Villarejo de Salvanés – Comunidade de Madrid

No post anterior vimos a importância que a Ordem de Santiago teve na história da região sudeste da Comunidade de Madrid, sendo que algumas fortificações que pertenceram à ordem ainda podemos observar na paisagem da zona, como o Castelo de Fuentidueña de Tajo. Próximo à cidade tive o privilégio de visitar um lugar de beleza insólita, formada por um açude construído no Rio Tajo, ao lado de um antigo monastério do século XVII que também foi uma propriedade que pertenceu à Ordem de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConhecido como Açude de Buena Mesón, esta incrível obra de engenharia realizada durante a época de Carlos I e Felipe II (século XVI) reflete a maestria dos engenheiros alemães e flamencos que a realizaram.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído em forma de “V”, seu objetivo inicial foi o aperfeiçoamento dos antigos açudes construídos pelos árabes, represando o Rio Tajo e oferecendo o desenvolvimento de atividades econômicas. Atualmente o açude compõem um magnífico cenário visual situado junto à vegetação de ribeira que podemos encontrar na Comarca de las Vegas, como se conhece esta região da Comunidade de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERALocalizada a apenas 12 km de Fuentidueña del Tajo, o município de Villarejo de Salvanés possui muitas semelhanças com o povoado vizinho, pois também pertenceu à Ordem de Santiago. Prova disso é seu curioso castelo, melhor conservado que o de Fuentidueña del Tajo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA De seu formato original, se conserva em bom estado a Torre de Homenagem, que integrou uma fortaleza muito maior edificada no século XIV. Nela viveu o Comendador Maior da Ordem de Santiago. Esta torre constitui um caso único na história da arquitetura militar da Espanha, devido às 8 pequenas torres que se encontram adossadas à estrutura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo foi construído a partir de uma antiga atalaia muçulmana, e foi reformado no século XV, quando adquiriu o curioso aspecto que possui atualmente. Fortaleza fundamental no controle militar da Ordem de Santiago, chegou a ser a sede do Tribunal Especial das Ordens Militares. Estava rodeado por um fosso e possuía, ao menos, 3 torres mais. Abaixo, vemos um plano arquitetônico do antigo castelo, realizado segundo as investigaçoes arqueológicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado do Castelo de Villarejo de Salvanés, encontra-se a Igreja Paroquial de San Andrés Apóstol, construída no século XIV. Foi totalmente restaurada nos anos 80 do século XX, depois dos graves prejuízos que sofreu devido a Guerra Civil Espanhola e pelos efeitos causados por um terremoto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo vemos os poderosos contrafortes de seu ábside….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro monumento de interesse histórico do povoado, a denominada Casa de la Tercia foi construída pela Ordem de Santiago no século XV. Atualmente sedia o Museu Etnográfico, que enfatiza a tradição agrícola do povoado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Plaza de Toros de Villarejo de Salvanés é considerada um caso excepcional, pois foi construída pelos próprios moradores da cidade em 1965. Cada habitante aportou algo para a construção, como mão de obra, materiais construtivos, etc. Hoje em dia, os festejos taurinos constituem uma data especial da cidade, quando os touros percorrem as ruas do município até entrarem na praça.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Fuentidueña del Tajo – C.Madrid

A Comunidade de Madrid possui muitos outros tesouros a serem descobertos, além dos inumeráveis existentes na capital. Por exemplo, a cerca de 60 km de Madrid localiza-se o povoado de Fuentidueña del Tajo. Com aproximadamente 2 mil habitantes, encontra-se bastante próximo à Província de Toledo, já na Comunidade de Castilla La-Mancha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABoa parte da zona sudeste da Comunidade de Madrid, onde se situa o pueblo, pertenceu, em épocas passadas, à Ordem de Santiago, uma das 4 ordens militares autóctonas da Espanha (as outra são as ordens de Calatrava, Alcántara e Montesa). Esta ordem religiosa e militar nasceu no século XII no antigo Reino de León com o objetivo inicial de proteger os peregrinos que realizavam o Caminho de Santiago. Dentro do Processo de Reconquista, exerceu um papel fundamental na reocupação das terras dominadas pelos muçulmanos. Uma das maiores atraçoes de Fuentidueña del Tajo é seu castelo, que foi propriedade da ordem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASituado num cerro que se eleva sobre a cidade, dele podemos admirar todo o povoado, como vemos na primeira foto da matéria. Também conhecido como Castelo de Santiago, infelizmente encontra-se num estado ruinoso. A Torre de Homenagem é sua parte melhor conservada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua história inicialmente está vinculada a uma fortificação muçulmana, construída para deter o avance dos cristãos. A fortaleza foi conquistada pelo Rei Alfonso VI entre os séculos XI e XII, momento em que foi construído um novo castelo, que foi utilizado como residência de personagens relevantes da época. Nele viveu a Rainha Urraca I, esposa do monarca Alfonso I de Aragón, a quem os habitantes do povoado chamam de sua “Dueña”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XV, o castelo passou a ser propriedade da Ordem de Santiago e foi utilizado como cárcere. Durante a Guerra da Independência contra os franceses no início do século XIX, a fortaleza foi severamente castigada e seus materiais construtivos foram utilizados para a construção de outros edifícios. Os restos conservados datam do século XIV, quando o castelo foi ampliado dois séculos depois de sua fundação. Sua importância se reflete em seu aparecimento no escudo da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Rio Tajo atravessa os limites do povoado, e aos pés do castelo se encontra uma fonte que originalmente foi construída em tempos da Rainha Urraca, cujo apelido “Dueña” completa a origem da denominaçao do povoado, Fuentidueña del Tajo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próxima ao castelo vemos a Igreja de San Andrés Apóstol, construída no século XVII no estilo barroco sobre uma antiga capela erguida no século XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi dedicada ao Apóstolo André, que se tornou o santo padroeiro da vila. Em sua fachada destacam a torre quadrada e suas três colunas toscanas

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO povoado é também conhecido pela Torre do Relógio, situada ao lado do Ayuntamiento, o edifício sede da prefeitura do município. Sua máquina de funcionamento é uma das mais antigas de toda a Comunidade de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando estive na cidade, seus habitantes tinham acabado de celebrar as festividades em honra a sua padroeira, Nossa Senhora de Alharilla, cuja imagem decora a torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATanto a torre quanto o Ayuntamiento situam-se na Plaza de la Constitución, a mais importante do povoado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFuentidueña del Tajo possui uma singela Plaza de Toros, chamada “La Ribereña“, onde se realizam espetáculos taurinos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Os Pueblos mais Belos de Espanha: Parte 5

Espanha possui mais de 8 mil pueblos, sendo que muitos deles poderiam constar de minha lista pessoal dos mais bonitos do país. Na matéria de hoje, visitaremos várias comunidades, em busca de alguns de seus povoados mais encantadores. A Comunidade Valenciana situa-se na região leste do país, e na Província de Castellón tive a oportunidade de conhecer dois belíssimos pueblos. Peníscola (matéria publicada em 6/9/2012) integra muitas das listas dos povoados mais belos de Espanha

DSC00707DSC00733Situado na costa do mediterrâneo, numa península rochosa, Peníscola é um povoado com muita história, e serviu de residência ao Papa Luna. Já Morella é outro pueblo de grande beleza, situado no interior da Província de Castellón

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMorella conserva sua muralha e castelo medievais, e foi declarada Conjunto Histórico-Artístico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo outro lado do país, fronteira com Portugal, localiza-se a Comunidade de Extremadura. Na Província de Cáceres situa-se um pueblo maravilhoso, Guadalupe (8, 9 e 11/6/2014), famoso pelo Monastério de Santa María (12 a 15/6/2014), santuário de devoção à popular Virgem de Guadalupe, que foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

DSC08795OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro do país, a Comunidade de Madrid destaca-se por acolher a capital da Espanha, e também pela existência de vários pueblos belos e interessantes. Buitrago del Lozoya, por exemplo, está situado ao norte, em plena Serra de Guadarrama, e conserva boa parte de seu aspecto medieval.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPróximo à capital, Colmenar de Oreja (14 e 15/3/2015) possui uma belíssima Praça Mayor

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos povoados mais bonitos de toda a comunidade, Chinchón (9/4/2012 e 18/8/2014) foi cenário de vários filmes, pela beleza e conservação de seu centro histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa igreja principal do povoado podemos contemplar pinturas de Goya

OLYMPUS DIGITAL CAMERAChinchón também possui uma pitoresca Praça Mayor, de formato circular e palco de corrida de touros. Cercada por vários restaurantes famosos, o povoado recebe muitos turistas nos finais de semana, vindos de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Torrejón de Velasco: Comunidade de Madrid

Na Idade Média, as cidades da Espanha possuíam três níveis de jurisdição, dependendo a quem estavam submetidas. Em primeiro lugar, as Cidades de Realengo, submetidas apenas ao poder real (Madrid, por exemplo). As Cidades Eclesiásticas estavam sob jurisdição da igreja, como Toledo. E finalmente, as denominadas Cidades Senhoriais, pertencentes à nobreza. Um exemplo desta última categoria é a cidade de Torrejón de Velasco, situada a apenas 30 km de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA origem deste povoado eminentemente agrícola (produção de batatas, cebola e azeitonas) se remonta a Idade Média, quando em 1332 o Rei Alfonso XI de Castela entregou estas terras a Sebastian Domingo, Conde de Puñonrostro. Em seguida, passou a ser propriedade de Don Gonzalo Ruiz de Toledo, Senhor de Orgaz, cujo falecimento seria imortalizado pela grande obra de El Greco (O Enterro do Conde de Orgaz). Este entregaria o local como parte dos bens para o casamento de uma de suas filhas com Lope de Velasco. Abaixo, vemos a praça principal do povoado (pueblo, em espanhol) e a prefeitura do município.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA importância histórica e senhorial da vila pode ser comprovada  pelo seu castelo, apesar de encontrar-se em ruínas. Situa-se no final do povoado, como a maioria das fortalezas medievais. A fortaleza foi construída no século XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua planta forma um retângulo de 37 x 21m, com noves torres semicilíndricas, destacando a grande Torre de Homenagem. Com 20m de altura, foi erguida durante umas reformas realizadas no castelo em 1460.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO castelo pertenceu ao Conde de Puñonrostro e acolheu a personagens ilustres, como o Rei Carlos V e Francisco I, Rei da França. Depois, tornou-se prisão para personagens famosos e em 1775 se instalou no pátio uma fábrica de sabonete.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a Guerra de Independência, foi ocupado pelas tropas francesas, que devastaram o interior do castelo. A partir deste momento, a fortaleza entrou num processo de destruição que culminou no estado ruinoso que vemos atualmente. Em 1998, foi realizada uma intervenção que consistiu na colocação de concreto em algumas partes para impedir que desabasse.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATorrejón de Velasco possui um belo templo dedicado a San Esteban, considerado o primeiro mártir da fé católica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAParece que a igreja foi construída em torno ao ano 1400, e foi declarada Bem de Interesse Cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma pena que nao pude visitar a igreja, pois estava fechada. Quando estive na cidade, observei várias manifestações favoráveis aos refugiados, que buscam uma oportunidade de vida no solo europeu…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

El Molar – Comunidade de Madrid

A oferta gastronômica de Madrid é excepcional, e na capital espanhola se pode comer muito bem por um preço bastante razoável. Porém, nos finais de semana muitos de seus habitantes buscam alternativas para comer em locais um pouco afastados das rotas tradicionais situadas no centro histórico de Madrid e nos seus bairros. Uma das opções mais apreciadas atualmente é a cidade de El Molar, a cerca de 40 km da capital.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEl Molar tornou-se conhecida graças às suas cuevas (covas, em português), muitas das quais se originaram na Idade Média ou no período muçulmano. No município existem centenas delas, e várias se transformaram em bodegas de vinho, que elaboram produtos de alta qualidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitas outras cuevas se converteram em restaurantes, onde podemos provar pratos típicos da culinária castelhana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs diversos tipos de carne oferecidos, como cordeiro, assados, carne de vaca e porco, constituem os principais pratos do cardápio, mas é possível saborear pescado, comida japonesa, etc…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO ambiente rústico das cuevas e sua peculiar decoração tornam a experiência gastronômica ainda mais saborosa…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das mais famosas é a Cueva del Lobo

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA localização destas cuevas, no alto dos cerros da cidade, proporcionam belas vistas do entorno…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Parque Regional del Sureste

A última reserva natural criada para proteger as águas do Rio Manzanares, o Parque Regional del Sureste (Sudeste, em português) foi inaugurado em 1994.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASituado na zona sudeste da Comunidade de Madrid, o que explica seu nome, esta reserva possui mais de 31 mil hectares, protegendo o curso médio e baixo nao só do Manzanares, como também do Rio Jarama, curso fluvial onde desemboca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO meio natural onde se localiza está altamente humanizado, pois seu entorno está cercado por 16 municípios que compõem a zona metropolitana de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADo ponto de vista geográfico, predominam os cerros e as planícies onde se cultivam cereais e olivas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Parque possui vários assentamentos arqueológicos e paleontológicos, demostrando que a zona onde se localiza foi ocupada a milhares de anos atrás.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANumerosas espécies de animais habitam o parque, com destaque para os mamíferos como o gato montês, o javali, a lebre e a raposa. Cerca de 120 espécies de aves podem ser vistas, que encontram alimento na vegetação ribeirinha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Parque Regional del Sureste possui uma enorme importância ambiental, devido à interação entre os ecossistemas e as atividades humanas realizadas ao longo do tempo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEste parque é um dos mais desconhecidos da Comunidade de Madrid. Tive a oportunidade de visitá-lo como parte do curso de história sobre Madrid que realizei, junto com o grupo de alunos. Então, a rica vegetação do parque desbordava em todo seu esplendor, como podemos ver nas imagens.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra de suas atrações constituem as várias zonas úmidas existentes, como a Lagoa del Campillo, criada artificialmente para a extração de areia, matéria prima utilizada na construção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste parque natural é perfeito para as caminhadas e o passeio em bicicleta, existindo várias trilhas que podem ser percorridas.

Rio Manzanares – Madrid

As cidades cortadas por cursos fluviais sempre exerceram um certo fascínio para mim, pois acredito que propiciam uma paisagem urbana diferente das demais cidades, que não possuem o privilégio de ter um rio que atravesse seu perímetro. Madrid é uma destas cidades “abençoadas”pela natureza, e o Rio Manzanares é o grande protagonista desta dádiva natural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir de hoje iniciaremos uma matéria sobre o Manzanares, sua importância histórica e também sobre o curioso sistema de abastecimento de água de Madrid ao longo dos séculos. O Rio Manzanares está intrínsecamente relacionado com a história da cidade. Nasce da neve derretida no alto da Serra de Guadarrama, o maciço montanhoso que atravessa o norte da Comunidade de Madrid, a 2265m de altitude.

dsc04631Inicialmente um pequeno arroio, o Manzanares desce a serra por um território que foi declarado Reserva Natural, o Parque Nacional da Serra de Guadarrama.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO local denominado “La Pedriza” é um dos mais belos recantos do parque. O pequeno rio é alimentado por outros arroios até chegar à cidade de Manzanares El Real, povoado que na Idade Média foi um senhorio feudal, e que inspirou o nome atual do rio. Abaixo, vemos o Castelo de Manzanares El Real, uma impressionante fortaleza gótica construída no século XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentro do limite urbano desta cidade, o Rio Manzanares desemboca na Represa de Santillana, que vemos abaixo, junto com uma parte da fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois, o Rio Manzanares aumenta o seu volume de água proveniente de outros cursos fluviais. Ao entrar em Madrid, o rio está canalizado e termina o seu percurso no sul da Comunidade de Madrid, “entregando” suas águas no Rio Jarama, um afluente do Rio Tajo, o mais extenso do país. Ao atravessar a fronteira portuguesa, o Rio Tajo muda de nome, e passa a ser chamado de Tejo, desembocando no Oceano Atlântico, em Lisboa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntigamente o Rio Manzanares era conhecido pelo nome de Guadarrama, que no idioma árabe significa “Rio de Arreial”. O seu fundo arenoso e o baixo fluxo de água do rio (principalmente no verão) foram fatores que limitaram sua utilização para a navegação, exceção feita às pequenas embarcações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAProjetos para torná-lo navegável foram realizados, principalmente depois de 1580, quando Portugal foi incorporado à Monarquia Espanhola, durante o reinado de Felipe II. O faraônico projeto tinha como objetivo a construção de um canal que chegasse à Toledo e, depois pelo rio Tajo, até Lisboa. No entanto, problemas técnicos derivados do escasso nível de água e de seu elevadíssimo custo tornaram o projeto inviável, e não foi construído.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA escassa importância geográfica do Rio Manzanares, cujo percurso atravessa de forma exclusiva a Comunidade de Madrid, e seu pequeno fluxo de água, fez com que fosse ridicularizado por poetas e escritores espanhóis, principalmente os do denominado Siglo de Oro (Século de Ouro da Cultura Espanhola, referente aos séculos XVI e XVII). Um dos mais conhecidos literatos da época, Francisco de Quevedo, referiu-se ao Manzanares como “Aprendiz de Rio”. Pobre Manzanares…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor outro lado, foi também inspiração para pintores, como Goya, por exemplo, que realizou vários quadros em que aparece retratado, principalmente associado às festas que se realizam em suas margens, como as Romerias dedicadas ao Santo Padroeiro de Madrid, San Isidro. Do ponto de vista arqueológico, o Rio Manzanares possui uma importância fundamental, pois em suas margens foram encontrados restos da presença do homem pré-histórico desde o Paleolítico. Nos depósitos do Museu das Origens de Madrid (normalmente uma parte dos museus não aberta à visitação pública) podemos admirar muitos dos achados arqueológicos descobertos na beira do rio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAInúmeros restos encontrados permitem conhecer os animais que antigamente habitavam suas margens, como esta mandíbula de Mastodonte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ribeira do Rio Manzanares foi habitada, antes da presença romana na região, pelos povos denominados Carpetanos, e sao abundantes atualmente as zonas arqueológicas e cavernas onde se desenvolvem trabalhos de investigação. Estes povos foram conquistados pelos romanos, assimilando sua cultura. Hoje em dia, é uma maravilha passear pela beira do Rio Manzanares em seu trajeto por Madrid, pois foi transformada numa zona de ócio onde podemos contemplar os inúmeros monumentos, construções e pontes que o atravessam. Uma de suas construções mais emblemáticas é o Estádio Vicente Calderón, pertencente ao Atlético de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído entre 1961 e 1966, seu nome é uma homenagem a um antigo presidente do clube, mas é também conhecido como “Estádio del Manzanares“. O estádio foi vítima de uma “enfermidade” construtiva, denominada “Aluminosis“, ocasionada pela utilizaçao de materiais de baixa qualidade, apesar da avançada tecnologia assegurada pelo fabricante. Como consequência, foram realizadas várias e intermináveis reformas em sua estrutura. Na realidade, seus dias estão contados, e esta é a última temporada em que o Atlético de Madrid disputará seus jogos neste lendário estádio, pois a partir do próximo ano se procederá à inauguração de seu novo campo de futebol. Finalizamos este post, com uma foto do Vicente Calderón em construção…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA