córdoba Romana. Durante a Guerra da Independência no início do século XIX, os franceses colocaram patíbulos na praça para execução pública.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XX,  a praça foi pintada nas cores vermelha, verde e ocre, retornando ao aspecto que tinha no final do século XVII. Se dizia que nesta época a tonalidade vermelha se conseguia com o próprio sangue dos touros sacrificados na praça. É mole?

As Igrejas Fernandinas de Córdoba

Depois da reconquista de Córdoba pelo Rei Fernando III em 1236, a cidade recuperou a tradição cristã dos romanos e visigodos. O monarca encontra uma cidade cuja estrutura está em decadência e em 1241 outorga um Foro a Córdoba. Organizou o espaço urbano em 14 bairros no interior do recinto de muralhas, que se mantêm com escassas modificações até os dias atuais. Diversas ordens religiosas se estabeleceram, com o objetivo de desempenhar tarefas assistenciais, espirituais e formativas. Em cada um destes bairros, se levantaram igrejas que se conservam até hoje. Apesar que nem todas foram edificadas durante o reinado de Fernando III, se conhecem em seu conjunto como Igrejas Fernandinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo mais antigo fundado por Fernando III é a Igreja de la Magdalena (original em espanhol). Do século XIII, foi clausurada em 1890 e atualmente é utilizada como espaço cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja conserva portas de estilo mudéjar, como vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO arco foi decorado com motivos denominados “dentes de serra“, estando emoldurado por um elemento arquitetônico chamado Alfiz, típico da arquitetura islâmica. Abaixo, vemos uma imagem geral do templo e um pequeno detalhe arquitetônico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas destas igrejas foram erguidas no local onde anteriormente se situavam mesquitas. Um exemplo é a Igreja de San Lorenzo, cuja construção iniciou-se logo após a reconquista de Córdoba. Foi finalizada no século XIV no estilo gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA torre campanário é do século XVI, cujo projeto realizou o arquiteto Hernán Ruiz II, que também foi o construtor da torre campanário da Catedral. Aproveitou os restos do antigo minarete da mesquita, cujos restos ainda se podem ver na base da torre. Esta igreja é considerada uma das mais conservadas da cidade, em quanto a sua estética medieval. Muito bonito é a roseta que preside a fachada principal, do século XIV, combinando elementos góticos com mudéjares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma placa com inscrições referentes à construção da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada principal está formada por um pórtico composto por 3 arcos, um dos quais vemos a seguir, de estilo gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASan Lorenzo é considerado um santo muito popular na Espanha, principalmente depois  que seu culto se estendeu graças a devoção do Rei Felipe II, a quem lhe atribuiu a vitória na Batalha de San Quintín contra os franceses, oferecendo-lhe a titularidade do Monastério de El Escorial. Abaixo, vemos fotos gerais do interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa Capela Maior foram descobertas pinturas góticas do século XIV. Por este motivo foi retirado o retábulo que adornava a capela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém edificada sobre uma mesquita é a Igreja de San Miguel, construída entre os séculos XIII e XIV. A torre é posterior, do século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem conservada, uma de suas portas é do estilo gótico, que vemos acima (XIII). A outra é mudéjar, do século XIV. Está formada por um Arco de Ferradura de estilo califal e um alfiz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs arcanjos constituem uma classe especial dentro da hierarquia celeste, pois não são anônimos como os demais anjos, e conhecemos seus nomes. O Arcanjo São Miguel é o príncipe das milícias celestes que dirige os combates contra os anjos rebeldes, sendo considerado protetor da igreja. Também é o santo condutor dos mortos, cujas almas serão pesadas no dia do juízo final. Por seu caráter defensor, é considerado o melhor guardião dos locais sagrados.