Espanha – Patrimônios da Humanidade

A Espanha é um dos países mais visitados do mundo, graças ao seu ambiente festivo, sua gastronomia de renome mundial e seu impressionante patrimônio histórico e artístico. Em 2017, recebeu 82 milhões de turistas, somente superado no mundo pelo país vizinho, a França, que acolheu a 87 milhões de visitantes. Muitos dos lugares mais emblemáticos do país ibérico foram reconhecidos pela Unesco como Patrimônio da Humanidade. De fato, a Espanha é o terceiro país do mundo com a maior quantidade de locais que receberam esta distinção, com 47 lugares nomeados. Neste quesito, somente a Itália (com 54 lugares declarados P.H.) e a China (com 52) a superam.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir de hoje, inicio uma série de matérias em que vocês poderão conhecer, senão todos, a grande maioria dos Patrimônios da Humanidade da Espanha. Começamos pela Comunidade de Aragón, que possui dois lugares declarados Patrimônio da Humanidade. Sua parte norte está formada pela Cordilheira dos Pirineus, que conforma a fronteira natural com a França. Possui um grande número de parques e reservas, entre os quais destaca o Parque Nacional de Ordesa e Monte Perdido, declarado Patrimônio da Humanidade em 1997. Constitui o segundo Parque Nacional mais antigo da Espanha, sendo criado em 1918. Sua beleza, por si só, justifica o título…

DSC_0036DSC_0035Históricamente, a comunidade aragonesa constituiu um terreno fértil entre as várias culturas que a habitaram, algo que se pode estender a todo o país. Um de seus grandes logros é a Arquitetura Mudéjar, considerada o grande legado da cultura espanhola à arquitetura universal. Este estilo artístico é exclusivo da Espanha, e reflete a convivência entre a comunidade muçulmana e a cristiana ao longo dos séculos. Espalhado por boa parte do território espanhol, o Estilo Mudéjar apresenta características próprias segundo a região considerada. O denominado Mudéjar Aragonês possui uma lista de igrejas construídas neste estilo que foram declarados P.H. em 1986, e impressiona por sua beleza decorativa. Dois dos exemplos que foram reconhecidos pela Unesco são a Igreja da Madalena, situada em Zaragoza, e as maravilhosa torres mudéjares da cidade de Teruel, localizada ao sul de Aragón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Comunidade de Madrid está bem representada por locais protegidos devido a sua riqueza monumental e excelente grau de conservação. Possui 3 lugares declarados P.H., como a cidade de Alcalá de Henares, situada a pouca distância da capital, Madrid. Berço natal do grande Miguel de Cervantes, sua Universidade é uma das mais antigas e importantes do país. Recebeu o título de P.H. em 1998. Abaixo, vemos a Praça Cervantes e o Paraninfo da Universidade, local onde se celebra anualmente a entrega do Prêmio Cervantes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERALocalizada a somente 40 km de Madrid, Aranjuez foi inicialmente um local que pertenceu à monarquia e foi declarada P.H. em 2001. Numa visita à cidade, podemos admirar seu Palácio Real e os incríveis jardins que embelezam o núcleo urbano, repletos de fontes e estátuas.

20150923_163619OLYMPUS DIGITAL CAMERAAos pés da Serra de Guadarrama, que limita em sua zona norte a Comunidade de Madrid com a Comunidade de Castilla y León, situa-se o Monastério de El Escorial, um dos grandes monumentos do Renascimento a nível europeu. Construído durante o reinado de Felipe II, transformou-se no Panteão Real da Monarquia Espanhola (a maior parte dos reis e rainhas do país estão nele enterrados) e possui uma das bibliotecas mais ricas da Europa. Foi declarado P.H. em 1984.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

A Judería de Córdoba – Última Parte

No final do século XIV, uma onda de antisemitismo invadiu as juderías de boa parte da Espanha. Em 1391, a Judería de Córdoba foi praticamente destruída e numerosos judeus foram assassinados, acabando com séculos de tolerância entre as comunidades cristãs e judaicas. Em 1482, o Tribunal da Inquisição se instala na cidade, o segundo em ser criado no país, depois do de Sevilha. O primeiro auto de fé realizado ocorreu em 1483, momento em que os acusados de heresía eram julgados pelo tribunal eclesiástico. Em 1492, um  édito promulgado pelos Reis Católicos promoveu a expulsão dos judeus da Espanha. A única possibilidade que tinham para permanecer no país era se converterem ao catolicismo. Aqueles que adotaram esta medida ficaram conhecidos como cristãos novos ou judeus conversos. O Tribunal da Inquisição foi especialmente implacável contra aqueles que, apesar da conversão, seguiam praticando os antigos ritos judaicos na intimidade dos seus lares. A partir do século XVIII, o tribunal começou a proibir livros considerados heréticos, através de uma lista de obras cujos textos eram contrários aos dogmas católicos. Surgiu então o Índex de livros proibidos pela igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Judería de Córdoba situava-se no meio do caminho entre o hotel onde me hospedei e a parte mais monumental da cidade, formada pela Mesquita-Catedral e o Real Alcázar. Por este motivo, por ela passava diariamente, descobrindo seus encantos e lugares pintorescos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa judería encontra-se outros dos banhos de época árabe da cidade. Do século X, ficou conhecido depois da reconquista como Baños de Santa María (original em espanhol), por sua proximidade com a Mesquita-Catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, as antigas salas de banhos se converteram em locais onde se realizam espetáculos de flamenco, um símbolo de qualquer cidade andaluza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante minha estadia na cidade, aproveitei para saborear as delícias da gastronomia local, especialmente no Restaurante El Choto, localizado em plena Judería de Córdoba. Os menus diários custavam 15 euros, incluindo dois pratos a serem escolhidos, bebida, pão e sobremesa. O atendimento foi hiper atencioso e simpático, e de primeiro prato me aconselharam provar um prato típico da tradição sefardíe, berinjelas fritas com mel de cana de açúcar, uma verdadeira delícia…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe segundo prato, uma Carrillada de Ternera…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE de sobremesa, laranjas feitas à moda cordobesa, com canela, azeite de oliva e açúcar…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe todas as ruelas que conformam o bairro, a mais fotografada pelos turistas é a Calleja de las Flores, realmente muito bonita com uma bela vista da torre campanário da Mesquita-Catedral, que aparece sobre os telhados de suas casas brancas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada outro dos símbolos da cidade, a rua está repleta de lojas de souvenir, algo que de um certo modo desvirtuou o caráter original desta pequena e bela rua. A cidade conta com inúmeros palácios de tempos antigos, como a chamada Casa do Indiano. Do século XV, sua fachada é um exemplo da arquitetura civil mudéjar existente na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome do imóvel se deve a um antigo proprietário, que partiu para a América e fez fortuna. Quando regressou ficou conhecido como “O Indiano“. Uma de suas curiosidades é que a porta principal comunica com uma estreita rua, que também homenageia o proprietário, composta por algumas casas modernas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo a matéria sobre a Judería de Córdoba com outras imagens deste emblemático lugar da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Valencia Árabe

Com a queda do Império Romano, a cidade de Valencia caiu sob o domínio dos visigodos em 497 dc. Pouco se conhece deste período histórico na cidade. No Museu de Almoina se conservam tumbas monumentais de finais do século VI, pertencentes à época visigoda. Possuíam um caráter familiar e coletivo, sendo que em algumas delas foram encontrados os restos de mais de 30 indivíduos. Foram construídas com grandes blocos de pedra e decoradas com motivos relacionados ao cristianismo. As sepulturas continham também ricas peças em forma de colares, anéis, pulseiras, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi com a chegada dos árabes em 718dc que a cidade alcançou um primeiro período de prosperidade. Permaneceram  mais de 500 anos, e passou a denominar-se Balansiya. Entre suas contribuições à cidade mencionamos o moderno sistema de plantio, numa zona de escassa pluviometria. No século X, alcançou uma população estimada em 15 mil habitantes, tornando-se a cidade mais populosa da zona oriental de Al Andaluz, nome com que se conhece o território árabe na Espanha. No século XI, durante o período conhecido como Reino de Taifas, no qual surgiram várias cidades independentes depois da desintegração do Califato de Córdoba, a cidade obteve um notável crescimento. Um excepcional conjunto de muralhas foi erguido. Apesar das reforma e ampliaçoes realizadas, o sistema defensivo permaneceu de pé até 1865. Ainda hoje podemos contemplar algumas de suas imponentes portas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo ano de 1094, El Cid conquista Valencia, depois de 8 meses de assédio, mas foi novamente retomada pelos árabes pouco tempo depois. A cidade é definitivamente reconquistada pelo Rei Jaime I, chamado de El Conquistador, e sua façanha foi celebrada em toda a Europa, já que o Papa Gregório IX havia outorgado à empresa um caráter de cruzada. Em 1238 entrava vitorioso na cidade, depois de realizar um pacto com o rei mouro Zayyan. Contou com o apoio das Ordens Militares do Templo, de Calatrava e do Hospital.No Edifício da Prefeitura de Valencia (Ayuntamiento) podemos ver um de seus objetos históricos de maior importância, o denominado Pendão da Reconquista, içado pelos árabes para indicar sua rendição às tropas de Jaime I.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar de reconquistada, Jaime I teve que lutar contra os interesses das nobreza catalã e aragonesa, que pretendiam converter as terras conquistadas numa prolongação de seus territórios. Para impedi-lo, o monarca transformou a cidade num reino singular,criando uma nova unidade política e jurídica unida à Coroa de Aragón. Com a  outorgação dos Foros de Valencia, os reis que lhe sucedessem ao trono estariam submetidos às leis próprias dos valencianos. A cidade torna-se, deste modo, num estado soberano, mesmo estando incorporado ao Reino de Aragón. Além dos Foros, se redatou um código marítimo, considerado o mais antigo do continente. No entanto, algumas instituições criadas pelos árabes foram mantidas, como o famoso Tribunal das Águas, encarregado de regular sua utilização. Desde 1247, a cidade passou a ter moeda própria, o Real Valenciano. Abaixo, vemos o busto de Jaime I, também colocado no interior do Edifício da Prefeitura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABoa parte da população árabe abandonou a cidade após a reconquista, e os que nela permaneceram (conhecidos como mudéjares) passaram a viver num bairro próprio, a Morería, situado fora das muralhas. Muitas das mesquitas existentes foram transformadas em igrejas católicas. Um bom exemplo da arquitetura mudéjar de Valencia corresponde aos chamados Banhos do Almirante, por estarem situados no Palácio Gótico dos Almirantes de Aragón. Apesar de sua aparência árabe, foram construídos em 1313.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstes banhos possuíam um caráter civil e sua funcionalidade e sistema construtivo foram herdados das antigas termas romanas. Divididos em salas fria,temperada e quente, é um dos poucos banhos desta época que se mantiveram ativos desde sua criação até o século XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADesde a época romana, Valencia sempre se orgulhou de ter um excelente sistema de saneamento, que foi ampliado e aperfeiçoado com o tempo. Graças a ele, a cidade transformou-se numa das mais limpas de toda a Espanha. Em 1944, os Banhos do Almirante foram declarados Conjunto Histórico-Artístico. Fechados para o uso público em 1959, pouco depois funcionou como uma academia de ginástica. Em 1985 foi adquirido pelo governo que o restaurou, sendo aberto para a visitação pública.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos as características aberturas situadas no teto, que proporcionam iluminação ao interior do banho, exemplos da arquitetura árabe destes espaços públicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Boadilla del Monte – Comunidade de Madrid

Boadilla del Monte é outra das localidades pertencentes a Comunidade de Madrid que vale a pena conhecer. Com cerca de 50 mil habitantes, situa-se na zona oeste metropolitana da capital. Seu nome é uma referência a D. Beatriz de Boadilla, antiga proprietária destas terras, e membro do Condado de Chinchón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade guarda alguns tesouros da comunidade, como a Igreja Paroquial de San Cristóbal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída a partir do séc. XIII, possui uma notória influência mudéjar, tanto em seus muros, quanto na torre campanário. Esta se destaca por sua composiçao maciça, talvez levantada sobre uma antiga atalaia defensiva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos algumas imagens do interior, composto por 3 naves separadas por arcos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA capela mais importante  foi erguida em época barroca com os restos de González de Uzqueta, senhor de Boadilla no séc. XVII, e fundador do Convento de la Encarnación.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi parcialmente destruída na Guerra Civil, sendo restaurada em 1944. O Convento de la Encarnación acima mencionado foi construído em 1674 para a comunidade religiosa da Ordem das Carmelitas Descalças. No séc. XVII, muitos membros da corte fundaram instituiçoes monásticas,  como consequência da grande religiosidade marcada pelo período da Contrareforma Católica, e também para manifestar seu poder e prestígio social.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste convento se insere dentro deste contexto, pois foi fundado pela esposa de Juan González de Uzqueta, Conselheiro Real e senhor da vila de Boadilla del Monte neste período. O convento foi habitado até a década de 70 do séc. XX, quando as religiosas foram levadas a um novo edifício, situado próximo ao convento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA construçao é um exemplo da primeira fase do Barroco Espanhol, com sua característica austeridade decorativa, devido a influência que exerceu a construçao do Monastério de El Escorial, mesmo cem anos depois. Atualmente, o antigo convento foi transformado num hotel. Além das pessoas que nele se hospedam, vemos também a simpáticas gaivotas que o escolheram como lugar de residência, no alto da igreja do antigo convento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar destas belas construçoes, a cidade de Boadilla del Monte acabou sendo conhecida históricamente pelo famoso Palácio do Infante D.Luis, uma notáel construçao do neoclacissismo madrilenho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Infante Luis Antonio de Borbón y Farnésio foi o menor dos filhos do rei Felipe V, e no séc. XVIII tornou-se proprietário da vila. O palácio foi construído por Ventura Rodríguez, um dos arquitetos mais importantes e prolífixos da época. Nao tive sorte, pois quando fui conhecer a cidade e o palácio, este estava sendo totalmente restaurado, e nao pude conhecer seu interior. A enorme fachada estava coberta por uma lona que impedia sua visualizaçao. Quando as obras terminem, espero visitá-lo, e entao, vocês poderao conhecê-lo também.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo menos, pude conhecer a famosa Fonte que Ventura Rodríguez construiu em frente ao palácio. Seu aspecto monumental tinha como finalidade servir de depósito de água para o palácio, regulando o abastecimento hidráulico do mesmo, através de uma rede de canais subterâneos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABoadilla del Monte foi declarada Conjunto Histórico-Artístico em 1974, por sua relevância histórica e arquitetônica.

Mudéjar Toledano

Em 1085, Toledo, conhecida como a Cidade das 3 Culturas graças à presença de cristaos, árabes e judeus e centro eclesiástico da Espanha, foi reconquistada pelo rei de Castilla y León Alfonso VI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASéculos de dominaçao árabe haviam terminado e, a partir de entao, muitas mesquitas e sinagogas se converteram em templos católicos, como a Mesquita de Bab Al Mardum, que vimos no post publicado em 22/7/2014, ou a Sinagoga do Trânsito, cuja história vimos em 25/6/2012. Para tanto, muitos templos foram reformados, adaptados ou reconstruídos, sendo empregado o estilo arquitetônico autóctono do país, o Mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Mudéjar é um estilo heterogêneo e complexo, assumindo características próprias segundo a regiao do país. Em Toledo, contribuiu para que a paisagem urbana se tornasse homogênea, graças às muitas edificaçoes do estilo que podemos encontrar. O convívio entre as três comunidades acima mencionadas possibilitaram seu desenvolvimento, desde o séc. XII até o XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Mudéjar Toledano apresenta elementos próprios, que se distinguem daquele apresentado em Castilla y León e em Aragón, outros importantes focos do estilo. Um deles é a presença de distintas formas de arcos, utilizadas como elementos estruturais e decorativos, principalmente nos ábsides das igrejas, como percebemos na foto acima. Aparecem, de baixo para cima, o Arco duplo cego de meio ponto ou semicircular, o Arco Polilobulado e o denominado Arco Túmido ou de ferradura apontado, na parte superior. O arco de meio ponto é característico da Arquitetura Românica, que serviu de base para o desenvolvimento do estilo, enquanto os outros dois formam parte da Arquitetura Islâmica. Outro exemplo vemos nos ábsides da Igreja de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta paróquia já existia em 1125 e parece que foi uma das fundadas por Alfonso VI depois da reconquista. No entanto, a torre separada do corpo principal da igreja fez com que os estudiosos afirmassem que poderia ser o antigo minarete de uma mesquita. Nas fotos acima e abaixo, vemos o tríplice ábside composto pela superposiçao de arcos.

DSC09136Os templos mudéjares de Toledo foram construídos com uma base de alvenaria, que sustentam a estrutura geral. Outro dos aspectos singulares é a decoraçao dos muros, com elementos próprios da cultura islâmica, como podemos apreciar na mesma Igreja de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADa mesma forma, as portas de acesso ao interior do templo também sao mais islamizadas que as encontradas em outras regioes do país. Abaixo, vemos duas das três portadas de acesso da Igreja de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANas imagens acima, vemos outro tipo de arco no friso situado sobre as portas, chamado Entrecruzado. Franqueadas por pilastras,  as portas estao compostas por  Arcos de Ferradura e Polilobulados. Este modelo da Igreja de Santiago foi imitado em muitas outras construçoes da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA As torres sao uma referência do Mudéjar Toledano, estando profusamente decoradas, como no caso da torre da Igreja de Sao Tomé, considerada a mais bela da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta igreja foi reformada no séc. XIV sobre um templo anterior do séc. XII, e sua belíssima torre quadrada é a única parte sobrevivente desta reconstruçao. Cabe ressaltar que esta reforma foi realizada pelo Conde de Orgaz Gonzalo Ruiz de Toledo, cujo sepulcro situa-se debaixo do famoso quadro de El GrecoO Enterro do Conde de Orgaz“. O resto da igreja foi novamente reformado nos séculos XVI e XVII, substituindo as antigas formas mudéjares da construçao.

DSC09280Uma torre original do séc. XII pode ser apreciada na Igreja de San Bartolomé, provavelmente também edificada sobre um minarete islâmico. O ábside pertence ao séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos comentando que o aspecto que vemos atualmente destas igrejas nao correspondem à sua fábrica original no aspecto cromático, pois estavam pintadas de branco e vermelho em sua parte exterior.

Mesquita de Bab Al-Mardum – Toledo

Das 10 mesquitas que haviam em Toledo no período islâmico, a Mesquita de Bab Al-Mardum é a mais importante conservada atualmente. Na época de sua construçao, era um pequeno oratório orientado à Meca, para uso daqueles que chegavam ou saiam da cidade. Trata-se de um dos monumentos mais complexos de toda Espanha, possuindo evidências que vao desde o assentamento romano até o período da reconquista de Toledo (séc. XI). Representa, também, uma das construçoes mais importantes da época de esplendor do Califato de Córdoba existente no país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA mesquita foi construída em 999 dC, como comprova a inscriçao em caracteres cúficos no relevo de tijolos de uma de suas fachadas, considerada única no Islao Ocidental, por ter sido elaborada com fragmentos de tijolos ordinários. Nela aparece o nome do arquiteto construtor, Musa Ibn Ali.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte exterior está composta por 3 vaos de acesso e um corpo superior formado por arcos entrecruzados cegos. A fachada noroeste, que dá para o pátio ajardinado, está formada por Arcos de Ferradura e de Meio Ponto. O nível mais alto, por Arcos Polilobulados que marcam outros Arcos de Ferradura de estilo califal, estando decorados com tonalidades bicolores de tijolos, inspirados na Mesquita de Córdoba.

DSC09151O exterior, decorado com arquerias sobre muros de alvenaria e tijolos, contrasta com o interior, revestido de gesso. Possui planta quadrada com 8 metros quadrados, distribuídos mediante 4 colunas situadas em 3 naves paralelas e cruzadas por outras 3 naves transversais. Cada espaço está coberto por bôvedas diferentes entre si.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC09144Os capitéis, de origem visigoda, foram reaproveitados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a reconquista de Toledo, a mesquita foi adaptada ao culto cristao, quando o rei Alfonso VI cede o monumento aos Cavalheiros da Ordem de San Juan, que estabelecem uma ermita sob a titularidade de Santa Cruz. Passa, entao, a ser conhecida pelo nome Ermita del Cristo de la Luz, graças a um Cristo crucificado que foi colocado e substituído posteriormente por uma imagem da Virgem da Luz. Em 1187, se constrói um ábside complementer, que se tornaria famoso por ser considerado a mais antiga amostra de arquitetura mudéjar conhecida.

DSC09148Esta reforma serviu de base e inspiraçao para todas as outras construçoes do Mudéjar Toledano, o estilo arquitetônico por excelência da cidade. Do séc. XII sao as pinturas murais encontradas no interior, estando catalogadas como exemplos de Pinturas Românicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa imagem acima, vemos representado um dos motivos iconográficos mais importantes do Cristianismo, o chamado “Maiestas Domini”, ou Cristo em Majestade com atitude triunfante e rodeado pelos tetramorfos, a representaçao zoomórfica dos 4 evangelistas. Pena que nao se conservam todas as imagens. Podemos contemplar somente a águia, símbolo de Sao Joao, e o leao, símbolo de Sao Marcos. Além do mais, estao conservadas algumas pinturas de santos (as) numa de suas paredes.

DSC09143Escavaçoes arqueológicas realizadas encontraram vestígios  de épocas anteriores à construçao, bem como uma calçada romana de 5 me de largura, em excelente estado de conservaçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outra imagem deste monumento impressionante.

DSC09150Com a desintegraçao do Califato de Córdoba, Toledo tornou-se um Reino de Taifa (taifa de Toledo), que ocupava a quase totalidade da atual superfície da Comunidade de Castilla-La Mancha. Eram como cidades autônomas, e sem poder centralizador, facilitaram sobremanera a tarefa dos Renos Cristaos, que reconquistaram Toledo em 1085, com a tomada  do rei Alfonso VI. Realizaremos ainda muitos posts sobre Toledo, porque existem vários lugares de interesse por conhecer…

Real Monastério de Guadalupe – Parte 2

O interior do Real Monasterio de Santa Maria de Guadalupe está composto por numerosos lugares de interesse, entre os quais merecem destacar o claustro, a igreja e a hospedaria, e cada um deles será o tema de um post exclusivo. Hoje, conheceremos o claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConhecido como Claustro dos Milagres, foi construído no final do séc. XIV, no estilo mudéjar, em torno do qual se estabeleceram os dormitórios, refeitório e outras dependências monásticas. O centro do espaço está ocupado por um admirável templete mudéjar, edificado como estrutura decorativa em 1405 pelo frade Juan de Sevilla e único em seu estilo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO claustro está formado por dois níveis de arcos, onde observamos a influência da arquitetura mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA visao que se contempla do monastério em sua grandiosidade e beleza é magnífica, desde os limites do claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm suas paredes estao expostos quadros referentes aos milagres atribuídos à Virgem de Guadalupe e ao achado da imagem pelo pastor Gil de Cordero.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVemos também quadros que homenageiam a celebridades religiosas que visitaram o monastério, como o Papa Joao Paulo II, que esteve no local em 1982.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre os sepulcros situados no claustro, cabe mencionar o do frade Gonzalo de Llecas, Bispo de Córdoba, e que foi prior do monastério. O sepulcro foi construído entre 1458 e 1460 pelo escultor Egas Cueman.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANuma das esquinas do claustro encontramos um belíssimo lavatorium, que eram utilizados pelos monges antes de entrarem no refeitório.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA riqueza artística do claustro se vê refletida nos mínimos detalhes, como nesta magnífica porta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo à entrada do monastério, existe outro claustro, mais modesto e de dimensoes reduzidas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA