Igreja de Santiago – La Coruña

Na Galícia existem muitas igrejas dedicadas ao Apóstolo Santiago, o santo padroeiro da Espanha. No Centro Histórico de La Coruña situa-se uma delas, considerada a mais antiga da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi construída entre os séculos XII e XIII na fase final do Estilo Românico e por sua importância histórica recebeu o título de Monumento Histórico-Artístico. Como de costume, dentro da arquitetura românica, está formada por 3 ábsides, o central maior que os laterais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte superior dos ábsides vemos várias figuras esculpidas, algumas das quais representam cabeças humanas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo longo de sua história, o templo foi reformado em várias momentos, como na fachada principal. A porta principal, por exemplo, pertence ao final do século XV e começo do XVI. Nela aparecem, no tímpano, o Apóstolo Santiago a cavalo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa arquivolta situada acima do tímpano, foram representados 20 figuras de anjos sentados com os instrumentos da Paixão de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém na porta principal vemos uma roseta, colocada no final do século XIX. Abaixo, vemos seu aspecto exterior e também de dentro da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm outra das portas da igreja vemos a representação do Agnus Dei, expressão latina traduzida como Cordeiro de Deus, título dado a Jesus no Evangelho de São João.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante vários anos, no átrio da igreja se celebraram as reuniões do Conselho da cidade, algo habitual naqueles tempos (desde 1380 até o século XV, pelo menos). Originalmente, o interior da igreja estava formado por 3 naves (com seu ábside correspondente). No entanto, devido às reformas realizadas, se reduziu o espaço a uma grande nave, como vemos abaixo, no estilo gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro da nave vemos o retábulo principal da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo a matéria sobre a Igreja de Santiago de La Coruña com outras imagens do templo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANão poderia faltar uma imagem do Apóstolo Santiago, como peregrino…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Anúncios

Ourense – Galícia

Nos três dias que permanecemos no Monastério de San Esteban aproveitamos para conhecer outros lugares interessantes da Galícia, como a cidade de Ourense (nome oficial no idioma galhego. Em espanhol, Orense). Uma das capitais provinciais da comunidade, Ourense é o terceiro município mais populoso de toda a Galícia (pouco mais de cem mil habitantes), somente superada por Vigo e La Coruña. É considerada, no entanto, como a maior cidade do interior da comunidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua origem é romana e existem dúvidas a respeito do significado de seu nome. Uma teoria diz que foi batizada como “Auriense“, ou cidade do ouro, devido a abundância deste metal. Outra teoria postula que provém de “Aquae Urente” por suas conhecidas fontes termais, denominadas Burgas. A cidade é atravessada pelo Rio Miño, fato que condicionou de forma fundamental sua história.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a época romana, se construiu uma ponte sobre o rio, que formava parte da calçada romana que unia Bracara Augusta (atual cidade de Braga, em Portugal) com Asturica Augusta (atual Astorga, situada na Província de León). Esta ponte ainda se conserva atualmente, apesar das intervenções realizadas em séculos posteriores. É conhecida como Ponte Romana, Ponte Velha ou Ponte Maior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída no século I dC, esta ponte contribuiu de forma decisiva para o crescimento urbano de Ourense. Classificada como uma Ponte em Arco, possui 210 m de comprimento e foi declarada Monumento Histórico-Artístico em 1961. No século XII, o arco principal cedeu e a estrutura teve que ser reformada várias vezes. Desde 1999, é uma ponte exclusiva para pedestres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos símbolos da cidade, sua importância é tal que aparece inclusive no escudo de Ourense.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 2001, se inaugurou a Ponte do Milênio, com 275 m de comprimento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAProjetada pelo arquiteto Álvaro Varela e o engenheiro Juan M. Calvo, tornou-se numa referência da Ourense Contemporânea. Feita com uma combinação de aço e concreto, possui uma singular forma elíptica e uma curiosa passarela peatonal que se eleva a 22 metros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos acontecimentos históricos mais importantes para Ourense foi a chegada da ferrovia, provocando um caráter eminentemente comercial e administrativo para a cidade. Abaixo, vemos a ponte ferroviária, situada detrás de uma ponte metálica para veículos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém destas pontes, existem também passarelas para pedestres que cruzam o Rio Miño

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de conhecer o entorno do Rio Miño, fizemos um interessante passeio pelo Centro Histórico de Ourense, que vale a pena ser conhecido. Como local de referência social e comercial, destacamos a Plaza Mayor, zona vital da parte histórica da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFormada por belas casas nobres dos séculos XVIII e XIX, está presidida pelo Edifício do Ayuntamiento (prefeitura), aqui denominada Casa do Conselho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra particularidade da Plaza Mayor de Ourense é que possui o solo levemente inclinado, algo raro neste tipo de espaço urbano. Ao lado da prefeitura situa-se o antigo  Palácio Episcopal, atual sede do Museu Arqueológico Provincial. Este importante edifício de Ourense foi construído a partir do século XII, sendo declarado Monumento Histórico-Artístico em 1931.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Olmedo – Vila Mudéjar

Olmedo é conhecida principalmente por seu valioso patrimônio religioso, constituído por igrejas, conventos e ermitas históricas. Boa parte dos edifícios foram construídos no estilo mudéjar, um estilo artístico exclusivo da Espanha. A cidade contou com uma numerosa população muçulmana, que permaneceu na cidade após a reconquista de Alfonso VI no século XI, quando passaram a serem denominados mudéjares, contribuindo para o desenvolvimento do estilo.  Um bom exemplo é a Igreja de San Andrés, construída no século XIII no estilo românico, mas com características mudéjares, razão pela qual é classificada como românica-mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta igreja, outrora em ruínas, foi alvo de um adequado processo de restauração, sendo utilizada atualmente como um auditório ao ar livre. Como destaque principal, citamos o ábside e a torre, ambos mudéjares, construídos em tijolo, o principal material utilizado nesta corrente arquitetônica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO ábside, cuja imagem vemos acima, está composto por arcos cegos semicirculares (ou de meio ponto) dispostos em três níveis, sendo os superiores de maior tamanho. Ao estar em ruínas consolidadas, é possível observar a estrutura interna do ábside.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntes de ser restaurada, a igreja passou por um longo período de abandono, sendo utilizada inclusive como armazém de madeiras. O templo possui nave única, como podemos ver na foto acima. Nos séculos XVI e XVIII a igreja foi reformada em sua fachada principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1931, a Igreja de San Andrés foi declarada Monumento Histórico-Artístico, título que colaborou para que fosse restaurada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro exemplo do estilo mudéjar é a Igreja de San Juan. Da mesma forma que a Igreja de San Andrés, este templo também se encontra fechado ao culto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOriginalmente construída no século XII, seu aspecto atual corresponde às reformas realizadas no século XVI, possivelmente devido ao mau estado da construção primitiva. Neste período se construiu o ábside poligonal, sobre cuja estrutura se levantou um corpo para as campanas. Uma pena que o templo estava fechado, e não pude admirar seu interior, que alberga uma capela funerária atribuída a Juan Guas, um importante arquiteto que trabalhou para os Reis Católicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAfastada do centro da cidade, e localizada no cemitério de Olmedo, encontramos a bela Ermita de Santa María de la Vega.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída no estilo românico-mudéjar no século XII, desta época se conserva alguns elementos, como vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta principal do templo também se conservou…

OLYMPUS DIGITAL CAMERARealizada em pedra e formada por arquivoltas de meio ponto ou semicirculares, está sustentada por colunas rematadas por capitéis lisos. No século XVI, este pequeno e belo templo foi reformado, adquirindo um aspecto renascentista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO alto da fachada foi o local escolhido pelas cegonhas como sua morada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAGrande parte das residências da cidade foram construídas com tijolo, seguindo a tradiconal corrente mudéjar de Olmedo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O Palácio de Viana – Córdoba (Parte 2)

Como vimos no post anterior, o Palácio de Viana possui a impressionante quantidade de 12 pátios interiores, além de um excepcional jardim de inspiração francesa. Realizado em 1820, está formado por uma grande variedade de frutas cítricas e outras espécies de árvores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA influência da cultura hispano-muçulmana se observa em seu sistema para regar as plantas, com uma fonte central.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do final do século XIX, os proprietários de palácios e residências nobres de toda a Espanha começaram a decorar seus pátios com peças arqueológicas e cerâmica, como podemos observar no Pátio dos Jardineiros do Palácio de Viana. O pátio recebe este nome devido às ferramentas de jardinagem que nele se colocava, e constituía uma das áreas de serviço do palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs janelas e bancos foram decoradas com cerâmicas, um elemento decorativo cuja técnica foi trazida pelos árabes, adornando suas mesquitas e palácios. A palavra “Azulejo” deriva do termo árabe “Az-Zulayj“, que significa “pedra pequena“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO abastecimento de água, enorme em função da quantidade de fontes e espécies botânicas existentes no palácio (cerca de 80), se realizava mediante a instalação de poços, como o que vemos a seguir, que originou a denominação deste pátio como “Pátio do Poço“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASomente este poço, que recebia água de um arroio de Córdoba, tinha uma quantidade de água suficiente para todos os pátios e fontes do palácio. O palácio ocupa uma área de cerca de 6.500 metros quadrados, sendo que a metade está ocupada pelos pátios e zonas ajardinadas. A fresca sombra formada pelas árvores cítricas e a harmonia de sua composição arquitetônica favorecem um clima de paz e tranquilidade no Pátio da Capela, cujo nome se deve à presença de uma capela anexa ao pátio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste pátio se considera como um pequeno museu, graças às peças arqueológicas existentes em seu perímetro, como mosaicos romanos. Realizado no século XVII, esta parte do palácio constitui um símbolo do poder sócio-econômico do proprietário.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra das dependências que dá para o pátio é a Galeria da família dos Saavedra, um dos proprietários do palácio, composta por retratos dos seus membros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Pátio do Arquivo recebe este nome pelo valioso arquivo histórico existente numa das salas anexas ao mesmo. A discreta colocaçao de suas plantas está pensada para nao romper a harmonia com as cores azul de sua portas e janelas e o branco de seus muros. A bela fonte decorada com azulejos acrescenta um toque colorido a este pátio do século XVIII, que se insere dentro de um estilo barroco mais sóbrio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Pátio da Cancela herdou seu nome de uma grande cancela de ferro que fechava uma das aberturas existentes em seus muros. Ao longo do tempo, acolheu a carruagens, mas perdeu esta função posteriormente. Atualmente constitui a entrada ao Centro de Recepção de visitantes do palácio, recuperando novamente a função de entrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, abaixo vemos o Pátio das Colunas, o último em ser construído, nos anos 80 do século XX. A  finalidade de sua construção foi dotar o palácio de um espaço para a realização de eventos culturais e atos públicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom esta matéria, finalizo o post sobre o Palácio de Viana, cuja visita recomendo a todos (as) que tenham a intenção de conhecer a cidade de Córdoba.

O Palácio de Viana – Córdoba

De todos os palácios existentes em Córdoba, o Palácio de Viana é seguramente o mais famoso e visitado, e razões não faltam para isso. Seu nome é uma referência a um de seus proprietários, e desde sua origem no século XV até o XX, o palácio teve 18 deles.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADeclarado Monumento Histórico-Artístico em 1981, sua fama se deve principalmente aos 12 pátios interiores que possui, motivo pelo qual também recebeu a distinção de Jardim Histórico-Artístico dois anos depois. Acima vemos sua fachada de estilo renascentista, atribuída ao arquiteto Juan de Ochoa. A visita que se realiza inclui todos os pátios, bem como algumas de suas dependências.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm palácio deste porte, com esta incrível quantidade de pátios, somente foi possível numa cidade como Córdoba, em que os pátios representam uma longa tradição na aquitetura de suas residências. O primeiro que se visita é o denominado Pátio de Recibo, o principal acesso ao seu interior. Visível desde a praça onde se localiza o palácio, sua característica principal é a harmonia entre arquitetura e jardinagem. Pertence ao século XVI, e sua função mais importante é impressionar e mostrar a nobreza dos proprietários.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAnexo ao Pátio de Recibo situa-se a parte destinada às Caballerizas, um espaço destinado a acolher as carruagens e os cavalos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos dos pátios cordobeses cumprem a função de área de serviço comunitárias. A manutenção do mesmo é realizada pelas famílias que habitam o espaço, pois em muitas casas viviam mais de uma família. Um exemplo é o Pátio de los Gatos do Palácio de Viana, com a presença de um poço e um tanque de lavar roupa. Destaca sua bela decoração floral, como em todos os pátios da cidade. Seu nome se explica pela presença de gatos nesta parte da casa…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA cozinha situa-se estrategicamente ao lado deste pátio…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO denominado Pátio de los Naranjos (laranjeiras, em espanhol) recorda os pátios espanhóis de tradição muçulmana, por seu ambiente intimista, estando fechado ao exterior, e pela presença de flores, frutas e água. Proveniente de zonas áridas, a cultura muçulmana recriava nestes pátios uma espécie de oásis no meio do deserto, buscando, através da experiência sensorial, uma introspecção que favorecia a comunhão com o divino e a tranquilidade de espírito pela contemplação da natureza. Além de sua função estética, se agregou nos pátios e jardins o aproveitamento agrícola com técnicas avançadas para o aproveitamento da água e a aclimatação de novas espécies botânicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das imagens mais conhecidas do palácio está constituída pelo Pátio de las Rejas. Do século XVII, encontra-se aberto ao mundo exterior pela presença de janelas decoradas com Rejas, uma espécie de estrutura metálica decorativa que separa e fecha dois espaços distintos. Desde a rua as pessoas podiam observar a imponência desta residência nobre, demonstrando o poder da família.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACriado no período barroco (século XVIII), o Pátio de la Madama possui uma função estética e recreativa. Foi concebido para ser contemplado desde o interior, principalmente desde o dormitório do proprietário, situado no andar superior do palácio. Seu nome é uma referência a escultura de uma ninfa situada no centro. A presença de estátuas de divindades nos jardins foi comum na época romana e durante o Renascimento. No Barroco, voltaram a ficar em moda as estátuas de divindades mitológicas como a ninfa que decora esta fonte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post publicarei a segunda parte deste incrível palácio de Córdoba….

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Castelo de Arenas de San Pedro

Um dos símbolos de Arenas de San Pedro, o castelo da localidade se destaca na paisagem urbana como um grande testemunho da história da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fortaleza é conhecida como o Castelo del Condestable Dávalos, cuja construçao foi ordenada por Don Ruy López Dávalos, que ocupou  cargo de Condestable de Castilla no século XV, um cargo parecido ao de primeiro ministro. Foi edificado entre 1393 e1422 no estilo gótico, com o intuito do proprietário de ratificar seu domínio sobre estas terras que lhe form concedidos pelo rei Enrique III.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, o castelo nunca foi utilizado como uma fortaleza defensiva, apenas como residência nobre do proprietário. Além do mais, está localizado na parte baixa da cidade, ao contrário das construções defensivas que se situam no ponto mais elevado das cidades. O principal elemento construtivo do castelo é a pedra de granito. Possui uma planta quadrada e está formado por 4 torres circulares de 16 metros de altura cada, que foram colocados nas esquinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo conjunto, o destaque fica por conta da Torre de Homenaje, de formato retangular e com 26 metros de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALogo depois que a construção foi finalizada, o castelo passou a ser propriedade de Rodrigo Alonso Pimentel, II Conde de Benavente. Em 1430, o conde entregou o castelo a sua filha Doña Juana de Pimentel, depois de seu casamento com Don Álvaro de Luna (1390/1453), um personagem de grande importância na época. Vítima de uma conspiração organizada pela nobreza castelhana, foi decapitado na Plaza Mayor de Valladolid em 1453. Por este motivo, Juana de Pimentel acabou ficando conhecida para a posteridade como a “Condessa Triste“. Uma rua da cidade a homenageia…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm uma das salas da Torre de Homenaje podemos ver as principais personalidades relacionadas com a história do castelo, como a própria Juana de Pimentel e seu marido, representado ao lado do seu carrasco…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1460, Maria de Luna, filha do casal, se casou no castelo com D.Iñigo López de Mendoza, II Duque de Infantado. A partir de então, passou a ser propriedade desta importante família nobre. Abaixo, vemos o Pátio de Armas, que originalmente estava cercado por várias dependências, como armazéns, a cozinha, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XVII, o castelo se encontrava em péssimo estado, e no século XIX o Pátio de Armas se transformou numa prisão e depois no cemitério da cidade. Posteriormente, as tumbas foram levadas ao cemitério atual. Em 1853, o castelo foi adquirido pela Prefeitura de Arenas de San Pedro. A partir da década dos 70 do século passado, passou a ser utilizado como espaço para eventos culturais, concertos, exposições, etc. Pude admirar uma bela exposição de esculturas no interior da Torre de Homenaje.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs funcionários da Oficina de Turismo da cidade organizam visitas guiadas pelo castelo, proporcionando todas as informações sobre sua história e os acontecimentos mais relevantes ocorridos dentro de seus muros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADeclarado Monumento Histórico-Artístico em 1931, o castelo possui tanta importância em Arenas de San Pedro que passou a fazer parte do Escudo da cidade. O curioso é que o lema “Sempre incendiada e sempre fiel“, que aparece no escudo com o castelo sendo consumido pelas chamas, é uma mentira histórica, pois a fortaleza nunca chegou a ser incendiada. A cidade foi, sim, saqueada diversas vezes, mas um castelo pegando fogo ficaria mais interessante…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outras fotos deste belo castelo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ponte de Toledo – Madrid

De todas as pontes que cruzam o Rio Manzanares, e que atualmente se encontram dentro dos limites do Parque Madrid Rio, a Ponte de Toledo é a mais bela, sem dúvida nenhuma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo longo dos séculos, várias pontes receberam esta denominação, mas foram destruídas pelas enchentes do rio. Em 1718, durante o reinado de Felipe IV, o Marquês de Vadillo, corregidor da vila, encarregou ao grande arquiteto barroco Pedro de Ribera a construção de uma nova ponte, finalizada em 1732, que felizmente se conserva atualmente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstá formada por 9 arcos e  foi construída de forma sólida e bem estruturada, para resistir à força das águas. O objetivo primordial de sua construção foi enlaçar a vila de Madrid com o antigo caminho à Toledo e Andaluzia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA outra função da Ponte de Toledo era que houvesse uma entrada digna à capital do reino desde o município de Carabanchel, hoje em dia integrado à cidade como um de seus distritos, uma zona em que foram edificados vários palácios aristocráticos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando foi finalizada, a Ponte de Toledo sofreu várias críticas dos intelectuais e escritores da época, que comentavam que se tratava de “muita ponte para pouco rio…”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ponte foi decorada com duas estruturas que acolhem as imagens do santo padroeiro de Madrid, San Isidro, e de sua esposa, Santa María de la Cabeza, que vemos acima e abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASan Isidro aparece realizando seu milagre mais conhecido, o chamado “Milagre do Poço“. Conta a tradição que seu filho caiu num poço profundo e o santo, através de suas orações e fé, conseguiu fazer com que a água do poço subisse, podendo desta forma resgatá-lo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem em frente foi colocada a imagem de Santa María de la Cabeza

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Ponte de Toledo une duas rotatórias (em espanhol chamadas de Glorietas), a Glorieta de Pirâmides com a Glorieta do Marquês de Vadillo. Na Glorieta de Pirâmides vemos dois obeliscos, construídos em 1831.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADuas belas fontes construídas por Pedro de Ribera embelezam este lado da ponte….

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo outro lado, na Glorieta do Marquês de Vadillo, vemos duas torres também decoradas, uma espécie de porta de entrada a ponte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o detalhe decorativo da parte superior das torres….

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante décadas, a Ponte de Toledo serviu de estacionamento para os jogos disputados no Estádio Vicente Calderón, que abaixo vemos ao fundo de um dos arcos que constituem a ponte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1956 foi declarada Monumento Histórico-Artístico e em 1966 passou a ser utilizada somente para pedestres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom esta matéria, finalizo a série sobre o Parque Madrid Rio…até o próximo post !!!!